11.22.63

18 de fevereiro de 2016 Por:

O canal Hulu estreou esta semana a minissérie 11.22.63, baseada em um livro de Stephen King cujo título remete à data do assassinato de JFK. A produção está nas mãos do polêmico JJ Abrams, e o elenco tem nomes como o de James Franco, Chris Cooper e Sarah Gadon.

A obra de Stephen King é frequentemente adaptada para o cinema e para a TV, sempre rendendo clássicos – para o bem ou para o mal. Fosse eu menino King, não deixaria ninguém mexer nas minhas histórias depois do que fizeram com Under the Dome, mas como menino King não sou, está aí 11.22.63 e seu piloto delicioso e extremamente ágil, mesmo com quase uma hora e meia de duração.

jake

Jake Epping (Franco) é um professor que descobre dentro da lanchonete de um amigo (Al, interpretado por Chris Cooper) um portal do tempo que o leva sempre de volta da data atual para 21 de outubro de 1960 naquele mesmo lugar, Lisbon no… Maine (sempre no Maine). Não importa quanto tempo ele passe no passado, toda vez que retorna ao presente, só se passaram dois minutos nos dias atuais. O conceito parece confuso, mas a série consegue deixar tudo bem explicado sem muitos rodeios.

Com a ajuda de Al, Jake volta no tempo com a missão de mudar a história da América. Nesse ponto eu senti um leve desânimo, porque não me parece crível que alguém vá perder a sua vida (os anos só passam para ele, não para o resto do mundo) por algo tão abstrato. Por mais clichê que seja a ideia, tenho a impressão que seria mais verdadeiro vê-lo tentando mudar algo na sua própria história que na de um país inteiro.

Apesar disso, a direção acertada de Kevin Macdonald e a interpretação leve de Franco conseguiram transformar a missão megalomaníaca de Jake em uma viagem bastante intimista e de fácil identificação. Por mais que seu objetivo fosse evitar o assassinato de um presidente e, consequentemente, uma guerra, o que a série mostra é um professor recém-divorciado e frustrado por não conseguir fazer muito pelos seus alunos, tentando fazer algo grande em outra vida. Existe certa ironia escondida nos detalhes que mostra o lado bom e o lado desprezível daquele passado, e até mesmo uma autocrítica quando, em um diálogo, os personagens concluem que o livro é sempre melhor.

1960

A princípio tudo parece fácil no retorno aos anos 60 – ele tem dinheiro, informações privilegiadas que o fazem ganhar todas as apostas que quiser, documentos falsos e um guia completo do que fazer, já que Al passou por tudo aquilo antes dele. A questão é que Jake não é exatamente um herói, então comete alguns exageros, tem certa dificuldade em ser discreto e se mete em situações que claramente não vão terminar bem.

O passado faz de tudo para não ser mudado, mas será que ele já não foi? Quase todas as obras que falam de viagens no tempo mostram que as coisas aconteceram daquela forma por causa da interferência do “elemento estranho”, e não apesar ela. Na tentativa de evitar uma desgraça, é muito provável que Jake se torne o responsável por ela.

Ver um estrangeiro do tempo assistindo a discursos históricos, usando tecnologia para confundir seus desafetos, se deliciando com comidas da era pré-fast food (a um custo irrisório) e presenciando todos os preconceitos de raça e gênero do século passado deu ao piloto uma atmosfera lúdica que fez com que o tempo também passasse rápido para quem assistia. A regra de que anos no passado não são mais que dois minutos para o presente parece ter se aplicado a nós também.

O mais interessante, no entanto, foi deixado para o final. É quando Jake desvia de seu caminho de volta para o Maine e tenta evitar uma tragédia relatada por um de seus alunos da turma de adultos. O desenrolar desse plot especificamente deve acabar com algumas dúvidas sobre o passado poder ser mudado ou não na série.

11.22.63.pilot

Se 11.22.63 vai sustentar o que apresentou neste primeiro episódio é difícil dizer (meu palpite pessoal é que não vai), mas The Rabbit Hole é um piloto memorável e que vale muito a pena conferir! Já assistiu? Deixe seu comentário!

Jornalistatriz, viajante, feminista e apaixonada por séries, pole dance e musicais.

Rio de Janeiro / RJ

Série Favorita: Homeland

Não assiste de jeito nenhum: Two and a Half Men

  • Victor Fonseca

    ja que a serie terminou,voltei aqui pra perguntar o que vc achou?kk eu gostei pra crl,nao foi totalmente fiel ao livro mas fizeram algo bem feito

    • Laís Rangel

      Victor, eu acabei não acompanhando, mas já baixei tudo e vou fazer maratona nesse feriadão hehe depois volto pra te responder 😉

      • Victor Fonseca

        olha só..ta explicado pq não vi mais review por aqui dos outros epi u.u poxa,eu fiquei esperando seus review sabia kkkkk mas tudo bem,o importante é que vc vai assistir e espero que goste 🙂

Desafio: você se lembra de quem foi essa declaração de amor?

2 semanas atráscomentarios

Ah, o dia dos namorados. Aquele momento do ano para espalhar aos quatro cantos nosso sentimento por aquela pessoa especial, que faz o coração acelerar e as palmas da mão suarem. Aquela pessoa por quem você faria qualquer coisa, até mesmo deixar a vergonha – ou o medo – de lado para professar seu amor. Nas séries, existem muitos personagens  que não esperam data especial nenhuma para declarar seu amor, seja num momento de desespero, num pedido de casamento ou só para reforçar aquilo que o parceiro já sabe e Tom Jobim cantava aos quatro ventos: é impossível ser feliz sozinho. Você também acredita nisso e se derrete toda vez que sabe que chegou a hora de surtar, porque vai ter […]

Leia o post completo

Guia da Trilha Sonora: Scream – Season 1

2 semanas atráscomentarios

Entre os poucos pontos positivos que posso destacar em Scream, a trilha sonora fica em primeiríssimo lugar (talvez porque seja da MTV). Misturando canções atuais, dançantes e tristes, que fazem parte da vida dos jovens de Lakewood, a série soube utilizá-las para compor a história e os personagens. Assim, nada melhor do que ouvir as músicas da primeira temporada, agora disponível em uma playlist na nossa conta do Spotify!

Leia o post completo

House of Cards e a Política Brasileira

3 semanas atráscomentarios

Primeiramente, #foratemer. E se você ainda não conferiu a última temporada de House of Cards, não se preocupe, esse texto não contém spoilers, – apenas reflexões. Pra gostar de House of Cards você precisa torcer pelos Underwood. Claro, a gente sabe o quanto eles são escrotos, mas é ficção, certo? Não tem problema torcer pelos vilões. Ou pelo menos era o que pensávamos em 2013, quando a série estreou. Mas de lá pra cá a política mundial virou de ponta à cabeça. Os Estados Unidos elegeram Trump e nós tivemos Temer enfiado goela abaixo. Isso sem contar os acontecimentos dignos da ficção, como a morte de Teori Zavascki, a delação do Joesley e os testes nucleares da Coréia do Norte. […]

Leia o post completo

Siga as nossas redes sociais e fique sempre conectado:

Assine nossa newsletter