20 anos de Buffy: um clássico girl power como poucos

11 de março de 2017 Por:

Quem passou pelos anos 90, com certeza vai se lembrar da série Buffy, The Vampire Slayer. E claro, do Angel (David Boreanaz), mas isso é um caso à parte. Numa década que não estava tão em alta o assunto feminismo e empoderamento feminino como nos dias de hoje, Buffy foi um avanço para a época. Tudo bem que, nos anos 90, as girls bands dominavam as paradas de música e da mídia, mas ver uma personagem de TV adolescente determinada, sem mimimi e avessa aos dramalhões de romance à la Malhação, era algo totalmente novo.

Para quem não assistiu – aproveita que as sete temporadas completas estão na Netflix – a série contava a história de Buffy Summers (Sarah Michelle Gellar), uma típica adolescente norte-americana, senão fosse o fato dela ser a escolhida da sua geração para ser uma caçadora de vampiros. Se Buffy se resumisse apenas a isso, já seria uma série boa para se assistir e ter de referência naquelas conversas intermináveis sobre roteiros, episódios, atores e tudo mais que todo Apaixonado por Séries adora. Mas não resistiria tão intacta em nossas mentes – principalmente depois de uma maratona em tempos atuais, quando procuramos séries que, no mínimo, saiam do lugar comum.

Os mais novos que forem a assistir a série podem achar over. Realmente, os efeitos especiais eram bem precários e tinham algumas cenas, digamos, um pouco clichês e até toscas – era a estética da época e também o que condizia com a série. Mas a essência da história e a mensagem passada em cada episódio, em metáforas, merecem ser destacadas. Ao lidar com vampiros, demônios e salvar muita gente, Buffy lidava também com os problemas tradicionais da adolescência, como o carinha que parece um príncipe encantado, mas não é, ou a arrogância da garota mais popular – e metida – do colégio. Quem não se identifica com esse tipo de situação?

Além disso tudo, Buffy desmistificou a imagem da loira protagonista indefesa. A série é girl power total. Por trás do jeito meigo e aparentemente superficial, Buffy matava qualquer vampiro e demônio sem cerimônia nenhuma. Já a sua melhor amiga, a Willow Rosenberg (Alyson Hannigan) era nerd, fera na computação – uma área até então dominada por homens – e se descobre lésbica e bruxa. Pode parecer supernatural abordar esses temas em séries – e é mesmo -, mas estamos falando de uma obra que se passou no século passado, em 1997. Há 20 anos, Buffy já pautava racismo, bullying, sexualidade, dilemas sociais e feminismo. Algo totalmente inovador, principalmente na questão do feminismo, já que na telinha tínhamos poucas referências femininas reais, que não fossem estereotipadas e, mais importante, que fossem realmente empoderadas e pudessem servir de exemplo para as jovens da época.

Bateu saudade? Que tal aproveitar o vigésimo aniversário de estreia de Buffy para começar uma maratona hoje mesmo? Quando o assunto é aumentar o número de séries assistidas ou rever aquela obra que tem um sabor especial, nós somos sempre a favor! E falando em aumentar a watchlist, você pode aproveitar para assistir a Angel também, que é o spin off de Buffy, e torcer para que os boatos de um possível revival sejam verdadeiros e que nós possamos ver Sarah Michelle Gellar salvando o mundo mais uma vez.

Post com a colaboração de Renata Vivan

Jornalista, carioca na Terra da Garoa, apaixonada pela vida e por doces diet. ❤

São Paulo/SP

Série Favorita: Prison Break

Não assiste de jeito nenhum: Friends

  • Depois do especial que escrevi pro dia 8 e dessa linda homenagem tô me sentindo animada, e na obrigação, de rever a série toda. Foi a primeira que assisti e até hoje tem um espaço no meu coração <3

    • Bia Libonati

      Sim! A primeira série que assisti. Marcou, né? Escrever sobre Buffy me fez voltar no tempo. <3

O que você precisa saber de Jessica Jones antes de Defensores

5 dias atráscomentarios

A primeira série da Marvel protagonizada por uma mulher começa quando os pais de Hope Shottman (Erin Moriarty) pedem a ajuda de Jessica Jones (Krysten Ritter) para investigar o paradeiro da filha, e ela então descobre que o sequestrador da moça é ninguém mais ninguém menos que Killgrave (David Tennant): aquele que a traumatizou através de um relacionamento abusivo. A moça não é então a típica heroína a qual estamos acostumados, e algumas vezes até chegamos a duvidar se podemos chama-la assim. Por ter um passado marcado pelo abuso sua personalidade se torna um tanto ácida e sombria, além de deixar para a personagem um descontrole no consumo de álcool e a ideia de que desistir é a melhor saída, e […]

Leia o post completo

O que você precisa saber de Demolidor antes de Defensores

6 dias atráscomentarios

Com o sucesso do universo cinematográfico desenvolvido pela Marvel nos cinemas, um dos personagens mais interessantes e queridos dos fãs de quadrinhos foi ansiosamente aguardado para voltar a fazer parte do mesmo mundo. Homem-Aranha? Não, na verdade Demolidor. Após a Fox deixar os direitos de uso do personagem retornar para a casa das ideias, Marvel e Netflix fecharam uma parceria para desenvolver diversas séries de heróis. Demolidor abre essa parceria com maestria, trazendo uma série obscura, e violenta, diferente do que o personagem já viveu nas telas até então (abraço Ben Affleck!) Charlie Cox (Broadwalk Empire), dá vida a Matt Murdock, sofrido e realista. A série apresenta ele como advogado com o escritório associado em Hell’s Kitchen, e em seguida suas […]

Leia o post completo

Com pais como estes, hoje é um dia para esquecer

1 semana atráscomentarios

Existe um ditado que diz que a vida imita a arte (ou vice-versa) e isso sempre se mostra realidade quando comparamos as séries que assistimos à vida real. Claro que ainda não descobrimos um universo paralelo, uma cabine telefônica que nos transporte por aí ou que alienígenas têm planos de conquistar a Terra, mas muitas vezes a realidade é espelhada nos roteiros das histórias que mais amamos. House of Cards está aí para comprovar essa teoria, se compararmos os acontecimentos aos fatos que vemos nos noticiários todos os dias. Com os pais não poderia ser diferente. Existem pais que assumem o papel integral da criação da criança, pais que são os melhores amigos dos filhos, filhos que têm dois pais, pais de […]

Leia o post completo

Siga as nossas redes sociais e fique sempre conectado:

Assine nossa newsletter