5 Motivos para assistir Shooter na Netflix!

20 de abril de 2017 Por:

Uma daquelas séries pouco conhecidas do grande público, Shooter estreou na Netflix recentemente e merece destaque. Baseado no livro de Stephen Hunter, Point of Impact, que também inspirou, em 2007, um filme estrelado por Mark Wahlberg (atual produtor da série) Shooter é um drama político com muitas cenas de ação.

Bob Lee Swagger (Ryan Phillippe) é um atirador de elite reformado que é persuadido a voltar em ação depois de ser informado de um plano para matar o presidente americano. Aparentemente, o enredo parece mais uma das propagandas de orgulho norte-americano com direito a armas e patriotismo, mas vai além disso, e consegue te prender do início ao fim.

A primeira temporada contém dez episódios, e se você ainda não assistiu, corre lá! Tá em dúvida se vale a pena acompanhar? Aqui, vão cinco motivos (sem spoilers) para te convencer que Shooter vale a pena cada minuto!

1) O clichê que deu certo

A série em muitos momentos é típico um filme Duro de Matar, com herói invencível, que sempre tem a sacada perfeita para cada situação. Mas, apesar de você perceber que muita coisa é pura viagem e que jamais aconteceria daquele jeito na vida real (como em quase todas as séries), as cenas de ação são bem produzidas e não deixam a desejar em qualidade dos efeitos especiais e atuação do elenco. Além disso, como toda série política, Shooter tem muitas cenas de perseguição policial, investigações como em Homeland, e claro, épicas trocas de tiro (veja número 4).

2) Reviravoltas e desfechos surpreendentes

Já logo no primeiro episódio da série a sequência de fatos é sensacional. A história é contada de forma bem encadeada, rápida e explicativa, o que me fez lembrar bastante a primeira temporada de Prison Break. Muitas cenas fogem do óbvio e esse é o ponto alto da série: acontecimentos que você pensa que sairiam de um jeito, mas te surpreendem com um desfecho totalmente imprevisível. Além disso, a história não enrola e se ficou algum mistério no ar, logo ele é explicado e outros surgem. E assim você vai assistindo um episódio atrás do outro. Viciante!

3) Família perfeita

Shantel VanSanten e Ryan Phillippe deram química total ao casal Julie e Bob Lee Swagger. Os dois representam um casal que como qualquer outro tem suas dificuldades, mas acima de tudo possuem uma união e cumplicidade muito fortes. O que eu achei mais interessante é a forma não romantizada que a Julie olha para o marido, enxergando-o como um homem que possui suas contradições, defeitos e qualidades. Apesar de Bob Lee ser bem protetor, ele também confia muito na força dela, que por sua vez, não é a figura de uma mulher frágil e indecisa, e sim ela mesma, sem heroísmos ou vitimismos, sem forçar aquele papel que a mulher tem de ser boa em tudo. A filha do casal, Mary, interpretada pela pequena de apenas oito anos Lexy Kolker, é uma fofura a parte! Super esperta, tem diálogo aberto com os pais e dá um show de atuação (melhor que muitos atores em Malhação). Família fofa, real, que foge aos esterótipos de filmes americanos.  Ponto positivo!

4) Cenas épicas de tiros à la Counter Strike


Se você é um daqueles gamers que adora atirar como sniper em jogos como Counter Strike, essa série foi feita para você. Apesar do nome ser muito genérico – Shooter = Atirador – o enredo foca muito em detalhes sobre diversos tipos de armamentos usados em longa distância. Bob Lee é um ex-fuzileiro naval, exímio atirador de elite, considerado um dos melhores do país. No decorrer da série, muitas cenas de tiro são mostradas, que incluem questões técnicas e curiosidades sobre as armas. O mais interessante que descobri depois é que, realmente, todos os atores participaram de aulas com atiradores, incluindo incursão na selva e tiros de longa distância. Poderia rolar um making off com isso aí, né Netflix? 😉

5) Teorias da conspiração e relações internacionais

Como toda série política, teorias da conspiração fazem parte do enredo. Após 2001, os Estados Unidos nunca mais foram os mesmos e isso reflete até hoje em todos os produtos culturais que abordam questões políticas e governamentais. Shooter mostra tensões diplomáticas entre ucranianos e russos, com a participação dos Estados Unidos intensificando as relações, é claro. A investigação de todo emaranhado do jogo político fica a cargo de uma agente do FBI, Nadine Memphis (Cynthia Addai-Robinson), e é completamente instigante! Você vai querer ver o próximo episódio, o próximo, e o próximo…

Shooter foi renovada para segunda temporada que deve estrear ainda este ano. E você, já assistiu a série? Deixe seu comentário e até a próxima!

Jornalista, carioca na Terra da Garoa, apaixonada pela vida e por doces diet. ❤

São Paulo/SP

Série Favorita: Prison Break

Não assiste de jeito nenhum: Friends

  • Paulo Adriano Rocha

    Foi uma série que curti demais. As atuações são brilhantes. Os desfechos são bem escritos. Gostei demais. Só espero que não siga a história do Bob pra segunda temporada, porque acho que a família já sofreu suficiente pro resto da vida.
    Mas a primeira temporada foi top!

Músicas que conhecemos através das séries

5 dias atráscomentarios

Uma das melhores coisas que as séries podem nos proporcionar são suas incríveis músicas. Algumas dessas músicas já conhecemos, mas não dávamos tanto valor até ouvir de novo; outras ouvimos pela primeira vez e nos apaixonamos logo de cara. É tão bom assistir um episódio, ir procurar no Youtube e depois baixar no computador ou no celular aquela canção que fez parte da abertura, de um beijo esperado do casal, dos minutos finais… Enfim, de muitos momentos expressivos que precisavam de um toque ou uma letra no fundo. Então, vem comigo embarcar nesse post de sentimentalismo e ouvir as músicas que eu tive a oportunidade de conhecer pelas séries. Bad Reputation Freaks and Geeks tem toda aquela inspiração de ser jovem e livre, […]

Leia o post completo

CCXP Tour – Dia #3 – 15/04 Diário de Bordo (ou Aquele do Painel da Netflix)

1 semana atráscomentarios

Quem conhece um pouco de CCXP, sabe que a primeira regra de qualquer Apaixonado por Séries é: Dia de Netflix é dia de acordar junto com o sol, pegar uber ou metrô, uma fila imensa, passas horas em pé… Tudo pra curtir aquelas horinhas já reservadas ao painel daquele que já é o “canal” favorito de provavelmente 8 entre 10 fãs de seriados. E, é claro, eu não ia deixar o ritual falhar. Mesmo tendo ido dormir tarde (pós meia-noite), 5h da madrugada estava de pé e cheguei ao Centro de Convenções de Pernambuco entre 6h30 e 7h. Problemas de falha de comunicação aqui e ali (algo que acontece muito em dias como esse), consegui entrar no auditório Twitch mais […]

Leia o post completo

Easter Eggs: a origem das mensagens secretas nas séries

1 semana atráscomentarios

O coelhinho já te visitou hoje? Então, enquanto você se delicia com chocolates, te convido para ler a história dos famosos Easter Eggs (ovos de Páscoa, na tradução) – que não têm nada a ver com cacau. É assim que chamamos as mensagens que roteiristas escondem nas séries, em referência a elementos da cultura pop ou da própria narrativa. O apelido Easter Eggs deve-se à tradicional caça aos ovos e à surpresa que geralmente há dentro deles. A Páscoa não costuma ser representada na TV, igual a outras datas festivas – como Natal, Réveillon, Halloween e Thanksgiving -, mas a homenagem está aí. Por ora, esqueça tudo que você já aprendeu sobre a origem da Páscoa. No mundo geek, essa história começa com o vídeo game Atari 2600, em 1979. O criador da linha Adventure, Warren Robinett, cansado de […]

Leia o post completo

Siga as nossas redes sociais e fique sempre conectado:

Assine nossa newsletter