Aftermath – 1×09 The Barbarous King

28 de novembro de 2016 Por:

Após um episódio cheio de revelações, Aftermath decide diminuir seu ritmo, nos apresentando um dos episódios com a menor movimentação da trama principal. Mas, apesar disso, algumas cartas foram colocadas em jogo, podendo mudar completamente o destino dos personagens.

James Tupper - Aftermath

Após todos os acontecimentos na montanha, era fácil criar expectativas por mais explicações sobre os seres sobrenaturais. Entretanto, foi nos apresentado uma pausa nesse lado da história para sermos apresentados ao lado pessoal de cada personagem. Até o momento, a família Copeland enfrentou um perigo após o outro, mas todos precisam de um descanso. O acampamento, mesmo sendo perigoso em geral, acabou sendo uma boa oportunidade para todos. Depois de tantos episódio buscando que caminho seguir, era importante saberem em que caminho eles próprios estavam. Não era hora de enfrentar o perigo de fora, mas sim o perigo de dentro.

Karen nunca se recuperou após a morte da irmã. A morte das presidiárias não apenas confirmou isso, como também se tornou um aviso em sua mente. Ela se descontrolou uma vez, nada impede que o mesmo aconteça novamente. Ela é uma mãe que ama os filhos e uma esposa que ama o marido. Mesmo sendo forte, ninguém nunca está preparado para matar outra pessoa. Quando isso acontece, algo dentro de quem matou também morre junto. Ela foi destruída com a morte da irmã, mas ela mesmo terminou isso quando se descontrolou. E, mesmo sem rumos, sua família continuou sendo sua força. Era por eles que ela sempre lutou e sempre será. Ela morreu, mas foi graças a eles que ela viveu novamente. Sua preocupação extrema com os filhos foi a prova de que, não importa a situação, ela sempre poderá continuar por eles.

O relacionamento com o pai, no entanto, é mais complicado do que se imaginava. A espera por sua aparição era grande, mas é de consenso que ele não representou nada do que esperávamos. Ele não era um idoso sem esperanças, ele era muito mais do que isso. Gerenciar um acampamento daquele tamanho não é fácil, e isso mostra o quão habilidoso ele é. Mesmo sendo abandonada, fica claro que Karen herdou a personalidade dele. A diferença é que, mesmo em situações difíceis, a família nunca fica para trás. E, mesmo vindo depois, Joshua se tornou o coração da família Copeland. Tentar se livrar dele não foi apenas um tiro no pé, mas sim a perda de qualquer chance de reconciliação. Desde o começo Karen sabia que ele não tinha mudado, mas como os outros saberiam? A traição dele não serviu apenas para alertá-los, mas sim para tirar um grande fardo da garota. Foi graças a isso que ela se renovou novamente, sabendo que agora pode deixar toda essa realidade para trás. Ela não precisa mais de sua antiga família, pois agora ela tem a sua própria.

É interessante ver como o relacionamento do casal está sendo explorado. Desde o começo eles não pareciam ter tanta afinidade como é esperado, mas os últimos episódios fizeram questão de contrariar isso. Eles são os pilares que unem a família, mas só funcionam se estiverem juntos. Joshua fez tudo para voltar e alertar a esposa, mas ela também não desistiu de procurá-lo. No apocalipse, as pessoas tendem a mudar drasticamente. Esse evento desperta um instinto sombrio em cada pessoa, mas existem aqueles que conseguem evitar que isso aconteça. Karen e Joshua conseguem superar tudo pelo amor que sentem um pelo outro e pela própria família. Quem diria que, mesmo com tantos desastres, um simples sentimento humano seria a chave para a salvação? Eles não lutam apenas por se importarem um com o outro, mas sim por amarem um ao outro. É o amor que fortifica essa família e é por ele que eles lutam a cada dia.

James Tupper e Anne Heche - Aftermath

Dana, por sua vez, ainda está tentando descobrir quem ela é de verdade. Quando Brianna desapareceu, foi sua conexão com a irmã que a ajudou a encontrá-la. E, mesmo tentando impedir, foi novamente essa conexão que mudou completamente a história. Bri sempre foi a mais popular das gêmeas, sendo Dana a mais inteligente. Mas, mesmo sendo tão esperta, ela também queria a popularidade que a irmã tinha. No entanto, seu único erro foi não perceber que nada mais disso importa. O mundo está acabando, mas o que realmente importa é com quem você escolhe passar seus últimos dias. Ela não está junto com a família apenas por segurança, mas sim porque eles foram sua escolha. Eles são seu porto seguro e nenhum sentimento negativo pode mudar isso.

Já Bri está se mostrando cada vez mais relevante. Mesmo sendo a menos inteligente, ela é a única que entende a irmã. Após a morte de Devyn, somente ela sabia confortar Dana quando Martin morreu. E, na vida, são esses pequenos gestos que realmente importam. Dana queria amigos, mas foi sua família que ficou ao seu lado em seu pior momento. A preocupação de Brianna não foi egoísmo, mas sim amor. Isso pode ser algo difícil de entender em algumas situações, mas algum dia tudo começa a fazer sentido. Ela podia achar que a irmã a estava impedindo de ser feliz, mas a verdade é que ela só estava tentando garantir que essa felicidade acontecesse.

Ainda, não podemos nos esquecer de Matt que, depois de tantos episódios, finalmente começou a ter alguma evolução. É sabido que ele é o único que pode assumir o cargo de líder na família. Seu avô sabia disso e tentou se aproveitar da situação, mas os laços familiares sempre são mais fortes. É Matt quem estará ao lado deles quando tudo desabar. Karen e Joshua podem não conseguir chegar até o final, mas eles já deixaram um legado para a família. E, falando na família Copeland, fica cada vez mais evidente o quão importante eles são. Dana com suas visões, Brianna com seu título de “matadora de hospedeiros” e, para completar, Joshua começa a ganhar sua própria importância. Ainda não é possível saber o que seu pai – ou sua mente – quis dizer de verdade, mas fica claro que isso será essencial para a conclusão da história.

Levi Meaden - Aftermath

No geral, Aftermath continua apresentando episódios satisfatórios para seu nível. A temporada já está quase terminando, mas ainda faltam muitas coisas para se resolver. Até o momento não recebemos notícias de uma renovação, mas as chances disso acontecer diminuem mais a cada episódio. Resta saber se conseguirão fechar a história ou se, como tantas outras, terminará com diversas pontas soltas.

Observações:

Acampamentos nunca são o que parecem. Parece regra em todas as séries e filmes.

Levi Meaden, até o momento, é meu ator preferido na série. É um dos poucos que conseguem interpretar o personagem de forma satisfatória.

Por um momento achei que iria rolar crossover com Sons of Anarchy.

Coitada da Dana, é engraçado ver como a mente pode nos enganar.

Espero que o Joshua não morra. Acho que ele será essencial para a continuação da trama.

Já peço desculpas pelo atraso da review, mas essa foi semana de provas finais.

 


E você? O que achou do episódio? Não se esqueça de deixar sua opinião e continuar acompanhando as reviews aqui, no Apaixonados por Séries.

Futuro diretor de cinema e showrunner, escritor nas horas vagas e viciado em vídeos de unboxing. Um geek que acredita que tudo pode ser resolvido com uma boa...

Ler perfil completo

Santa Branca/SP

Série Favorita: Game of Thrones

Não assiste de jeito nenhum: Revenge

Desafio: você se lembra de quem foi essa declaração de amor?

2 semanas atráscomentarios

Ah, o dia dos namorados. Aquele momento do ano para espalhar aos quatro cantos nosso sentimento por aquela pessoa especial, que faz o coração acelerar e as palmas da mão suarem. Aquela pessoa por quem você faria qualquer coisa, até mesmo deixar a vergonha – ou o medo – de lado para professar seu amor. Nas séries, existem muitos personagens  que não esperam data especial nenhuma para declarar seu amor, seja num momento de desespero, num pedido de casamento ou só para reforçar aquilo que o parceiro já sabe e Tom Jobim cantava aos quatro ventos: é impossível ser feliz sozinho. Você também acredita nisso e se derrete toda vez que sabe que chegou a hora de surtar, porque vai ter […]

Leia o post completo

Guia da Trilha Sonora: Scream – Season 1

2 semanas atráscomentarios

Entre os poucos pontos positivos que posso destacar em Scream, a trilha sonora fica em primeiríssimo lugar (talvez porque seja da MTV). Misturando canções atuais, dançantes e tristes, que fazem parte da vida dos jovens de Lakewood, a série soube utilizá-las para compor a história e os personagens. Assim, nada melhor do que ouvir as músicas da primeira temporada, agora disponível em uma playlist na nossa conta do Spotify!

Leia o post completo

House of Cards e a Política Brasileira

3 semanas atráscomentarios

Primeiramente, #foratemer. E se você ainda não conferiu a última temporada de House of Cards, não se preocupe, esse texto não contém spoilers, – apenas reflexões. Pra gostar de House of Cards você precisa torcer pelos Underwood. Claro, a gente sabe o quanto eles são escrotos, mas é ficção, certo? Não tem problema torcer pelos vilões. Ou pelo menos era o que pensávamos em 2013, quando a série estreou. Mas de lá pra cá a política mundial virou de ponta à cabeça. Os Estados Unidos elegeram Trump e nós tivemos Temer enfiado goela abaixo. Isso sem contar os acontecimentos dignos da ficção, como a morte de Teori Zavascki, a delação do Joesley e os testes nucleares da Coréia do Norte. […]

Leia o post completo

Siga as nossas redes sociais e fique sempre conectado:

Assine nossa newsletter