Aftermath – 1×10 Hieronymo’s Mad Againe

8 de dezembro de 2016 Por:

Depois de tantos episódios parados, finalmente Aftermath nos conseguiu apresentar um pouco de ação. E, caminhando já para o fim de sua temporada, a história também parece retratar o fim iminente da humanidade.

Levi Meaden - Aftermath

Dando continuidade aos eventos passados, seguimos a família Copeland na luta pela vida de Joshua. Ele, por sua vez, está perdendo sua sanidade a cada minuto que passa. O que vemos ao final do episódio já não é mais o pai daquela família, mas sim outra coisa; outro alguém. Claro, é difícil acreditar que o mesmo irá morrer, mas ainda é possível temer por essa possibilidade. Ainda, é importante notar que a doença não foi totalmente ruim. Se analisarmos o contexto, ele era o mais inteligente, mas nunca soube perceber os sinais. Nos últimos episódios, ele conseguiu entender algumas coisas graças ao rádio, mas e se não dependesse dele? Como vimos em sua visita na faculdade, ele também sabe do futuro, apenas não consegue enxergar. Essa doença parece aumentar seus sentidos consideravelmente, o que pode ser de grande ajuda nesse momento. “The One is Many”, mas será que iremos descobrir o que isso significa?

Claro, mesmo tentando ver o lado bom da doença, é nítido que Karen está sofrendo muito com isso. Ela fez o certo ao recusar o remédio do pai, mas será que a situação teria sido diferente se ela aceitasse? Joshua poderia estar melhor e eles não precisariam ir até aquele local, mas será que a possibilidade de estar envenenado não poderia piorar sua situação? Ainda, foi graças a essa doença que os horizontes de sua mente se expandiram. Mesmo assim, é fácil perceber que Karen não irá desistir tão fácil. O problema é que talvez seja tarde demais. Não apenas para o resto do mundo, mas também para eles. Apesar de ser inteligente, Joshua sempre foi o mais fraco do grupo e, graças a isso, conseqüentemente o mais vulnerável. Ele era o único que poderia trazer momentos interessantes para a história ao contrair a doença. Resta saber se veremos mais de seu conhecimento ou se, como está parecendo, veremos seu provável fim.

Até o momento, Matt parece ser o único capaz de assumir o lugar do pai. Descobrir o significado do horário parece ser a melhor decisão a ser tomada. Todos eles sabem que o apocalipse te mata aos poucos. Karen perdeu a irmã, será que não percebeu que todos estão propensos a morrer? Por estarem viajando constantemente, sua família estava mais exposta do que outros grupos. Mas, analisando o episódio, é importante notar o crescimento de Matt como personagem. Será que isso foi apenas coincidência? Apesar de ser um ótimo personagem, o roteiro nunca se preocupou com sua evolução na série. Então, vendo esses motivos, por que esse crescimento repentino vem acontecendo? Até mesmo seus diálogos se tornaram mais extensos, passando uma sensação estranha a princípio. Será que Joshua realmente irá morrer e, de uma forma ou outra, passará o manto de chefe da família para o filho?

Anne Heche e Julia Sarah Stone - Aftermath

Já o relacionamento das irmãs finalmente se acertou. Foi incômodo ver a reação de Brianna, sendo que a mesma só está viva graças a irmã. Dana errou dizendo tudo aquilo, mas isso não apaga todas as besteiras que Bri vez durante a vida. Desde os episódios iniciais, Dana era a única que acreditava que a irmã estava viva. No episódio passado, apenas ela conseguiu reconhecer a verdadeira Brianna e, antes disso, ela foi a única a compartilhar a mesma dor de perda. Depois de tudo isso, foi satisfatório ver que tudo irá voltar ao normal. Mesmo com tantas brigas, quando chega ao final do dia, elas ainda querem estar juntas. Os laços de irmandade, mesmo que neguem, são fortes demais para serem ignorados. Uma depende da outra e isso não irá mudar tão logo. Claro, seria interessante se a relação delas com Matt fosse trabalhada tão intensamente como a das duas, mas parece que ele terá sua própria evolução sozinho.

E, após apresentar episódios mais fracos, a série finalmente conseguiu empolgar com o “perigo da semana”. A fotografia continua ótima e o confronto com a enfermeira foi bem trabalhado. É bom ver que, mesmo em sua reta final, a série ainda busca se redimir pelos episódios iniciais. É interessante notar como as pessoas reagem de diferentes formas ao enfrentar o apocalipse. Ele em si já deveria propagar a união, mas as pessoas tendem a se separar cada vez mais. Antes do fim do mundo, cada um está enfrentando seus próprios demônios e pagando pelos seus próprios erros. Antes do fim do mundo, cada um está enfrentando seus maiores medos e mostrando toda a sua coragem. Antes do fim do mundo, cada um está mostrando quem é de verdade. Nós não conhecemos as pessoas em um dia normal, mas sim quando ela precisa provar a si mesmo. O mundo irá acabar, mas a verdade prevalecerá.

Aftermath - 1ª Temporada

No geral, Aftermath tem tudo para apresentar um final satisfatório. É bem difícil imaginar a série sendo renovada para um segundo ano, mas é bom perceber que a mesma tem consciência desse fato. Agora, resta saber o que será da família Copeland. Será que eles conseguirão salvar Joshua? Será que eles continuarão a seguir as aves ou irão para outro destino? Será que eles conseguirão escapar do fim do mundo ou morrerão em união? Ainda não é possível saber nada disso, mas já é possível imaginar que, seja qual for o final escolhido, nós iremos nos surpreender.

Observações:

Estava na cara que a Enfermeira não era confiável. Me revolto por não terem percebido isso.

Ainda não entendi o motivo dos corpos esticados, mas isso não é surpresa comparando a tudo que já nos foi mostrado.

O filme “A Casa de Cera” teve bastante influência nesse episódio.

Faço parte do pequeno grupo de pessoas que sentem medo em algumas cenas da série.

Quem era aquele cara que tentou atacar a Karen e as meninas? Ficou bem avulso na trama.

Me surpreendo cada vez mais com os efeitos especiais dessa série.

Sim, a review atrasou. Podem me perdoar?

 


E você? O que achou do episódio? Não se esqueça de deixar sua opinião e continuar acompanhando as reviews aqui, no Apaixonados por Séries.

Futuro diretor de cinema e showrunner, escritor nas horas vagas e viciado em vídeos de unboxing. Um geek que acredita que tudo pode ser resolvido com uma boa...

Ler perfil completo

Santa Branca/SP

Série Favorita: Game of Thrones

Não assiste de jeito nenhum: Revenge

Desafio: você se lembra de quem foi essa declaração de amor?

2 semanas atráscomentarios

Ah, o dia dos namorados. Aquele momento do ano para espalhar aos quatro cantos nosso sentimento por aquela pessoa especial, que faz o coração acelerar e as palmas da mão suarem. Aquela pessoa por quem você faria qualquer coisa, até mesmo deixar a vergonha – ou o medo – de lado para professar seu amor. Nas séries, existem muitos personagens  que não esperam data especial nenhuma para declarar seu amor, seja num momento de desespero, num pedido de casamento ou só para reforçar aquilo que o parceiro já sabe e Tom Jobim cantava aos quatro ventos: é impossível ser feliz sozinho. Você também acredita nisso e se derrete toda vez que sabe que chegou a hora de surtar, porque vai ter […]

Leia o post completo

Guia da Trilha Sonora: Scream – Season 1

2 semanas atráscomentarios

Entre os poucos pontos positivos que posso destacar em Scream, a trilha sonora fica em primeiríssimo lugar (talvez porque seja da MTV). Misturando canções atuais, dançantes e tristes, que fazem parte da vida dos jovens de Lakewood, a série soube utilizá-las para compor a história e os personagens. Assim, nada melhor do que ouvir as músicas da primeira temporada, agora disponível em uma playlist na nossa conta do Spotify!

Leia o post completo

House of Cards e a Política Brasileira

3 semanas atráscomentarios

Primeiramente, #foratemer. E se você ainda não conferiu a última temporada de House of Cards, não se preocupe, esse texto não contém spoilers, – apenas reflexões. Pra gostar de House of Cards você precisa torcer pelos Underwood. Claro, a gente sabe o quanto eles são escrotos, mas é ficção, certo? Não tem problema torcer pelos vilões. Ou pelo menos era o que pensávamos em 2013, quando a série estreou. Mas de lá pra cá a política mundial virou de ponta à cabeça. Os Estados Unidos elegeram Trump e nós tivemos Temer enfiado goela abaixo. Isso sem contar os acontecimentos dignos da ficção, como a morte de Teori Zavascki, a delação do Joesley e os testes nucleares da Coréia do Norte. […]

Leia o post completo

Siga as nossas redes sociais e fique sempre conectado:

Assine nossa newsletter