Aftermath – 1×11 Where The Dead Men Lost Their Bones

11 de dezembro de 2016 Por:

Insatisfatório. Essa é uma das poucas palavras capazes de descrever esse episódio de Aftermath. Quebrando completamente o ritmo dos episódios anteriores, a série acabou perdendo a chance de explicar melhor sua trama, optando por nos mostrar outros acontecimentos estranhos e nos apresentar a personagens inseridos sem nenhum motivo aparente.

Murry Peeters e Iain Belcher - Aftermath

Dando continuidade aos eventos passados, assistimos a família Copeland tentando salvar a vida de Joshua. É estranho ver como o potencial do personagem foi completamente mal aproveitado. Desde o começo, ele sempre se mostrou alguém inteligente, mas nunca teve a chance de botar todo o conhecimento em prática. No decorrer da trama, percebemos que ele tinha certa importância na história, o que acabou nos deixando ansiosos pela continuação. O problema é que, todo o caminho que os personagens percorreram para chegarem a isso foi, no mínimo, estranho. Afinal, o que é aquele buraco sugando as pessoas? Por que Seattle foi a cidade escolhida? Por que as pessoas começaram a voltar? Todas essas perguntas poderiam ter sido respondidas, como era o que pensávamos no começo do episódio, mas o roteiro acabou seguindo outro caminho. Depois de passarem por tudo isso, tudo que o conhecimento de Joshua revelou foi que Bob Black sabe como sobreviver. Era necessário criar uma trama específica para algo que já estava explícito desde o início? Não seria melhor trabalhar a história com os cartões ou com a enigmática frase? Claro, isso pode acabar ocorrendo futuramente, mas é de consenso que essa mudança foi uma grande quebra de expectativas.

Karen, mesmo não conseguindo suportar mais nada, ainda foi a pessoa que mais lutou pela família. Ela perdeu tudo, só sobraram eles. Quem é Karen Copeland sem a família Copeland? Nem a mesma sabe, então talvez esse seja o motivo que a faz seguir em frente. Sem a família, ela simplesmente não existe. Seu desespero não apenas nos mostrou novamente todo seu amor pelo marido, como também nos lembrou de quão destruída ela está. Foi rápido, mas quase vimos a história do acampamento se repetindo novamente. Aquelas presidiárias acabaram morrendo por se envolverem em sua vida, mas isso ainda continua atormentando ela. Mesmo sabendo que foi legítima defesa, uma morte é sempre uma morte. No apocalipse, todos dizem que é matar ou morrer, então como todos conseguiram continuar vivos? Mesmo no fim do mundo, nunca é tarde para perdoar. Deixar aqueles adolescentes viverem não foi somente um favor para eles, mas para si mesma. Depois de tudo que houve, a morte deles poderia destruir Karen completamente.

Claro, é possível ver o quanto Dana foi importante para que isso acontecesse. Mesmo enfrentando vários perigos, ela sempre consegue ver o melhor nas pessoas. E, nesse momento, isso talvez tenha sido essencial. Ao contrário da irmã, ela ainda tem motivos para continuar. Ela sempre tentou ajudar as pessoas, e agora isso se tornou sua maior força. Sem as habilidades e o conhecimento dela, talvez tudo pudesse ter sido diferente. Mesmo assim, é importante notar que o perdão nem sempre prevalecerá. Como já vimos anteriormente, Dana já precisou usar violência física para se proteger. O importante é saber quando é o momento certo para isso. Dependendo da situação, nós podemos salvar uma vida ou acabar desperdiçando várias. Esse talvez seja seu maior dom: saber.

Crystal Balint - Aftermath

Brianna, por sua vez, está se mostrando mais imatura do que nunca. É triste ver toda sua evolução nos episódios iniciais sendo esquecida. Quanto mais tempo ela fica com a família, mais fraca ela fica. O que deveria lhe dar forças está, na verdade, enfraquecendo-a. Nesse momento, Dana acaba se mostrando superior em vários aspectos. Ainda não é possível dizer, mas talvez Bri se torne uma das personagens mais injustiçadas das séries. Ela tem potencial, mas o roteiro parece ignorar isso cada vez mais. Ainda, sua relação com a irmã causa cada vez mais estranhamento. Em uma época em que a união é essencial, ela parece estar fazendo de tudo para que haja desentendimentos. Será que Dev era a única pessoa que conseguia mantê-la firme? Dana já está aprendendo a seguir em frente, agora só o que resta é Brianna parar de sofrer por si mesma e continuar lutando por sua família.

Já a evolução de Matt continua, mas ainda causa estranhamento. É bom ver o roteiro tentando colocá-lo em tramas melhores, mas é triste ver a forma que isso é feito. Sarah não apenas ficou avulsa, como também se mostrou completamente desnecessária. A personagem não tinha motivação e sua história de redenção foi tão mal escrita, que nem os próprios personagens se importaram. No momento, o único propósito que ela possa ter é ser o par romântico de Matt, que é o único personagem que ainda não foi inserido nesse contexto. O problema é que, algo que poderia ter sido bom para o personagem anteriormente, talvez seja exatamente o oposto agora. Já estamos na reta final e muitas coisas ainda precisam ser resolvidas. Esse talvez não tenha sido o melhor momento para a personagem ter sido colocada. Só nos resta torcer para que tudo dê certo para eles, já que as outras garotas não tiveram a mesma sorte.

Levi Meaden - Aftermath

No geral, ainda não resta muita esperança para Aftermath. O ritmo dos episódios estava satisfatório, mas esse acabou causando uma sensação contrária. Só nos resta torcer para que os próximos consigam valer por esse. Só restam dois episódios para o final da temporada, mas ainda não temos notícias de uma possível renovação. Mesmo parecendo difícil, um segundo ano pode acabar sendo tudo que a série precise para se firmar melhor. Ainda é difícil dizer, mas dificilmente o final desse primeiro ano conseguirá fechar todas as pontas soltas.

Observações:

Fiquei muito feliz quando a repórter apareceu. Pena que já foi embora novamente.

Mais alguém percebeu que o médico era, na verdade, um médico veterinário?

Coitado do Matt. Já enfrentou tantos problemas, não merecia se apaixonar logo agora.

Claro, não é certeza de que isso irá acontecer, mas tudo indica que sim.

Ame alguém como a Karen ama o Joshua.

Me recuso a comentar sobre os efeitos especiais. A qualidade caiu consideravelmente.

Levi Meaden continua sendo o melhor ator da série.

 


E você? O que achou do episódio? Não se esqueça de deixar sua opinião e continuar acompanhando as reviews aqui, no Apaixonados por Séries.

Futuro diretor de cinema e showrunner, escritor nas horas vagas e viciado em vídeos de unboxing. Um geek que acredita que tudo pode ser resolvido com uma boa...

Ler perfil completo

Santa Branca/SP

Série Favorita: Game of Thrones

Não assiste de jeito nenhum: Revenge

Girlboss: guia do que NÃO fazer na vida adulta

2 semanas atráscomentarios

Teve gente que gostou de Girlboss, teve gente que achou a série fraca. Mas em uma coisa todo mundo certamente concorda: Sophia é um dos piores seres humanos que já vimos como protagonista de uma série. E com ela a gente pode aprender muito sobre o que não fazer para ser uma pessoa melhor. 5. Não roubar Em GirlBoss, uma das primeiras coisas que descobrimos sobre Sophia é que ela acha normal roubar. Não, ela não rouba porque precisa, porque quer ajudar alguém, ou se quer por uma questão de princípios contra uma sociedade capitalista. Sophia rouba porque se sente superior e simplesmente não respeita os outros, – muito menos suas propriedades. 4. Não ser egoísta com a melhor amiga […]

Leia o post completo

Desafio: você se lembra de quem foi essa declaração de amor?

2 semanas atráscomentarios

Ah, o dia dos namorados. Aquele momento do ano para espalhar aos quatro cantos nosso sentimento por aquela pessoa especial, que faz o coração acelerar e as palmas da mão suarem. Aquela pessoa por quem você faria qualquer coisa, até mesmo deixar a vergonha – ou o medo – de lado para professar seu amor. Nas séries, existem muitos personagens  que não esperam data especial nenhuma para declarar seu amor, seja num momento de desespero, num pedido de casamento ou só para reforçar aquilo que o parceiro já sabe e Tom Jobim cantava aos quatro ventos: é impossível ser feliz sozinho. Você também acredita nisso e se derrete toda vez que sabe que chegou a hora de surtar, porque vai ter […]

Leia o post completo

Guia da Trilha Sonora: Scream – Season 1

3 semanas atráscomentarios

Entre os poucos pontos positivos que posso destacar em Scream, a trilha sonora fica em primeiríssimo lugar (talvez porque seja da MTV). Misturando canções atuais, dançantes e tristes, que fazem parte da vida dos jovens de Lakewood, a série soube utilizá-las para compor a história e os personagens. Assim, nada melhor do que ouvir as músicas da primeira temporada, agora disponível em uma playlist na nossa conta do Spotify!

Leia o post completo

Siga as nossas redes sociais e fique sempre conectado:

Assine nossa newsletter