Agent Carter – 2×08 The Edge of Mistery/2×09 A Little Song and Dance

5 de março de 2016 Por:

Com um segundo ano bastante controverso, Agent Carter escreve o caminho final da sua temporada – alinhando as suas tramas e deixando sempre um grande nível de tensão no ar. Antes de comentarmos o episódio em si, vale um esclarecimento: devido a baixas de equipe, as reviews da série acabaram se atrasando. Como poucos estavam acompanhando, este que vos escreve teve de que dar uma corrida com os episódios atrasados para repor essas últimas resenhas.

E a negligência da ABC com a série vem sendo um dos maiores incômodos até aqui. Além de alterar muito dos rumos criativos até então tomados – ainda não entendo o excesso de romance em uma série que tinha tudo para ser só sobre o empoderamento feminino em meio a uma sociedade preconceituosa e machista -, a decisão do canal de exibir episódios em duplas para acelerar o encerramento do ano em nada ajudou. Os episódios não foram planejados inicialmente para isso, mostrando que a emissora só não está satisfeita com os números de audiência e quer liberar o horário na grade o mais rápido possível. Uma pena. Depois de um primeiro ano bem executado, Agent Carter poderia sim ter se firmado na programação, mas parece que caminha diretamente para um cancelamento prematuro.

Enfim, vamos aos episódios.

2×08 – The Edge of Mistery

carter-208-jarvis

Dando continuidade aos feitos de Whitney Frost em “Monsters“, o que vimos aqui foi a desconstrução da imagem de perfeição em cima de Jarvis. Um dos personagens mais interessantes, sem dúvidas, o parceiro de Carter foi ao fundo do poço com a possibilidade de perder sua esposa – principalmente por saber que ela não aprovava plenamente suas “missões secretas”. A cena em que faz uma série de promessas é uma das mais marcantes, quebrando um pouco da máscara cômica que ele tanto veste e ganhando profundidade para um dor sem tamanho que estava sentindo. Dor esta que acaba sendo o grande motivador das atitudes impensadas que Jarvis toma mais a frente no episódio. Tomado pela vingança, ele não aceitou nada bem a possibilidade de Frost acabar mais uma vez ilesa – só que a gente sabe também que dar tiros em alguém que tá tomado por Matéria Zero, é mesma coisa que nada. Fato é que os atos impensados acabam colocando o motorista e Carter em uma situação bem desfavorável, agora usados como barganha para a nova condição do Dr. Wilkes.

Wilkes que ganha nosso troféu Falsiane do ano. Brincadeiras a parte, a confusão acabou tomando conta da cabeça do cientista, fazendo das propostas de Frost um tanto mais atrativas do que as possibilidades que Carter lhe oferecia. Se um dia a Matéria Zero fora um objeto de estudo, agora pode ser muito mais na vida dele. Seu envolvimento parece ser grande e ainda misterioso. Sabemos que ela reage de maneira diferente em cada hospedeiro, mas todo o lance de ouvir vozes e sair flutuando acabou sendo bem assustadoramente alienígena. Bacana que, na posição atual, o jogo se inverte completamente, já que agora Frost não pode se colocar como a detentora do poder ou a pessoa que controla a substância ainda tão desconhecida. Também não sabemos de que maneira o canhão construído por Samberly – sério, quem chamou esse cara – afetou tanto a Matéria Zero, como o próprio Wilkes, pontos que eu espero que sejam explorados no episódio sequente.

Thompson também deu o ar da sua graça, só para nos lembrar que passou na fila da escrotidão mais de uma vez. Ao se aliar com Vernon, ele acabou vendendo a alma mais do que esperava, num caminho muito difícil de percorrer de volta. Mesmo tentando, tudo que conseguiu foi perder sua memória recente (tô precisando daquele aparelho emprestado para aplicar numas pessoas, sei lá), tendo que se redimir ao se unir a missão de resgate do urânio nas coordenadas aleatórias que ouviu na conversa. Diante de tudo isso, vimos que o papel de Carter frente aos fatos foi mínimo. Não fosse a decisão de Sousa em poupar a vida da colega, poderíamos dizer que ela passou desapercebido, o que é bastante lamentável para uma personagem tão “poderosa”. Bom, seguimos com a maratona aqui – vou dar play no próximo episódio.

 

2×09 – A Little Song to Dance

O que tá acontecendo nessa série?

carter-209-musical

Se você faz parte do grupo seleto de pessoas que entendeu aquele musical completamente sem propósito no começo do episódio (tá, serviu pelo menos para a gente ver a Angie de novo), por favor se manifeste! Será mesmo que o roteiro não tinha outra maneira de representar a possível confusão de Carter após ter sido abatida por Frost? Olha, foi pesado começar o episódio assim. Pelo menos seu curso mudou e acabou que o saldo foi bem positivo ao final dos 40 minutos, muito pela interação quase que perfeita entre Carter e Jarvis.

Depois dos fatos do episódio anterior, era de se esperar que os dois ficassem estremecidos. Apesar das voltas que dá na lei, Carter sempre preza pela justiça acima de qualquer coisa, fazendo do ato de Jarvis (atirar a queima-roupa em Frost) algo bastante condenável. E tempo para lavar a roupa suja foi o que eles mais tiveram. O momento em que compartilham alguns sentimentos em meio ao calor desértico lidera como melhor parte do episódio, um misto de ressentimento, arrependimento e emoções contidas. A verdade é que toda a série é baseada na cumplicidade desses personagens e, mesmo com a ajuda de Sousa ou Thompson, Carter só pode contar mesmo com o motorista de Stark sempre que precisa – bem bacana a mulher de Jarvis pedindo para ele ir de encontro a Carter, mesmo sabendo que isso poderia significar a vida do marido em jogo.

Parece que o jogo virou para Vernon, não é mesmo? Depois de tentar matar Sousa e Thompson, ele acabou voltando para o “lado certo” da disputa, só para acabar tendo um fim nas mãos de Frost. Ficou bem confuso de entender quem estava jogando com quem ali e, nesse ponto, parabenizamos o roteiro por nos deixar com a dúvida até o momento crucial do episódio. Querendo acabar com o problema Jack opta pela saída mais fácil – matar todos os envolvidos -, enquanto Carter prefere que Wilkes, talvez a maior vítima dessa bagunça, permaneça respirando. Só que quando o episódio termina, não temos a menor noção do que poderá acontecer: Thompson tem o gatilho da bomba em suas mãos e Wilkes está completamente descontrolado com a Matéria Zero que tomou seu corpo. Como será o desfecho de toda essa complicação?


Seguimos por aqui e esperamos a sua companhia. Mais tarde, a review da season finale será liberada. Te vejo por lá – mas não deixa de me contar o que achou desses dois episódios que prepararam o terreno para a derrocada final!

Caiçara, viciado em cultura pop e uns papo bobo. No mundo das séries, vai do fútil ao complicado, passando por comédias com risada de fundo e dramas heroicos...

Ler perfil completo

Santos - SP

Série Favorita: Arrow

Não assiste de jeito nenhum: The Walking Dead

Girlboss: guia do que NÃO fazer na vida adulta

2 semanas atráscomentarios

Teve gente que gostou de Girlboss, teve gente que achou a série fraca. Mas em uma coisa todo mundo certamente concorda: Sophia é um dos piores seres humanos que já vimos como protagonista de uma série. E com ela a gente pode aprender muito sobre o que não fazer para ser uma pessoa melhor. 5. Não roubar Em GirlBoss, uma das primeiras coisas que descobrimos sobre Sophia é que ela acha normal roubar. Não, ela não rouba porque precisa, porque quer ajudar alguém, ou se quer por uma questão de princípios contra uma sociedade capitalista. Sophia rouba porque se sente superior e simplesmente não respeita os outros, – muito menos suas propriedades. 4. Não ser egoísta com a melhor amiga […]

Leia o post completo

Desafio: você se lembra de quem foi essa declaração de amor?

2 semanas atráscomentarios

Ah, o dia dos namorados. Aquele momento do ano para espalhar aos quatro cantos nosso sentimento por aquela pessoa especial, que faz o coração acelerar e as palmas da mão suarem. Aquela pessoa por quem você faria qualquer coisa, até mesmo deixar a vergonha – ou o medo – de lado para professar seu amor. Nas séries, existem muitos personagens  que não esperam data especial nenhuma para declarar seu amor, seja num momento de desespero, num pedido de casamento ou só para reforçar aquilo que o parceiro já sabe e Tom Jobim cantava aos quatro ventos: é impossível ser feliz sozinho. Você também acredita nisso e se derrete toda vez que sabe que chegou a hora de surtar, porque vai ter […]

Leia o post completo

Guia da Trilha Sonora: Scream – Season 1

3 semanas atráscomentarios

Entre os poucos pontos positivos que posso destacar em Scream, a trilha sonora fica em primeiríssimo lugar (talvez porque seja da MTV). Misturando canções atuais, dançantes e tristes, que fazem parte da vida dos jovens de Lakewood, a série soube utilizá-las para compor a história e os personagens. Assim, nada melhor do que ouvir as músicas da primeira temporada, agora disponível em uma playlist na nossa conta do Spotify!

Leia o post completo

Siga as nossas redes sociais e fique sempre conectado:

Assine nossa newsletter