Algumas coisas nunca mudam: As Melhores Famílias dos Anos 2000 – I

9 de dezembro de 2009 Por:

A maioria das família que conhecemos no início desse século já nos disse adeus, mas duas sobreviventes continuam no ar. Vamos relembrar as melhores e mais importantes famílias?

Mas, se você ainda não viu as famílias dos anos 80 e dos anos 90, passa lá pra dar uma olhada.

Gilmore ( Gilmore Girls, 2000)

À primeira vista, quem pouco conhece Gilmore Girls, pode pensar que a família de Lorelai seja apenas Rory e vice-versa. Mas, pra quem é mesmo fã da série, com certeza é impossível não imaginar a família Gilmore completa: Lorelai, Rory, Emily e Richard.

Eles podem não morar juntos, mas toda sexta-feira tem jantar marcado na mansão dos Gilmore. E o que é a quantidade diante da qualidade? Ou melhor, da intensidade! Os jantares de sexta-feira, como ficaram conhecidos, são provavelmente as refeições mais intensas que já se viu! Não há uma noite em que não role pelo menos um pequeno stress entre algum dos presentes… E quem esquece do memorável Friday night’s alright for fighting (6×13), em que os quatro discutem absolutamente todos os temas mais espinhudos, da gravidez precoce de Lorelai até a recente estadia de Rory com os avós?

Mas, apesar de todas as brigas, e talvez justamente por elas, poucas famílias se gostam e se parecem tanto quanto os Gilmore. Richard e Lorelai compartilham a mesma obstinação com os negócios, Lorelai e Emily têm gênios incrivelmente parecidos, Rory e Lorelai são loucas por junk food, Richard e Rory por livros e os quatro adoram a Europa! Cada um a seu jeito, é claro.

Momento família: Depois de passarem muito mais episódios do que deviam brigadas, as garotas Gilmore, mãe e filha, finalmente se reconciliam no 6×09, The Prodigal Daughter Returns , correndo pro abraço mais emocionante de Gilmore Girls. Mas não deixe de dar uma olhada no mais memorável jantar dos Gilmore, linkado acima, também imperdível!

Fisher (Six Feet Under, 2001)

A família Fisher é, sem dúvidas, uma das famílias mais peculiares que a televisão norte-americana já criou. Regidos pela mãe, Ruth, os filhos, Nathaniel Jr. (mais conhecido como Nate), David e Claire – nascidos nesta ordem – enfrentam diariamente a falta do pai, Nathaniel, que morre logo no primeiro momento que conhecemos de suas vidas.

Vivendo num conflito permanente, David, o filho do meio e gay, vive com sua mãe e sua irmã, Claire. Claire, por sua vez, artista nata e uma das pessoas mais introspectivas que já conheci, vive num meio de termo de felicidade e tristeza constante. Nate, vivendo numa oscilação entre traição, paternidade e luta contra a dor da perda de seu pai, é o único que consegue esboçar uma família. Ruth, também, tenta mover com a vida, trazendo para casa um homem recém-viúvo, tentando, então, constituir família.

Os conflitos desta família se misturam com os conflitos das famílias que diariamente são obrigados a viver. Donos de uma agência funerária, eles fazem questão de se envolver com os problemas que aparecem com a morte dos entes de seus clientes.

Momento família: Tentando se reencontrar, Claire aceita o pedido de seu irmão mais velho, Nate, de acompanhá-lo até Seattle para pegar um corpo. Na viagem, os irmãos trocam um diálogo animal que resume, querendo ou não, a essência da família Fisher. Em dado momento, Claire diz que é confortante saber que seu irmão é tão f***** quanto o restante da família. Ele, claro, nega, dizendo que não é. E eles ficam discutindo, num tom de brincadeira, ele dizendo que não conseguiria ser tão f***** quanto ela e o restante da família. Apesar de somente os dois fazerem parte da cena, a ideia abrange todos os Fisher, principalmente pelas referências subentendidas a Ruth e David.

Silva (A Grande Família, 2001)

Bebel é a filha mimada casada com Agostinho e hoje moram na casa ao lado com o neto de Lineu e Nenê. Como toda boa família, eles estão cheio de amigos que vivem passeando pela sua casa, como a nora Gina, o pasteleiro Beiçola, a cabelereira Marilda e até o patrão de Lineu, Mendonça.

A família vive se metendo em problemas e arrumam encrencas que envolvem todos os membros dos Silva. Mas no final das contas, tudo o que eles querem é ser uma grande boa família unida, com a qual se pode contar toda hora. Apesar de fazer rir, já choramos com eles. Ao longo desses 8 anos no ar, dizemos adeus a dois grandes personagens. Tio Juvenal (interpretado por Francisco Milani, falecido em 2005) nos permitiu grandes gargalhadas como o tio mais mala de qualquer família.

Mas o personagem mais querido e amado com certeza foi o Seu Flor. Interpretado brilhantemente por Rogério Cardoso (que veio falecer em 2003), Seu Floriano era o pai de Nenê e uma das pessoas mais irônicas possível. Vivia metendo o bedelho onde não era chamado e como toda a famílias, entrava nas maiores confusões. Quem nunca viveu uma história parecida com as que eles viveram? Mas pessoas preguiçosas como Tuco; “chiliquentas” como Bebel e mentirosos como Agostinho, não tem!! E sobre tudo para Lineu e Nenê resolverem.

Momento família: É difícil escolher algum momento, mas os episódios de Natal com certeza são os que mais aproximam a família. E nesse especialmente, é a hora de mais um Silva vir ao mundo.

Cohen (The O.C., 2003)

Quando conhecemos os Cohen, no primeiro episódio de The O.C., pudemos perceber que, apesar deles sempre terem sido uma família feliz, faltava alguma coisa. A chegada de Ryan os transformou numa família completa e, sobretudo, alegre, já que Seth passou a se sentir, finalmente, integrado ao mundo.

E como em Orange County tudo é perto, a casa dos Cohen ficava ainda melhor quando eles se juntavam aos Cooper e aos Robbert. Pensando bem, The O.C. era uma série incrivelmente família! Quem esquece dos do Chrismukkah, a junção do Natal com o Hannukah, inventada por Seth? Todo ano tínhamos o especial de Chrismukkah, praticamente o equivalente ao Thanksgiving de Friends.

E a casa dos Cohen era sempre tão agradável e acolhedora que quem tinha problemas sempre ia parar lá! Quantas vezes Marissa e Summer já não se abrigaram debaixo das asas de Sandy e Kirsten? Nem mesmo o infeliz do Caleb, e qualquer problema gerado pelo seu infladíssimo ego, conseguia acabar com a harmonia naquela família!

Momento família: Na segunda temporada, em The Chrismukkah That Almost Wasn’t,quando a família está tentando se acertar com Lindsay, a filha ilegítima de Caleb, o mundo conspira contra o Chrismukkah que acaba quase não acontecendo… Até que a super Summer tem uma de suas super idéias e salva a noite!

Scott (One Tree Hill, 2003)

A família Scott é daquelas bagunçadas e ligeiramente desfuncionais. Parece mentira, mas em sete anos de série já fomos apresentados a nada menos que três gerações dos Scott! Tudo começou com Dan, a ovelha negra da família, que casou com Deb e teve Nathan. Mas Dan nunca foi um cara honesto, e antes de se casar ele teve um relacionamento com Karen, que engravidou e teve que, sozinha, criar Lucas. Bom, nem tão sozinha assim, já que o irmão de Dan, o tio Keith Scott apareceu pra ajudar.

Lucas e Nathan cresceram, foram parar no mesmo colégio e se tornaram inimigos… Até que Haley surgiu na história e, antes de também se tornar uma Scott, uniu os dois. Nathan e Haley se casaram, tiveram o pequeno Jamie, e assim vimos surgir mais uma geração dos Scott.

E o mais incrível dessa família é que por mais confusões, problemas e desgraças que eles tenham enfrentado, os Scott de bom coração sempre continuaram juntos. Ou seja, todos menos Dan. E Keith, é claro, já que o coitado foi assassinado pelo fruto podre da família. E, na falta de uma foto com todos os Scott reunidos, qual melhor representante que o pequeno Jamie?

Momento família: O momento mais marcante da saga dos Scott foi sem dúvida o assassinato de Keith por seu irmão, mas é claro que esse momento não teve nada de “família”. Também é imperdível o momento em que Lucas e Nathan começam a brigar, aos murros, com Dan! Pensando bem, famíliasinha complicada viu? Vamos ficar, mais uma vez, com Jamie que é melhor! Dessa vez dançando,primeiro com Quentin e depois com a melhor mãe Scott!

Este post foi escrito, a seis mãos, por Caio, Cristal e Lucas.

Soteropolitana, blogueira, social media, advogada, apaixonada por séries, cinéfila, geek, nerd e feminista com muito orgulho. Fundadora do blog.

Salvador / BA

Série Favorita: Anos Incríveis

Não assiste de jeito nenhum: Procedurais

  • Dani Libanio

    Amei essa sequencia de posts! mto mto bom!
    Só senti falta dos Walkers!!! Tem uma família tão família qt essa???

    Parabéns, por essa especial semana família, q vcs estão nos proporcionando!

    • Dani, repare que Brothers and Sisters só começou em 2006, e nesse post só fomos até as séries de 2003!

      Acho que já deu pra entender né?! rs

  • Na verdade a Lindsay não é uma Cohen, ela é uma Nichol. =P
    Eu sinto falta de The OC, e de Gilmore Gilrs.. me sentindo nostálgica.

    “Maybe this Christmas will mean something more
    Maybe this year love will appear
    Deeper than ever before(…) Maybe this Christmas!”

    • Eu adorava The O.C., mas me lembro da série menos que deveria… Pensando bem, claro que ela não poderia ser uma Cohen, já que o Sandy que era, e não a Kirsten.

  • Hm.. parabéns pelo post, virei leitora assídua do site. Só mais uma apaixonada por séries.

    • E Carol, obrigada pelos parabéns, mesmo tendo encontrado um erro no post. 99% das pessoas só reclamaria e mais nada.

  • Guilherme Metzger

    A Família Cohen é a melhor do ano 2000 *-*

    • Também adoro os Cohen Guilherme, mas a família Gilmore é imbatível!

  • fran

    Amo os Scott (menos o Dan obvious) adoro ver como Nathan e Haley são unidos acima de tudo e superam qualquer coisa juntos, assisto OTH sempre sabendo que aconteça o que acontecer Naley sempre acabarão o episodio juntos e essa é a magia de Tree Hill
    ps: senti falta dos walkers que são minha 2º family, mas vi vcs explicando num post pq eles ficaram de fora…

    • Fran, não é que os Walker tenham ficado completamente de fora.. Você os verá mais cedo que imagina!

      E tem como não ser fã de Nathan e Haley?

  • Diogo

    Eu não lembro como é o sobrenome deles, mas queria que tivesse o pessoal do Two and a Half Men, afinal 7 temporadas já bastante tempo vivendo juntos.

    • ô Diogo, se você nem lembra do nome deles, como é que vc quer que a gente acredite que eles são importantes? hehehe Brincadeira, viu?

      • Diogo

        hahahah é que o sobrnome deles não é muito falado, igual em Dexter por exemplo, tudo é Dexter Morgan, em Two and a Half Men é só Alan, Jake e Charlie.

        Mas tudo bem, continuo achando eles muito importantes xD

        • Michy

          O sobrenome é Harper!

  • Sem dúvida os Cohen são ótimos, mas os Gilmore são realmente imbatíveis. Gosto tanto deles, que comprei várias temporadas originais numa época em que não se baixava tão fácil estes seriados na Internet.
    Mas senti falta aqui de uma família que gosto muito… os Brown de Everwood

  • siskmddfj

    kd os simpsons ???

  • Cami

    Adorei as listas, mas senti falta dos Winchester. Tem maior amor de família do que o de Sam e Dean? Eles literalmente morrem uns pelos outros.

  • Gabriel

    Cadê os Rock, de Everybody Hates Chris?

Queens que merecem redenção em RuPaul’s Drag Race: All Stars – Parte 2

1 semana atráscomentarios

Comemorando que RuPaul’s Drag Race acaba de conquistar o Emmy de Melhor Apresentador de Reality, Melhor Edição de Fotografia e Melhor Figurino (pelo episódio: Oh! My! Gaga!), além da VH1 não perder tempo em agendar a próxima edição All Stars para Janeiro de 2018 (está quase chegando!), em breve teremos a lista oficial das queens que estarão retornando para brigar por um lugar no Hall Of Fame do programa e ter a oportunidade de reescrever parte da sua história na competição. Assim como na primeira parte desse especial, eis aqui uma outra lista de participantes que não conseguiram atingir seu potencial e chegar longe na competição. Então, shall we begin? Trixie Mattel – Temporada 7 (Top 6) Oh honey! Quem não […]

Leia o post completo

Stephen King na televisão

1 semana atráscomentarios

Stephen Edwin King sem dúvida alguma é um (se não for “o”) maior escritor de terror e suspense de todos os tempos. Nascido em Portland, no estado de Maine, cenário da maioria das suas histórias, em 21 de setembro de 1947, teve uma infância complicada, tendo seu pai abandonado a família quando ainda tinha dois anos, e testemunhou um acidente com a morte de um amigo. Já escrevia desde criança, e vendia suas histórias aos amigos. Estudou inglês na Universidade do Maine, casou-se com Tabitha Spruce, em 1971, e lecionou sua formação em Hampden, enquanto isso escrevia para revistas masculinas. Teve problemas com álcool, e em 1999 sofreu um acidente sério, em que foi atropelado enquanto caminhava aos arredores de […]

Leia o post completo

Os piores plots das melhores séries

2 semanas atráscomentarios

Nós podemos até ser Apaixonados por Séries, mas vamos encarar a realidade: se tem uma coisa que não falta neste mundo são séries ruins. Tem aquelas que a gente sabe que são ruins, mas ama mesmo assim, tem aquelas que ficaram ruins por esquecerem da hora de acabar, e tem aquelas que são ruins porque são ruins mesmo. Mas já reparou como mesmo as séries muito boas – recheadas de prêmios e consagradas pelo público e pela crítica – têm aqueles momentos horrorosos, que a gente precisa aturar só porque o resto da trama vale a pena? Neste post, você vai reviver momentos de dor e sofrimento que já passou assistindo àquelas séries que só costumam trazer alegria. Aqueles plots […]

Leia o post completo

Siga as nossas redes sociais e fique sempre conectado:

Assine nossa newsletter