Algumas coisas nunca mudam: As Melhores Famílias dos Anos 80/90

7 de dezembro de 2009 Por:

Amanhã é dia de comemorar o Dia da Família e, pensando nisso, percebemos que são muitas as famílias das séries que merecem destaque. Assim, decidimos fazer uma semana totalmente decidada a elas, das primeiras famílias pelas quais nos apaixonamos e que se tornaram inesquecíveis, até as que conhecemos há pouco tempo.

Algumas famílias, que vieram muito antes dessas, merecem a nossa reverência sempre: os Adams (A Família Adams, 1964), os Stephens (A Feiticeira, 1964), os Robinson (Perdidos no Espaço, 1965), os Brady (A Família Sol-Lá-Si-Dó, 1969), os Marshall (O Elo Perdido, 1974), os Keaton (Family Ties, 1882), os Lawson (Super Vicky, 1985)… Com certeza as famílias de hoje em dia não seriam o que são sem elas.

E não esquece, é de hoje até sábado! Todos os dias um Top 5, das famílias das séries do finalzinho dos anos 80 até as atuais!

Arnold (Anos Incríveis – 1988)

Poucas famílias são tão bem estruturadas quanto os Arnold. Claro, o fato deles serem uma família dos anos sessenta ajuda bastante! Pai, mãe e filhos, todos sobre o mesmo teto, junto com um cachorro e ainda com a visita ocasional dos parentes. Mas tudo isso não valeria de nada se não houvesse amor, coisa que não falta naquela caso do subúrbio.

Jack Arnold pode ser durão e muitas vezes incompreensivo, mas poucas vezes eu vi um pai amar tanto seus filhos quanto Jack. Já Norma é o bastião da bondade, mãe daquelas que não se faz mais, sempre em casa, sempre com tempo disponível para fazer sanduíches e comprar gravatas! As crianças, tão diferentes e ao mesmo tempo tão parecidas. O quase sempre certinho Kevin com certeza não seria o mesmo se não tivesse por perto sua irmã Karen, revoltada com a vida e seu irmão Wayne, o maior pentelho que já se viu.

Família unida como poucas, que passou por momentos importantes sempre junta, e quase sempre de noite, na chuva. Como quando o namorado de Karen a pediu em casamento, ou quando Kevin e Wayne enfim decidiram morar em quartos separados… Uma família como outra qualquer cheia de pequenos grandes momentos.

Momento família: No episódio 4×12, Denial, Kevin está sofrendo por ter terminado com Winnie e, lutando com os seus sentimentos, acaba se abrindo com o seu pai. Jack, sempre tão sério, soube lhe dar todo o carinho que o, ainda pequeno, Kevin precisava naquela hora.

Simpsons (Os Simpsons – 1989)

Depois de 21 temporadas, podemos afirmar com toda a certeza que a família Simpson é a mais querida da televisão, com direito a uma estrela na calçada da fama. Homer, Marge, Bart, Lisa e Maggie fizeram história e firmaram as bases para muitas famílias em desenho que apareceram depois, sempre satirizando o american way of life. Isso em meio a muito humor escrachado e nem sempre politicamente correto.

O desajeitado Homer é o estereótipo do pai de família. Ele dorme no trabalho, comete mil erros, acha que nada acontece com ele, adora cerveja Duff e donuts. Quem o aguenta e protege é a Marge, a típica dona de casa dos anos 50, que zela pela casa e pelos filhos. Bart é o garoto espivetado, que prefere andar de skate a ter que pensar e Lisa é seu total oposto, a nerd com consciência ambiental. E a Maggie… bem, ela custa 847,63 dólares.

Desde que apareceram na nossa TV em 1989, os Simpsons já passaram por muitas aventuras juntos. Afinal, a família tem que permanecer unida em todos os momentos. Foi assim quando viajaram o mundo criticando os problemas de cada país (como foi a tão mal-falada visita ao Brasil) como nos momentos bobos do dia-a-dia.

Momento família: Em um episódio da décima temporada dos Simpsons, o reverendo Lovejoy decide punir os cidadãos de Springfield contando a Bíblia desde o começo. Os Simpsons dormem e cada um sonha com um trecho do livro. Quando acordam, o Apocalipse está acontecendo do lado de fora da Igreja. Apenas Lisa está indo para o céu, mas Homer a puxa de volta, porque as famílias têm que permanecer unidas. O vídeo desse momento você encontra aqui.

Walsh (Barrados no Baile – 1990)

A família Walsh conquistou vários corações adolescentes na década de noventa. Vindos do interior de Minnesota para a agitada Beverly Hills, conseguiram juntos se adaptar a nova realidade. Jim e Cindy Walsh eram pais diferentes, compreensivos e companheiros, conversavam sobre todos os assuntos com seus filhos gêmeos Brenda e Brendon. A casa dos Walsh era ponto de encontro da turma do West Bervely.

Brendon e Brenda são muitos amigos, e se ajudavam nos momentos mais difíceis. Brenda encontra o apoio da família quando Dylan a troca por Kelly, no episódio 27 da terceira temporada “Parental Guidance Recommended”. Mesmo com pais tão compreensivos os irmãos Walsh aprontam bastante como qualuqer adolescente normal

Momento família:Já no 1º episódio 4 temporada, So Long, Farewell, Auf Wiedersehen, Goodbye, Brenda se despede de sua família para ir para a universidade em Minnesota. Na cena seguir vemos Jim e Brendon se despedindo de Brenda.

Silva e Silva (Mundo da Lua – 1991)

A família Silva e Silva do Mundo da Lua é a típica família brasileira. Classe média, pai e mãe super preocupados com a educação dos dois filhos, Lucas e Juliana. Moram todos juntos, com o avô, Orlando (Gianfrancesco Guarnieri), tem uma empregada atrapalhada mas que faz tudo com o coração, porque também faz parte da casa.

Lucas é o mais novo, e tem uma imaginação bem fértil, estimulada por um gravador, presente do avô. Ele passa muito tempo sonhando, mas depois vê que sua realidade é tão boa ou melhor do que poderia imaginar. Como toda criança, as vezes cria confusão quando não consegue o que quer dos pais, ou quando briga com a irmã. E Adora presentes!

A família Silva e Silva sempre se reúne nas ocasiões importantes, aniversários, feriados, e a casa fica cheia de tios, tias, primos, avós, vizinhos e amigos. As crianças aprontam todas, plantam árvore de dinheiro, ficam dias sem tomar banho, se perdem (mas depois são achadas), e brincam muito com o que tiver ao alcance ou das mãos (o Lucas já montou um foguete junto do avô – e encontrou São Jorge na Lua), ou da imaginação (com o Blixto fazendo companhia a Lucas quando ele zera o jogo).

Momento família: Depois de um aniversário onde tudo deu errado, Lucas ganha do avô (todo preocupado) o melhor presente do dia, que o permite viajar ao mundo da lua, e realizar em sonhos tudo o que queria.

Silva Sauro (Família Dinossauro, 1991)

É incrível que a família Silva Sauro já tenha quase vinte anos de idade! Bom, na verdade a família de Dino, Fran, Charlene, Bob e Baby tem milhões de anos, já que eles estiveram aqui muito antes de nós, seres humanos, pisarmos na terra.

E o engraçado é que para uma série do início dos anos 90, passada na era jurássica, A Família Dinossauro ainda é bem atual não? Temas como drogas, desemprego, escravidão à moda, desrespeito ao idoso, abalavam e uniam ainda aquela que sempre foi uma das família mais divertidas da história.

Quem se esquece do Baby sempre gritando pro Dino, “Não é a mamãe!”? E da Charlene, em plena adolescência, rebolando sua cauda e atiçando os rapazes? E do Bob ficando viciado nu Só uma mãe como Fran pra aturar e cuidar dessas crianças, que muito provavelmente foram “estragadas” pelo Dino!

Momento família: Quando, no último episódio, Dino conta a sua família o que está para acontecer com a Terra, que está entrando num período de frio e escuridão e que provavelmente deve matar todos. Infelizmente em inglês (mas legendado).

Este post foi escrito, a oito mãos, por Bianca, Camila, Cristal e Jéssica. E aproveitamos pra dar parabéns ao Caio, que fez aniversário ontem!

Soteropolitana, blogueira, social media, advogada, apaixonada por séries, cinéfila, geek, nerd e feminista com muito orgulho. Fundadora do blog.

Salvador / BA

Série Favorita: Anos Incríveis

Não assiste de jeito nenhum: Procedurais

  • Eu nasci no ano que Simpsons foi criado. “E a Maggie… bem, ela custa 847,63 dólares.” Ri alto aqui com isso..realmente ótimo a entrada do programa e o momento que vc escolheu não poderia ter sido melhor….família unida até quando precisa ir para o inferno né…hehehe.

    E nossa..eu assistia Família Dinossauro e até tinha o Baby que falava quando puxava a cordinha. Mas era pequeno e não acompanhava assim como hoje, então não tinha visto esse final. Que coisa mais triste =x

    Post excelente e quero ver a semana toda..

    e obrigado pelos parabéns =]

  • Daniel

    Noooossa, desenterraram Mundo da Lua da cova. xD Era tão legal essa série, marcou minha infância, acho que ainda reprisa mas não tenho certeza, deu vontade de assistir. @_@

    • Camila

      Oi Daniel! Mundo da Lua era excelente né?

      Alguns episódios vc encontra no Youtube, mas reprisa na TV a cabo sim, Tv Ratimbum!

      Abraço!

  • Cara, que vídeo surreal esse do Mundo da Lua! A festa vai começando na maior tranquilidade, aí vai começando a ficar frenética e mais frenética e mais frenética… auhauha Muito bom.

  • ED

    Belo post, galera. Acompanhei de perto todas essas famílias, sobretudo Simpsons e Walshs. Senti falta de “Caras e Caretas” (que revelou Michael J. Fox) e The Waltons, a primeira série sobre família a fazer sucesso, clássico absoluto!

    Abraço!

    • É Ed, realmente precisamos de um colaborador com mais de 30! rs
      Tenho 27 e não me lembro de nada disso que você citou… Mas deu vontade de fazer uma pesquisa mais aprofundada sobre essas séries que marcaram o começo da televisão como hoje conhecemos.

      • ED

        Começo da televisão? Caras e Caretas (Family Ties) foi exibido entre 1982 e 1989, década de 80, portanto, está dentro da premissa do post. Os Waltons são mais antigos, mas também chegaram até o começo da década de 80.

        Bjin!

        • Eu quis dizer o começo da tv “como hj conhecemos”, já que os Walton são de 72, que foi como a programação da tv começou a ficar com a cara que tem hoje!

  • Ana Marta Rodrigues

    Nooooooooooooosa q nostalgia !!!! Deu vontade de voltar a ser criança.Essas famílias com certeza marcaram a minha infância como a de muitas outras.Adorei o post.Vou ficar ligada até o final da semana.

  • Tenho 31 anos,e realmente essas series eram demais,adorava as familias citadas só nao assistir anos incriveis..mas simpsons e as do inico dos anos anos 90 acompanhei todas..nossa lembrei toda minha pre-adolescencia…

    • Anne,
      Se algum dia você se bater com Anos Incríveis passando por aí, dê uma chance a série. São minhas melhores lembranças de tv dessa época!

  • Rafael

    Acho sinceramente que vcs esqueceram de mencionar a família Tanner de Full House que é uma das mais icônicas, merecia inclusive estar no TOP 5 ou dos anos 80 ou dos 90 já que a série foi exibida nessas duas décadas.

Gypsy

4 dias atráscomentarios

Confesso que a princípio eu achei que Gypsy fosse um filme, afinal Naomi Watts e Billy Crudup são atores que estamos mais acostumados a ver na telona. Estranho ter um casal desse porte em uma produção para telinha do Netflix. De fato, Gypsy não é como a maioria das séries que estamos acostumados. Tem uma cinematografia de tirar o fôlego e um enredo que se desenvolve sem qualquer pressa. Com episódios de 50 minutos em média, Gypsy é quase um estudo de personalidade da sua protagonista, Jean Holloway, vivida por Naomi Watts. Ela é uma psicóloga, casada com Michael, um advogado que parece ter uma vida normal no subúrbio dos EUA. Tudo é muito sútil no início, mas vamos notando […]

Leia o post completo

Primeiras Impressões: Atypical

5 dias atráscomentarios

Estreou ontem na Netflix a comédia Atypical, que conta a vida de Sam (Keir Gilchrist), um garoto autista que chega a idade adulta e passa a ter uma série de necessidades/curiosidades para descobrir quem realmente é. E nesse caminho de descobertas vamos entendendo mais sobre a sua personalidade, suas limitações e como tudo isso afeta a sua família e a todos que o cercam. Trazer o universo adolescente parece ter sido uma maneira do canal de streaming se aproximar do seu público, trabalhando pautas mais complicadas através de uma abordagem diferente. Foi assim com o suicídio em 13 Reasons Why e agora com o autismo em Atypical. Mas o que chama atenção mesmo é que, apesar de todas as limitações do […]

Leia o post completo

Primeiras Impressões: Mr. Mercedes

6 dias atráscomentarios

A Audience Network estreou, no último dia 9, Mr. Mercedes, um suspense baseado na obra de Stephen King. A série é estrelada por Brendan Gleeson e Harry Treadaway, dirigida por Jack Bender e tem como roteiristas David E. Kelley e o próprio Stephen King. A primeira temporada terá dez episódios. A história começa em uma madrugada de frio, com dezenas de desempregados fazendo fila em frente ao local que, no dia seguinte, vai sediar uma feira de empregos. Conhecemos uma mãe que levou sua bebê porque não tinha dinheiro para pagar uma babá, um rapaz gentil que empresta seu saco de dormir para que ela troque as fraldas e amamente a criança, e um homem meio ranzinza que faz algumas […]

Leia o post completo

Siga as nossas redes sociais e fique sempre conectado:

Assine nossa newsletter