Big Little Lies – 1×07 You Get What You Need (Series Finale)

17 de abril de 2017 Por:

“As vezes eu me seguro tão firme a essa ideia de perfeição que alguma coisa tem que ceder”, Madeline diz quando Abby pergunta por que ela quis destruir sua vida ao trair Ed. Madeline sabe que essa não é uma explicação e nem desculpa para ter começado um caso com o diretor do teatro ou por nunca ter contado sobre a traição ao marido, mas que esse seu pequeno grande segredo a permitiu fugir do selo de esposa e mãe perfeita. Ah, a perfeição.

Em todos seus episódios, Big Little Lies apresentou diferentes formas de perfeição: a própria Madeline, a mulher que superou o abandono do seu primeiro marido e hoje, é feliz ao lado do gentil Ed com quem recomeçou sua vida e teve sua segunda filha; Celeste, a mulher que conquistou um marido com um corpo que foi esculpido por deuses gregos e desejo sexual de fazer inveja na vizinhança e é mãe de dois lindos anjinhos; Bonnie, aquela que tem o corpo moldado por deuses desconhecidos, uma sensualidade espontânea e uma espiritualidade genuína e faz Nathan parecer um marido razoavelmente bom; Renata, a mãe que conseguiu equilibrar com excelência o seu incrível trabalho com todas as atividades que a maternidade exigem. E Jane é forasteira, aquela que, mesmo se quiser, nunca vai cumprir as exigências que essas mulheres cumprem. Então, temos o óbvio: sim, essas são apenas aparências e sim, a grama do vizinho é sempre mais verde. Mas essas mulheres usam a ilusão dessas vidas perfeitas como colares no pescoço e é difícil não notar como essas características são limitadoras.

Quando Renata imagina o que aconteceria se ela levasse um tiro na festa de angariação de fundos da escola de Amabella, ela rascunha falas maldosas que a atacariam por não ter desviado da bala ou por não deixar a babá ser atingida ao invés dela. “Essas mulheres – Madeline especialmente – são perversas.” A ilusão da vida perfeita não só aprisiona como afasta cada uma dessas mulheres. Afinal, não há contato ou compaixão se não se conhece a vulnerabilidade do outro. Os comentários feitos constantemente por pais e funcionários da escola durante a investigação do crime que acontece nessa festa não são muito diferentes desses escritos pela imaginação de Renata. Como espectadora, me sinto um pouco culpada em achar essas falas divertidas e engraçadas quando elas utilizam da maldade para criar intrigas fúteis. Mas essa é a tática de metade dos reality shows que vemos: elevar as diferenças entre mulheres e valorizar comentários rasos para gerar dramas frívolos. No entanto, para Big Little Lies, essa estratégia não vinha para entreter ou confundir. A série quer nos lembrar que as pessoas que fizeram os comentários também são participantes das situações que movem a série, inclusive do assassinato que ocorreu dentro do seu espaço de fofoca e luxo.

Assim, essas mulheres e seus parceiros se vestem de Audrey Hepburn e Elvis Presley para participar de uma convenção de ilusão coletiva para provar que são aparentemente melhores que suas rivais. É uma competição superficialmente divertida e, ao mesmo tempo, surpreendentemente cruel. Mas como se preocupar se Ed é um melhor cantor que Nathan ou se a elegância do vestido de Renata ofusca a simples e ousada camisa branca de Madeline quando temos um assassinato em jogo?

As cenas da festa de angariação são apreensivas não só porque a série tem alguém para matar até o fim do episódio, mas porque o maior temor é que essa pessoa seja Celeste. As primeiras imagens de You Get What You Need são dos gritos da personagem e do seu corpo ao chão. Pode parecer apenas mais um dos ataques violentos e cotidianos de Perry, mas a medida que as cenas se revelam durante o episódio (é importante notar, que só temos acesso às imagens desse incidente quando Celeste está na casa que comprou, ou seja, só quando ela está longe do marido e se sente minimamente segura), percebemos que essa agressão é a mais pesada que vimos até aqui.

A intensidade das ações de Perry cresceram ao longo da temporada. Dos puxões de cabelo – atitude que às vezes pode ser uma expressão sexual normal – aos socos no estômago e empurrões contra uma cadeira, Big Little Lies mostra como aquele homem com o corpo esculpido por deuses e carinho infinito pelos filhos pode ser o esposo abusivo que pode acabar com a vida de sua parceira. E é importante que a série mostre mais uma vez que Perry não é abusivo apenas fisicamente, ele age como Celeste fosse sua posse. Outro acréscimo importante para o personagem – e isso é sempre destacado na atuação de Alexander Skarsgård – é que, apesar das atitudes de Perry serem fisicamente fortes, suas reações surgem de uma fragilidade e insegurança emocional. Por isso, ele tem acesso ao telefone da amada e descobre que ela tem uma outra casa para morar com os filhos e que pretende deixá-lo. No caminho e durante a festa, Perry se comporta como um animal selvagem tentando encurralar sua presa. Ele prende Celeste dentro do carro para tentar convencê-la que pode mudar seu comportamento e que está fazendo de tudo para isso. Quando a esposa consegue fugir e segue para festa, Perry segue seus rastros até a encontrá-la ao lado de Renata, Madeline e Jane.

A série usa esse clima de caça e caçador até esse encontro que coincide com a segunda grande revelação – a primeira é Ziggy contando que a criança que vem intimidando Amabella é Max – do episódio: Jane finalmente alcança o homem que a estuprou e ele é Perry. Essa informação é revelada no clímax do episódio, mas a série nunca deixa a cena progredir para entendermos o seu resultado logo de cara. Mas há duas qualidades importantes de Big Little Lies aqui. A primeira delas é a simplicidade. A série utiliza poucas conversas expositivas – e quando tem, ela consegue mascarar muito bem – e é impossível pensar em uma cena que fica sobrando dentro do roteiro proposto porque tudo é mostrado com um motivo. Logo, é tocante quando Jane consegue informar a Madeline e Celeste que o homem que está diante delas é o mesmo daquela fatídica noite. Ela não precisa verbalizar que Perry é pai de Ziggy porque o relacionamento de confiança e parceria que ela construiu com as amigas até aqui permite que isso seja feito apenas com o olhar. A outra característica importante para esse momento é que Big Little Lies foge do óbvio. Era se esperado que Jane atirasse em Perry e finalmente alcançasse sua vingaça, afinal ela treinou e imaginou isso inúmeras vezes, mas não é o que acontece.

O desfecho dessa cena só é mostrada nos minutos finais de You Get What You Need quando Celeste, Madeline, Jane, Renata e Bonnie se reunem na praia com os seus filhos. Perry já foi enterrado e a investigação sobre sua morte foi aparentemente encerrada, então a série nos permite mergulhar em uma sensação estranha de calmaria. Só depois de nos mostrar como essas cinco mulheres encontraram algum tipo de paz e tranquilidade em conjunto, Big Little Lies nos transporta de volta para a festa. Perry indo para cima de Celeste, Jane, Madeline e Renata tentando conter seus golpes e Bonnie – que viu Perry segurando o braço da esposa e decidiu seguí-lo – correndo para empurrá-lo.

Com excessão aos gritos e reações finais, a cena não é mostrada com o áudio original. A série mescla a música da trilha com o som do mar. As imagens seguem o mesmo padrão, a série edita a cena da briga que é lindamente coreografada com shots do mar, espaço que as personagens estão ocupando no momento presente. É uma mistura caótica e visualmente impressionante, mas que faz muito sentido. A morte de Perry nas mãos dessas mulheres – especialmente pelas de Bonnie – é um resultado surpreendentemente otimista aos outros desfechos possíveis diante da perversidade do personagem, mas ela é um fardo e segredo que essas mulheres carregarão juntas. A observação da detetive Quinlan pode até nos lembrar que muitas coisas ruins ainda podem acontecer para essas mulheres, mas pelo menos agora, elas seguem juntas. Celeste, Madeline, Jane, Renata e Bonnie pertencem ao mesmo clube e – como a própria Jane diria – elas estão todas fudidas.

Review demorou para sair porque a vida ficou bem intensa nessas últimas semanas, mas aqui estamos e quero saber sua opinião. Gostou de You Get What You Need? Se surpreendeu com as revelações do episódio? Já está com saudade de Madeline e Chloe? Deixe seu comentário e até a próxima.

 

Jornalista, nerd e feminista. Melhor amiga da Mindy Kaling, mesmo que ela não saiba disso.

Salto / São Paulo

Série Favorita: Sherlock

Não assiste de jeito nenhum: Two and Half Men

  • Moisés

    Não ia ter outra temporada?

    • carol oliveira

      Parece que não

      • Eduardo

        Até a própria autora do livro quer uma 2a temp, mas ao que parece Reese e Nicole estão mais interessadas em adaptar o outro livro, Truly Madly Guilty – que é uma historia diferente.

        E, sinceramente, BLL não precisa de sequência. O final pode ter sido meio apressado, mas funcionou perfeitamente.

Desafio: você se lembra de quem foi essa declaração de amor?

2 semanas atráscomentarios

Ah, o dia dos namorados. Aquele momento do ano para espalhar aos quatro cantos nosso sentimento por aquela pessoa especial, que faz o coração acelerar e as palmas da mão suarem. Aquela pessoa por quem você faria qualquer coisa, até mesmo deixar a vergonha – ou o medo – de lado para professar seu amor. Nas séries, existem muitos personagens  que não esperam data especial nenhuma para declarar seu amor, seja num momento de desespero, num pedido de casamento ou só para reforçar aquilo que o parceiro já sabe e Tom Jobim cantava aos quatro ventos: é impossível ser feliz sozinho. Você também acredita nisso e se derrete toda vez que sabe que chegou a hora de surtar, porque vai ter […]

Leia o post completo

Guia da Trilha Sonora: Scream – Season 1

2 semanas atráscomentarios

Entre os poucos pontos positivos que posso destacar em Scream, a trilha sonora fica em primeiríssimo lugar (talvez porque seja da MTV). Misturando canções atuais, dançantes e tristes, que fazem parte da vida dos jovens de Lakewood, a série soube utilizá-las para compor a história e os personagens. Assim, nada melhor do que ouvir as músicas da primeira temporada, agora disponível em uma playlist na nossa conta do Spotify!

Leia o post completo

House of Cards e a Política Brasileira

2 semanas atráscomentarios

Primeiramente, #foratemer. E se você ainda não conferiu a última temporada de House of Cards, não se preocupe, esse texto não contém spoilers, – apenas reflexões. Pra gostar de House of Cards você precisa torcer pelos Underwood. Claro, a gente sabe o quanto eles são escrotos, mas é ficção, certo? Não tem problema torcer pelos vilões. Ou pelo menos era o que pensávamos em 2013, quando a série estreou. Mas de lá pra cá a política mundial virou de ponta à cabeça. Os Estados Unidos elegeram Trump e nós tivemos Temer enfiado goela abaixo. Isso sem contar os acontecimentos dignos da ficção, como a morte de Teori Zavascki, a delação do Joesley e os testes nucleares da Coréia do Norte. […]

Leia o post completo

Siga as nossas redes sociais e fique sempre conectado:

Assine nossa newsletter