Billions – 2×04 The Oath

14 de março de 2017 Por:

Se tem uma arma que grande parte dos personagens de Billions usa com maestria é a manipulação. De norte a sul na Big Apple, em todos os núcleos, a galera não tem o menor constrangimento em lançar mão dessa estratégia para conseguir alcançar seus objetivos. E temos que começar por Chuck Rhoades, porque olha, tá puxado ter alguém mais canastrão que ele. Tudo bem que Axelroad não é nenhum exemplo de moral e ética, mas o procurador trabalha com a justiça e isso deveria pressupor mais honestidade em sua conduta, não é mesmo? Essa máxima, já deu pra notar, não vale para Billions.

Divulgação/Showtime

Em The Oath, Chuck continua na tentativa desesperada de manter seu emprego. Ele já desceu a um nível muito baixo, quando exibiu a traição de Boyd ao seu sócio, Mr. McKinnon. Com isso, sua intenção é contar com a sede de vingança do marido traído para finalmente conseguir algo sólido contra o empresário. Mas as coisas ainda não saíram como o planejado. E é por esse motivo, que o procurador utiliza agora de teoria, para conseguir na prática, encurralar Boyd. A sua reunião com o dono da Spartan-Ives acontece seguindo o chamado Efeito Franklin, uma técnica conhecida de reciprocidade inversa, onde você tenta transformar animosidade em simpatia, com uma atitude teoricamente simples: pedir um favor ao seu adversário/inimigo. E, ao que tudo indica, Rhoades conseguiu isso. Boyd acredita que ao iniciar uma falsa investigação em sua empresa e demitir algumas pessoas, o procurador irá encerrar a investigação contra ele. Foi isso que ele prometeu. Mas será que é isso mesmo que ele irá fazer?

Se depender do Mr. Rhoades, sim. O pai do procurador é aquele tipo controlador e arrogante que não consegue conviver com o fato da demissão iminente do procurador. Ele precisa da posição do filho para continuar arrotando status por aí. Sem escrúpulos, dono da verdade e prepotente, na cartilha da vida, ele certamente perdeu as aulinhas sobre como aceitar um não. Essas singelas características o fazem sempre supor que ele sabe o que todos devem fazer. Ok, não posso ser injusta. Existe sim, amor e cuidado pelo filho. Mas esses sentimentos não são suficientes para justificar a conduta invasiva desse pai. Ao enviar o vídeo que gravou ao procurador,  ele acende o alerta vermelho em Chuck com relação ao seu subordinado, mas, por outro lado, fornece mais suprimentos para que ele entenda até onde o pai é capaz de ir para conseguir fazê-lo permanecer na procuradoria. Não que isso o surpreenda. Mas, ao fazer o procurador perceber que pode estar sendo traído por sua própria equipe, Mr Rhoades conseguiu também fazê-lo entender que o pai quer, na verdade, que ele deixe o empresário em paz. E mantenha seu cargo.

Divulgação/Showtime

Acho que o faltou para o Mr Rhoades foi lembrar que em matéria de genética, a cria pode superar o mestre. Enfim, até mesmo pelos conselhos sobre relação entre pais e filhos que Rhoades deu a Sacker (aliás, o que foi aquela conversa deles? Será que é uma jogada da Sacker para ganhar a simpatia do procurador e sair na frente de Bryan?), tudo leva a crer que sua proposta para Boyd foi apenas mais uma jogada para baixar a guarda do investigado e, ao mesmo tempo, tranquilizar a mente inconformada do seu pai e afastá-lo de vez do seu trabalho. O curioso é que Boyd pediu a ajuda de Axel, mas não consegue fazer o que deve ser feito, prefere agir segundo sua própria intuição. Ao que tudo indica, ele terá que repensar sua estratégia.

E , falando no bilionário, ele não poderia sair ileso no quesito moral e ética, né? Acontece que, dessa vez, Bobby foi longe demais. É impossível não registrar como nesse mundo corporativo extremamente competitivo e amoral, os grandes empresários, não raro, “perdem a mão” e acabam usando das mesmas estratégias com todo perfil de pessoas. E, nessa altura do campeonato, já deu pra aprender que nem todos são amadores, que caem em qualquer desculpa, né? Sandy, o idealizador da The Giving Oath, mostrou que não está para brincadeira, quando optou por dar ele mesmo, a pior notícia do dia para Axel: a recusa da NFL em receber o patrocínio do bilionário. E olha, ele tá de parabéns na atitude, porque se ele queria pagar na mesma moeda a notícia que Bobby plantou sobre a provável doação à sua entidade, ele conseguiu tocar no ponto mais fraco do bilionário, ao mexer na sua vaidade. Fica pra outra época ser dono de time de futebol, tá Axel?

Divulgação/Showtime

E para quem, como eu, estava com saudades do embate direto entre Axel e Chuck esse episódio foi para matar essa vontade. O depoimento deles chegou a ser engraçado, tamanha a rixa entre eles. Os advogados, coitados, tentando manter o nível, aconselharam ambos a não comparecer. Mas quem disse que alguém convence a ala teen de Billions a agir como adultos, ao menos uma vez na vida? Quem acreditou que um ia perder a oportunidade de alfinetar o outro? Curioso também o fato que todo encontro de Rhoades e Axel aconteça justamente pós aula de judô do procurador. Ele realmente encara aquilo como uma batalha corporal e se prepara fisicamente para ela.


Algumas obervações:

  • O que foi Wags nesse episódio? Impagável a cena da tatoo. Tudo bem que isso mostra uma faceta triste do personagem, que é o vício em drogas, mas foi a coisa mais engraçada do mundo ele mostrando sua tatuagem para Axel;
  • Na família do bilionário, quem também não está para brincadeira é Lara. E eu, se fosse Axel, não mexia com ela não. A moça aprendeu direitinho a jogar o jogo do poder. Sei que ela é super cúmplice e leal a Axel, mas esperava mais ética dela, não achava que ela fosse agir exatamente como o marido, criando um fato mentiroso para trucidar um concorrente;
  • Axel finalmente recebeu o sobrinho do seu pizzaiolo e amigo, Bruno, que acabou lhe propondo um novo investimento. Tentado a aceitar, Axel pede ajuda a Taylor, para verificar a viabilidade disso. Resta saber se vem alguma armadilha escondida aí;
  • Wendy apareceu pouco, mas o suficiente para mostrar que continua fera. Que peninha ela ter feito o Elon-Musk-de-Billions (rs) recusar a Elena, mas super concordei com a interpretação dela. Será que esse milionário vai ser o novo cliente da psiquiatra?
  • Bryan finalmente se posicionou abertamente a favor de Chuck. Ainda não tenho certeza se foi ele quem fez a denúncia que motivou a procuradoria a iniciar a investigação contra o procurador, mas com certeza, se foi ele, o arrependimento bateu.

E vocês, o que estão achando? Curtiram o episódio?

 

Jornalista, cinéfila e literalmente, apaixonada por séries. Não recusa: viagem, saidinha com amigos, um curso novo de atualização/aprendizado em qualquer coisa legal. Ama: família, amigos, a vida e seus desdobramentos...

Ler perfil completo

Belo Horizonte/MG

Série Favorita: Breaking Bad

Não assiste de jeito nenhum: Two and a half Men

Girlboss: guia do que NÃO fazer na vida adulta

2 semanas atráscomentarios

Teve gente que gostou de Girlboss, teve gente que achou a série fraca. Mas em uma coisa todo mundo certamente concorda: Sophia é um dos piores seres humanos que já vimos como protagonista de uma série. E com ela a gente pode aprender muito sobre o que não fazer para ser uma pessoa melhor. 5. Não roubar Em GirlBoss, uma das primeiras coisas que descobrimos sobre Sophia é que ela acha normal roubar. Não, ela não rouba porque precisa, porque quer ajudar alguém, ou se quer por uma questão de princípios contra uma sociedade capitalista. Sophia rouba porque se sente superior e simplesmente não respeita os outros, – muito menos suas propriedades. 4. Não ser egoísta com a melhor amiga […]

Leia o post completo

Desafio: você se lembra de quem foi essa declaração de amor?

2 semanas atráscomentarios

Ah, o dia dos namorados. Aquele momento do ano para espalhar aos quatro cantos nosso sentimento por aquela pessoa especial, que faz o coração acelerar e as palmas da mão suarem. Aquela pessoa por quem você faria qualquer coisa, até mesmo deixar a vergonha – ou o medo – de lado para professar seu amor. Nas séries, existem muitos personagens  que não esperam data especial nenhuma para declarar seu amor, seja num momento de desespero, num pedido de casamento ou só para reforçar aquilo que o parceiro já sabe e Tom Jobim cantava aos quatro ventos: é impossível ser feliz sozinho. Você também acredita nisso e se derrete toda vez que sabe que chegou a hora de surtar, porque vai ter […]

Leia o post completo

Guia da Trilha Sonora: Scream – Season 1

3 semanas atráscomentarios

Entre os poucos pontos positivos que posso destacar em Scream, a trilha sonora fica em primeiríssimo lugar (talvez porque seja da MTV). Misturando canções atuais, dançantes e tristes, que fazem parte da vida dos jovens de Lakewood, a série soube utilizá-las para compor a história e os personagens. Assim, nada melhor do que ouvir as músicas da primeira temporada, agora disponível em uma playlist na nossa conta do Spotify!

Leia o post completo

Siga as nossas redes sociais e fique sempre conectado:

Assine nossa newsletter