Billions – 2×11 Golden Frog Time

2 de maio de 2017 Por:

“Dê poder a um homem e descobrirá quem ele realmente é”. Maquiavel, em pleno século XV, já sabia que o tempo pode modificar inúmeras coisas, menos a essência humana. Golden Frog Time está aí para provar a autenticidade dessa frase. Já falamos em outras reviews como Billions adora deixar as pessoas felizes para, logo depois, girar 180° e colocá-las de cara no chão, não é mesmo? Pois bem. Mantendo esse tradicional carrossel de emoções chegamos ao penúltimo (e melhor) episódio da temporada. Cansado de apanhar, Axelroad não vê a hora de dar a volta por cima e poder respirar aliviado, se possível, deixando Chuck destruído em todos os aspectos da sua vida. E para atingir esse objetivo, ele não mediu consequências de nada. Seguiu sua cartilha de sucesso sem se preocupar em pensar que novos fatores podem surgir a qualquer momento nesse mundo imprevisível e nada confiável que ele vive. E foi esse seu maior erro. O procurador já havia dito, com muita propriedade, que um homem movido pelo ódio e desespero é muito mais propício ao erro. E olha, ele está de parabéns! Não sei onde ele anda lendo essas estratégias, mas o cara tem nos provado que todas estão corretas, já que ultimamente, não tem dado uma bola fora.

Reprodução/Showtime

Golden Frog como nos explicou Axelroad, é a flecha envenenada que atravessa um inimigo e atinge outro, eliminando dois alvos num único ataque. O episódio nos mostrou o passo a passo de Axelroad para conseguir dar a grande cartada em Chuck Rhoades, que significaria a falência financeira e também pessoal do procurador. Ele atingiria diretamente seu pai, mas os respingos dessa “flechada” não deixariam o procurador imune. Ao contrário. Pensando nisso, o bilionário focou em agir como sempre fez: recebeu uma informação privilegiada, checou a veracidade dela, traçou seu plano e o executou com a ajuda de seu fiel aliado, Hall. E aconteceu tudo exatamente como previsto. Acompanhamos, com muita tensão, o pico das ações da Ice Juice na bolsa, já sabendo que a felicidade de Ira, Chuck e Mr Rhoades estava com os minutos contados.

O diferencial dessa jogada de Axelroad, como descobrimos com o desenrolar do episódio, foi que dessa vez, apesar de contar com os mais discretos e improváveis colaboradores e com um plano super meticuloso e detalhado, que envolveu pessoas, lugares e situações distintas, ele fez algo criminoso, sem brecha legal que o possa proteger ou isentar da culpa. Claro que um produto que nunca gerou nada de errado, do nada, provocar uma epidemie em série, gera sim suspeitas e uma investigação rigorosa. Mas a bolsa age na base do imediatismo. No mundo das ações, não há segundas chances, nem tempo para contraprovas. Confesso que, mesmo acompanhando o seriado desde o início e portanto, acostumada com as manobras que os protagonistas são capazes de fazer para conseguir seus objetivos, fiquei chocada com essa estratégia de Axelroad. Quando Wags disse que não haveria como reverter a alta das ações, por se tratar de um negócio realmente maravilhoso, eu podia pensar qualquer coisa, menos que o bilionário desceria tão baixo a ponto de sabotar os produtos da empresa, gerando aquela epidemia e jogando a credibilidade da Ice Juice no chão.

Divulgação/Showtime

E sigo em choque até agora. Sério mesmo que ele foi capaz daquilo? Jura que ganhar desse jeito tem mesmo o sabor da vitória conquistada jogando limpo? Não sei nem o que comentar. Entendo a motivação e o ódio, a vontade de dar o troco em Chuck que está inegavelmente por cima. Mas agir dessa forma é mais que irresponsabilidade… é algo monstruoso. Demonstra não só a falta de valores de Axelroad, como também sua falta de empatia, sensibilidade, humanidade e senso crítico. Como assim ele não se importa em falir uma empresa idônea, simplesmente para prejudicar um único inimigo? Como assim ele não liga de subornar pessoas desesperadas, por inúmeros motivos, para que elas ajam também de forma criminosa, adulterando um produto e provocando voluntariamente um mal estar, capaz de hospitalizá-las? Como assim um médico aceita dinheiro para fornecer “a segurança” que Axelroad precisava para colocar esse plano em prática? São tantas atitudes erradas que não dá pra listar todas aqui. O pior de tudo isso é assistir ao episódio e perceber que nada do que foi exibido é improvável em se tratando de seres humanos. Billions insiste em esfregar na nossa cara o quanto nossos valores são vulneráveis quando confrontados com a possibilidade de ganhar dinheiro. O quanto o poder corrompe. E o quanto a humanidade está perdida.

Dito isso preciso elogiar a direção e edição deste episódio (e também a atuação sempre precisa e sutil de Paul Giamatti) que nos manteve até o final com a certeza que dessa vez, Chuck Rhoades estava definitivamente acabado. Mas, como diria Chapolim, a gente não contava com a astúcia do procurador, né? Rhoades manteve o sangue-frio, a cabeça e os nervos no lugar e viu suas ações caírem na mesma velocidade com que subiram. Acontece que, o que jamais esperaríamos e que fomos descobrindo através de vários flashbacks exibidos, era que tudo isso fazia parte de um plano maior para finalmente pegar Axelroad de forma irreversível, sem desagradar seu patrocinador e sem chance de defesa para o bilionário. Chuck pensou nos mínimos detalhes. Vimos, nos minutos finais do episódio, que quem na verdade, utilizou a golden frog de forma mais matadora foi ele. Propor a Boyd um acordo para ajudá-lo a capturar quem indiretamente, o colocou na cadeia foi ousado. Peitar Wendy, quase destratando sua mulher depois do nível de entrosamento que eles conseguiram chegar, foi corajoso. Ser o responsável pela nomeação de Oliver Dake (oi, Dake!), colocando nas mãos de seu ex-inimigo toda a munição para capturar Axelroad e tirando sua equipe do protagonismo dessa investigação, foi brilhante.

Divulgação/Showtime

Então, o que pode ter dado errado nesse plano maravilhoso, inteligente e calculado com tanta frieza? Mr Rhoades, é claro. Papi já provou inúmeras vezes seu nível de imaturidade, deslumbramento e ansiedade. Sabendo disso, Chuck não divide com ele nunca sua real intenção e o engana em todas as suas jogadas, pois entende que dessa forma, ele não tem a possibilidade de atrapalhar. Acontece que a combinação das características peculiares de Mr Rhoades o tornam uma pessoa extremamente vulnerável à possibilidade de dinheiro “fácil”, somada ao poder que indiretamente está associado ao capital. E foi esse “pequeno detalhe” que Chuck esqueceu de prever. Num plot twist do plot twist (se é que isso existe… rs), acompanhamos a euforia (contida, já que para prender Axelroad ele usou Ira) e derrocada do procurador. Deslumbrado com a alta estratosférica das ações, seu pai, contrariando todos os conselhos que havia dado, no dia anterior a Ira, investiu simplesmente TUDO que possuía na Ice Juice. Dizem que a vingança tem um sabor agridoce, né? Pudemos comprovar isso no choro misturado com riso de Chuck Rhoades.

Num episódio empolgante e cheio de reviravoltas, Billions nos mostrou mais uma vez como seus dois antagonistas são… parecidos. Axelroad foi inescrupuloso e monstruoso ao deliberadamente falir uma empresa para punir um inimigo. Chuck faliu intencionalmente o próprio amigo (deixando ele se corroer com culpa), que esteve ao seu lado no pior momento da sua vida, para atingir o mesmo objetivo. Será que nessa guerra de egos, podemos dizer que um deles é melhor que o outro? Chuck age sob a “proteção de lei”, seguindo (mais uma vez) Maquiavel, que afirma que “os fins justificam os meios”. Axelroad age movido pelo ódio, vaidade e egoísmo, mas seguindo essa mesma cartilha. Sério, às vezes acho que os dois são almas gêmeas que ainda não se descobriram, porque na minha opinião, eles são exatamente iguais, inclusive na forma como enxergam a si mesmos: como pessoas ótimas e acima do bem e do mau. E aí, curtiram esse episódio? Contem aqui o que acharam!


Algumas (muitas) observações:

  • Taylor experimentou pela primeira vez no seriado, o lado ruim de um cargo de chefia, que é demitir alguém. Para se proteger da dor que isso obviamente causa nela, ela tentou ser o mais técnica possível, mas foi chamada à realidade por Axelroad que explicou a importância de se humanizar esse tipo de decisão. Foi muito bacana o que ele conseguiu mostrar a ela e como ele sutilmente, apontou uma deficiência na profissional mais promissora da Axel Capital;
  • Connerty continua querendo convencer Taylor que estar ao lado de Axel é o mesmo que se aliar ao diabo. Ele entendeu que a garota tem convicções e valores fortes, mas até o momento, não conseguiu, com seus argumentos 100% emocionais, tocá-la. Ele ainda não percebeu que para atingir seu coração ele precisa usar de racionalidade, que a priori, é no que ela mais acredita. Bora melhorar essa estratégia, amigo!;
  • Taylor recebeu dinheiro vivo (não declarado) das mãos de Dollar Bill, que claramente explicou a importância de se ter uma grana para emergências. Ela… aceitou! Será que a mocinha já está se corrompendo?;
  • Chuck ainda não sabe, mas sua esposa lucrou e muito, com a queda das ações da Ice Juice. Wendy feriu seus princípios éticos e foi levar pessoalmente, uma informação privilegiada para o procurador, que a esnobou firmemente. Talvez pensando na família, ou talvez pensando em provar a ele que estava certa, ela fez a aposta contrária e, com isso, ganhou um dinheiro absurdo. Se por um lado, isso vai segurar o rombo causado por Mr Rhoades, por outro, vai acender a chama da competitividade no casal e também a desconfiança de Axelroad, que com certeza, vai ligar sua derrocada ao procurador. Será que essa jogada encerra definitivamente o capítulo de Wendy na Axe Capital? E será também que não levanta suspeitas para Chuck já que o maior perdedor foi o seu pai e a maior ganhadora, sua esposa? Prevejo chuva e trovoadas no horizonte;
  • Colocar Dake como responsável pela provável prisão de Axelroad não é de certa forma “trair” sua equipe?;
  • Lara Axelroad perdoou o marido com muita facilidade, sem nenhuma exigência. Que plano será que ela tem em mente?

Imagens: Divulgação Showtime

Jornalista, cinéfila e literalmente, apaixonada por séries. Não recusa: viagem, saidinha com amigos, um curso novo de atualização/aprendizado em qualquer coisa legal. Ama: família, amigos, a vida e seus desdobramentos...

Ler perfil completo

Belo Horizonte/MG

Série Favorita: Breaking Bad

Não assiste de jeito nenhum: Two and a half Men

  • Deivd Thonni

    Fico pensando em como sera a relação dele com o Pai e com Ira, estou extremamente ansioso! Será que a situação do pai dele tem volta? (não entendo nada de mercado de ações, mas se tratando de fraude sera que não seria possível reverter isso?)
    Esse foi definitivamente o melhor ep de todas as duas temporadas vale a pena rever.

    • Renata Carneiro

      Ei Deivd, também não entendo nada do mercado de ações e não sei se é possível reverter, mas provar que foi sabotagem, na minha humilde opinião, será bem fácil.
      Eu até agora estou chocada como ele teve a coragem de usar o Ira, que super apoiou ele, pra fazer uma coisa dessas e estou mega curiosa para todos descobrirem que foi tudo planejado pelo Chuck. Ira é macaco velho, quando Axel for preso (porque ele vai ser, né?) ele vai ligar os fatos. Ansiosa pelo desfecho também!!

      • Deivd Thonni

        Com relação a usar o Ira não me choca vindo do Chuck, como você mesma mostrou em seu belíssimo reviw ele já mostrou inúmeras vezes que não é muito diferente do Axe. Como ele disse uma vez: “pior que um homem de recursos limitados é um homem que não tem nada a perder”. Axe nos mostra o que sempre soubemos, ele é um tubarão! Mas ontem Chuck me mostrou que no mar existem predadores bem maiores!

        • Renata Carneiro

          Verdade, Deivd. A gente acaba esquecendo que quem não tem escrúpulos não tem mesmo. Independente se é o seu melhor amigo, seu filho, sua esposa.
          Esses dois são farinha do mesmo saco e pode ser que até por isso mesmo, se estranhem tanto. Abraço e obrigada pelo comentário!

  • Márcio Santos

    Esse foi o melhor episódio da série e um dos 5 melhores que já vi em todas as séries que já assisti. Fenomenal do inicio ao fim, dosando momentos de calma com adrenalina pura. A explicação dos dois pontos de vistas é um recurso fascinante e ficou muito didático, mostrando mais uma vez que Chuck está intelectualmente um passo à frente de Axel, que mesmo sendo um gênio do mercado de ações (ainda que com informações privilegiadas) consegue as coisas mais por abuso econômico.

    A única coisa que senti falta foi da Wendy no final comemorando seus milhões. Se ela investiu tudo, dá pra recuperar o que Mr Rhoades perdeu e ainda sobra pro lanche da tarde. Afinal ela tinha 5 milhões.

    Sensacional a série e muito boa sua análise, que venha o último episódio com a inevitável prisão de Axel.

    • Renata Carneiro

      Ei Márcio,
      Adorei isso: “e ainda sobra pro lanche da tarde.” hahahhahahahaha
      Olha, acho que a Wendy não ficou muito feliz com a forma com que foi tratada pelo Chuck não. E ainda não sei se essa jogada dela vai de certa forma, incriminar Chuck, levantar qualquer suspeita de jogada ensaiada, sabe? O pai do cara perde tudo e a mulher recupera. Não cheira mal isso? Rs
      No mais, também achei o episódio excelente, adrenalina pura.
      Obrigada pelo comentário!

  • Leo Martins

    Assisti duas vezes esse episódio porque realmente foi brilhante o que fizeram com a edição e montagem.
    Incrível que Chuck nem teve um momento de duvida, ele praticamente se jogou para dentro de um abismo e isso foi magnifico!!! A risada histérica no final é contagiante rs.

    • Renata Carneiro

      Ei Leo,
      Tive essa mesma impressão com relação à postura do Chuck: segurou a onda até o final e, quando descobriu a loucura do pai, veio aquele sentimento louco de finalmente ter pegado seu principal inimigo, porém às custas da falência da família. Giamatti arrebentou!

  • Renato Nogueira Garrigos Vinha

    Episódio maravilhoso, com a reviravolta nos minutos finais.
    Acredito que as ações irão se recuperar, no mínimo para afastar a falência dos personagens
    envolvidos, uma vez que istro atrapalharia o enredo da série. Entretanto, não deverá ser o suficiente para proteger Rhoades das conseqüências de seus atos, em que ele simplesmente colocou
    seu pai, seu amigo e a sí próprio como isca para o tubarão. Agora é evidente que Axel irá ter algum
    tipo de revide, já que ainda paira a participação de Rhoades Sr., na derrocada da cidade destinada ao cassino. Espero ansioso próximo episódio.

    • Renata Carneiro

      Oi Renato,
      A família não está totalmente falida, já que Wendy saiu dessa brincadeira milionária, né?
      Mas não sei se essa atitude pode piorar as coisas para Rhoades, já que vai ficar mega suspeito a esposa dele lucrar praticamente tudo que o pai perdeu, né? Ansiosa também!!

  • Marcelo Azevedo

    Lembro do episódio anterior em que Chuck e o pai, ambos de smoking depois de irem a uma festa na casa de Black Jack Foley, falam da piada em que os bois querem f**** todas as vacas. E o pai, ao final da conversa, diz acreditar que o filho mesmo seria capaz f…. todas as vacas. Todas as vacas eu não sei, mas certamente ele f…. o casamento, o patrimônio, o melhor amigo, o pai, quem sabe o que mais, com esse golpe de mestre que surgiu dessa obsessão de pegar Axelrod mesmo com uma boa chance de ascensão na política.

    • Renata Carneiro

      Hahahhahahahahah Marcelo, muito boa a analogia.
      Mas pode ser que Wendy, com sua aposta ao contrário, tenha salvado boa parte desse patrimônio, né? Ainda acho que vai ficar muito suspeito ela ganhar muito e o pai perder tudo, mas, por enquanto, pobres eles não estão…rs

  • Tocha Humana

    Estava sempre um passo atras com essa série, mas esse episódio deixou claro pra mim que a série é ótima. Jurava que seria o fim do Chuck é que ele teria de lutar pra poder sobreviver de novo no início de temporada como foi nessa. O jogo virou!
    Giamatti foi gênio na interpretação.

    • Renata Carneiro

      Ei Fernando, esse episódio deu novo fôlego mesmo. Essa temporada, até então, estava mais sem graça que a primeira. Giamatti = monstro. Arrebentou!!!

  • Tocha Humana

    Pensei que somente eu gostava dessa série….rsrsrsrrs
    Quase não tem review sobre ela.

  • Luiz Renato Vergara

    O melho episódio da série! A edição fez com q a tensão fosse literalmente ao último segundo do episódio. A grande dúvida é se a aposta da Wendy pode prejudicar o Chuck.

    • Renata Carneiro

      Ei Luiz, confesso que estava achando essa temporada bem mais ou menos, até chegar a esse episódio. Elevou o nível absurdamente! Adorei!

Desafio: você se lembra de quem foi essa declaração de amor?

2 semanas atráscomentarios

Ah, o dia dos namorados. Aquele momento do ano para espalhar aos quatro cantos nosso sentimento por aquela pessoa especial, que faz o coração acelerar e as palmas da mão suarem. Aquela pessoa por quem você faria qualquer coisa, até mesmo deixar a vergonha – ou o medo – de lado para professar seu amor. Nas séries, existem muitos personagens  que não esperam data especial nenhuma para declarar seu amor, seja num momento de desespero, num pedido de casamento ou só para reforçar aquilo que o parceiro já sabe e Tom Jobim cantava aos quatro ventos: é impossível ser feliz sozinho. Você também acredita nisso e se derrete toda vez que sabe que chegou a hora de surtar, porque vai ter […]

Leia o post completo

Guia da Trilha Sonora: Scream – Season 1

2 semanas atráscomentarios

Entre os poucos pontos positivos que posso destacar em Scream, a trilha sonora fica em primeiríssimo lugar (talvez porque seja da MTV). Misturando canções atuais, dançantes e tristes, que fazem parte da vida dos jovens de Lakewood, a série soube utilizá-las para compor a história e os personagens. Assim, nada melhor do que ouvir as músicas da primeira temporada, agora disponível em uma playlist na nossa conta do Spotify!

Leia o post completo

House of Cards e a Política Brasileira

3 semanas atráscomentarios

Primeiramente, #foratemer. E se você ainda não conferiu a última temporada de House of Cards, não se preocupe, esse texto não contém spoilers, – apenas reflexões. Pra gostar de House of Cards você precisa torcer pelos Underwood. Claro, a gente sabe o quanto eles são escrotos, mas é ficção, certo? Não tem problema torcer pelos vilões. Ou pelo menos era o que pensávamos em 2013, quando a série estreou. Mas de lá pra cá a política mundial virou de ponta à cabeça. Os Estados Unidos elegeram Trump e nós tivemos Temer enfiado goela abaixo. Isso sem contar os acontecimentos dignos da ficção, como a morte de Teori Zavascki, a delação do Joesley e os testes nucleares da Coréia do Norte. […]

Leia o post completo

Siga as nossas redes sociais e fique sempre conectado:

Assine nossa newsletter