Billions – 2×12 Finale: Ball in Hand (Season Finale)

9 de maio de 2017 Por:

E então chegamos à season finale de Billions. Em um episódio maravilhoso, que deixou a tensão lá em cima o tempo todo, pudemos acompanhar o inicinho de mudanças importantes em inúmeros personagens, que provavelmente serão o guia da terceira temporada, já confirmada pela Showtime. Teve tensão, adrenalina, decepção, medo, lealdade, traição, tristeza. Teve mudança de planos, de discurso, de comportamento, de estratégia. Teve de tudo um pouco e a mistureba foi muito positiva, à medida que nos apresentou novas perspectivas para personagens que já tínhamos definido o modus operandi.  A impressão que ficou foi que tudo a partir de agora, pode acontecer. A série, que entregou uma segunda temporada mais morna, se redimiu nos dois últimos capítulos num nível tão alto, que confesso que estou ansiosa para o que vem por aí. Mas, vamos ao que interessa que é falar sobre Ball in Hand.

Divulgação/Showtime

Se o mundo ameaçou inúmeras vezes cair na cabeça de Axelroad nessa temporada, o apocalipse chegou mesmo foi na finale, com a realização do maior desejo de Chuck Rhoades, ensaiado e alimentado por longos 24 episódios. Dizem por aí que o mundo dá voltas e acho que o bilionário pôde comprovar a veracidade dessa teoria, no minuto que escutou o recadinho que Lawrence Boyd deu a ele assim que raiou o dia. Contrariando sua postura pouco agressiva e em muitos momentos estúpida, o ex-presidiário fez o que jamais esperaríamos que ele fizesse: deu o troco à altura em Axelroad e foi pessoalmente contar a ele, o que o esperava nas próximas horas. Era a história se repetindo, o círculo se fechando e mais uma vez, a gente comprovando que amizade definitivamente é uma palavra riscada no dicionário dos poderosos. O que vale nesse universo é mesmo o salve-se quem puder e a qualquer custo. Bobby já esteve do outro lado e não ficou nem um pouco chocado com a atitude do empresário. Ele entendeu e de certa forma, até admirou a ousadia. E houve boatos que Boyd estava na pior, hein Axel?

Ainda na linha das atitudes obscuras, o que dizer de Lara Axelroad? Eu já desconfiava que o perdão da esposa tinha vindo de uma maneira muito estranha, mas jamais poderia imaginar que ela teria a coragem de dizer na cara do marido que não iria cumprir sua parte no plano que eles sempre tiveram quando tudo desse errado. Ela se negar a fugir, mesmo não sendo essa a intenção de Bobby, foi algo impensável vindo de alguém que sempre esteve ao lado do marido. E como se isso não bastasse, ela não parou por aí. Seu ápice da ousadia foi se consultar sobre a defesa de seus interesses com o advogado do … marido. Oi? Foi tão surreal a atitude dela que me perguntei se aquilo também não era parte dos planos do casal. No fim das contas, o que ficou pra mim foi que ela fez o que fez dentro do combinado deles, com o objetivo único de proteger a si mesma, os filhos e o patrimônio.

Divulgação/Showtime

Agora, se Lara agiu da forma que talvez o próprio Axelroad agiria, o mesmo não pode ser dito do advogado do marido, Bach. Ele provou sua lealdade e fez tudo da forma que o empresário esperava, com um plus de um conselho fofo sobre o que dizer aos filhos. Aliás, achei bonita essa preocupação do bilionário. Respeitadas as devidas proporções (já que o que ele fez envolve cadeia), deve ser a pior coisa da paternidade ter que destruir a imagem perfeita que os filhos têm de você. Sabemos que Axelroad sempre valorizou essa relação e alimentou a construção dessa imagem. Sendo assim, essa conversa seria uma tarefa dura, mas necessária. E tinha que vir mesmo dele, não da mãe, dos colegas, da tv, ou de qualquer outro intermediário. Foi essa uma das cenas mais lindas da temporada. Começou com uma mentira, mas ao longo do discurso, Axelroad percebeu que isso não seria a cara dele e acabou dizendo a coisa mais verdadeira que um pai pode dizer:

“A maioria das pessoas descobre isso mais tarde sobre os pais, mas descobrem. Eu tenho defeitos. Não sou perfeito. Nem sempre tenho razão. Nem sempre venço.”

Outro momento tocante foi a despedida final de Axelroad. Ao contrário do que poderíamos supor, não foi Lara, nem os filhos que receberam o último abraço do bilionário e sim … Wendy. Esse momento super emblemático marca talvez a volta de um casal-que-nunca-foi-casal, mas que sempre funcionou super bem. A ligação entre eles é tão forte e evidente que foi o próprio Chuck que apontou a provável forma de descobrir o paradeiro do bilionário. Axelroad nunca escondeu sua admiração por Wendy. Ele tentou fazer diferente, manter um afastamento, mas percebeu que ela ocupa um espaço em sua vida maior que ele poderia dimensionar. E nada melhor que admitir isso com um pedido de desculpas. Ambos zeraram seus problemas e decidiram recomeçar. Ambos reconheceram a falta que um faz ao outro. Estava claro, para quem quisesse ver, que a infelicidade da Wendy nesse retorno e talvez as decisões erradas e impensadas de Axelroad estavam relacionadas na verdade, à perda do laço que sempre os uniu e que sempre fez tudo aquilo fazer sentido. Para ambos. Muito pouco foi dito, mas estava tudo ali, implícito e explícito naquele abraço. 

Divulgação/Showtime

Assim como aconteceu em outros momentos da temporada, nas fases péssimas que Axelroad viveu, vários personagens destacaram-se como amigos leais, que passariam por tudo com ele. Dollar Bill, Bach, Taylor e … Wags. Me entristeceu constatar que no mundo business, isso infelizmente não conta tanto. A decepção dele em ser preterido para o cargo de CIO, depois de toda a iniciativa, lealdade e liderança foi comovente. Ele merecia aquele cargo, não por caridade, mas porque dessa vez, ele realmente estava à altura. Conhece a empresa como ninguém, é respeitado pelos funcionários, é o mais leal entre eles e não tem vergonha de admitir quando precisa de ajuda. Enfim, estava tudo caminhando muito bem pra ele, exceto pelo fator Taylor.

Nesse episódio ela finalmente mostrou que não está ali de passagem e que é muito mais que uma nerd brilhante e ótima com os números. Taylor é ambiciosa e seus planos, como ela deixou bem claro, envolvem construir um império semelhante ou talvez maior que o de Axelroad. E se o bilionário valoriza a amizade e lealdade de Wags, ele simplesmente ama a ousadia e coragem de Taylor. Já disse em outras reviews, como ele admira essa menina e como, de certa forma, se reconhece (muito!) nela. A analista é talvez uma versão melhorada dele na juventude. E isso deixa Axelroad confiante e maravilhado. Taylor talvez seja a filha que ele gostaria de ter, especialmente porque além das qualidades profissionais óbvias, ela o tem como inspiração, tutor. Mas, se isso por um lado dá muita segurança ao bilionário, por outro, é uma ameça, mesmo que a longo prazo. Ela mostrou que não vai medir esforços para conquistar o que quer e que seus valores aparentemente rígidos e inabaláveis, são bem mais flexíveis quando confrontados com a possibilidade da realização do seu sonho profissional.

Divulgação/Showtime

E para finalizar esse testamento não poderia deixar de homenagear o dono dessa p. toda, o “vencedor” da segunda temporada, o estrategista, o maravilhoso, o implacável, The King: Chuck Rhoades. O procurador começou com a moral lá embaixo, mas não se deixou abater. Foi frio, calculista, impiedoso, estratégico. Pensou em todos os detalhes: como não desagradar seu patrocinador, como contornar sua situação com o pai e o Ira, como recompensar seus funcionários, como pressionar Oliver Dake, como reconquistar Wendy, como incentivar Boyd, como capturar Axel, saindo dos holofotes na hora certa. Ele esteve o tempo todo exatamente onde queria estar, muitas vezes mentindo para pessoas bem próximas, sobre suas reais intenções. Ele jogou como um mestre e não vacilou um segundo sequer.

Essa partida foi o xeque-mate de Rhoades, com toda a glória que esse tipo de vitória merece. Com direito a olhar no olho do inimigo, assim como aconteceu na primeira temporada em que ele estava totalmente por baixo. Não vou mais perder meu tempo aqui falando sobre a inconsistência, mentiras, valores duvidosos, chantagem, corrupção e toda a baixaria que isso envolveu. Também não vou mencionar que para chegar onde chegou, o procurador decepcionou parceiros importantíssimos como seu pai, o próprio Ira e retroalimentou o ódio/desconfiança de outros tantos como Axelroad e Dake. Isso fica pra depois. O momento é somente de aplausos. Um brinde à Chuck e que venha a terceira temporada!

Divulgação/Showtime

E vocês, curtiram esse episódio? Contem pra gente o que acharam. Agradeço a todos que acompanharam essa temporada até aqui. Nos vemos numa próxima!

Jornalista, cinéfila e literalmente, apaixonada por séries. Não recusa: viagem, saidinha com amigos, um curso novo de atualização/aprendizado em qualquer coisa legal. Ama: família, amigos, a vida e seus desdobramentos...

Ler perfil completo

Belo Horizonte/MG

Série Favorita: Breaking Bad

Não assiste de jeito nenhum: Two and a half Men

  • Agnaldo Monteiro

    Oi Renata. Parabéns pelos comentários e críticas. Acompanhei a segunda temporada, sempre checando o que você estava achando. Acho que Chuck se enfraqueceu muito. Deixou sua equipe em frangalhos e não sabemos como Wendy reagirá quando souber da estratégia adotada. Já Axe se fragilizou com Lara, mas se fortaleceu muito com Taylor que será, em minha visão, a personagem chave da temporada 3.

    • Renata Carneiro

      Ei Agnaldo,
      Chuck jogou muito pesado e abalou sua relação com inúmeros parceiros-chave. Compartilho da sua opinião de que Wendy pode não gostar do que ele fez para conseguir isso.
      Já Axe, como você mesmo disse, se comprometeu com Lara, mas continua com aliados leais.
      Também acho que Taylor vem com tudo na terceira temporada. Ansiosa! Rs
      Obrigada pelo comentário!!

  • Celia Scannavino

    Renata, seu comentario sobre o final da segunda temporada foi de maneira tão clara e objetiva! Parabéns!!! A série é muito bem escrita, com um elenco fantástico! Gostei muito e fiquei feliz de conhecê-la aqui!Abracos

    • Renata Carneiro

      Olá Célia,
      Obrigada pelo seu comentário! Fico feliz que tenha gostado. 🙂
      E concordo com você sobre o roteiro e elenco de Billions: maravilhosos!

  • Marcelo Azevedo

    Ao ver a cena final do Chuck pai sozinho em casa, desiludido com o que o filho lhe obrigou a fazer para que as chances dele ser governador fossem mantidas, só me restou pensar naquele dito popular: “Cuidado com o que deseja”. Quanto ao Chuck filho, ao menos a mulher o esperava em casa no fim do dia…

    • Renata Carneiro

      Ei Marcelo,
      Verdade. O pai ficou verdadeiramente horrorizado com a obsessão inescrupulosa do Chuck.
      Axelroad também saiu da cadeia e teve que pegar um Uber, né? rs Ninguém esperando por ele lá.
      Já Wendy, acredito que ficará bastante decepcionada ao descobrir até onde o marido foi capa de ir em nome dessa rivalidade. Pôs todo o patrimônio em jogo e não pensou nem nos filhos. Acho que ela não vai lidar bem com isso não.

  • Ana Melo

    Maravilhosa review !! disse tudo ,. Sou apaixonada por essa série e seus personagens .A cena do Axe e do Chuck foi épica ahahahha adoro ver os dois se enfrentando , um final de temporada digno . Agora é esperar a próxima .. Abraço

    • Renata Carneiro

      Ei Ana, obrigada pelo comentário tão gentil!!
      A série e os personagens são ótimos mesmo e especialmente nesses dois últimos episódios mataram a pau! Também adoro o enfrentamento deles, sempre tão sarcástico que chega a ser engraçado, né?

  • Fernando Duarte

    Excelente review como sempre tens feito. Rhoades arrebentou! As palavras de Axel aos filhos foi excelente. A conversa de Rhoades com o pai foi uma aula de interpretação.

    Tenho de concordar que o Rhoades roubou a série pra ele. Quando apareceu Axel preso houve aqueles segundos em que ele estava só é eu me perguntando se Rhoades estaria lá pra jogar a pá te terra, e ao final lá estava ele, mais uma vez. Essa série tem tudo pra entrar em uma crescente.

    Tenho somente um senão….Acho o personagem da Lara deslocado, fraco, parece que não tem lugar pra ela ali, se não existisse não faria falta a série. Até acho que ainda vai aparecer alguma história sobre um passado amoroso de Wendy e Axel, e alguma decepção que os separou, mas isso é só achismo.

    • Renata Carneiro

      Ei Fernando,
      Concordo com todas as suas observações, especialmente relacionadas à Lara. Acha a personagem fraca e sem propósito, com uma importância meio forçada. Tá na cara que Wendy está muito mais consctada com ele. Percebo a ligação entre Axel e a esposa, vejo que tem sentimentos, mas sempre achei que com a Wendy é mais intenso, sei lá.
      Rhoades roubou a temporada. Arrebentou nas estratégias e na execução. Giamatti sapateou com a interpretação. Aguardando ansiosa a temporada 3!
      Obrigada pelo comentário tão gentil! 🙂

  • Osmar W D A Gouveia

    Já tem previsão da 3ª temporada ??? Esse série é excelente, to curtindo muito.

    • Renata Carneiro

      Ei Osmar. Já foi confirmada a terceira temporada pela Showtime, mas ainda não divulgaram a data de estreia. Assim que sair, publicaremos aqui no blog. Abraços

  • Márcio Santos

    Essa série..seja essa série. Que espetáculo a construção dos personagens, dos diálogos, das reviravoltas. Chuck Rhoades foi realmente o dono dessa p. toda. O cara jogou com maestria.Nos mostrou que não existem bons e maus em Billions, tem apenas lados opostos e cada um vai fazer o que estiver ao seu alcance para vencer a guerra.

    Axel é essa força destruidora e ao mesmo tempo consegue ter um momento como aquele com os filhos. Eu tenho dois também e me coloquei no lugar dele. Dificil viu…

    Wendy vai ser novamente o motivo maior da guerra, sabendo tudo que Chuck fez, a balança moral ficará equilibrada na cabeça dela e quem sabe pra que lado ela penderá.

    Taylor quer vingança, alguma coisa me diz isso. Será que tem a ver com o 11/09? Filha de alguém de lá? A obsessão pelo Axel não é normal.

    Deu pena de Wags mesmo, mas o velho sempre foi um pentelho e mais de uma vez deixou Chuck em maus lençóis, isso passa.

    Ótima review como sempre. Abraço Renata e até a próxima temporada.

    • Renata Carneiro

      Márcio, você mencionou uma coisa que até então nunca tinha pensado: a Taylor pode sim estar querendo vingança. E pode SIM ser filha de algum ex-funcionário que morreu por lá. Ela chega a ser obsessiva com Axel, o que não tem combinado nada com os valores que ela demonstrou ter assim que foi contratada. Se essa suposição estiver errada, vai ser mais uma prova para a nossa coleção de como o dinheiro/poder corrompem mesmo, né? rs Enfim, ela com certeza vai ser uma personagem chave na temporada 3.
      Chuck brilhou nessa, mas sinto que vai ter que rebolar um pouquinho para reconquistar o pai. Acho que a Wendy, quando descobrir toda a estratégia dele, pode ficar chateada também. Vamos ver..
      Obrigada pelo comentário e por ter acompanhado nossas reviews! Abraços e até a próxima!

      • Marcio Santos

        Nada, foi um prazer acompanhar. Você faz review de outra série?

        Abraços!

        • Renata Carneiro

          Sim, Márcio! Essa season fiz Billions e Bates Motel. A próxima ainda não foi definida quem pega qual! Abraços

O que você precisa saber de Punho de Ferro antes de Defensores

5 dias atráscomentarios

O último dos Defensores a mostrar sua cara foi também o mais controverso de todos. Se Demolidor estreou sob o peso da expectativa positiva, Punho de Ferro tinha a dura missão de provar a todos que a crítica prévia estava errada e que a saga de Danny Rand valia a pena. A série protagonizada por Finn Jones, conhecido por interpretar Sor Loras em Game of Thrones, sofreu duras críticas pelo ritmo diferenciado, a ausência de um aprofundamento no misticismo e as fracas artes marciais.  Se a série conseguiu ou não se sair bem, vai do ponto de vista de cada um. De uma maneira geral, dá pra dizer que Punho de Ferro é diferente de suas companheiras de universo porque seu […]

Leia o post completo

O que você precisa saber de Luke Cage antes de Defensores

6 dias atráscomentarios

Dando sequência no dossiê especial que preparamos para você ficar pronto para a chegada de Defensores na próxima sexta, hoje é dia de retomar os fatos da primeira temporada de Luke Cage, um dos personagens mais controversos dessa leva de séries da parceria Marvel e Netflix. Nosso primeiro contato com Luke acontece ainda em Jessica Jones, quando o cara é introduzido como buddy call da investigadora e tudo parece muito ao acaso. Porque, na verdade, é mesmo. Aquele foi o primeiro teste do ator no papel e até uma maneira do roteiro sentir como que o público reagiria a chegada do próximo defensor. As reações na época foram bem mistas porque, como podemos colocar de uma maneira legal, Mike Colter […]

Leia o post completo

O que você precisa saber de Jessica Jones antes de Defensores

1 semana atráscomentarios

A primeira série da Marvel protagonizada por uma mulher começa quando os pais de Hope Shottman (Erin Moriarty) pedem a ajuda de Jessica Jones (Krysten Ritter) para investigar o paradeiro da filha, e ela então descobre que o sequestrador da moça é ninguém mais ninguém menos que Killgrave (David Tennant): aquele que a traumatizou através de um relacionamento abusivo. A moça não é então a típica heroína a qual estamos acostumados, e algumas vezes até chegamos a duvidar se podemos chama-la assim. Por ter um passado marcado pelo abuso sua personalidade se torna um tanto ácida e sombria, além de deixar para a personagem um descontrole no consumo de álcool e a ideia de que desistir é a melhor saída, e […]

Leia o post completo

Siga as nossas redes sociais e fique sempre conectado:

Assine nossa newsletter