Blindspot – 2×14 Borrow or Rob

22 de fevereiro de 2017 Por:

“Esse é o problema. Shepherd faz o que ela quer, vai onde ela quer, mata quem ela quer. E nunca tem nada que possamos fazer”, Weller reclama já nos primeiros minutos de Borrow or Rob. Jane e Nas até que tentam buscar motivos que comprovem que as ações do FBI não são tentativas falhas até agora, mas Kurt tem razão. Shepherd continua a frente da equipe em cada decisão que eles tomam – ela matou o amigo sem pensar duas vezes para garantir que ele não dissesse algo comprometedor, Robert se tornou um tipo de líder do grupo terrorista e a Fase 2 está batendo em nossas portas e nem sabemos no que o plano consiste. Além disso, os problemas dentro da equipe do FBI continuam aumentando – Patterson teve um colapso, mas se recusa a descansar, Reade caminha em direção a um vício em cocaína, e Jane acumula informações que podem explodir em suas mãos a qualquer momento. Então, Weller tem sim todos os motivos do mundo para ficar nervoso e frustrado.

E como Blindspot decide lidar com essa frustração? A série coloca Rich Dotcom no centro de um “caso tatuagem” e precisa da ajuda do digital thug para evitar uma tragédia mundial. É a segunda vez que o personagem aparece no drama nessa temporada e se a fórmula está funcionando, não sou eu que vou reclamar. Rich traz uma dose de humor que não está presente nos episódios comuns de Blindspot e coloca todos os roteiristas para trabalhar em tiradas, trocadilhos e piadas que nem sempre são genias, mas que funcionam em seu contexto. A observação de Jane, por exemplo, sobre o novo visual e atitude espiritual de Rich (“Parece que alguém encontrou todas as religiões”) não é brilhante, mas desperta, pelo menos, um sorriso no canto do rosto.

Outra coisa que conta a favor da presença de Rich nesses episódios é que a dinâmica entre o ator Ennis Esmer e o cast regular está sempre afiada, e Borrow or Rob intensifica sua relação com Sullivan Stapleton colocando Rich e Weller em contato próximo, constante e quase íntimo. E claro, Boston sempre vem junto no pacote e não sou eu que vou negar o seu enérgico embate com Patterson. Aliás, já me precipitando na história, a apatia de Boston com a lab lady gera um dos momentos mais importantes para a agente no episódio. O ex-namorado de Rich não se importa com os sentimentos dela, então Patterson pôde desabafar sua raiva com a “situação” de Robert e ser perfeitamente ignorada nos segundo seguintes. “Podemos falar sobre os meus problemas novamente?”

Então, os problemas de Rich e Boston – além do término do namoro, fato que não temos muitas informações para opinar – são que um dos membros de uma organização secreta de sua antiga faculdade notou que o lítio está tão caro que é mais fácil invadir um outro país do globo para obter o elemento. A princípio, a equipe acredita que a pessoa capaz de começar uma guerra mundial é Zach Riley, ex-parceiro de Rich que construiu um império tecnológico enquanto o amigo ficou na faculdade e começou sua carreira criminosa.

Como Blindspot não resiste a viradas no roteiro, a participação do empresário com a guerra do lítio não era o que o FBI imaginava, afinal ele vendeu a Riley Motors e não teria como se beneficiar com esse conflito. Mas não descarte a culpa de Riley ainda. A pessoa que queria que os EUA invadisse a Bolívia para obter o lítio atende pelo nome de Thad Munson que antes de ser preso pelo FBI sequestra Rich, atira em seu pé e força Kurt atirar na perna do seu parceiro de dança – bom, Weller queria atirar em Rich há algum tempo então não é muito justo depositar isso apenas nos ombros de Munson.

Com esse desfecho seria possível imaginar que o mundo foi salvo mais uma vez pela equipe do FBI, mas a série sempre surpreende com informações escondidas na ponta do nosso nariz. Se Riley realmente pode lavar suas mãos em relação a vida de milhares de bolivianos, ele não pode dizer o mesmo sobre a segurança de seu próprio país até porque Robert fez questão de confirmar que a Fase 2 nunca aconteceria sem sua participação. Essa afirmação propositalmente vazia não dá nenhuma dica sobre o papel de Zach no plano de Sandstorm e nem fornece alguma informação sobre a Fase. Blindspot só não quer deixar você esquecer que o fim do mundo está próximo e que seus personagens estão com as mãos amarradas.

Se o panorama não é esperançoso no cenário macro da série, ele também não fornece nenhum conforto nas relações micro. Enquanto Weller e Rich arriscavam alguns passos de dança e Boston e Patterson deixavam suas diferenças de lado, Jane, Nas e Roman procuravam informações ou lembrança sobre Shepherd em locais que ela ocupou quando vivia como Ellen Briggs. A ideia que não parecia ideal desde o começo só funcionou para aumentar o estresse de Roman com seu passado e logo, com a reação da irmã com o que ele está passando. “Por que você não sente? Onde está sua raiva? Onde está seu ódio?” Roman questiona.

A única memória dessa jornada surge em um ambiente muito mais calmo e não está relacionado com a identidade de Shepherd. Na casa de Jane, Roman se lembra que ele observou Weller enquanto o agente tomava café com uma mulher. Quando a lembrança toma corpo, Roman percebe que ele provocou um acidente de carro e matou essa em seguida. Ao descrevê-la, Jane percebe que ela é a mãe de Taylor Shaw e ao invés de compartilhar a história com Nas, ela promete que ela deve contá-la a Kurt porque sabe o quanto a família Shaw significa para ele.

Quando a oportunidade surge, Jane prefere falar sobre seu encontro do que sobre a morte da mãe de Taylor. Aos poucos, a protagonista de Blindspot se isola porque quer manter seguro as coisas que ela valoriza – a relação com o irmão e com Kurt. As intenções podem até ser boas, mas Jane não pode mudar o que já está feito e as verdades tendem a surgir com o tempo.

Até agora, a maior qualidade de Shepherd foi ocupar as mãos da equipe do FBI com casos menores e deixá-los livres para cometer os próprios erros. A pergunta agora é se isso vai mudar: Quando a equipe do FBI vai conseguir alcançar Sandstorm? Ou quando o grupo terrorista vai se tornar tão grande que ele invadirá a percepção da equipe? De qualquer forma, nenhum desses cenários parece esperançoso.

Outros comentários: 

– Tudo indica que Rich vai ter outras participações em Blindspot. No fim do episódio, ele diz que consegue ajudar a equipe a desvendar outra tatuagem. As informações ainda estão obscuras, mas é uma boa continuação para uma ótima parceria.

– Um brinde a todas as vezes que Weller chamou Rich de “querido” <3

– E um outro brinde a reação de Weller quando o chamaram de prostituta.

– Boston quase revelou o primeiro nome de Patterson!

– Outro momento importante para a lab lady foi conversar sobre o trauma com Nas porque ela descobriu que a agente da CIA passou pela mesma coisa quando começou a investigar Sandstorm. Nas pode não estar na liderança, mas ela sempre está conectando os personagens quando preciso.

– Reade confessa a Zapata que está saindo com a ex de Freddy e como 99,9% da população mundial imaginava, a amiga não reage bem a esse relacionamento. Mas o problema agora não é o que Edgar disse, mas o que ele ainda esconde.

E você? Gostou do episódio? Gostou da particupação de Rich e Boston? Deixe seu comentário e até o próprio episódio!

Jornalista, nerd e feminista. Melhor amiga da Mindy Kaling, mesmo que ela não saiba disso.

Salto / São Paulo

Série Favorita: Sherlock

Não assiste de jeito nenhum: Two and Half Men

Desafio: você se lembra de quem foi essa declaração de amor?

2 semanas atráscomentarios

Ah, o dia dos namorados. Aquele momento do ano para espalhar aos quatro cantos nosso sentimento por aquela pessoa especial, que faz o coração acelerar e as palmas da mão suarem. Aquela pessoa por quem você faria qualquer coisa, até mesmo deixar a vergonha – ou o medo – de lado para professar seu amor. Nas séries, existem muitos personagens  que não esperam data especial nenhuma para declarar seu amor, seja num momento de desespero, num pedido de casamento ou só para reforçar aquilo que o parceiro já sabe e Tom Jobim cantava aos quatro ventos: é impossível ser feliz sozinho. Você também acredita nisso e se derrete toda vez que sabe que chegou a hora de surtar, porque vai ter […]

Leia o post completo

Guia da Trilha Sonora: Scream – Season 1

2 semanas atráscomentarios

Entre os poucos pontos positivos que posso destacar em Scream, a trilha sonora fica em primeiríssimo lugar (talvez porque seja da MTV). Misturando canções atuais, dançantes e tristes, que fazem parte da vida dos jovens de Lakewood, a série soube utilizá-las para compor a história e os personagens. Assim, nada melhor do que ouvir as músicas da primeira temporada, agora disponível em uma playlist na nossa conta do Spotify!

Leia o post completo

House of Cards e a Política Brasileira

3 semanas atráscomentarios

Primeiramente, #foratemer. E se você ainda não conferiu a última temporada de House of Cards, não se preocupe, esse texto não contém spoilers, – apenas reflexões. Pra gostar de House of Cards você precisa torcer pelos Underwood. Claro, a gente sabe o quanto eles são escrotos, mas é ficção, certo? Não tem problema torcer pelos vilões. Ou pelo menos era o que pensávamos em 2013, quando a série estreou. Mas de lá pra cá a política mundial virou de ponta à cabeça. Os Estados Unidos elegeram Trump e nós tivemos Temer enfiado goela abaixo. Isso sem contar os acontecimentos dignos da ficção, como a morte de Teori Zavascki, a delação do Joesley e os testes nucleares da Coréia do Norte. […]

Leia o post completo

Siga as nossas redes sociais e fique sempre conectado:

Assine nossa newsletter