Blindspot – 2×17 Solos

12 de abril de 2017 Por:

Assistir Solos logo após Evil Did I Dwell, Lewd I Did Live é uma experiência interessante. O episódio 16 tem sucesso porque consegue avançar com o mistério sobre Sandstorm e sua criadora sem se apoiar em peças que já foram utilizadas diversas vezes por Blindspot. Infelizmente, Solos não tem o mesmo feito. O episódio 17 não é tão inovador ou excitante quanto o seu antecessor, mas talvez essa seja uma comparação injusta. Em seus 43 minutos, Solos consegue entreter com o que oferece e gera momentos dramáticos importantes.

Para começar, o sequestro de Jane e seu novo amor Oliver é uma virada divertida e um pouco surpreendente em relação ao que é geralmente abordado na série. Diferente do que se era esperado, o casal não é sequestrado por causa do passado perturbador ou presente perigoso da protagonista de Blindspot. Os dois se encontram presos em uma cabana em Vermont porque o pai de Oliver, Magnus Steele, gerenciava um esquema financeiro que roubou milhões de seus clientes. Uma dessas clientes é filha do sequestrador Herman (Zach Grenier) que, depois de ter sua empresa destruída pelas ações de Steele, tirou sua própria vida e agora, o pai tenta se vingar recuperando o dinheiro.

O plano de Herman se complica por dois motivos: Oliver e Jane não são as únicas pessoas que ele sequestrou, ele também fez questão de raptar dois adolescentes filhos de uma parceira de Steele e só a primeira pessoa que pagasse o valor que Herman pedia, receberia os filhos são e salvos; e Magnus Steele está morto há algum tempo e logo, o depósito por Oliver nunca pode ser feito.

De qualquer forma, Jane tenta usar todas suas habilidades – desde escalar chaminés a fazer um discurso emocionante para convencer Herman a desistir de seu plano – para tirar Oliver dessa situação de perigo e informar a equipe do FBI sobre sua localização. Eventualmente, Kurt e companhia aparecem para resgatar o casal, mas o estrago já estava feito para esse relacionamento. No fim do episódio, Oliver diz que não tem estado emocional para lidar com alguém que tem uma vida mais complicada que a dele. Honestamente, é fácil entender a decisão do moço, em poucos meses de namoro, ele teve que assassinar alguém para sair de um encontro vivo. E – como Zapata sabiamente alerta – quem Jane está querendo enganar? Oliver não é a pessoa certa para ela e o foco em Kurt logo depois de Tasha dizer isso, indica que a série não descartou o romance entre Jane e Kurt ainda.

No entanto, o plot mais interessante que surgiu desse sequestro foi a abordagem que deram para Roman. O personagem já tinha uma responsabilidade importante nesse episódio – graças a pesquisa de Nas, a equipe tem informações sobre uma viagem de Roman à Bahamas e precisa que ele lembre o que exatamente foi fazer lá -, mas Kurt decide incluí-lo no drama da busca por Jane mesmo que isso pareça um pouco estranho. Ao fazer isso, Weller muda a percepção de Roman sobre sua existência.

A questão sobre a verdadeira natureza violenta de Roman tem sido um dos pontos fortes dessa temporada e Solos traz essas perguntas à tona novamente. A doutora Karen Sun continua insistindo que Roman deve ser considerado um criminoso que está pagando pelo o que ele fez, mas Nas e Kurt defendem que o fato de tratarem Roman como um monstro o fez acreditar que ele é essa pessoa e como ele é o elemento mais valioso que eles têm contra Sandstorm, Roman tem que ser tratado com mais respeito. Nós não sabemos quem está certo nessa discussão, mas logo ao chegar na casa de Jane, Roman lembra que o dinheiro que ele foi retirar nas Bahamas pertencia à um fundo nomeado a Alice Kruger, um dos nomes de Jane.

As outras duas histórias do episódio são mais pessoais e, apesar de serem totalmente diferentes, elas têm um final extremo. Patterson diz à doutora Sun que não precisa mais fazer terapia porque as dores que estava sentindo eram físicas e Reade dispensa a ajuda de Kurt e em um ato imprudente, pede demissão. No final do episódio, vemos os dois personagens sofrendo as consequências dessas ações. Ao não admitir que Robert ainda tem influência sobre sua vida e ao ignorar os sinais que seu corpo estava dando, Patterson entre em um modo paranóico e destrói seu apartamento em busca de qualquer coisa que lembrasse aquele que a machucou tanto. E ao se entregar completamente, Reade entra em uma situação perigosa e quase perde sua vida. A pergunta que fica é se e quando Patterson e Reade vão procurar ajuda para superar esses problemas.

Outros comentários:

– Eu não consigo lidar com o sotaque de Oliver.

– O desenho que Jane faz no sofá da cabana ficou tão bonito, mas de todas as cenas do episódio, essa me pareceu a mais irreal.

– E para não perder o costume, Solos termina com um cliffhanger: A equipe do FBI descobre que está sendo investigada por uma possível ligação com Sandstorm.

Jornalista, nerd e feminista. Melhor amiga da Mindy Kaling, mesmo que ela não saiba disso.

Salto / São Paulo

Série Favorita: Sherlock

Não assiste de jeito nenhum: Two and Half Men

5 momentos incríveis da 2ª temporada de Master of None

4 dias atráscomentarios

Somos apaixonados por Master of None por aqui. Depois de uma primeira temporada sucinta, porém arrebatadora, esperamos quase dois anos (ou foi mais que isso?) para reencontrarmos Dev em um novo momento da sua vida. E, ao longo de dez episódios, tivemos a oportunidade de passear por muitos momentos incríveis na companhia do personagem, com um roteiro extremamente crítico e que faz com que a gente pare, reflita e mude algumas atitudes tão intrínsecas do nosso ser. Por isso, separamos (só) cinco dos grandes momentos dessa nova temporada, para revisitarmos e te convencermos de que, se você ainda não viu, essa é a hora para parar tudo que está fazendo e devorar o segundo ano de Master of None.   […]

Leia o post completo

Gypsy

5 dias atráscomentarios

Confesso que a princípio eu achei que Gypsy fosse um filme, afinal Naomi Watts e Billy Crudup são atores que estamos mais acostumados a ver na telona. Estranho ter um casal desse porte em uma produção para telinha do Netflix. De fato, Gypsy não é como a maioria das séries que estamos acostumados. Tem uma cinematografia de tirar o fôlego e um enredo que se desenvolve sem qualquer pressa. Com episódios de 50 minutos em média, Gypsy é quase um estudo de personalidade da sua protagonista, Jean Holloway, vivida por Naomi Watts. Ela é uma psicóloga, casada com Michael, um advogado que parece ter uma vida normal no subúrbio dos EUA. Tudo é muito sútil no início, mas vamos notando […]

Leia o post completo

Primeiras Impressões: Atypical

5 dias atráscomentarios

Estreou ontem na Netflix a comédia Atypical, que conta a vida de Sam (Keir Gilchrist), um garoto autista que chega a idade adulta e passa a ter uma série de necessidades/curiosidades para descobrir quem realmente é. E nesse caminho de descobertas vamos entendendo mais sobre a sua personalidade, suas limitações e como tudo isso afeta a sua família e a todos que o cercam. Trazer o universo adolescente parece ter sido uma maneira do canal de streaming se aproximar do seu público, trabalhando pautas mais complicadas através de uma abordagem diferente. Foi assim com o suicídio em 13 Reasons Why e agora com o autismo em Atypical. Mas o que chama atenção mesmo é que, apesar de todas as limitações do […]

Leia o post completo

Siga as nossas redes sociais e fique sempre conectado:

Assine nossa newsletter