Caçadores de Trolls

17 de janeiro de 2017 Por:

Já faz tempo que mundo dos desenhos não parece mais tão destinado ao público infantil. Roteiros inteligentes, histórias intrigantes e que prendem e emocionam os telespectadores ganham adeptos do mundo todo. E se você, assim como eu, é fã de animações e frequenta cinemas, deve ter percebido que cada vez mais aumenta o número de adultos desacompanhados dos pequenos nesse ambiente.

Muitos adultos deixaram de ir ao cinema apenas como acompanhantes dos filhos/sobrinhos/netos e redescobriram o prazer de ver uma boa animação na tela grande e com clima escurinho. Walt Disney continua inventando novos clássicos (Oi, Toy Story e Frozen!), mas não podemos esquecer a importância da DreamWorks no cenário mundial. Como não amar Shrek, com a ogra sendo a verdadeira princesa?

A série vale cada minuto de hoje é Caçadores de Trolls (Trollhunters) animação da Dreamworks em parceria com a amada Netflix. Criada por Guilherme Del Toro, a história da série é baseada em livros de mesmo nome. Jim Lake Jr. dividia sua rotina entre cuidar da mãe Bárbara, uma médica que trabalha muitas horas para manter sua casa, e de seu melhor amigo Toby, um garoto divertido que se diz de dieta praticamente desde o berço. A vida de Jim muda radicalmente quando ele encontra um amuleto que brilha muito. Sem saber do que se tratava, ele leva o amuleto para casa.

Mais tarde Jim descobre que o amuleto o transforma no Caçador de Trolls, aquele que é responsável por proteger o mundo dos trolls e dos humanos de trolls malvados. No começo o garoto não aceita bem a ideia – e a responsabilidade. Mas logo percebe que não há como fugir. Com ajuda de seus treinadores trolls Blinky e Aaarrrgghh!!! e do amigo Toky, o Caçador de Trolls começa a despertar e dominar seus poderes, enfrentando vários perigos, incluindo o malvado Bular.

A série alterna as cenas de ação (lutas e perseguições) com a rotina dos personagens principais numa típica escola americana, vivendo seus dramas adolescentes. Essa parte é fundamental pois, além de dar leveza à história, faz a gente voltar no tempo e se identificar muitas vezes. Quem nunca passou momentos vergonha alheia na frente do primeiro amor? Sofreu bullyng por ser gordinho? Foi ou quis ser popular na escola?

Caçadores de Trolls lembra o estilo The Shannara Chronicles, mas menos sombria e mais cativante. A mitologia da série é envolvente e os momentos de alívio cômico são constantes. E nem diga que “não está com tempo para novas maratonas”. A primeira temporada tem só 26 episódios de mais ou menos 23 minutos cada um.  E se você ainda tem alguma dúvida, não deixe de conferir o trailer oficial da série:

 


Gostou da dica? Pretende dar uma chance? Já conhece? Conta pra gente.

Mineira apaixonada por séries policiais, dramas jurídicos e séries teen de qualidade (Saudades, Greek!).

Belo Horizonte - MG

Série Favorita: Grey´s Anatomy

Não assiste de jeito nenhum: House

  • Ana Rebeca Tamandaré

    Adorei a série animada, consumi os 26 episódios em uma semana. Leve, inteligente e ágil Caçadores de Trolls surpreende pela qualidade com personagens cativantes e engraçados.

    Com toda a certeza Vale Cada Minuto!

    • Andrezza

      Ana, os personagens são o melhor de tudo, né?
      Amo até alguns vilões. rs

  • Paulo Adriano Rocha

    Eu tô vendo um ou dois episódios por vez e tô curtindo demais.
    Tobby = melhor pessoa. Hahahaha.

    • Andrezza

      Tobby = melhor pessoa do mundo.
      Eu me controlei pra não ver tudo um atrás do outro e acabar logo!

  • Tavares Carol

    Amei essa série! Fiquei assistindo com meus irmãos… é leve, genial e rápido! Aquela coisa divertida que te faz querer ver sempre 🙂

    • Andrezza

      Concordo com tudo!
      Já quero mais. 🙂

  • Vinícius Alves

    Assisti o piloto devido a esse post, e sério, que coisa mais incrível. #PartiuMaratona

    • Andrezza

      OI, Vinicius!
      Você não tem ideia de como eu fiquei feliz ao saber.
      Boa Maratona! =)

  • Caio

    Eu pensava que seria uma série bem mais voltada para o público infantil, mas tem uma mescla de adolescente e adulto jovem no roteiro. É aquele típica animação que os pais podem assistir com os filhos com garantia de alguma diversão para ambos.

Guia da Trilha Sonora: Parenthood – 4ª temporada

2 semanas atráscomentarios

Parenthood é o tipo de série que sempre nos emociona de alguma forma: seja com o clima familiar, com os dramas dos personagens ou com a alegria de suas conquistas. E na 4ª temporada a gente sofreu bastante com alguns personagens, e claro que a trilha sonora contribuiu bastante pra que tivéssemos o maior impacto possível de tudo que a temporada queria nos passar. Abertura: Forever Young – Bob Dylan Abertura Internacional: When We Were Young – Lucy Scwartz 4×01 – Family Portrait Just As Loud – PAUL MCDONALD Corner – ALLIE MOSS Call Me the Breeze – BETH ORTON Amen – ROCCO DELUCA A Little One – PEASANT Counting Stars – PAUL MCDONALD T-Bone Shuffle – T-BONE WALKER 4×02 […]

Leia o post completo

Maratona Parenthood – 6ª temporada

2 semanas atráscomentarios

Pegar a última temporada de Parenthood para fazer o post de maratona foi um imenso desafio. A expectativa era grande, junto com o medo de não conseguir terminar o texto. Mas é isso que uma série faz conosco, não é? Nos encher de emoções e deixar aquele gelinho na barriga no final. Família é uma coisa difícil. Você não vive sem ela e não consegue, muitas vezes, ficar perto dela. Talvez porque família não tenha o dever de ser um amigo e dizer que certas atitudes estão corretas. Ela tem o dever de apoiar, apesar dessas atitudes e estar ao lado nas horas mais importantes, sejam elas felizes ou tristes. E isso define bem o que os Braverman são. O sexto ano da […]

Leia o post completo

The Good Fight

2 semanas atráscomentarios

The Good Wife é uma das séries jurídicas mais queridas dos fãs do gênero. Mesclando casos jurídicas repletos de reviravoltas com escândalos políticos num roteiro afiado com protagonistas cativantes e coadjuvantes de luxo, os contornos da vida pessoal e profissional de Alicia Florrick e cia conquistaram nossa atenção. Mas como tudo que é bom tem um fim, a série acabou caindo na qualidade e foi cancelada após sete temporadas. Era o fim da criatividade? Graças a Deus (e aos King), não. Menos de um ano após o final de The Good Wife foi lançada The Good Fight, um spin off dos mesmos produtores e que não deixou a desejar comparando com a série mãe. TGF deu sinais de que seria interessante logo […]

Leia o post completo

Siga as nossas redes sociais e fique sempre conectado:

Assine nossa newsletter