Merlí

Merlí é uma produção catalã de 2015, exibida pela TV3 e estrelada por Francesc Orella que…

Primeiras Impressões: Mindhunter

Mindhunter estreou na Netflix nesta sexta-feira (13) sob toda a expectativa que uma série de David…

#CCXP2016 Coletiva de Imprensa Netflix

Por: em 7 de dezembro de 2016

#CCXP2016 Coletiva de Imprensa Netflix

Por: em

Enquanto meu amigo Leandro esperava o tão aguardado painel da Netflix na CCXP, no último dia, eu me dirigi para a coletiva de imprensa que o serviço de streaming realizou, algumas horas antes, com a presença dos membros do elenco de suas séries presentes no evento. Muita coisa bacana se discutiu e se falou, então vamos por partes:

3%

3-por-cento-2

Abrindo os trabalhos, o elenco de 3% (Bianca Comparato – Michele, Rafael Lozano – Marco, Michel Gomes – Fernando, Rodolfo Valente – Rafael, Vaneza Oliveira – Joana e Viviane Porto – Aline) transbordou simpatia. De cara, os atores falaram um pouco sobre seus personagens e que a questão da série ser uma produção de ficção científica é algo que causou estranhamento em alguns. O assunto abriu espaço para que se tocassem nas diversas críticas que a produção vem recebendo, tanto nacional quanto internacionalmente. Bianca, sempre um doce, comentou que está acompanhando todas  e que tem certeza que a série terá uma segunda temporada melhor. Vaneza comentou que o gênero de ficção científica ainda não é muito explorado no Brasil e Rodolfo complementou que é sempre bom abrir espaço para novos gêneros. Como que para comprovar isso, eles falaram que receberam mensagens de pessoas que contaram que preferiam ver a série dublada em inglês, mostrando que o público maior ainda está acostumado com a produção de distopias apenas por meios norte-americanos no geral.

Foi falado também sobre o piloto produzido independentemente e colocado no Youtube anos atrás. Todos assistiram ao episódio e Bianca disse que a regra que eles tinham era que não poderiam imitar o piloto.  Eles comentaram que uma das principais diferenças é que, agora, como haviam mais episódios pela frente, eles poderiam desenvolver mais os personagens. O Processo também foi abordado. O elenco se divertiu contando que, à exceção de Rodolfo, todos seriam eliminados na prova dos cubos. Somente o intérprete de Rafael conseguiu completar a prova durante o processo de preparação.

O fato de a série trazer muitos elementos que estão presentes no Brasil hoje como fome, desigualdade e miséria também foi discutido. Bianca comentou com os olhos brilhando que foi exatamente isso que a fez aceitar o papel sem ler o roteiro. Vaneza (Joana) disse que não se sente incomodada em tocar em questões polêmicas e Michel (Fernando) contou de uma gravação em que eles foram confundidos com moradores de rua por causa das roupas que usavam e que aquilo significou muito. Rodolfo (Rafael) encerrou o tópico afirmando que não existe prazer maior para ele do que discutir esses assuntos.

No final, foi discutido o orçamento da série e quem não entraria no Mar alto deles. Para Bianca, corruptos. Vaneza escolheu pernilongos. Ao fim, sob aplausos, eles reforçaram o quanto é importante a série ser a primeira produção original Netflix brasileira e só deixou ainda mais claro pra gente o quanto isso significa, mesmo que existam erros na série.

Shadowhunters

shadowhunters

Após o elenco de 3% deixar o palco, os lindos (realmente lindos) de Shadowhunters subiram. Dominic Sherwood (Jace), Katherine McNamara (Clary), Alberto Rosende (Simon), Matthew Daddario (Alec) e Emeraude Tobia (Isabelle) mostraram-se bem à vontade. Dominic, por exemplo, entrou abraçando e sentando-se ao lado de Alberto imediatamente.

O primeiro assunto abordado foi a nova temporada, que estreia logo no dia 3 de janeiro, pela Netflix. Segundo os atores, o tema do novo ano é descoberta. De alguma forma, todos os personagens estarão envolvidos em jornadas que os levarão a descobrir aquilo que eles realmente são e que isso fará com que as relações entre eles sejam mais exploradas, revelando novas facetas e até mesmo apostando em flashbacks para personagens como Jace, Alec e Izzie.

Uma das primeiras perguntas foi relacionada ao cast de Sebastian, um dos personagens mais esperados pelos fãs dos livros. Eles contaram que a escalação e posterior chegada de Sebastian será um game change muito grande para a história e todos eles estão bastante ansiosos para que o momento chegue logo. Eles tranquilizaram a todos afirmando que, assim como com os outros personagens, Sebastian será bem explorado. O assunto também levou ao novo showrunner da série e Kat disse estar bem animada com os novos rumos da série, acreditando que todos irão gostar.

Matthew Daddario foi convidado a falar sobre Malec, o shipper mais esperado e amado pelos fãs do programa. O ator confirmou que o relacionamento entre seu personagem Alec e o feiticeiro Magnus vai continuar exatamente de onde parou. “Eles estão tentando achar tempo para se conhecer e se entender.”, disse o ator, confirmando que ainda há muito para ser desenvolvido entre os dois.

Quanto à fidelidade entre a nova temporada e o segundo livro, Cidade das Cinzas, Katherine respondeu que existem diversas referências entre as obras, mas que o novo ano terá elementos de todos os livros da série escrita por Cassandra Clare e que o foco será mesmo a complicada relação entre Jace e Valentine. Ela lembrou a todos que ainda não sabemos todos os motivos que fizeram Jace se reunir ao pai e que isso será abordado.

No fim, eles contaram que terminaram de gravar recentemente o episódio 10 e se divertiram quando questionados sobre quais outros universos televisivos eles queriam fazer parte. Emeraude escolheu Marvel, enquanto Kat afirmou que adoraria fazer parte de Star Wars.

Neil Patrick Harris

neil

Recebido sob os aplausos mais empolgados da coletiva e debaixo de uma chuva de fotos, Neil Patrick entrou no palco para representar a nova série do serviço de streaming que estreia em janeiro, Desventuras em Série. Na adaptação da obra de Daniel Handler (escrita com o pseudônimo de Lemony Snicket), Neil viverá o Conde Olaf, um personagem que nas palavras do próprio ator durante a coletiva, é uma representação de tudo que ele acha que não é. Alguém puramente mau e assustador.

O ator esteve bem empolgado durante toda a coletiva e contou que esse sentimento é algo que está com ele desde o momento em que a Netflix lhe apresentou o projeto. Ele comentou que não queria que a caracterização física de seu personagem se assemelhasse a que Jim Carrey usou no filme homônimo da década passada e que procurou criar seu estilo próprio para Olaf. Como base para construir o mesmo, o ator usou os 13 livros que compõem a série e também o filme, por mais que o próprio Daniel Handler tivesse lhe dito para não assistir ao filme. Entre risos descontraídos da plateia, Neil contou que assistiu o filme mesmo assim, para conseguir reunir o máximo possível sobre o personagem.

Questionado sobre o tom da série, Neil comparou com Pushing Daisies e disse que teremos um produto que por mais que tenha uma veia dramática, acaba usando-se também de comédia. Nas palavras do ator, é algo único e absurdamente interessante de se observar e assistir.

Obviamente, o ator não escapou de falar sobre Barney Stintson, personagem de How I Met Your Mother que o fez famoso e arrancou risos de todos ao encenar como Barney passaria uma cantada em uma modelo da Playboy, criando uma piada que envolvia um explorador viajado, uma doença contagiosa altamente perigosa e sexo oral. Neil também divertiu a todos diversas vezes, com suas interrupções pontuais e suas brincadeiras fora-de-hora (quando a luz da sala se apagou em uma hora, ele perguntou se aquilo era um apagão).

O ator ainda comentou rapidamente sobre sua família (ele é casado com o também ator David Bhurka e pai dos gêmeos, Harper e Gideon) e disse que ao aceitar o papel na série, ficou preocupado de não ter tempo suficiente para estar com eles, já que moram em Nova York e as gravações foram em Vancouver. No fim, o ator revelou que passa 3 horas para ficar com a maquiagem do Conde Olaf pronta.

Desventuras em Série estreia em janeiro, na Netflix, com 8 episódios – sendo que a primeira temporada irá englobar 4 livros, dos 13 publicados da série literária.

Sense8

sense8-coletiva

Finalizando a coletiva, Brian J. Smith (Will), Miguel Angel Silvestre (Lito) e Tina Desai (Kala) subiram ao palco para falar sobre a tão esperada segunda temporada de Sense8. Já para iniciar, eles comentaram que o tema principal da segunda temporada será queda e o entendimento do que é uma vida de sense8. Haverá mais interações, mais trocas de habilidades, mais movimento, mais conexão. Os personagens irão dividir mais e compartilhar mais. Brian falou um pouco sobre a situação de Will quando a nova temporada começar. O policial estará envolvido com drogas como uma alternativa para manter o Sussurros longe do cluster. Tina comentou que Kala está dividida entre Wolfie e Raj e Miguel contou que Lito terá que lidar com sua sexualidade vindo à público.

Um dos primeiros assuntos abordados foi a maneira como Lana (criadora e produtora) lida com o sexo na série. Brian disse que acha bem bonito como a produtora vê o sexo como algo natural e consegue transformar o assunto em algo delicado e bonito, que acaba sendo falado e discutido. Aproveitando o ensejo, foi comentado sobre as gravações na parada do orgulho LGBT em São Paulo e que muito daquilo foi improvisado, com Lana decidindo na hora o que iria acontecer. Brian achou interessante acrescentar que Max (Wolfie) beija muito bem (pra histeria de muitos – aqui eu me incluo). O ator também falou que acha bem interessante a relação entre seu personagem e Lito e que tem certeza que Will gosta dele, já que eles sempre se conectam quando estão com problemas ou tristes.

Em seguida, em um dos momentos mais emocionantes da coletiva, perguntaram a Miguel como ele se sentia interpretando um personagem gay e estando em um país onde todo dia, jovens morrem por homofobia. Depois de um silêncio de alguns segundos, Miguel fez uma fala bem bonita, afirmando que sente orgulho de fazer parte de uma série que mostra as pessoas que elas não estão sozinhas e que não há erro algum em serem quem elas realmente são. E que, por isso, acredita de verdade que essa realidade triste está prestes a mudar. À fala do ator, seguiram-se aplausos de todos os presentes.

Em outro momento, Brian comentou que a temporada será mais desafiadora, porque Lana descobre os medos de todos eles e os coloca no roteiro, de modo a ajudá-los a superar. O ator conta que gravou uma cena submerso e que Lana a escreveu depois de descobrir que ele tinha medo de ficar embaixo d’água. Foi comentado também sobre como os três personagens (Lito, Will e Kala) colocaram o amor como algo de grande significado em suas vidas no fim da temporada passada e que isso é a verdadeira essência de ser um Sense8. 

A recente eleição de Donald Trump a presidência dos EUA também foi abordada. Brian comentou que agora, mais do que nunca, Sense8 é importante por ir de encontro a tudo aquilo que Trump propaga. O ator disse que agora é a hora da série ser uma voz para encorajar todos a permanecerem diferentes, estarem à parte do mundo “perfeito” defendido por ele. Seguindo o assunto, Miguel comentou sobre a cena em que Nomi e Lito conversam no museu e disse que aquilo mudou algo em sua vida para sempre. O ator comentou o quanto admira as pessoas que, mesmo vivendo sob discursos de ódio, sentem felicidade e orgulho de ser quem elas realmente são e que está com elas nessa luta.

O novo Capheus, interpretado por Toby Onwumere, também foi assunto. Todos os três se rasgaram em elogios ao novo colega e Brian disse que ele foi um presente dos céus, chegado na hora em que todos mais precisavam. Ao final, eles encerram comentando com quem gostariam de ser Sense8: Tina escolheu Johnny Deep e Robert Downey Jr, Miguel disse inicialmente Jennifer Lawrence e depois Phillip Seymor Houffman (RIP). Brian foi mais longe e disse que queria ser alguém da equipe de transição de Trump, para entender porque eles pensam da forma que pensam.


Agora aproveita e conta pra gente: Gostou das novidades? Pra qual série está mais animado?


Alexandre Cavalcante

Jornalista, nerd, viciado em um bom drama teen, de fantasia, ficção científica ou de super-herói. Assiste séries desde que começou a falar e morria de medo da música de Arquivo X nos tempos da Record. Não dispensa também um bom livro, um bom filme ou uma boa HQ.

Petrolina / PE

Série Favorita: One Tree Hill

Não assiste de jeito nenhum: The Big Bang Theory

×