Chicago Fire – 5×16 Telling Her Goodbye

23 de março de 2017 Por:

Depois de um hiato de três semanas, Chicago Fire retorna com um episódio tenso, fugindo do tradicional caso da semana, e dando mais força ao sentido de união que existe entre os bombeiros e paramédicos do Batalhão 51. Aliás, que Batalhão zicado esse hein? Tudo de ruim que pode acontecer, acontece por lá.

Tudo parecia caminhar para um dia normal (se é que se pode chamar de normal o cotidiano de um corpo de bombeiros), até que integrantes de uma gangue, fugindo de rivais, invade o Batalhão para se esconder e acaba fazendo todos que estão lá de reféns.

Claro que, conhecendo os personagens como conhecemos, seria impossível que eles fossem ficar quietinhos, esperando a situação se resolver. O trabalho deles é salvar o dia e serem herois, afinal de contas. Sendo assim, não teve um ali que não enfrentasse os bandidos de alguma forma.

Severide acabou sendo o primeiro a ajudar de verdade porque ele estava tomando banho e não foi visto pela gangue. Avisou pelo rádio da situação e acionou a polícia. Talvez o timing não tenha sido exatamente bom, já que o líder tinha decidido levar seu grupo embora, mas se fosse assim não teríamos emoção, não é mesmo? O tenente, aliás, não se deu por vencido nem depois de ter tomado uns socos e chutes ao ser descoberto. Ainda escapou do lugar onde estavam os reféns e foi ajudar a Stella, que ficou encurralada no banheiro.

Stella também teve seu dia de heroína. Ela logo se ofereceu para cuidar do bandido ferido e não levou numa boa as ameaças contra sua família. Otis também não ficou parado e, com a ajuda de Gabby, conseguiu fazer um procedimento para salvar a vida do rapaz baleado.

E o que dizer de Hermann? Pensei mesmo que ele tinha enfartado e a indigestão por curry fosse só uma lenda. Mas ele, como sempre, foi esperto e conseguiu sair para avisar os policiais sobre a real situação dentro do Batalhão e alertar sobre o plano de fuga.

Seguindo a mesma linha dos corajosos, Cruz se ofereceu para dirigir o caminhão na fuga estilo Mad Max, mas quem acabou ficando no fogo cruzado foi o chefe Boden. Apesar de ter achado um pouco forçado a mãe do garoto implorando para ele se entregar, isso surtiu algum efeito, já que ele ajudou a encerrar a situação.

Toda a confusão aconteceu porque uma menina de dez anos morreu em um tiroteio de gangues, mas o que o episódio mostrou foi mesmo o quando a união e a coragem dos bombeiros e paramédicos do Batalhão 51 é importante, e que é disso que Chicago Fire quer falar.


E então, o que acharam do retorno de Chicago Fire? Gostaram do episódio todo se passando dentro do Batalhão? Deixem seus comentários!

Jornalista, mãe, apaixonada por séries desde a época da Sessão Comédia, Gosto de dramas que emocionam e de comédias inteligentes. Também sou fã dos seriados de super-heróis.

São Bernardo do Campo, SP

Série Favorita: Outlander

Não assiste de jeito nenhum: The Blacklist

  • Gostei bastante do episódio, Pinto Lobo brincando com os nossos corações.
    Eu gosto que CF lança uns episódios assim sem ao menos a gente esperar.

  • Lívia Guimarães Sandes

    Que Episódio Bom!! O Batalhão atiçado que você respeita!! Hauhauahua Herman seu malandro!!

Desafio: você se lembra de quem foi essa declaração de amor?

2 semanas atráscomentarios

Ah, o dia dos namorados. Aquele momento do ano para espalhar aos quatro cantos nosso sentimento por aquela pessoa especial, que faz o coração acelerar e as palmas da mão suarem. Aquela pessoa por quem você faria qualquer coisa, até mesmo deixar a vergonha – ou o medo – de lado para professar seu amor. Nas séries, existem muitos personagens  que não esperam data especial nenhuma para declarar seu amor, seja num momento de desespero, num pedido de casamento ou só para reforçar aquilo que o parceiro já sabe e Tom Jobim cantava aos quatro ventos: é impossível ser feliz sozinho. Você também acredita nisso e se derrete toda vez que sabe que chegou a hora de surtar, porque vai ter […]

Leia o post completo

Guia da Trilha Sonora: Scream – Season 1

2 semanas atráscomentarios

Entre os poucos pontos positivos que posso destacar em Scream, a trilha sonora fica em primeiríssimo lugar (talvez porque seja da MTV). Misturando canções atuais, dançantes e tristes, que fazem parte da vida dos jovens de Lakewood, a série soube utilizá-las para compor a história e os personagens. Assim, nada melhor do que ouvir as músicas da primeira temporada, agora disponível em uma playlist na nossa conta do Spotify!

Leia o post completo

House of Cards e a Política Brasileira

3 semanas atráscomentarios

Primeiramente, #foratemer. E se você ainda não conferiu a última temporada de House of Cards, não se preocupe, esse texto não contém spoilers, – apenas reflexões. Pra gostar de House of Cards você precisa torcer pelos Underwood. Claro, a gente sabe o quanto eles são escrotos, mas é ficção, certo? Não tem problema torcer pelos vilões. Ou pelo menos era o que pensávamos em 2013, quando a série estreou. Mas de lá pra cá a política mundial virou de ponta à cabeça. Os Estados Unidos elegeram Trump e nós tivemos Temer enfiado goela abaixo. Isso sem contar os acontecimentos dignos da ficção, como a morte de Teori Zavascki, a delação do Joesley e os testes nucleares da Coréia do Norte. […]

Leia o post completo

Siga as nossas redes sociais e fique sempre conectado:

Assine nossa newsletter