Chicago Justice – 1×03 See Something

12 de março de 2017 Por:

Se a série se manter no nível de See Something, talvez a gente tenha mais do que um procedural spin off, no fim das contas. Pela primeira vez desde a sua estreia, Chicago Justice conseguiu caminhar sozinha e com um resultado bem satisfatório. Abordando temas polêmicos e essenciais, dada a nossa conjuntura político-social, o episódio foi um ataque direto ao Presidente Trump e ao atentado à boate Pulse em Orlando.

O caso da vez envolve um muçulmano e um possível crime de ódio, ao longo do episódio a imagem que fica é a de que, de fato, se tratou de um crime bárbaro e com motivações racistas e segregacionistas. A atuação da polícia foi extremamente necessária para compreender o motivo por trás do crime e eliminar, de cara, o principal suspeito. Eu confesso que fico incomodada com isso da Promotoria sempre acusar um cara, sem ter as provas necessárias e ter que, no final, retirar as acusações e sair caçando outro culpado. Claro que se não houver justa causa da autoria, não há que se falar em julgamento, mas o que eu quero dizer é que seria bom não pensar muito no imediatismo e tentar agir com mais prudência, até porque toda vez que o Estado acusa alguém, a máquina do Judiciário funciona e é gasta de forma desnecessária, já que o culpado não é quem ele imagina.

Mas ainda que a Promotoria tenha sido imprudente ao acusar quem quer que seja, sem ter um conjunto de provas concretas, o mesmo não pode se dizer quando ela consegue as provas e as usam das melhores formas possíveis. Peter e sua equipe é bem competente e, por mais que pequem ao serem imediatistas, a gente percebe que isso não acontece por má vontade, mas sim pela necessidade que a sociedade tem de encontrar um suspeito, um culpado, um algoz.

Dessa forma, é muito mais fácil, em regra, sentir simpatia por Peter e companhia, justamente por perceber, nas suas atitudes, a vontade de fazer o que é certo e tentar recompensar a família da vítima pelas atitudes dos condenados.

De todos os casos, este foi o mais real e com uma questão crítica muito aguçada. O cara invejoso que também é muçulmano não teria motivo para matar seu colega de quarto, certo? Errado. O que não passava de intolerância religiosa, no final das contas se tornou mais um caso de terrorismo, em que a credibilidade das vítimas são colocadas à prova, a rotina dos colegas de quarto e as informações junto a essas pessoas também. De repente o bandido se torna mocinho e acaba por se fazer o “herói” de uma história que questionadamente foi evitada. Um provável ataque terrorista que foi evitado graças a sua atitude de matar o suspeito de terrorismo, suspeito esse que jamais foi questionado por ninguém, ainda que tenha vídeos suspeitos e racistas no seu celular que “comprovem” isso. Ele nunca foi perguntado e nem teve a oportunidade de se defender, apenas apareceu um cara que se diz prezar pela vida dos americanos e tudo certo.

A forma como Peter conduz o caso e consegue dar a volta por cima nos argumentos do advogado de defesa é muito brilhante e faz com que a gente entenda do porquê ele ser o promotor principal, enquanto que a Anne é a auxiliar. Apesar de querer que ela tenha mais destaque, Anne é muito aprendiz e não consegue enxergar malícia por trás de certas atitudes ou situações. Ela tem muito que aprender, e o Peter tem muito a ensinar. A aula que ele dá a ela sobre o caso da diabetes foi bem inteligente e deu pra perceber o quanto sangue frio você precisa ser se entrar nesse ramo do Direito. Na verdade, por ser uma ciência tão complexa e racional, fica difícil não ser sangue frio em qualquer área de atuação.

Mas de toda sorte, o sentimento que fica para o restante do elenco, ainda que o réu tenha sido considerado culpado pelo júri é a de que ele fez um favor a humanidade, por ter se livrado de mais um. Por ter se livrado de um terrorista, que a qualquer momento poderia facilmente destruir milhões de vida.

Objection 1: Apesar das críticas negativas, esse episódio aparentou ter mais sintonia entre os personagens do que o outro.
Objection 2: Esse encontro do pessoal no bar, depois do julgamento, é muito Grey’s Anatomy e seus anos iniciais.
Objection 3: Espero que agora a série consiga se regularizar, porque foi um episódio por dia quase né?!

Então é isso, a gente se vê na próxima!! Oka? Bjosss!

Assiste séries com a mesma frequência que sente fome. Estudante de Direito, futura professora de Inglês e louca pelos animais, em especial, seus amigos. Uma aquariana que não...

Ler perfil completo

Salvador BA

Série Favorita: Impossível decidir

Não assiste de jeito nenhum: Glee

  • porlapazyporlavida lc

    Peter cada vez mais maravilhoso. É errado shippar ele com Anna? Porque eu shippo. A parceira de Antonio continua sem carisma, assim como o chefe. Os outros já vejo se encaixarem melhor. Espero que seja sempre assim, melhor a cada episódio.

Girlboss: guia do que NÃO fazer na vida adulta

2 semanas atráscomentarios

Teve gente que gostou de Girlboss, teve gente que achou a série fraca. Mas em uma coisa todo mundo certamente concorda: Sophia é um dos piores seres humanos que já vimos como protagonista de uma série. E com ela a gente pode aprender muito sobre o que não fazer para ser uma pessoa melhor. 5. Não roubar Em GirlBoss, uma das primeiras coisas que descobrimos sobre Sophia é que ela acha normal roubar. Não, ela não rouba porque precisa, porque quer ajudar alguém, ou se quer por uma questão de princípios contra uma sociedade capitalista. Sophia rouba porque se sente superior e simplesmente não respeita os outros, – muito menos suas propriedades. 4. Não ser egoísta com a melhor amiga […]

Leia o post completo

Desafio: você se lembra de quem foi essa declaração de amor?

2 semanas atráscomentarios

Ah, o dia dos namorados. Aquele momento do ano para espalhar aos quatro cantos nosso sentimento por aquela pessoa especial, que faz o coração acelerar e as palmas da mão suarem. Aquela pessoa por quem você faria qualquer coisa, até mesmo deixar a vergonha – ou o medo – de lado para professar seu amor. Nas séries, existem muitos personagens  que não esperam data especial nenhuma para declarar seu amor, seja num momento de desespero, num pedido de casamento ou só para reforçar aquilo que o parceiro já sabe e Tom Jobim cantava aos quatro ventos: é impossível ser feliz sozinho. Você também acredita nisso e se derrete toda vez que sabe que chegou a hora de surtar, porque vai ter […]

Leia o post completo

Guia da Trilha Sonora: Scream – Season 1

3 semanas atráscomentarios

Entre os poucos pontos positivos que posso destacar em Scream, a trilha sonora fica em primeiríssimo lugar (talvez porque seja da MTV). Misturando canções atuais, dançantes e tristes, que fazem parte da vida dos jovens de Lakewood, a série soube utilizá-las para compor a história e os personagens. Assim, nada melhor do que ouvir as músicas da primeira temporada, agora disponível em uma playlist na nossa conta do Spotify!

Leia o post completo

Siga as nossas redes sociais e fique sempre conectado:

Assine nossa newsletter