Chicago Justice – 1×06 Dead Meat

2 de abril de 2017 Por:

Em mais um episódio de Justice, o foco permanece no Peter. Claro que isso não é um problema a ponto de comprometer o andamento da série, mas de uma certa forma, acaba incomodando algumas pessoas que assistem. O caso dessa semana não foi um dos melhores, mas serviu para nos mostrar que a série tem muito mais a compartilhar com Chicago PD do que imaginamos. Pra mim a ligação com a outra série só ficaria no crossover, mas pelo que eu entendi vai ser assim até a finale. Lógico que essa interação não é um problema, mas pensem comigo: o fato de ser uma dos policiais, que é a parte inicial dos casos, e a outra o tribunal, que no caso é a parte final, não significa dizer que tudo tem que tá ligado um no outro. Digo isso, porque a gente não vê essa interação entre Fire e Med, por exemplo. Nem todos os casos de Fire vão para o Hospital de Chicago, e  realmente não deveria ser assim, já que a série consegue se virar bem sem a sua criadora.

Só que o mesmo não posso dizer de CJ, já que apesar da tentativa em abordar bons temas e trazer a temática de reviravoltas e bons diálogos, é possível perceber o quanto a série peca em não conseguir caminhar sozinha, em não conseguir se desprender da série anterior e, a partir daí conseguir caminhar em paz e elaborar bons plots para os seus personagens.

O caso da semana teve a ver com a vida passada do Peter. O que parecia ser um simples caso de suicídio, logo se tornou em tentativa de assassinato, que teve os mais variados motivos. Há cinco anos, um empresário foi acusado de colocar fogo em sua fazenda e matar um de seus fazendeiros. Quando o caso foi levado a júri, o empresário foi inocentado, o que deixou Peter bem irritado e em dívida com a família do fazendeiro. Acontece que, toda a história volta novamente e, agora, o Peter tem a possibilidade de fazer diferente e conseguir a justiça que tanto almejou tempos atrás. Só que por mais que a história tente parecer triste ou injusta, não é fácil captar esse olhar quando se assiste. Muitas vezes eu tive que voltar a cena, porque não tava conseguindo me manter atenta, a ponto de entender do que se tratava. Resultado de um caso confuso e sem muito a acrescentar, mas tão somente fazer menção a CPD, mais uma vez.

Mas o episódio não foi de todo ruim, pela quinquagésima vez o Peter conseguiu brilhar com suas sacadas geniais e super pontuais, e dessa forma conseguiu salvar o dia. É incrível a capacidade que ele tem de se atentar aos detalhes e a usar tudo que tiver ao seu alcance a seu favor. Enquanto que a ele lhe sobra garra e vontade de fazer o que é certo, vejo que com os outros personagens falta um pouco de carisma e essa mesma garra que há com o Peter.

Por mais que o voto seja positivo em favor da série e a esperança também, ainda falta algo que não faltou nas outras séries, quando elas estrearam. Aqui falta história, falta interação entre os personagens, falta um motivo bom para a série continuar no ar. E talvez, se assim permanecer, seja o momento do Dick Wolf rever seus procedurais, porque por mais que a gente goste da franquia, chega uma hora que não tem como defender.

Assiste séries com a mesma frequência que sente fome. Estudante de Direito, futura professora de Inglês e louca pelos animais, em especial, seus amigos. Uma aquariana que não...

Ler perfil completo

Salvador BA

Série Favorita: Impossível decidir

Não assiste de jeito nenhum: Glee

Com pais como estes, hoje é um dia para esquecer

5 dias atráscomentarios

Existe um ditado que diz que a vida imita a arte (ou vice-versa) e isso sempre se mostra realidade quando comparamos as séries que assistimos à vida real. Claro que ainda não descobrimos um universo paralelo, uma cabine telefônica que nos transporte por aí ou que alienígenas têm planos de conquistar a Terra, mas muitas vezes a realidade é espelhada nos roteiros das histórias que mais amamos. House of Cards está aí para comprovar essa teoria, se compararmos os acontecimentos aos fatos que vemos nos noticiários todos os dias. Com os pais não poderia ser diferente. Existem pais que assumem o papel integral da criação da criança, pais que são os melhores amigos dos filhos, filhos que têm dois pais, pais de […]

Leia o post completo

5 momentos incríveis da 2ª temporada de Master of None

5 dias atráscomentarios

Somos apaixonados por Master of None por aqui. Depois de uma primeira temporada sucinta, porém arrebatadora, esperamos quase dois anos (ou foi mais que isso?) para reencontrarmos Dev em um novo momento da sua vida. E, ao longo de dez episódios, tivemos a oportunidade de passear por muitos momentos incríveis na companhia do personagem, com um roteiro extremamente crítico e que faz com que a gente pare, reflita e mude algumas atitudes tão intrínsecas do nosso ser. Por isso, separamos (só) cinco dos grandes momentos dessa nova temporada, para revisitarmos e te convencermos de que, se você ainda não viu, essa é a hora para parar tudo que está fazendo e devorar o segundo ano de Master of None.   […]

Leia o post completo

Gypsy

6 dias atráscomentarios

Confesso que a princípio eu achei que Gypsy fosse um filme, afinal Naomi Watts e Billy Crudup são atores que estamos mais acostumados a ver na telona. Estranho ter um casal desse porte em uma produção para telinha do Netflix. De fato, Gypsy não é como a maioria das séries que estamos acostumados. Tem uma cinematografia de tirar o fôlego e um enredo que se desenvolve sem qualquer pressa. Com episódios de 50 minutos em média, Gypsy é quase um estudo de personalidade da sua protagonista, Jean Holloway, vivida por Naomi Watts. Ela é uma psicóloga, casada com Michael, um advogado que parece ter uma vida normal no subúrbio dos EUA. Tudo é muito sútil no início, mas vamos notando […]

Leia o post completo

Siga as nossas redes sociais e fique sempre conectado:

Assine nossa newsletter