Chicago Justice – 1×07 Double Helix

13 de abril de 2017 Por:

É primeira vez, desde que a série foi lançada, que tivemos um episódio com foco não só no Peter como também nos personagens secundários. A história de Laura parece ser bem emocionante, e pelo que foi introduzido até agora tem muita coisa para rolar. Mas vamos deixar para comentar sobre isso mais lá pra frente, afinal, o caso foi bom, a história também e a sincronia entre os personagens já é comemorável.

Como sempre, Peter conseguiu solucionar o caso e, além disso, mostrou o porquê dele ser o grande destaque da série. Já comentei aqui sobre sua personalidade e a necessidade que se faz de ter alguém tão empenhando pela justiça, numa série que é sobre ela. É possível ver isso durante a sua conversa com o assassino que ele prendeu anos atrás, ele consegue captar os momentos principais e importantes dos acusados e, dessa forma, fazer um excelente desempenho no Tribunal.

O caso por mais confuso que tenha aparentado ser no início, e um pouco mórbido também, revelou que quem tinha matado o bebê e a mãe, realmente foi a “amiga”. A descoberta logo no começo, ou muito antes do final do episódio foi uma boa e é aquilo que mencionei na review anterior, das pretensões dos diretores para com CJ: o que eles querem com a série? Qual o propósito, objetivo? O que parecia confuso e distante depois do pilot, hoje conseguiu se encontrar e traçar um caminho. A série vem com a premissa de mostrar diferentes casos de crimes e as suas soluções, mostrando a forma como impacta na sociedade americana e no sistema judiciário. Só que a medida que isso se desvirtua, a série se destoa da proposta original, o que prejudica não só a renovação como a empatia e carisma do público.

Chicago Justice caminha a passos pequenos em busca da consolidação na NBC, resolvendo e amadurecendo suas ideias enquanto série derivada de outras duas com considerável sucesso, é por isso que todos (as) ficaram tão felizes ao ver um pouco mais da história da Laura. A resistência com o Antonio ainda permanece, e será mais difícil de tirar. E o que aparentava ter o mesmo desfecho com a sua parceira, se mostrou diferente com Double Helix. 

Pelo que pudemos perceber, a história da Laura ainda está um pouco embaçada, mas ao que tudo indica, temos uma criança, um ex marido e uma guarda. A culpa na genética, em seu pai e seu vício compromete a guarda da filha e os pensamentos de que poderia fazer algo diferente para estar com a filha e com a família é o que mais passa na cabeça da policial. O que faz com que a cena final seja uma das mais tristes também. Não é por má vontade, nem por falta de amor, ela está impossibilitada de conseguir a guarda justamente por um erro que não foi dela. É triste e é muito real. Além da questão envolvendo seu pai, algo muito maior se torna motivo de pauta, logo nos minutinhos finais a gente descobre que o ex marido tem dificultado as coisas e principalmente a guarda da filha.

Não consigo visualizar de que forma isso pode ser colocado daqui pra frente. Neste episódio tivemos um caso envolvendo o bebê morto, que de uma certa forma, colaborou com esse plot. Mas se isso vai ser abordado daqui pra frente e como será, não sabemos. O que temos até agora é promessas de mudanças e umas batidas de sobrevivência aqui e acolá.

 

Assiste séries com a mesma frequência que sente fome. Estudante de Direito, futura professora de Inglês e louca pelos animais, em especial, seus amigos. Uma aquariana que não...

Ler perfil completo

Salvador BA

Série Favorita: Impossível decidir

Não assiste de jeito nenhum: Glee

Girlboss: guia do que NÃO fazer na vida adulta

2 semanas atráscomentarios

Teve gente que gostou de Girlboss, teve gente que achou a série fraca. Mas em uma coisa todo mundo certamente concorda: Sophia é um dos piores seres humanos que já vimos como protagonista de uma série. E com ela a gente pode aprender muito sobre o que não fazer para ser uma pessoa melhor. 5. Não roubar Em GirlBoss, uma das primeiras coisas que descobrimos sobre Sophia é que ela acha normal roubar. Não, ela não rouba porque precisa, porque quer ajudar alguém, ou se quer por uma questão de princípios contra uma sociedade capitalista. Sophia rouba porque se sente superior e simplesmente não respeita os outros, – muito menos suas propriedades. 4. Não ser egoísta com a melhor amiga […]

Leia o post completo

Desafio: você se lembra de quem foi essa declaração de amor?

2 semanas atráscomentarios

Ah, o dia dos namorados. Aquele momento do ano para espalhar aos quatro cantos nosso sentimento por aquela pessoa especial, que faz o coração acelerar e as palmas da mão suarem. Aquela pessoa por quem você faria qualquer coisa, até mesmo deixar a vergonha – ou o medo – de lado para professar seu amor. Nas séries, existem muitos personagens  que não esperam data especial nenhuma para declarar seu amor, seja num momento de desespero, num pedido de casamento ou só para reforçar aquilo que o parceiro já sabe e Tom Jobim cantava aos quatro ventos: é impossível ser feliz sozinho. Você também acredita nisso e se derrete toda vez que sabe que chegou a hora de surtar, porque vai ter […]

Leia o post completo

Guia da Trilha Sonora: Scream – Season 1

3 semanas atráscomentarios

Entre os poucos pontos positivos que posso destacar em Scream, a trilha sonora fica em primeiríssimo lugar (talvez porque seja da MTV). Misturando canções atuais, dançantes e tristes, que fazem parte da vida dos jovens de Lakewood, a série soube utilizá-las para compor a história e os personagens. Assim, nada melhor do que ouvir as músicas da primeira temporada, agora disponível em uma playlist na nossa conta do Spotify!

Leia o post completo

Siga as nossas redes sociais e fique sempre conectado:

Assine nossa newsletter