Chicago Med – 2×16 Prisioner’s Dilemma

10 de março de 2017 Por:

Na semana do Dia Internacional da Mulher, Chicago Med apresenta um episódio recheado de situações envolvendo a maternidade, mostrando que a realidade nem sempre é aquilo que a mídia ou a sociedade tentam fazer parecer que é o certo.

A Dra. Manning atendeu um caso muito complicado, da moça em estado vegetativo que foi estuprada e engravidou. Cheguei a pensar que Olivia Benson ia aparecer por lá (Law and Order SVU), mas ficou para a próxima. Tivemos sim foi uma discreta participação da detetive Erin Lindsay, de Chicago PD, que liderou a investigação do caso.

Acontece que saber quem foi o culpado por esse crime horroroso nem era o mais importante nessa história. Os pais queriam manter a gravidez da filha, alegando que aquele feto era a última coisa que restava da moça. Compreensível, mas ainda assim complicado, já que ela passou por uma violência. A Natalie, como não poderia deixar de ser, não se conformou com isso e ainda encasquetou que o coma talvez não fosse irreversível.

Eu só fiquei imaginando o misto de alegria e tristeza daqueles pais ao descobrirem que a filha não estava em coma, mas presa dentro de seu próprio corpo, sem poder se comunicar. Pensar no sofrimento que deve ter sido esses cinco anos. Sem contar que ela estava consciente quando foi abusada né?

A persistência da Dra. Manning foi essencial para que a situação se resolvesse. E o Will não perdeu tempo em dizer que ela está sempre querendo contradizer o que ele disse. Mais alguém sentiu faíscas entre esses dois ressurgindo?

Já no caso atendido pelo Dr. Choi, a persistência de uma mãe, que faria de tudo (tudo mesmo) para salvar a vida da filha foi fundamental. A mulher arriscou a própria vida para conseguir o atendimento médico que a filha precisava e April, que acabou de perder seu bebê, entendeu isso perfeitamente. Se foi o certo ou não livrar a mulher da polícia, isso já é outra história. Eu acho que faria o mesmo (vaias para o Dr. Choi).

O caso acabou ajudando a enfermeira a passar pelo luto, chorando no ombro do irmão. A ausência do Tate e a menção de que o relacionamento entre os dois está estranho já mostrou que o noivado subiu no telhado. Aguardemos.

Enquanto a mãe lutava pela vida na emergência, o Dr. Latham sofria com o fato de estar criando empatia com as pessoas. Ele não conseguiu ser objetivo ao operar a criança e decidiu que não vai mais fazer o tratamento para lidar com o autismo. Achei uma pena (SQN), porque não teremos mais suas piadinhas sem graça.

Na ala da psiquiatria, a Dra. Reese acabou se envolvendo, meio sem querer, com uma paciente internada em outro hospital. Nesse caso, a mãe, doente mental, pode ter provocado o comportamento descontrolado da menina, mas como saber? Não deve ser fácil lidar com casos psiquiátricos, mas com crianças e adolescentes deve ser ainda pior. Tomara que a história tenha continuidade e Sarah e o Dr. Charles consigam descobrir o que está acontecendo com a garota.


E vocês, o que acharam desse episódio? Gostaram dos casos do dia? Deixem seus comentários!

Jornalista, mãe, apaixonada por séries desde a época da Sessão Comédia, Gosto de dramas que emocionam e de comédias inteligentes. Também sou fã dos seriados de super-heróis.

São Bernardo do Campo, SP

Série Favorita: Outlander

Não assiste de jeito nenhum: The Blacklist

  • porlapazyporlavida lc

    Gostei muito do episódio. Estou amando a relção Lathan e Rhodes. É muito bonito ver o cirurgião descobrir esse novo lado humano. Espero que ainda tenhamos mais esse lado dele ser abordado. Eu senti as faíscas entre Will e Natalie, mas não consigo shippá-los. Reese e Charles sempre são ótimos. Amo a parceria. Queria que Clark tivesse mais espaço e tivesse uma história pra chamar de sua. amo ele desde chicago fire.

    • Thais Gonzaga De Oliveira

      Também não shippo muito Will e Natalie, gostava tanto dela com o Clarke. Tomara que ele tenha mais espaço mesmo!

Com pais como estes, hoje é um dia para esquecer

5 dias atráscomentarios

Existe um ditado que diz que a vida imita a arte (ou vice-versa) e isso sempre se mostra realidade quando comparamos as séries que assistimos à vida real. Claro que ainda não descobrimos um universo paralelo, uma cabine telefônica que nos transporte por aí ou que alienígenas têm planos de conquistar a Terra, mas muitas vezes a realidade é espelhada nos roteiros das histórias que mais amamos. House of Cards está aí para comprovar essa teoria, se compararmos os acontecimentos aos fatos que vemos nos noticiários todos os dias. Com os pais não poderia ser diferente. Existem pais que assumem o papel integral da criação da criança, pais que são os melhores amigos dos filhos, filhos que têm dois pais, pais de […]

Leia o post completo

5 momentos incríveis da 2ª temporada de Master of None

5 dias atráscomentarios

Somos apaixonados por Master of None por aqui. Depois de uma primeira temporada sucinta, porém arrebatadora, esperamos quase dois anos (ou foi mais que isso?) para reencontrarmos Dev em um novo momento da sua vida. E, ao longo de dez episódios, tivemos a oportunidade de passear por muitos momentos incríveis na companhia do personagem, com um roteiro extremamente crítico e que faz com que a gente pare, reflita e mude algumas atitudes tão intrínsecas do nosso ser. Por isso, separamos (só) cinco dos grandes momentos dessa nova temporada, para revisitarmos e te convencermos de que, se você ainda não viu, essa é a hora para parar tudo que está fazendo e devorar o segundo ano de Master of None.   […]

Leia o post completo

Gypsy

6 dias atráscomentarios

Confesso que a princípio eu achei que Gypsy fosse um filme, afinal Naomi Watts e Billy Crudup são atores que estamos mais acostumados a ver na telona. Estranho ter um casal desse porte em uma produção para telinha do Netflix. De fato, Gypsy não é como a maioria das séries que estamos acostumados. Tem uma cinematografia de tirar o fôlego e um enredo que se desenvolve sem qualquer pressa. Com episódios de 50 minutos em média, Gypsy é quase um estudo de personalidade da sua protagonista, Jean Holloway, vivida por Naomi Watts. Ela é uma psicóloga, casada com Michael, um advogado que parece ter uma vida normal no subúrbio dos EUA. Tudo é muito sútil no início, mas vamos notando […]

Leia o post completo

Siga as nossas redes sociais e fique sempre conectado:

Assine nossa newsletter