Chicago Med – 2×20 Generation Gap

19 de abril de 2017 Por:

A família, e suas relações nem sempre fáceis, foi o tema central desse episódio de Chicago Med, que tocou também em assuntos polêmicos e delicados. Um bom episódio, para uma temporada até aqui irregular.

A primeira impressão do pai dos irmãos Halstead não foi boa. Além de recusar o atendimento médicos, quando claramente ele estava precisando, ainda foi grosseiro com o dois filhos, especialmente com Will. Mas as coisas nem sempre são o que aparentam, não é mesmo? Sim, o papai Halstead é mesmo um cara durão, um bronco mesmo, ama os seus filhos. Foi interessante ao longo do episódio perceber que, mesmo com as brigas, existe ali uma relação de afeto.

Em outros episódios, vimos que o Dr. Halstead está todo endividado porque ainda está pagando pela faculdade. O pai, como ficou claro, não apoiou a escolha do filho e ele teve que se virar para estudar. Apesar de parecer a princípio, ele não menospreza o Will, apenas ainda o vê como uma criança, portanto incapaz de ser um médico. Quando ele percebe que o filho sabia sim do que estava falando, ele se orgulha.

A trama também serviu para o Connor perceber o quanto ele é distante da sua própria família. Aliás, passou da hora de retomarem a história dele com o pai bilionário. Ele pode ser rico, o que é sempre motivo de inveja para o Will, mas não tem nenhuma relação de afeto com o pai, e isso é muito triste.

Falando em Connor, o gancho deixado no episódio passado, envolvendo a Robyn, ainda deve durar. Ela continuou insistindo com o namorado que havia sim ratos no apartamento, mesmo depois da visita de um exterminador de pragas. Foi de cortar o coração ela mostrando os algodões com ‘provas’ para o pai e se dando contar de que precisa mesmo de ajuda.

Eu não entendi muito bem porque o Dr. Charles deu um chega pra lá no Dr. Rhodes quando ele foi falar que estava preocupado com a namorada. Ele também já havia percebido que ela não estava bem. Será que foi só para não se intrometer na vida da filha ou tem outra coisa? Talvez alguma doença que esteja na família? A impressão que deu foi que ele sabe exatamente pelo que ela está passando.

No caso polêmico do dia, Dr. Choi e o Dr. Charles trataram de um menino que foi espancado na escola. Ao perceberem que o caso era mais grave ainda do que bullying, eles tentaram alertar a família. Os pais do garoto, muito religiosos, não deram ouvidos aos médicos e recusaram o tratamento com castração química.

Foi meio assustador ver o menino no quarto daquela garota loira, e não sabemos o que ele teria feito se o Dr. Choi não tivesse chegado a tempo. A medida extrema que ele tomou acabou sendo pior do que o tratamento que foi oferecido. Complicada essa situação, porque não sabemos se ele apresenta esse comportamento por conta da forte repressão sexual que sofre da família ou se é algo que ele tem mesmo, que se manifestaria de qualquer maneira.

Já a Natalie teve um momento de culpa materna. Ao atender um garoto com escorbuto, causado por uma dieta de achocolatado com bolacha, ela se revoltou com a mãe da criança por não cuidar da alimentação do próprio filho. Como ela mesma percebeu rapidamente, essa raiva toda era dela mesma, que também é uma mãe que trabalha muito e que vive o dilema de não passar tempo suficiente com seu filho.

Sempre acho muito estranho o seriado praticamente ignorar o fato da Dra. Manning ter um filho pequeno. Faça chuva ou faça sol ela está sempre lá trabalhando, como se sempre alguém estivesse cuidando do bebê. Até romance com o Clarke ela já teve! Sério, é muito irreal. Crianças, especialmente bebês, dão muito trabalho. Ficam doentes, precisam de cuidados. Enfim, legal que os roteiristas tenham incluído essa história, mas custa tornar tudo mais crível? Até onde a gente sabe, ela cria o filho só com a ajuda de babás. Eles até tentaram mostrar como é dura a rotina com um bebê no experimento liderado pela Dra. Reese, mas não juntaram as duas coisas.

Falando na Sarah, toda a história dos bebês robôs só serviu para aproximá-la do Noah. Os dois perceberam que tem coisas em comum, trocaram olhares, e ele deixou bem claro que está interessado. Será que o moço da Patologia vai dançar? O relacionamento dos dois não anda muito bem. Aliás, que falta de sorte tem o pessoal desse departamento né? A Nina está com ciúmes da Natalie e o Will nem aí.


Chicago Med faz uma breve pausa e retorna com episódio inédito no dia 27 de abril. Deixem nos comentários o que acharam do episódio e o que esperam para esse fim de temporada.

Jornalista, mãe, apaixonada por séries desde a época da Sessão Comédia, Gosto de dramas que emocionam e de comédias inteligentes. Também sou fã dos seriados de super-heróis.

São Bernardo do Campo, SP

Série Favorita: Outlander

Não assiste de jeito nenhum: The Blacklist

  • Bia Libonati

    Oi Thais! Eu gostei muito do episódio, mas realmente a questão da Dra. Manning tá meio fora da realidade. Em relação a Dra. Reese, me parece que ela que está sempre aérea com o namorado, tipo, ele se interessa e ela só dá patada nele, sempre. Ridículo. E também não entendi bem a reação do Dr. Charles, me pareceu ciúme de início… Vamos ver o próximo capítulo. Uma pena que vai demorar tanto :'( hahaha Beijos!

  • Moisés

    A sogra da Manning também ajuda .

Músicas que conhecemos através das séries

5 dias atráscomentarios

Uma das melhores coisas que as séries podem nos proporcionar são suas incríveis músicas. Algumas dessas músicas já conhecemos, mas não dávamos tanto valor até ouvir de novo; outras ouvimos pela primeira vez e nos apaixonamos logo de cara. É tão bom assistir um episódio, ir procurar no Youtube e depois baixar no computador ou no celular aquela canção que fez parte da abertura, de um beijo esperado do casal, dos minutos finais… Enfim, de muitos momentos expressivos que precisavam de um toque ou uma letra no fundo. Então, vem comigo embarcar nesse post de sentimentalismo e ouvir as músicas que eu tive a oportunidade de conhecer pelas séries. Bad Reputation Freaks and Geeks tem toda aquela inspiração de ser jovem e livre, […]

Leia o post completo

CCXP Tour – Dia #3 – 15/04 Diário de Bordo (ou Aquele do Painel da Netflix)

7 dias atráscomentarios

Quem conhece um pouco de CCXP, sabe que a primeira regra de qualquer Apaixonado por Séries é: Dia de Netflix é dia de acordar junto com o sol, pegar uber ou metrô, uma fila imensa, passas horas em pé… Tudo pra curtir aquelas horinhas já reservadas ao painel daquele que já é o “canal” favorito de provavelmente 8 entre 10 fãs de seriados. E, é claro, eu não ia deixar o ritual falhar. Mesmo tendo ido dormir tarde (pós meia-noite), 5h da madrugada estava de pé e cheguei ao Centro de Convenções de Pernambuco entre 6h30 e 7h. Problemas de falha de comunicação aqui e ali (algo que acontece muito em dias como esse), consegui entrar no auditório Twitch mais […]

Leia o post completo

Easter Eggs: a origem das mensagens secretas nas séries

1 semana atráscomentarios

O coelhinho já te visitou hoje? Então, enquanto você se delicia com chocolates, te convido para ler a história dos famosos Easter Eggs (ovos de Páscoa, na tradução) – que não têm nada a ver com cacau. É assim que chamamos as mensagens que roteiristas escondem nas séries, em referência a elementos da cultura pop ou da própria narrativa. O apelido Easter Eggs deve-se à tradicional caça aos ovos e à surpresa que geralmente há dentro deles. A Páscoa não costuma ser representada na TV, igual a outras datas festivas – como Natal, Réveillon, Halloween e Thanksgiving -, mas a homenagem está aí. Por ora, esqueça tudo que você já aprendeu sobre a origem da Páscoa. No mundo geek, essa história começa com o vídeo game Atari 2600, em 1979. O criador da linha Adventure, Warren Robinett, cansado de […]

Leia o post completo

Siga as nossas redes sociais e fique sempre conectado:

Assine nossa newsletter