Containment – 1×05 Like a Sheep Among the Wolves

20 de maio de 2016 Por:

“Hunger creates chaos.”

Fome. De acordo com o dicionário Aurélio, algumas das definições para esse termo podem ser falta, penúria, míngua, miséria ou desejo ardente. Essa semana Containment apresentou um episódio sobre fome em todos os sentidos da palavra. Muito mais do que a necessidade por alimentos, o vazio desesperador vinha pela fome de respostas, pela fome de uma cura, pela fome de dinheiro, ou simplesmente pela fome que vem da ausência das pessoas amadas ou da possibilidade de tocá-las e senti-las junto a si.

Sendo assim, embora Like a Sheep Among the Wolves tenha tido a distribuição de alimentos dentro do cordão como pano de fundo, foi um episódio muito mais complexo e  interessante. E dentro desse panorama creio que Jake e Katie mais uma vez se destacam, dessa vez, não com um casal, mas isoladamente.

Containment

É provável que Jake seja meu personagem favorito na série, algo que muito se deve a suas dualidades. É interessante ver o contraponto entre os momentos que veste a farda e aparenta ser tão forte e obstinado no cumprimento de seu dever, e os que se despe dessa força e se apresenta completamente vulnerável. Nos primeiros episódios vimos isso se manifestar pela raiva, nesse por meio de uma crise de choro, após presenciar um amigo tirando a própria vida e pela morte de uma garotinha que tentou ajudar. Um choro que misturava luto, impotência, medo e raiva. Um choro de quem tem se esforçado ao máximo para ajudar, mas entende que é incapaz de reverter toda aquela situação. Um choro de quem sabe que tudo aquilo está muito errado, mas já não há o que fazer.

Já Katie começava a fazer perguntas e ansiar por respostas. Quem pode culpá-la? A possibilidade de tudo o que lhe vem sendo dito ser uma mentira é real e assustadora. Sabemos desde os primeiros episódios que a doutora Sanders e seu namorado morreram antes que o suposto paciente zero. Sendo muito provável que um deles houvesse sido contaminado primeiro. Se a teoria se comprovar trará consigo uma série de indagações. A principal delas, sem dúvidas, é por que tanto esforço para mascarar esse fato?

Containment

Enquanto isso, Xander se via obrigado a fazer parte das ações criminosas de uma gangue, os ajudando a roubar a comida que estava sendo entregue, ainda que isso fosse a última coisa que desejasse fazer. Jana, por sua vez, também se viu em uma encruzilhada ao ter que repensar as regras que ela mesma definiu. Após ter sua vida salva por Sam, não havia muito mais o que pudesse fazer.

Lex, contudo, pode ser encarado como o maior defeito do episódio. Não que tenha protagonizado cenas ruins, a questão é que todos os seus  momentos se limitaram a mais do mesmo, uma repetição incessante de algo que vemos desde o episódio piloto. Ele claramente discorda dos métodos de Sabine e deixa isso constantemente claro para a mulher, porém, continua seguindo o que lhe é ordenado, mesmo quando isso não é o que acha certo. É claro que o conflito é válido, ainda assim, já está começando a cansar e eu realmente gostaria de ver alguma mudança no personagem. Espero que as novas informações trazidas por Jake provoquem essa tão necessária alteração na conduta do major.

Containment

De qualquer forma, apesar de um ou outro problema, Containment segue muito bem. Like a Sheep Among the Wolves conseguiu deixar várias perguntas no ar e representar de forma maravilhosa mais uma vertente do comportamento humano. É um momento de crise e todos querem alguma coisa. Todos têm fome de algo. Katie quer respostas. Jana e Xander querem estar com as pessoas que amam.Jake e Lex querem fazer o que é certo. Victor Cannerts quer encontrar uma cura. Até mesmo os rapazes que dominam o mercado de Teresa querem algo, no caso, lucrar.

É da natureza humana desejar e, como tudo, essa vontade pelo que quer que seja se intensifica durante os momentos de crise. Em momentos assim, até mesmo a mais pacífica das ovelhas é capaz de se transformar em um lobo faminto e Containment está no caminho certo ao mostrar isso.

Observações:

— Existe cena mais fofa que o casal de idosos compartilhando seu jantar romântico improvisado?

— Terá o hospital ou o doutor Cannerts alguma responsabilidade na “criação” do vírus?

— Temos agora um policial infiltrado na zona isolada. Qual será o motivo?

— Jake já está apaixonadinho pela Katie, sim ou claro?

— Novamente a trilha sonora da série se mostrou maravilhosa. Dessa vez tivemos o cover de Knocking On Heavens Door interpretado pela Raign.

Uma fangirl desastrada, melodramática e indecisa, tentando sobreviver ao mundo dos adultos.

Mariana/ MG

Série Favorita: My Mad Fat Diary

Não assiste de jeito nenhum: Revenge

Primeiras Impressões: Atypical

4 dias atráscomentarios

Estreou ontem na Netflix a comédia Atypical, que conta a vida de Sam (Keir Gilchrist), um garoto autista que chega a idade adulta e passa a ter uma série de necessidades/curiosidades para descobrir quem realmente é. E nesse caminho de descobertas vamos entendendo mais sobre a sua personalidade, suas limitações e como tudo isso afeta a sua família e a todos que o cercam. Trazer o universo adolescente parece ter sido uma maneira do canal de streaming se aproximar do seu público, trabalhando pautas mais complicadas através de uma abordagem diferente. Foi assim com o suicídio em 13 Reasons Why e agora com o autismo em Atypical. Mas o que chama atenção mesmo é que, apesar de todas as limitações do […]

Leia o post completo

Primeiras Impressões: Mr. Mercedes

5 dias atráscomentarios

A Audience Network estreou, no último dia 9, Mr. Mercedes, um suspense baseado na obra de Stephen King. A série é estrelada por Brendan Gleeson e Harry Treadaway, dirigida por Jack Bender e tem como roteiristas David E. Kelley e o próprio Stephen King. A primeira temporada terá dez episódios. A história começa em uma madrugada de frio, com dezenas de desempregados fazendo fila em frente ao local que, no dia seguinte, vai sediar uma feira de empregos. Conhecemos uma mãe que levou sua bebê porque não tinha dinheiro para pagar uma babá, um rapaz gentil que empresta seu saco de dormir para que ela troque as fraldas e amamente a criança, e um homem meio ranzinza que faz algumas […]

Leia o post completo

Class

6 dias atráscomentarios

Class é um spin-off de Doctor Who, mas é preciso dizer, antes de mais nada, que não é preciso ter assistido ao seriado para entender a trama. Na verdade, a série tem mais semelhanças com Torchwood, outra derivada do seriado do Doutor, do que com a original, já que mostra as consequências dos eventos extraterrestres no planeta. A produção da BBC, em parceria com a BBC America, foi criada por Patrick Ness, também produtor da série-mãe, e estreou em 2016. Com apenas oito episódios, a série se passa no Coal High School, escola icônica no universo de Doctor Who, já que apareceu no primeiro episódio da série em 1963. Mais recentemente, esse era o colégio onde trabalhavam Clara Oswald e […]

Leia o post completo

Siga as nossas redes sociais e fique sempre conectado:

Assine nossa newsletter