Containment – 1×08 There is a Crack in Everything

17 de junho de 2016 Por:

Após uma semana de hiatus, Containmet está de volta, trazendo algumas respostas e deixando claro que a partir de agora o caos está efetivamente instaurado. É o começo do fim, como Sabine muito bem pontuou, e toda a esperança jaz morta e enterrada. Qualquer chance de uma cura parece ter desaparecido, após os últimos minutos de There is a Crack in Everything, e a falta de perspectiva se mostrou motivo suficiente para que a população assustada, faminta e sem informações se rebelasse. Algo que promete ter um grande impacto nas próximas semanas, especialmente pelo que já foi mostrado nos momentos iniciais do piloto. Ainda assim, antes que me precipite demasiadamente, vamos falar sobre as grandes revelações desse oitavo episódio.

Durante  boa parte desses quarenta minutos, tivemos Thomas como a grande chave para uma cura. O super herói que de alguma forma acabaria salvando a todos e a única fonte de esperança. No entanto, como as coisas estão muito longe de serem perfeitas, acabamos descobrindo que, embora o garoto seja imune ao vírus, e por isso não manifeste sintomas, ele ainda pode transmiti-lo para outras pessoas. Informação que joga um balde de água fria em qualquer cenário minimamente positivo que pudesse ter sido imaginado.

Containment

Enquanto isso, a parceria entre as duplas dinâmicas da série, Jake/Katie e Lex/Leo, começa a mostrar resultados, os levando a descoberta de que o Dr. Cannerts é o responsável pela criação do vírus. Tinha comentando sobre essa possibilidade há algumas semanas, e não chega a ser realmente uma grande surpresa, afinal bastava ir juntando as pistas para chegar a tal conclusão. Ainda assim, é algo que tem um grande impacto sobre a trama e traz consigo uma série de outros questionamentos. Sabemos agora que o paciente zero era Henry Burns , namorado da doutora Sanders. Sendo assim, é interessante pontuar toda a farsa envolvendo o suposto paciente sírio e o fato muito importante dele ser muçulmano, em uma clara referência da série a todo o preconceito que essa comunidade sofre nos Estados Unidos.

No meio de todas essas descobertas, tivemos Katie e Jake cada vez mais apaixonados, mas começando a enfrentar seus primeiros problemas. Algo que surge a partir dos questionamentos sobre o que acontecerá quando tudo aquilo acabar, ou melhor, se tudo aquilo acabar. A hipótese fez a professora pensar em como sua vida é complicada demais para o policial, que a surpreendeu ao afirmar que já não consegue imaginar sua vida sem ela.

Containment

A cena foi muito bonita, assim como o momento em que os dois estão no chuveiro, se “tocando” através de uma cortina de plástico. Um momento singelo, mas que capta algo muito importante para o contexto da série: o isolamento físico entre as pessoas. Aqui tivemos claramente um exemplo de duas pessoas que se amavam, mas têm algo tão primordial como um toque censurado. O que também fica evidente na relação entre Bert e sua esposa.

Os dois casais são inegavelmente adoráveis, contudo, tenho a forte sensação de que pelo menos uma das mulheres irá morrer. Talvez essa ideia seja apenas um reflexo de minha tendência ao drama e da minha mania de consumir histórias trágicas. Ainda assim, é algo que me pareceu muito provável após esse episódio. Especialmente no caso de Katie, que esteve em contato direto com Thomas.

Containment

O contato com o garoto também se mostra um problema para Lex e Sabine, que pretendiam levá-lo para o CDC, até descobrirem que o menino podia transmitir o vírus. Agora os dois se encontram em quarentena improvisada, literalmente entre as duas áreas isoladas entre si. Para piorar, a fúria da população fica cada vez mais incontrolável, o que não é nada promissor para quem está efetivamente no caminho dessas pessoas. De qualquer forma, acho que isso pode trazer momentos interessantes e ajudar a humanizar Sabine, fazendo com que a personagem, aparentemente tão fria, passe a ter uma visão diferente de toda aquela situação.

There is a Crack in Everything não foi o mais agitado dos episódios e apresentou até mesmo alguns momentos cansativos. No entanto, seus quarenta minutos tiveram cenas interessantes e  foram importantes para a construção da narrativa, especialmente para chegarmos ao ponto em que o descrédito reina. A esperança morreu e o desespero é palpável. Há algum tempo Containment vem chegando gasolina na trama, nesse episódio finalmente riscou o fósforo. Semana que vem, veremos o incêndio.

Uma fangirl desastrada, melodramática e indecisa, tentando sobreviver ao mundo dos adultos.

Mariana/ MG

Série Favorita: My Mad Fat Diary

Não assiste de jeito nenhum: Revenge

  • Guilherme Gomes

    Essa serie nao para de me surpreender. Serio! Quando achei que o menino ja estava nos levando para uma conclusão, temos essas reviravoltas todas! To morto de ansiedade!

    • Thaís Medeiros

      Olá Guilherme! Essa série foi realmente uma surpresa maravilhosa! Não esperava nada e agora fico ansiosa para os próximos episódios. A história com Thomas foi realmente uma grande reviravolta. Agora é roer as unhas até semana que vem!

  • Giovane Rezende

    Ainda não tem o episódio legendado, certo?

    • Thaís Medeiros

      Oi Giovane, até a última vez que eu procurei não tinha saído legenda ainda.

  • Aoi

    Hi there!

    Então, já assisti os 7 primeros epis, mas tenho notado algo, a série que é totalmente construida ao redor da doença, parece um pouco apreçada, não concorda?
    Digo isso pelas gangues, apesar da area estar selada, ainda existem leis, tem até policial lá dentro, consigo entender os roubos, tanto que o policial conseguiu prevenir o primeiro ao mercadinho dizendo que seriam presos, agora os outros?
    A forma como eles querem dinheiro mostra que pensam em continuar a vida lá fora. Por causa disso, descartei a hipotese de que era pela pressão da morte a qualquer instante, ficou apreçado.
    Acho que a primeira temporada ainda é muito cedo para gangues e tudo mais, poxa.
    Fora isso, estou gostando bastante do rumo da série.
    Apesar de que para um cordão sanitario, aquilo ali ta meio fraco, quer dizer, se sair alguem lá fora fode tudo caramba.
    Só eu desconfio que o médico seja o terrorista?
    Só eu acho que os federais terem cortado toda a comunicação foi uma jogada pra lá de errada? Se a doença é tao terrivel, como só existe um unico médico trabalhando na cura,e mesmo os remédios que ele pediu não chegam.
    Qualquer politico decente, que saiba o quão faminto aquele país é por provar que é soberano estaria a todo momento tentando acabar com aquilo(o presidente liga e ta mais inutil que o Toby)

O que você precisa saber de Demolidor antes de Defensores

5 dias atráscomentarios

Com o sucesso do universo cinematográfico desenvolvido pela Marvel nos cinemas, um dos personagens mais interessantes e queridos dos fãs de quadrinhos foi ansiosamente aguardado para voltar a fazer parte do mesmo mundo. Homem-Aranha? Não, na verdade Demolidor. Após a Fox deixar os direitos de uso do personagem retornar para a casa das ideias, Marvel e Netflix fecharam uma parceria para desenvolver diversas séries de heróis. Demolidor abre essa parceria com maestria, trazendo uma série obscura, e violenta, diferente do que o personagem já viveu nas telas até então (abraço Ben Affleck!) Charlie Cox (Broadwalk Empire), dá vida a Matt Murdock, sofrido e realista. A série apresenta ele como advogado com o escritório associado em Hell’s Kitchen, e em seguida suas […]

Leia o post completo

Com pais como estes, hoje é um dia para esquecer

6 dias atráscomentarios

Existe um ditado que diz que a vida imita a arte (ou vice-versa) e isso sempre se mostra realidade quando comparamos as séries que assistimos à vida real. Claro que ainda não descobrimos um universo paralelo, uma cabine telefônica que nos transporte por aí ou que alienígenas têm planos de conquistar a Terra, mas muitas vezes a realidade é espelhada nos roteiros das histórias que mais amamos. House of Cards está aí para comprovar essa teoria, se compararmos os acontecimentos aos fatos que vemos nos noticiários todos os dias. Com os pais não poderia ser diferente. Existem pais que assumem o papel integral da criação da criança, pais que são os melhores amigos dos filhos, filhos que têm dois pais, pais de […]

Leia o post completo

5 momentos incríveis da 2ª temporada de Master of None

7 dias atráscomentarios

Somos apaixonados por Master of None por aqui. Depois de uma primeira temporada sucinta, porém arrebatadora, esperamos quase dois anos (ou foi mais que isso?) para reencontrarmos Dev em um novo momento da sua vida. E, ao longo de dez episódios, tivemos a oportunidade de passear por muitos momentos incríveis na companhia do personagem, com um roteiro extremamente crítico e que faz com que a gente pare, reflita e mude algumas atitudes tão intrínsecas do nosso ser. Por isso, separamos (só) cinco dos grandes momentos dessa nova temporada, para revisitarmos e te convencermos de que, se você ainda não viu, essa é a hora para parar tudo que está fazendo e devorar o segundo ano de Master of None.   […]

Leia o post completo

Siga as nossas redes sociais e fique sempre conectado:

Assine nossa newsletter