Merlí

Merlí é uma produção catalã de 2015, exibida pela TV3 e estrelada por Francesc Orella que…

Primeiras Impressões: Mindhunter

Mindhunter estreou na Netflix nesta sexta-feira (13) sob toda a expectativa que uma série de David…

Containment – 1×10 A Time to Be Born

Por: em 1 de julho de 2016

Containment – 1×10 A Time to Be Born

Por: em

Um episódio interessante, mas com pouca novidade. Creio que essa é uma boa forma de resumir A Time to Be Born. Os quarenta minutos tiveram um ritmo ágil, alguns momentos emocionantes e a trilha sonora estava impecável como de costume, ainda assim, pouco realmente chama a atenção, ou é acrescentado ao que já sabíamos. Não estou dizendo que isso é necessariamente algo ruim – o episódio, na verdade, foi bom – apenas não fornece muitos elementos para serem comentados ou novas informações para a criação de novas teorias.

Containment

De qualquer forma, vamos focar no que importa. Já não restam dúvidas que Sabine Lommers tem parcela de responsabilidade na criação do vírus e, durante todo esse tempo, ela não poupou esforços para tentar ocultar esse fato. Lex, Leo e Jake chegaram bem perto da verdade, em um contexto no qual a mulher havia feito uso de sua grande capacidade de manipulação para conseguir o apoio da imprensa e da população.

Ainda assim, o major  Carnahan – em um momento Ned Stark de contar ao inimigo o que sabe e esperar que a pessoa saia de cena – exigiu que Sabine renunciasse ao seu cargo, antes que fosse incriminada por ele, algo que a representante do CDC supostamente aceitou. Supostamente, porque não acredito que a mulher se renderia tão fácil e acho que ela certamente guarda alguma carta na manga.

Containment

Do lado de dentro do cordão, Katie ainda era mantida em isolamento, mas não apresentava sintomas. Por meio minuto foi possível acreditar que tudo ficaria bem com a personagem, mas a esperança não é algo que costuma durar em Containment. Toda a história com Thomas fez com que o vírus sofresse mutações e os sintomas agora demoram mais tempo para começarem a se manifestar. A informação ficou  martelando em minha cabeça durante todo o episódio, até que nos momentos finais tivéssemos a constatação oficial de que Katie está realmente doente, algo que certamente terá um grande impacto sobre Jake.

Enquanto isso, Teresa entrava em trabalho de parto e dava à luz em circunstâncias que não poderiam ser piores. Com a mãe provavelmente morta e o namorado em quarentena, a adolescente precisou confiar em quase estranhos e contar com o apoio deles nesse momento tão sensível. Um momento que também se tornou significativo para Suzy, afinal a descoberta a gravidez fazia com que conseguisse se colocar no lugar de Teresa, algo que a fez entender que queria aquela gravidez e não precisava de Dennis para aquilo, o que ficou evidente na cena em que mente para o homem e o manda embora, mesmo sabendo que ele irá morrer.

Containment

De todo modo, o nascimento de Leanne é um ponto importante na série e é interessante ver uma nova vida surgindo, no momento em que uma personagem querida recebe sua sentença de morte. Há um momento de nascer, um momento de morrer e muito pouco o que podemos fazer sobre isso. O episódio aponta muito bem essa dualidade. No entanto, fiquei bastante incomodada com a presença de Jake naquele momento, os eventos que o levaram até ali foram forçados e a necessidade do policial ser sempre o herói me incomoda um pouco. Haviam três pessoas ali que poderiam ter resolvido a situação, não havia necessidade de deslocar um personagem, com uma desculpa esfarrapada, apenas para fazer um parto.

Reclamações à parte, A Time to Be Born foi um episódio de confirmações. Tivemos a confirmação do envolvimento de Sabine com a criação do vírus, a confirmação da doença de Kate e a confirmação da gravidez de Suzy. Com apenas três episódios restantes, não faço ideia de para onde a série pretende caminhar, ou que virá a seguir, o que que é muito bom. De toda forma, tudo o que nos resta nesse momento é esperar e torcer para sermos positivamente surpreendidos.


Thais Medeiros

Uma fangirl desastrada, melodramática e indecisa, tentando (sem muito sucesso) sobreviver ao mundo dos adultos. Louca dos signos e das fanfics e convicta de que a Lufa-Lufa é a melhor casa de Hogwarts. Se pudesse viveria de açaí e pão de queijo.

Paracatu/ MG

Série Favorita: My Mad Fat Diary

Não assiste de jeito nenhum: Revenge

×