Containment – 1×13 Path to Paradise (Series Finale)

22 de julho de 2016 Por:

Tudo o que temos é esperança. Acredito que essa seja a mensagem que fica após o último episódio de Containment. Episódio, esse, que só não se torna um desastre absoluto, pelos maravilhosos minutos finais que, além de apresentarem um desfecho digno para a história, promoveram um reencontro com a própria essência da série. Ainda assim, há muito a ser comentando, tanto para o bem quanto para o mal, então, vamos começar a analisar atentamente a cada um dos aspectos de Path to Paradise.

Sejamos honestos, o que nos foi mostrado durante esses quarenta minutos esteve bem longe do que se espera um series finale (ou mesmo de um season finale bem feito). Na verdade, a sensação de que estava assistindo a apenas um episódio qualquer me acompanhou durante todo o tempo. Algo extremamente decepcionante, uma vez que todo o contexto criado permitia que a tensão se fizesse presente do início ao fim, o que infelizmente não aconteceu. O que Containment nos mostrou, na realidade,  foram sequências enfadonhas e até mesmo entediantes, que não fazem justiça ao que a série e o episódio poderiam ter sido. Considerando toda a narrativa criada até aqui, não é difícil perceber que todos os caminhos deveriam levar a uma única coisa: conflito. Conflito real, impactante e destruidor, não os pequenos momentos de atrito que nos foram apresentados.

Containment

Ainda assim, é possível destacar aspectos positivos em Path to Paradise, momentos que se derivam principalmente do discurso de Jake na cena final. As falas do personagem foram muito importantes para lembrar a audiência que Containment sempre foi uma série sobre um grupo de pessoas reagindo e tentando sobreviver a uma situação adversa. Embora essa ideia tenha se tornado mais sutil ao longo dos episódios, ela sempre esteve ali e, como mencionei em uma das primeiras reviews, a série sempre se destacou pelo modo como trabalhava os personagens e suas questões internas.

Sendo assim, considerando que o foco sempre esteve nas pessoas, é interessante observar o caminho trilhado por alguns personagens durante esses 13 episódios. Jake se tornou alguém que enfrenta os problemas de frente e tenta enxergar o melhor nas pessoas, algo que aprendeu com Katie, a mulher que amou e continua amando. Jana e Lex finalmente encontraram um caminho de volta ao outro e um modo de ficarem juntos, para isso ela precisou superar os fantasmas do passado e seu medo de compromisso, e ele teve que escolher entre o amor e o dever, algo que sempre lhe foi tão importante.

Containment

Xander e Teresa aceitaram que não havia como fugir e que ninguém mais poderia salvá-los, resolveram, então, construir uma vida e sua família no local onde estavam. Enquanto isso, a avó da garota aceitava que era hora de partir (em uma cena clichê, porém emocionante), mas não partiu sozinha, afinal Bert nunca deixaria sua alma gêmea dançar desacompanhada.  Por fim, vimos Leo encontrar sua redenção, divulgando a verdade sobre a criação do vírus e expondo Sabine.

Dessa forma, o final em aberto (seja é um elemento proposital, seja fruto da ideia de uma possível renovação) surge como algo interessante e que funciona. Talvez se encontre uma cura, talvez não. Talvez Sabine seja punida, talvez não. Talvez todos tenham vidas longas e plenas, talvez acabem contaminados e mortos. Não temos uma resposta certa para o que acontece em seguida e cabe a cada um de nós criar nossas próprias suposições. O aspecto interessante, contudo, é que isso evidência a ideia de esperança presente nesse último episódio, especialmente no que diz respeito ao arco de Jake. No fim, só podemos esperar que tudo fique bem e lidar com o que a vida tem a nos oferecer.

Containment

Além disso, outro fator que merece destaque é o do isolamento. Essa questão perpassa a trama desde o episódio piloto, no entanto, é aqui que ela se mostra extremamente metafórica ao mostrar que nos distanciamos uns dos outros, nos isolamos e deixamos de nos enxergar como pessoas e de perceber o que de melhor o outro pode oferecer.

De todo modo, levando em conta defeitos e qualidades, Containment foi uma surpresa. Comecei a assistir a série sem grandes expectativas, mas acabei realmente interessada na trama e conquistada por alguns de seus personagens. Ainda assim, a série está longe de ser perfeita. Oscilando entre momentos bons e ruins, personagens interessantes e subaproveitados e altos graus de previsibilidade, Containment conseguiu chegar a um desfecho decente. Um desfecho que certamente poderia ter sido melhor, mas que acerta ao evidenciar a importância do elemento humano e colocar reticências ao invés de ponto final.

Uma fangirl desastrada, melodramática e indecisa, tentando sobreviver ao mundo dos adultos.

Mariana/ MG

Série Favorita: My Mad Fat Diary

Não assiste de jeito nenhum: Revenge

  • janaína

    Que pena, acho que esse final não foi feito para ser uma finale e digo mais, aquela narração no final devem ter colocado de última hora depois da confirmação que seria uma temporada única, hahah… mas tudo bem, o final foi interessante mesmo deixando coisas em aberto.

    E claro, com a morte do fofo casal foi impossível não derramar algumas lágrimas. Fica na memória essa e a cena da morte da Katie, como momentos emocionante que a série nos proporcionou em sua curta passagem pela Terra. 😛

Com pais como estes, hoje é um dia para esquecer

5 dias atráscomentarios

Existe um ditado que diz que a vida imita a arte (ou vice-versa) e isso sempre se mostra realidade quando comparamos as séries que assistimos à vida real. Claro que ainda não descobrimos um universo paralelo, uma cabine telefônica que nos transporte por aí ou que alienígenas têm planos de conquistar a Terra, mas muitas vezes a realidade é espelhada nos roteiros das histórias que mais amamos. House of Cards está aí para comprovar essa teoria, se compararmos os acontecimentos aos fatos que vemos nos noticiários todos os dias. Com os pais não poderia ser diferente. Existem pais que assumem o papel integral da criação da criança, pais que são os melhores amigos dos filhos, filhos que têm dois pais, pais de […]

Leia o post completo

5 momentos incríveis da 2ª temporada de Master of None

5 dias atráscomentarios

Somos apaixonados por Master of None por aqui. Depois de uma primeira temporada sucinta, porém arrebatadora, esperamos quase dois anos (ou foi mais que isso?) para reencontrarmos Dev em um novo momento da sua vida. E, ao longo de dez episódios, tivemos a oportunidade de passear por muitos momentos incríveis na companhia do personagem, com um roteiro extremamente crítico e que faz com que a gente pare, reflita e mude algumas atitudes tão intrínsecas do nosso ser. Por isso, separamos (só) cinco dos grandes momentos dessa nova temporada, para revisitarmos e te convencermos de que, se você ainda não viu, essa é a hora para parar tudo que está fazendo e devorar o segundo ano de Master of None.   […]

Leia o post completo

Gypsy

6 dias atráscomentarios

Confesso que a princípio eu achei que Gypsy fosse um filme, afinal Naomi Watts e Billy Crudup são atores que estamos mais acostumados a ver na telona. Estranho ter um casal desse porte em uma produção para telinha do Netflix. De fato, Gypsy não é como a maioria das séries que estamos acostumados. Tem uma cinematografia de tirar o fôlego e um enredo que se desenvolve sem qualquer pressa. Com episódios de 50 minutos em média, Gypsy é quase um estudo de personalidade da sua protagonista, Jean Holloway, vivida por Naomi Watts. Ela é uma psicóloga, casada com Michael, um advogado que parece ter uma vida normal no subúrbio dos EUA. Tudo é muito sútil no início, mas vamos notando […]

Leia o post completo

Siga as nossas redes sociais e fique sempre conectado:

Assine nossa newsletter