Criminal Minds: Beyond Border

21 de março de 2016 Por:

“Over 68 million Americans leave the safety of our borders every year. If danger strikes, the FBI’s international response team is called into action.”

Criminal Minds: Beyond Border é o segundo spin-off e terceira série da franquia Criminal Minds da emissora CBS – sua antecedente foi Criminal Minds: Suspect Behavior. Seu episódio piloto derivou do décimo nono da décima temporada da série com que partilha o nome intitulado Beyond Border. A premissa da produção é bem simples: uma equipe do FBI que auxilia americanos em situação de risco de vida além das fronteiras do país.

criminal-minds-spin

Exibida pela CBS, canal responsável por grandes atrações procedurais como a própria franquia e as aclamadas NCIS e CSI, a série carrega o peso de seguir o sucesso que é Criminal Minds, que está no ar desde 2005 e atualmente exibe sua décima primeira temporada. Ambas compartilham a mesma equipe criadora: Mark Gordon, Erica Messer e Nick Pepper e um elenco de peso e familiarizado com dramas policiais, Gary Sinise (CSY: NY), Alana de La Garza (Law & Order), e também Tyler James Williams (Everybody Hates Chris), Daniel Henney (Revolution) e Annie Funkie (The Affair). Na respectiva ordem, Sinise interpreta Jack Garret, o líder da equipe composta por Clara, uma antropóloga, Russ Montogomery, um analista de sistema que atua diretamente dos EUA e presta auxílio às famílias, Matt Simmos, um ex-militar que já viveu em diversos países e Dra. Mae Jarvis, uma psicóloga forense.

Dito os caracteres técnicos da produção, vamos partir da premissa da série que foi muito bem estabelecida desde seu piloto na série-mãe. Se tratando de uma procedural, já parti para o episódio tentando não elevar minha expectativa, embora prosseguisse de uma série que eu particularmente sou grande fã, todos sabemos que dramas policiais são compostos por muitos altos e baixos que guiam a temporada durante seus casos da semana, expectativa esta, que embora tentasse não elevar, foi muito bem atendida. A ideia é inovadora e nos introduz à muitas outras culturas até mesmo do crime, colocar uma equipe do FBI em um novo território tendo que lidar com diversos contratempos, a própria polícia do local, as barreiras impostas pela comunicação, nova política e costumes, entre outros. É uma proposta diferenciada e experiência nova da análise comportamental que Beyond Borders nos apresenta.

cm-bb-ginise

Como nem tudo são flores, neste episódio faltaram dois aspectos importantes presentes na série originária: a análise mais aprofundada do perfil do suspeito e, de longe a maior característica presente em Criminal Minds, a interação entre a equipe. Embora estamos falando aqui do primeiro episódio e estamos longe da posição de fazer todas pressuposições, a primeira impressão é importante para manter o público que certamente grande parte é fiel ao que a primeira série nos apresenta ao longo destes 11 anos. Espero que Beyond Border não cometa os mesmos erros da segunda da franquia, Suspect Behavior, que apesar do protagonismo de Forest Withaker a produção não conseguiu ir para frente devido à baixa aceitação do público.

Beyond Border tem uma ideia ousada e interessante, neste episódio ficou certamente provado isso. O caso voltou-se para aspectos até mesmo culturais em um local onde esta característica marca uma presença muito forte: Bankok, Tailândia. E apresentou os principais problemas que a equipe poderá enfrentar em territórios além das fronteiras americanas: a comunicação, lidar com outros costumes e a política estrangeira que pode não ser muito favorável. Em todas circunstâncias um fator será característico: são eles quem devem se preocupar com as vidas americanas em risco.

No geral a proposta é interessante, para um fã das procedurais como eu vale seu tempo para assistir e tirar suas próprias primeiras impressões. Como uma grande fã do percurso assinalado por Criminal Minds até aqui espero que trabalhem mais principalmente na interação da equipe que se tornou um dos aspectos mais fortes da procedente. Entretanto, este é um fator que pode ser facilmente relevado se desgarramos a ideia de uma tão vinculada a outra e permitindo que Criminal Minds: Beyond Border firme sua própria individualidade aqui, e certamente, material para isso terá.

A Kardashian perdida que sonha em ser médica um dia.

Vitória / ES

Série Favorita: Grey's Anatomy

Não assiste de jeito nenhum: The Walking Dead

  • Monica F.

    Tinha muita esperança por essa série por causa do Gary Sinise, mas eu odeio o ep. Achei muito senso comum o jeito que eles falaram não só da Tailândia, mas tmb de ser voluntária em fazendas. E a ideia não é muito novo, é uma cópia de Crossing Lines que dá de 10 a zero nessa.

Girlboss: guia do que NÃO fazer na vida adulta

1 semana atráscomentarios

Teve gente que gostou de Girlboss, teve gente que achou a série fraca. Mas em uma coisa todo mundo certamente concorda: Sophia é um dos piores seres humanos que já vimos como protagonista de uma série. E com ela a gente pode aprender muito sobre o que não fazer para ser uma pessoa melhor. 5. Não roubar Em GirlBoss, uma das primeiras coisas que descobrimos sobre Sophia é que ela acha normal roubar. Não, ela não rouba porque precisa, porque quer ajudar alguém, ou se quer por uma questão de princípios contra uma sociedade capitalista. Sophia rouba porque se sente superior e simplesmente não respeita os outros, – muito menos suas propriedades. 4. Não ser egoísta com a melhor amiga […]

Leia o post completo

Desafio: você se lembra de quem foi essa declaração de amor?

2 semanas atráscomentarios

Ah, o dia dos namorados. Aquele momento do ano para espalhar aos quatro cantos nosso sentimento por aquela pessoa especial, que faz o coração acelerar e as palmas da mão suarem. Aquela pessoa por quem você faria qualquer coisa, até mesmo deixar a vergonha – ou o medo – de lado para professar seu amor. Nas séries, existem muitos personagens  que não esperam data especial nenhuma para declarar seu amor, seja num momento de desespero, num pedido de casamento ou só para reforçar aquilo que o parceiro já sabe e Tom Jobim cantava aos quatro ventos: é impossível ser feliz sozinho. Você também acredita nisso e se derrete toda vez que sabe que chegou a hora de surtar, porque vai ter […]

Leia o post completo

Guia da Trilha Sonora: Scream – Season 1

3 semanas atráscomentarios

Entre os poucos pontos positivos que posso destacar em Scream, a trilha sonora fica em primeiríssimo lugar (talvez porque seja da MTV). Misturando canções atuais, dançantes e tristes, que fazem parte da vida dos jovens de Lakewood, a série soube utilizá-las para compor a história e os personagens. Assim, nada melhor do que ouvir as músicas da primeira temporada, agora disponível em uma playlist na nossa conta do Spotify!

Leia o post completo

Siga as nossas redes sociais e fique sempre conectado:

Assine nossa newsletter