Estas séries deveriam ter renascido?

2 de outubro de 2015 Por:

Depois de assistirmos à maioria das estreias da fall season e com todas estas notícias sobre séries, nos fizemos um questionamento: Onde está a criatividade dos roteiristas?

Recentemente lemos a notícia que Prison Break voltará às telas da FOX com mais uma temporada com os irmãos Scofield e Burrows, numa série evento com 10 episódios. Este anúncio nos leva a questionar a necessidade dos produtores americanos de reviver estas séries que tiveram finais.  Por que não apostar em produtos novos para suas emissoras? Será que as séries tem realmente mais histórias para serem contadas?

Iniciando a onda, tivemos em 2005 o retorno de Doctor Who, que na verdade nunca foi cancelada – apenas “pausada” -, já que a BBC não cancela suas séries. A série atual continua diretamente a clássica, mas com o cuidado de adequação da linguagem aos dias de hoje e de construir uma trama que pode cativar e se fazer entendível mesmo para a grande maioria do público, que não viu nada do programa original. Foi uma ótima estratégia da BBC e ninguém duvida que Doctor Who ainda terá uma boa estrada pela frente, até ter novamente a produção pausada e retornando 50 anos depois pelas mãos de um roteirista que cresceu assistindo a série atualmente.

veronica-mars

Doctor Who é uma série que permitia este tipo de continuidade, não é uma história que clamamos por final, poderia muito bem ser continuada. Mas outras séries precisam de um final, como  Prison Break, que teve sua história concluída, mesmo que alguns fãs não gostem de como isso aconteceu. Mexer nessa história pode não dar tão certo quanto os produtores queiram, pode destruir um encerramento e uma série que tem muitos fãs. Vale a pena manchar a série?

É o mesmo caso de Arquivo X. A série terminou há mais de uma década e mantém, até hoje, o status de uma das melhores produções de ficção científica que a TV já viu. Foram 9 temporadas contando a história de Mulder, Scully e a conspiração governamental com alienígenas e o final da história foi satisfatório. Chris Carter respondeu o que precisava ser respondido e o que não ficou claro, ficou subentendido. Os dois filmes complementares à série não são exatamente sucesso de crítica. Agora, Arquivo X vai voltar, em uma série evento de 6 episódios. Se a decisão foi acertada ou não, só o tempo dirá.

Os fãs são responsáveis por isso? Afinal, nós sabemos que sentimos saudades de alguns personagens e mesmo com medo de a nova história não dê certo, nós iremos assistir. Queremos vê-los mais uma vez. É um terreno seguro de apostar. Mais seguro que, por exemplo, o lançamento de um produto totalmente novo. Ao mesmo tempo, é preciso que as emissoras tomem cuidado e não tragam de volta pelo simples “fazer algo novo”, ou o efeito pode ser o contrário: A maculação da imagem da série em questão.

Claro, é preciso o cuidado de também entender que, para algumas produção, uma sobrevida – mesmo que em forma de filme ou telefilme – é necessária. Vejamos, por exemplo, Veronica Mars. A clássica série, protagonizada por Kristen Bell no papel título, foi cancelada em 2007, deixando uma legião de fãs sedentos por um encerramento digno da história da Jovem Espiã.

Mas ao contrário de Veronica Mars, muitas destas séries tiveram finais satisfatórios, e por mais que sintamos muitas saudades dos personagens, mexer no final que tiveram é um erro. Tudo isso nos faz crer na falta de criatividade e no medo de inovar das emissoras, já que a média de audiência cai a cada ano. É mais fácil garantir um público que irá ao menos assistir para conferir o resultado, do que construir uma nova base de fãs.

Contudo, até onde é possível investir em retomadas sem perder a qualidade? E pior: E quando o retorno é de uma série que, na sua exibição inicial, já deixou a desejar? O que explica, por exemplo, que Heroes, uma das séries mais criticadas da história, tenha recebido sinal verde para uma continuação, que em seus 3 primeiros episódios se mostrou tão ruim quanto as temporadas finais da série-mãe? Heroes Reborn até tem uma boa base, mas não tem carisma, não tem bons personagens, não tem roteiro e direção decentes… É um erro gigantesco que isso sequer tenha saído do papel. Tudo bem que Heroes não teve um final, mas honestamente: Alguém liga?

Heroes Reborn - Season 1

Seguindo a onda, temos ainda a famosa “sobrevida” dada por canais ou serviços de streaming a séries canceladas. Há alguns anos, o recurso se mostrou bastante satisfatório quando a Directv concedeu temporadas extras a ótimas produções canceladas, como Damages Friday Night Lights. Mais recentemente, a Netflix “descancelou” The Killing Arrested Development– mesmo caminho que Yahoo e Hulu seguiram ao salvarem, respectivamente, as comédias Community The Mindy Project.

Até agora, todas as séries resgatadas mostraram ainda ter alguma história para contar. Nos resta, então, torcer para que a sensatez continue pairando nos canais e serviços de streaming na hora de resgatar uma história – ou de deixá-la de lado, como aconteceu com Constantine, que procurou uma nova casa depois de ser cancelada pela NBC, mas nada encontrou – merecidamente. E fica a dúvida: as séries resgatadas pelos serviços de streaming tinham mais história para contar mesmo, ou a equipe é mais competente para criar roteiro interessante para elas?

Outras séries ainda virão em breve, um reboot de 24 Horas, Twin Peaks, a minissérie de Arquivo XFuller House, a continuação de Full House. Luta pela audiência, falta de criatividade, saudosismo? Não importa, não estamos vendo muito potencial nas séries lançadas pela TV americana e essa onda de comebacks ainda deve durar, mesmo que não venha com a qualidade que esperamos.

Por: Camila e Alexandre.

Mineira, designer, professora que gosta tanto de séries que as utiliza como material didático.

Belo Horizonte/MG

Série Favorita: Fringe

Não assiste de jeito nenhum: Supernatural

  • Marivan

    Se tem uma série que NUNCA deveria “acabar” (não deveria ter acabado) Prison Break.
    Nas series sempre ten aquele tempo em que vc pensa se vai continue assitindo ou Nao. As vezes ate da continuidade por que a outra está no “break”
    Mas Prison Break não, desde o primeiro seguntao ao último com o mesmo “tom” de coisas que nos deixa visgado à série.
    Então mesmo que os irmão teriam que parar de fugir um dia, ainda assim não deveria para Prison Break
    Prison Break é Prison Break indiscutível e incomparável!!! ; )

    Séries boas são como pessoas boas, não duram muita naos passa das 3 ou 4 temporada Kkkk

  • Lucas

    A simples ideia de trazer Heroes e Prison Break de volta já é péssima por si só. Impossível que não percebam isso.

    O final do texto “não estamos vendo potencial nas novas séries” define bem meu ponto de vista. Considerando que as estréias dessa Fall season foram de medianas para ruins, neste momento não considero essas retomadas como algo necessariamente negativo. Não estamos vendo nada de novo mesmo, acho menos incoerente ressuscitar algo que foi bom/original na época da exibição original, do que apostar em produtos novos que nada fazem além de reproduzir o mesmo que já vimos antes de uma maneira piorada. Pra mim a crise de criatividade da indústria do entretenimento se percebe principalmente naquilo que se propõe inédito, não no que está sendo trazido de volta.

    E, obviamente, isso não é uma estratégia apenas das produções televisivas. Tem dado muito certo pro cinema. Mad Max: Road Fury, Star Wars VII e Jurassic World que o digam.

    • Gizelli Sousa

      Mais ou menos, né? Jurassic World é um NADA perto de Jurassic Park. 😛 E vejamos, Duro de Matar e exterminador do futuro são provas de que não está dando tãããão certo assim no cinema também.

      Mas concordo que a volta de Mad Max me cativou, só que Mad Max já tinha essa característica de cada filme ser um episódio fechado. Entre outras coisas, isso funcionou para ajudar a retornar com a história.

      Para o futuro é que se olha, gente (Mas que eu vou assistir cada minutinho do retorno de arquivo X, ah eu vou. hihi)!

      • Lucas

        Concordo plenamente no que diz respeito à qualidade. Terminator 5 é péssimo e Jurassic World é mediano em comparação ao primeiro filme (se bem que qualquer coisa seria melhor que o terceiro). Outra franquia que o retorno me agradou até agora foi Planeta dos Macacos, enfim, não vem ao caso.

        Eu me expliquei mal acima. Na verdade, nem expliquei o que eu quis dizer com “dar certo”. Me referia ao apelo que esses filmes tem com o público (incluindo eu), ao retorno que eles deram em bilheteria (quem esperava Jurassic World virar aquele fenômeno gigantesco?). Não tem maior incentivo pra televisão investir nisso do que ver essa estratégia dando tão certo (financeiramente) no cinema.

        • milatelcontar

          Concordo com vcs. Uma hora me perguntei se não era nossa culpa, porque apesar de achar ruim todos estes retornos a gente vai ver estas coisas.
          E como tirar a razão dos produtores em fazer isso quando um filme como Jurassic World tem aquela bilheteria enorme? Ultrapassando muitos roteiros originais. Eles querem dinheiro e é pra este tipo de produto que estamos dando os nossos.

  • Gizelli Sousa

    Trazer de volta séries, tudo bem. Trazer de volta série RUIM que nem Heroes, JÁ É VANDALISMO.

    • milatelcontar

      Hahahaha! É o desespero. Mas eles vão conseguir audiência alta ao menos no episódio piloto.

  • Laís Rangel

    A impressão que me dá é que estamos vivendo uma enorme festa ploc dos anos 2000 na TV.
    Lembro que quando era adolescente ficava me perguntando pq a galera fazia tanta festa ploc e festa flashback pra reviver os anos 80, e agora o mesmo fenômeno esquisito tá acontecendo na televisão.
    Tem os casos explícitos, em que trazem de fato a mesma série de volta, como os exemplos citados no post, mas tem também as dezenas de adaptações de obras que já fizeram sucesso em outros formatos, como filmes, livros, quadrinhos, etc. Tem casos em que a ideia dá muito certo, como GoT e Hannibal, tem casos em que dá muito errado, como Minority Report e Sleepy Hollow.
    E temos ainda aquelas séries que não são nem uma coisa, nem outra, e mesmo assim tem cara de coisa requentada. Tipo aquelas que se propuseram a ser “a nova Lost” ou Scream Queens (uma mistura de Todo Mundo em Pânico e Popular) e Quantico (Grey’s Anatomy meets Homeland).
    Isso não quer dizer que toda série requentada é ruim, claro. Acho que em todas as situações temos exemplos de séries muito bacanas e de flops categóricos, mas eu sinto muita falta de conteúdo fresco, de ver gente nova tendo ideias novas em vez de apenas reproduzir uma fórmula desgastada.
    As séries originais da Netflix têm essa característica um pouco mais forte, e talvez isso explique parte do sucesso que o serviço vem fazendo com o seu conteúdo. Apesar de não ser uma grande fã de BrBa, não dá pra negar que a produção foi um sucesso estrondoso. Talvez por ser inovadora também.
    Enfim, acho que o que me incomoda não são as séries em si (não todas elas), mas essa sensação de que a galera que produz conteúdo se acomodou no status de preguiça mental e não vai sair disso tão cedo.

    • milatelcontar

      Exatamente. A impressão que dá é que os diretores de programação, escritores e sei-lá-mais-quem não se arriscam. As vezes até tem alguma coisa original por aí, mas eles não querem arriscar e apostam nas coisas mais conhecidas.

      O requentado sempre existiu, vide novelas da globo sendo regravadas, histórias baseadas em livros e etc.

      Mas o problema é que não tem nada novo acompanhando o requentado.

    • Gizelli Sousa

      Imagino que exista ainda outro fator: estamos numa fase em que estão surgindo pontualmente grandes séries. Séries tão absurdamente boas que fazem a mediocridade das outras saltarem aos olhos. Talvez há alguns anos, algumas estréias desta fall season seriam bem mais palatáveis para mim, mas simplesmente não dá para ignorar a diferença de qualidade com séries do mesmo gênero. Por exemplo, digamos que façam uma série de fantasia que pareça se passar no tempo medieval. Como não comparar a qualidade de roteiro, atuação, história, fotografia, direção e etc, com Game of Thrones? Eu não consigo mais ver um episódio de séries investigativas depois de The Killing e The Fall, acho tudo muito vazio, muito sem conteúdo. Acho que elevamos nosso critério também. O que é uma coisa boa, né? 😉

Girlboss: guia do que NÃO fazer na vida adulta

1 semana atráscomentarios

Teve gente que gostou de Girlboss, teve gente que achou a série fraca. Mas em uma coisa todo mundo certamente concorda: Sophia é um dos piores seres humanos que já vimos como protagonista de uma série. E com ela a gente pode aprender muito sobre o que não fazer para ser uma pessoa melhor. 5. Não roubar Em GirlBoss, uma das primeiras coisas que descobrimos sobre Sophia é que ela acha normal roubar. Não, ela não rouba porque precisa, porque quer ajudar alguém, ou se quer por uma questão de princípios contra uma sociedade capitalista. Sophia rouba porque se sente superior e simplesmente não respeita os outros, – muito menos suas propriedades. 4. Não ser egoísta com a melhor amiga […]

Leia o post completo

Desafio: você se lembra de quem foi essa declaração de amor?

2 semanas atráscomentarios

Ah, o dia dos namorados. Aquele momento do ano para espalhar aos quatro cantos nosso sentimento por aquela pessoa especial, que faz o coração acelerar e as palmas da mão suarem. Aquela pessoa por quem você faria qualquer coisa, até mesmo deixar a vergonha – ou o medo – de lado para professar seu amor. Nas séries, existem muitos personagens  que não esperam data especial nenhuma para declarar seu amor, seja num momento de desespero, num pedido de casamento ou só para reforçar aquilo que o parceiro já sabe e Tom Jobim cantava aos quatro ventos: é impossível ser feliz sozinho. Você também acredita nisso e se derrete toda vez que sabe que chegou a hora de surtar, porque vai ter […]

Leia o post completo

Guia da Trilha Sonora: Scream – Season 1

3 semanas atráscomentarios

Entre os poucos pontos positivos que posso destacar em Scream, a trilha sonora fica em primeiríssimo lugar (talvez porque seja da MTV). Misturando canções atuais, dançantes e tristes, que fazem parte da vida dos jovens de Lakewood, a série soube utilizá-las para compor a história e os personagens. Assim, nada melhor do que ouvir as músicas da primeira temporada, agora disponível em uma playlist na nossa conta do Spotify!

Leia o post completo

Siga as nossas redes sociais e fique sempre conectado:

Assine nossa newsletter