Game of Thrones: quando o fan service virou um problema?

6 de setembro de 2017 Por:

Nesta última temporada de Game of Thrones ouvimos falar muito de fan service. O termo que literalmente seria serviço para os fãs, se refere aquelas cenas, plots ou encontros incluídos na série (ou qualquer outra mídia) com o intuito de agradar os fãs e, muitas vezes, sem qualquer motivo real.

A última temporada de Game of Thrones já começou no fan service. Arya vingando os Stark, matando todos os Freys, é a própria definição do termo. Não está nos livros (onde ela ainda está cega, por sinal) e tem poucas chances de acontecer lá. No entanto, foi bem feito, visto que a adaptação não poderia dar o final original aos Frey uma vez que não conta com a Lady Stoneheart. A cena pega a essência da história e trabalha em cima disso.

Reprodução: HBO

Reprodução: HBO

Fan service vira problema quando não é condizente com o enredo e serve apenas para agradar os fans, destoando e deixando buracos na plot. Episódio 6, estou olhando para você! A gente queria ver dragão tacando fogo nos Caminhantes Brancos, claro ou com certeza? Agora cabia o Jon na posição que estava ir atrás deles? Conseguiria o Gendry (logo ele) que não conhece inverno e nunca esteve no Norte voltar correndo para AtalaiaLeste? Faz qualquer sentido convencer a Cersei com um walker?

O plano era péssimo e até Jon deveria ter notado isso, mas parece que ele continua não sabendo de nada.

O problema do episódio não foi o fan service descarado, mas a forma preguiçosa como ele foi conduzido. Vale lembrar que muitas dessas plots devem se repetir nos livros de Martin (quando eles chegarem), mas eu duvido – mesmo! – que venham de forma tão óbvia. Ou ele já deveria ter terminado de escrever há alguns anos.

E você, quando acha que fan service virou um problema em Game of Thrones? Ou não virou mesmo?

Apaixonada por histórias, em todos os formatos, conta com listas enormes de livros que quer ler e filmes e séries para assistir.

Porto Alegre / RS

Série Favorita: House of Cards, Game of Thrones, Scandal

Não assiste de jeito nenhum: Once upon a time...

  • Eu acho que o fan service começou na quinta temporada. Claro, vez ou outra toda série precisa de um pouco disso, até porque às vezes funciona muito bem com o roteiro mesmo sendo fan service. No caso, o problema foi a falta de preparo dos roteiristas e produtores de Game of Thrones para um período sem livros.

    Nós sabemos que o Martin escreve devagar, como o próprio lançamento do quinto livro já nos mostra, mas eu tenho quase certeza – já que é impossível ter completa – de que ele estipulou sim um prazo para o lançamento e é por isso que não se prepararam tanto. Sim, eles deixaram algumas coisas para serem adaptadas mais para frente, como o núcleo das Ilhas de Ferro e o arco do Bran com o Corvo-de-Três-Olhos, mas só isso não foi o suficiente.

    Enquanto o Martin tem ANOS para desenvolver essa história (que ele já desenvolve e publica desde antes de 2000), D&D e todos em voltam não tiveram (apenas meses), muito menos sabiam trabalhar como uma trama tão complicada. É completamente possível perceber que a política da série se resumiu apenas em Porto Real, já que continuar a desenvolver ela em outros núcleos seria completamente difícil para quem não tem um domínio da história como o Martin. Apesar de não ser uma adaptação 100% fiel, os livros eram sim essenciais já que, mesmo não seguindo tão certo a história, a base dos núcleos e dos acontecimentos eram a mesma.

    Em Dorne, por exemplo, seria completamente difícil desenvolver a trama dos livros, sendo possível entender o motivo de mudarem a história. Sim, não ficou legal, mas foi possível entender o motivo.

    Quando chegou a vez da sexta temporada, já era claro que os livros não iriam sair e eles precisavam de todo jeito concluírem a história. Eu tenho uma intuição muito grande de que eles iriam incluir a Senhora Coração de Pedra caso o sexto livro saísse, mas já que isso não aconteceu, decidiram convergir vários núcleos e encerrar alguns (até mesmo precocemente, como o do Stannis) para conseguir trabalhar melhor e dar um jeito de encerrar a história.

    Confesso que nunca imaginei Game of Thrones acabando na oitava temporada, imaginava que iria além. Mas, sem os livros e com uma trama tão complicada, acho que já era claro que encerrar a série logo era a melhor maneira de não estragar tudo. E qual a melhor maneira de fazer isso? Exatamente, o fan service. Claro, eles consultaram o Martin para pontos principais da história e adaptaram de um jeito mais fácil e clichê, mas o fan service foi essencial para eles, já que é praticamente um roteiro pronto e algo que os fãs – alguns, claro – querem.

    Eu não acho que exista um limite para o fan service. Existem séries adolescentes boas que são puro fan service, mas nem por isso são ruins. O problema é não saber trabalhar com eles e, como imagino que tenha sido o caso de D&D, não souberam controlar o desespero de não ter mais uma história para seguir.

    • Mariane Lima

      Então, a fanfic realmente começou antes, mas na quinta ainda tava bom, vai. Era uma fanfic de respeito. rs. Tem uns fan service que a gente até espera ansiosamente que apareçam mesmo nos livros. Revendo agora é que notei que na sexta (que eu ainda gostava) a qualidade do roteiro já tinha caído muito. Demais mesmo. Mas mesmo com fan service, ainda parecia estar dentro da proposta de Game of Thrones. Algumas decisões bobas, com certeza, mas tirando estupro completamente desnecessário, tava bem aceitável, considerando, como você falou, que os roteiristas não são o Martin.
      Quebrar a narrativa de alguns núcleos também era necessário, uma vez que os livros foram ficando cada vez maiores e a série tinha um tempo limitado. Isso é compreensível. O que eu não entendo mesmo é a sétima temporada que teve seu ápice de loucura para mim neste sexto episódio.
      Não acho que exista limite para fan service, por assim dizer, mas tem que ser coerente. Tinha muita coisa que era fan service antes? Claro, mas tava dentro do tom pré-estabelecido pela série, o problema mesmo é quando foca tanto no service que esquece ele. Suponho eu que as críticas quanto a lentidão da série tenham tido sua parte ai. Junto com uma boa dose de desespero para criar roteiros sem material original e agradar um fandom que se tornou grande e diverso demais.

  • Acho que o ponto é bem esse.
    Eles querem trabalhar com cenas épicas, não importando o enredo ou o roteiro que leve para isso.
    Cenas que chamam a atenção do público e faça o povo falar durante a semana toda.
    Me lembra o que é feito com Walking Dead. 40 minutos de nada, 5 minutos de tensão, 3 segundos de PAM!
    É a Zacksnyderização das séries. E é uma pena GOT com toda essa base de fãs chatas pra caraleos querer polarizar o público a esta altura do campeonato.

    Me preocupa que acabe como Lost. Uma série maravilhosa de se acompanhar, e com um final que estraga anos de trabalho, que todos julgam por 1 episódio.

  • Jotape Ferreira

    O problema é que teve muito fanfic nas duas últimas temporadas…

1 Contra Todos

1 semana atráscomentarios

Com a lei de incentivo à produção nacional, várias produções poderiam sair do papel. Muitas delas não têm a menor pretensão de introduzirem uma ideia nova ou em mesmo de fazer sucesso. É por isso que uma série estoura na medida em que 1 Contra Todos fez, a gente tem que prestar atenção e dar os louros. Cadu (Júlio Andrade) é um advogado de Taubaté que será pai pela segunda vez, mas perde o emprego devido seus princípios éticos. Para piorar sua situação, é injustamente preso ao ser confundido com o Doutor do Crime, maior traficante do país. Para tentar sobreviver, e com o apoio de sua esposa Malu (Julia Ianina), ele decide se passar pelo criminoso como única forma […]

Leia o post completo

Queens que merecem redenção em RuPaul’s Drag Race: All Stars – Parte 2

1 semana atráscomentarios

Comemorando que RuPaul’s Drag Race acaba de conquistar o Emmy de Melhor Apresentador de Reality, Melhor Edição de Fotografia e Melhor Figurino (pelo episódio: Oh! My! Gaga!), além da VH1 não perder tempo em agendar a próxima edição All Stars para Janeiro de 2018 (está quase chegando!), em breve teremos a lista oficial das queens que estarão retornando para brigar por um lugar no Hall Of Fame do programa e ter a oportunidade de reescrever parte da sua história na competição. Assim como na primeira parte desse especial, eis aqui uma outra lista de participantes que não conseguiram atingir seu potencial e chegar longe na competição. Então, shall we begin? Trixie Mattel – Temporada 7 (Top 6) Oh honey! Quem não […]

Leia o post completo

Stephen King na televisão

1 semana atráscomentarios

Stephen Edwin King sem dúvida alguma é um (se não for “o”) maior escritor de terror e suspense de todos os tempos. Nascido em Portland, no estado de Maine, cenário da maioria das suas histórias, em 21 de setembro de 1947, teve uma infância complicada, tendo seu pai abandonado a família quando ainda tinha dois anos, e testemunhou um acidente com a morte de um amigo. Já escrevia desde criança, e vendia suas histórias aos amigos. Estudou inglês na Universidade do Maine, casou-se com Tabitha Spruce, em 1971, e lecionou sua formação em Hampden, enquanto isso escrevia para revistas masculinas. Teve problemas com álcool, e em 1999 sofreu um acidente sério, em que foi atropelado enquanto caminhava aos arredores de […]

Leia o post completo

Siga as nossas redes sociais e fique sempre conectado:

Assine nossa newsletter