Glitch

17 de março de 2017 Por:

Sete mortos voltam à vida super bem de saúde e aparência. É essa a história de Glitch, uma série australiana que está disponível no Netflix, desde o ano passado. De cara, a história pode parecer mais uma de tantas sobre mortos-vivos, zumbis ou afins. Inclusive, Glitch chegou a ser comparada com as séries The Returned e Ressurection. Mas, apesar de usar um tema já conhecido do público, o enredo é totalmente novo e contado de uma forma diferente de tudo que você já viu sobre o assunto.

Nada de apocalipse ou vírus mortal, Glitch conta a história de sete renascidos das cinzas de forma, aparentemente, espontânea e natural, e claro, misteriosa na cidade fictícia de Yoorana, na Austrália. O primeiro episódio começa com os sete, literalmente, saindo dos seus próprios túmulos, completamente, assustados. O jovem Beau testemunha a cena e, logo em seguida, chega o policial James Hayes que, inicialmente, acha que tudo não passa de algum ritual ou brincadeira de jovens. Ele só muda de ideia quando vê sua esposa, Kate, que estava morta há dois anos, ali viva e em carne e osso. A Dra. Elishia McKellar examina os “mortos-vivos” e, apesar de alguns terem tido mortes terríveis ou por doença, como é o caso de Kate que morreu vítima de um câncer de mama, eles não só renasceram como voltaram em perfeita saúde.

 

Aos poucos, a história de cada personagem vai sendo revelada à medida que eles vão recuperando suas memórias. Entre os sete, não há algo em comum em relação à morte. Cada um morreu em uma época diferente e as causas são variadas: estrangulamento, problemas de saúde, enforcamento, acidente de carro, etc. O porquê dos sete terem sido escolhidos para voltar a vida, ninguém sabe. Mas parece que eles têm algo em comum: uma situação mal resolvida deixada antes de morrerem. O que me fez lembrar muito de Ghost Whisperer, apesar de a série tratar sobre espíritos, e não de pessoas de carne e osso.

Glitch não tem nada de assustador, mas tem muitas cenas de suspense, ação e até mesmo uma boa dose de humor na hora certa. Do início ao fim, a série prende o telespectador por mostrar algo que não conseguimos imaginar como seria. E, por isso, não são poucas as cenas que você se vê tendo os mesmos pensamentos e reações dos personagens, o que te dá a sensação de estar lá, em Yoorana, vivendo aquela situação.

A história flui sem enrolações e de forma conectada. Cada episódio continua a história deixada pelo anterior, respondendo alguns mistérios e criando muitos outros. O ritmo é ótimo, com diálogos muito bem escritos. A atuação é impecável e não deixa a desejar em nada. Sou fã de séries com pouco cenários e que mesmo assim conseguem prender a atenção. Além disso, a paisagem é linda e foge daquele padrão norte-americano/europeu que estamos cansados de ver. Glitch mostra que para contar uma boa história não precisa de muita firula. Apenas de um bom roteiro e uma boa equipe.

Algumas dicas sobre como os mortos voltaram à vida são dadas ao longo da história. Dra. Elishia McKellar parece ser ligada a uma grande indústria farmacêutica da região, a Noregard, o que me fez lembrar muito do suspense em torno do assunto em Stranger Things. Além da médica suspeita, um policial super esquisito, Vic, aparece e tenta, a todo custo, devolver os mortos para onde eles saíram: o túmulo. Ele é um pé no saco e vai fazer de tudo para atrapalhar, além de esconder muitos segredos, alguns desvendados na season finale, que é cheia de reviravoltas e revelações (sem mais spoilers!).

Já não bastasse esse mistério tem outro mais intrigante ainda: nenhum dos sete consegue sair da cidade. Isso porque quando se aproximam dos limites da região começam a sangrar, e um deles chega até virar cinzas, instantaneamente. Magia ou ficção científica? Até agora não sabemos. A série foi renovada para uma segunda temporada e os episódios ainda estão sendo filmados na Austrália, sem data prevista para estreia. Tudo que sabemos é que os seis continuam vivos. E Yoorana cheia de mistérios.

Jornalista, carioca na Terra da Garoa, apaixonada pela vida e por doces diet. ❤

São Paulo/SP

Série Favorita: Prison Break

Não assiste de jeito nenhum: Friends

  • João Fernando

    Essa série é maravilhosa, é simplesmente deliciosa de se assistir. E eu ainda não superei a season Finale, MDS o que foi aquilo? Vc começa a série cheio de dúvidas, acha que entendeu tudo até o penúltimo episódio e finalmente, no último, você vê que é bem mais complexo do que imaginava kkkkkk.
    Espero ansiosamente essa segunda temporada.

    • Bia Libonati

      Oii João! Tudo bom? Obrigada pelo comentário! Sim!! essa série é maravilhosa e mal posso esperar pela segunda temporada! Pelo que vi no Instagram dos atores, novos sangramentos vão acontecer. Será que o mistério da ponte será esclarecido? Espero que sim! Eu tive a mesma sensação que você quando assisti a série, você acha que entendeu tudo, até que tudo muda tudo hahahaha Muito legal, mesmo! Sou fã de séries assim, inteligentes e cheias de camas. Beijos até a próxima!

The Astronaut Wives Club

2 semanas atráscomentarios

Baseada em um livro de mesmo nome que narra eventos reais e históricos, The Astronaut Wives Club consiste em um instigante drama de época, ambientada entre os anos de 1950 e 1960, que segue a vida das sete esposas dos primeiros astronautas da América, os Mercury Seven, mulheres que da noite para o dia tiveram suas vidas aparentemente suburbanas, de mães e de donas de casa, acompanhadas e expostas pela imprensa para todo o país, as mesmas sendo consideradas exemplos de moralidade e bons costumes, as esposas perfeitas para os homens que elevaram os EUA  para o próximo nível na corrida espacial contra a URSS em pela Guerra Fria. A minissérie de 11 episódios foi exibida pelo canal ABC no […]

Leia o post completo

Guia da Trilha Sonora: Parenthood – 4ª temporada

3 semanas atráscomentarios

Parenthood é o tipo de série que sempre nos emociona de alguma forma: seja com o clima familiar, com os dramas dos personagens ou com a alegria de suas conquistas. E na 4ª temporada a gente sofreu bastante com alguns personagens, e claro que a trilha sonora contribuiu bastante pra que tivéssemos o maior impacto possível de tudo que a temporada queria nos passar. Abertura: Forever Young – Bob Dylan Abertura Internacional: When We Were Young – Lucy Scwartz 4×01 – Family Portrait Just As Loud – PAUL MCDONALD Corner – ALLIE MOSS Call Me the Breeze – BETH ORTON Amen – ROCCO DELUCA A Little One – PEASANT Counting Stars – PAUL MCDONALD T-Bone Shuffle – T-BONE WALKER 4×02 […]

Leia o post completo

Maratona Parenthood – 6ª temporada

3 semanas atráscomentarios

Pegar a última temporada de Parenthood para fazer o post de maratona foi um imenso desafio. A expectativa era grande, junto com o medo de não conseguir terminar o texto. Mas é isso que uma série faz conosco, não é? Nos encher de emoções e deixar aquele gelinho na barriga no final. Família é uma coisa difícil. Você não vive sem ela e não consegue, muitas vezes, ficar perto dela. Talvez porque família não tenha o dever de ser um amigo e dizer que certas atitudes estão corretas. Ela tem o dever de apoiar, apesar dessas atitudes e estar ao lado nas horas mais importantes, sejam elas felizes ou tristes. E isso define bem o que os Braverman são. O sexto ano da […]

Leia o post completo

Siga as nossas redes sociais e fique sempre conectado:

Assine nossa newsletter