Maratona My Mad Fat Diary – 3ª Temporada

8 de setembro de 2017 Por:

“Querido diário, esse é o segredo, eu acho. Você não precisa de ideias fixas sobre quem é ou para onde vai. Você não precisa de ofertas, notas ou carimbos de aprovação. Você só precisa estar preparado para qualquer porcaria que apareça em seu caminho. E quanto às coisas loucas, os problemas mentais e a maluquice, bom, é tudo meu, querido diário. Tenho que aguentar isso. Isso viaja comigo”.

Dizer adeus nunca é fácil. Seja para um programa de TV ou uma fase inteira de nossas vidas, a despedida sempre vem carregada de tristeza, melancolia e questionamentos. É em meio ao turbilhão que apenas um ponto final pode trazer que reencontramos Rachel Earl pela última vez. Em uma ótima metáfora para o desfecho da própria série, vemos Rae, sua família e a gangue em um momento de transição, no qual precisam encerrar uma etapa e seguir em frente.

Estamos em junho de 1998, dois anos após o início de nossa história, e tudo parece bem. Rae está feliz, está saudável, tem uma família amorosa – com direito a uma irmãzinha fofa– , amigos incríveis, um trabalho que ama e um namorado maravilhoso. Perfeito, não é mesmo? Bom, ao menos até ela se deparar com fato de que está se formando no colégio, precisa decidir o que fazer com seu futuro e lidar com o pânico ocasionado pela perspectiva de ir para a faculdade e finalizar a terapia.

Reprodução/E4

O medo da garota é completamente compreensível. Primeiro, porque encarar o desconhecido é sempre assustador e inquietante. Segundo, por todo seu histórico de instabilidades e problemas. Ela está bem. Ela está finalmente bem e, de repente, todas sua estabilidade, certezas e a base com que conta para não desmoronar se vêem ameaçadas. É natural, portanto, que entre pânico, se sinta insegura e deseje fugir desse futuro que chegou sem ser convidado.

Essa tentativa de fuga, no entanto, faz a menina acabar presa à uma teia de erros que vão desde de abalar seu relacionamento com Finn à acidentes de carro, passando por voltar a se machucar. É claro que o acidente e o fato de Chloe ter se machucado não é culpa de dela, mas, por tudo o que vimos até aqui, faz sentido que a garota se sinta responsável. Afinal, estamos falando de alguém que sempre sentiu que arruína tudo e todos a sua volta.

Reprodução/E4

Em meio a esse cenário nada animador, entretanto, vemos o fortalecimento da amizade entre Rae e Chloe. Se quando as conhecemos, nos primórdios da primeira temporada, a relação entre as duas era marcada por uma lógica de competição feminina, inseguranças e ressentimentos, vimos que durante esses dois anos – e após passarem por uma série de problemas – as garotas cresceram, amadureceram e aprenderam a se amar, respeitar e perceber o mundo pela perspectiva uma da outra.

Elas são Rae e Chloe, duas mulheres completamente diferentes, mas que estão ali uma pela outra, que se defendem, apoiam e, independente do que o futuro reserve para ambas, da distância que possa separá-las ou de qualquer outro fator, sempre serão melhores amigas. Após tantas provações, o laço entre elas se fortaleceu ao ponto de se tornar indestrutível.

Divulgação/E4

Mas se a amizade com Chloe é para a vida inteira, o mesmo não pode ser – necessariamente – dito sobre seu namoro com Finn. Sejamos honestos, por mais doloroso que seja assistir ao término dos dois, ele é necessário. Rae errou ao não ser capaz de ser sincera com o namorado. Finn errou ao beijar Katie. Por mais incerto que estivesse seu status de relacionamento – ele e Rae haviam terminado, estavam juntos, estavam dando um tempo (we were on a break!)? – o garoto ainda cometeu um erro e isso é ótimo.

Bom, não ótimo no sentido de que é correto trair sua namorada, mas é importante por nos mostrar que Finn não é perfeito. Até aqui tínhamos essa ideia a seu respeito e o rapaz que era o único personagem que nunca havíamos visto errar. Ele era idealizado por Rae – e a própria menina admite que não era justo o modo como o pintava como o senhor perfeito, o príncipe encantado, seu salvador – e consequentemente pelo próprio público. Ainda assim, se há algo que My Mad Fat Diary nos ensina é que não existem pessoas perfeitas. Ser humano é ser falho e, embora isso não nos exima de nossos erros e responsabilidades, é necessário aceitar o fato de que nenhum de nós é e jamais será perfeito.

Divulgação/E4

Sendo assim, Finn e Rae viveram uma história de amor linda e importante para ambos enquanto durou. Talvez eles voltem a se encontrar em algum momento no futuro e façam dar certo. Talvez não. Nada disso anula sua trajetória e impacto que tiveram na vida um do outro. Finn sempre será o primeiro amor de Rae, o primeiro garoto que a fez sentir especial, a pessoa com quem queria dividir seu baile de formatura. No entanto, naquele momento da vida os dois já não eram certos um para o outro. A garota descobriu que queria mais, que desejava deixar Lincolnshire, ampliar seus horizontes e conquistar outras coisas e que, acima de tudo, precisava parar de esperar que outras pessoas viessem salvá-las.

E é isso que torna o desfecho de My Mad Fat Diary tão maravilhoso e especial. Por mais lindos que Rae e Finn fossem juntos, essa série não era sobre o relacionamento dos dois, é sobre Rachel Earl. Portanto, vê-la amadurecer o suficiente para se validar sozinha, lutar por sua vida e seus sonhos e se transformar em sua própria heroína é lindo e inspirador. A garota sempre terá questões que precisará trabalhar, as dúvidas e os medos aparecerão de vez em quando e eventualmente ela irá precisar atravessar os cantos mais sombrios de sua mente e talvez hesite,  tropece ou se machuque, mas irá sobreviver.  Sua doença faz parte de sua vida e de sua jornada, não a define ou limita como um ser humano, mas está ali – às vezes quase imperceptível, às vezes transformando tudo em caos – e a menina precisa aceitar e lidar com isso. E Rae aceita. E Rae se aceita.

Embalada, então, por Creep do Radiohead , em uma sequência introspectiva e belíssima, vemos Rae finalmente dar adeus a Lincolnshire e seguir para uma nova aventura. Não é mais a garota que conhecemos dois anos atrás, saindo de uma clínica psquiátrica, ela cresceu, mudou e agora leva todos que fizeram parte desse processo consigo. Sua família, Chloe, Finn, a gangue, Danny, Tix, Kester e Liam estarão sempre com ela. Fazem parte de quem ela se tornou e, mesmo que alguns casos apenas na memória de seus dias de adolescente, nunca a abandonarão. Da mesma forma que Rae agora faz parte de nós e estará sempre aqui, nos lembrando que a vida não precisa ser perfeita. Mais do que isso, que as pessoas não precisam ser perfeitas.

Observações:

  • A evolução da relação entre Rae e sua mãe também é muito interessante. Em nenhuma das temporadas o relacionamento das duas é perfeito, há sempre um problema, um conflito, alguma situação de tensão, mas também muito amor. Essa honestidade é uma das minhas coisas favoritas em My Mad Fat Diary. Tudo isso faz com que seja ainda mais lindo ver Linda dizer que não pode ir para a Tunísia, mesmo que isso seja tudo o que deseja, porque não pode abandonar seu bebê.
  • A relação entre Kester e Rae é outra que merece destaque. Ela ultrapassa os limites profissionais, mas é nítido o carinho do psicólogo por sua paciente preferida e a importância que cada uma das sessões teve na vida da menina.
  • Queria ter visto um pouco mais de Archie, mas sigo amando a amizade dele com a Rae;
  • Na maior parte dessa temporada eu só quis colocar a Chloe em um potinho e protegê-la de todo mal. Deixem minha menina ser feliz!
  • Karim é muito amorzinho. Ele dando a corrente para Rae foi lindo demais;
  • As tatuagens de Chop e Izzy foram impagáveis. Melhor casal;
  • Adorei Danny trabalhando no pub e interagindo com a gangue;
  • A última cena da gangue no pub, com o Archie tocando e fazendo um paralelo com a primeira cena deles ali, me destruiu;
  • A irmãzinha da Rae é muito fofinha;
  • Pessoas que choraram no episódio final inteiro me add;
  • Stan Ford Forever!

Uma fangirl desastrada, melodramática e indecisa, tentando sobreviver ao mundo dos adultos.

Mariana/ MG

Série Favorita: My Mad Fat Diary

Não assiste de jeito nenhum: Revenge

1 Contra Todos

1 semana atráscomentarios

Com a lei de incentivo à produção nacional, várias produções poderiam sair do papel. Muitas delas não têm a menor pretensão de introduzirem uma ideia nova ou em mesmo de fazer sucesso. É por isso que uma série estoura na medida em que 1 Contra Todos fez, a gente tem que prestar atenção e dar os louros. Cadu (Júlio Andrade) é um advogado de Taubaté que será pai pela segunda vez, mas perde o emprego devido seus princípios éticos. Para piorar sua situação, é injustamente preso ao ser confundido com o Doutor do Crime, maior traficante do país. Para tentar sobreviver, e com o apoio de sua esposa Malu (Julia Ianina), ele decide se passar pelo criminoso como única forma […]

Leia o post completo

Queens que merecem redenção em RuPaul’s Drag Race: All Stars – Parte 2

1 semana atráscomentarios

Comemorando que RuPaul’s Drag Race acaba de conquistar o Emmy de Melhor Apresentador de Reality, Melhor Edição de Fotografia e Melhor Figurino (pelo episódio: Oh! My! Gaga!), além da VH1 não perder tempo em agendar a próxima edição All Stars para Janeiro de 2018 (está quase chegando!), em breve teremos a lista oficial das queens que estarão retornando para brigar por um lugar no Hall Of Fame do programa e ter a oportunidade de reescrever parte da sua história na competição. Assim como na primeira parte desse especial, eis aqui uma outra lista de participantes que não conseguiram atingir seu potencial e chegar longe na competição. Então, shall we begin? Trixie Mattel – Temporada 7 (Top 6) Oh honey! Quem não […]

Leia o post completo

Stephen King na televisão

1 semana atráscomentarios

Stephen Edwin King sem dúvida alguma é um (se não for “o”) maior escritor de terror e suspense de todos os tempos. Nascido em Portland, no estado de Maine, cenário da maioria das suas histórias, em 21 de setembro de 1947, teve uma infância complicada, tendo seu pai abandonado a família quando ainda tinha dois anos, e testemunhou um acidente com a morte de um amigo. Já escrevia desde criança, e vendia suas histórias aos amigos. Estudou inglês na Universidade do Maine, casou-se com Tabitha Spruce, em 1971, e lecionou sua formação em Hampden, enquanto isso escrevia para revistas masculinas. Teve problemas com álcool, e em 1999 sofreu um acidente sério, em que foi atropelado enquanto caminhava aos arredores de […]

Leia o post completo

Siga as nossas redes sociais e fique sempre conectado:

Assine nossa newsletter