Maratona Parenthood – 2ª temporada

6 de março de 2017 Por:


Vocês já prestaram atenção em como a abertura de Parenthood é bonita? É uma das mais bonitas que já assisti e a música combina perfeitamente com o clima da série, principalmente quando diz: “Que você sempre ajude os outros e deixe os outros te ajudarem”. Afinal de contas essa é essência da família Braverman, pois não importa as diferenças e dificuldades: no fim do dia eles estão sempre lá um pelo outro.

A segunda temporada foi mais empolgante e emocionante do que a primeira, talvez pelo fato de serem mais episódios e por isso houve mais tempo para trabalhar os personagens e suas histórias. Começando pela base da árvore genealógica temos Zeek e Camille que finalmente resolveram ir pra terapia e tentar resolver seus problemas (acho que escutaram o conselho da Camila). Zeek é um ex militar, então é normal que ache bobeira falar dos seus sentimentos, mas aceitou ir à terapia pra agradar a mulher – o que prova que ele está sim interessado em consertar seus erros. O casal então teve uma leve melhora no desenvolvimento e no relacionamento, com destaque pra Zeek que teve muito mais interação com os netos enquanto que Camille ainda têm suas interações mais restritas a Sarah e Amber.

Acho muito bonita a forma como Adam e Kristina se entendem e o tanto que eles se esforçam para lidar com o Asperger de Max, mas confesso que tenho achado a atenção para a família do irmão mais velho um tanto quanto excessiva (e às vezes desnecessária). O plot da Haddie com o Alex, por exemplo, me pareceu um grande exagero – custava ter deixado a menina namorar o rapaz da forma que fizeram depois de muita briga? Por pura lógica é muito mais simples dar a permissão e manter o garoto por perto do que afastar a filha e causar tanto transtorno.

Max é uma criança especial e que precisa de cuidados diferenciados, mas a série fez questão de mostrar que isso não é o fim do mundo como foi muito bem tratado no episódio da festa de aniversário do menino, onde o rapaz contratado para fazer a animação também tem a síndrome – mas é feliz e tem seu próprio negócio; e também quando Adam e Kristina precisam explicar para o filho o que é Asperger e o que isso significa para ele, permitindo que todos reconhecem que existem pontos fortes no meio de tudo isso.

Sarah evoluiu bastante ao longo da temporada. Começou a tentar coisas novas e a investir em si, com o intuito de evoluir na sua carreira, descobrir as coisas nas quais é boa, e também passou a ter atitudes melhores com Amber e Drew – estando mais presente e colocando o bem estar dos filhos em primeiro lugar. Tivemos interações muito bonitas entra ela e a filha ao longo da temporada como no show de talentos do qual Amber participou, enquanto parece que Drew nem mesmo existe (o garoto ainda faz parte da série?), pois o personagem continua sub aproveitado. O pai dos meninos apareceu e causou confusão, afinal pelo que sempre nos foi dito esse é o estilo de Seth. Mas serviu para que os filhos reconhecessem que Sarah sempre estará lá por eles.

Julia e Joel são meu casal preferido, e me deixa muito chateada que eles tenham tão pouco tempo de tela e tão pouco destaque. Eles são uma família feliz e equilibrada cujo os plots, sempre mais leves e descontraídos, são um grato alívio para todo o drama vivido pelos outros dois (às vezes três irmãos, quando o Crosby faz besteira) irmãos. E parece que as situações envolvendo a Braverman caçula nunca são resolvidas até o fim, por exemplo, e a confusão lá no início da temporada com as mães no colégio simplesmente desapareceu? E a história da Sid ser superdotada, por que não trabalham isso?

Enquanto uns amadurecem Crosby fez questão de seguir à risca a expressão “só dá valor depois que perde”. Eu gostei da Jasmine tomando a frente na reunião do casal com o pastor? Não, nenhum um pouco. Porque por mais que eu seja a favor de uma mulher forte e decidida, quando se está em um relacionamento tudo deve ser conversado e as decisões devem ser tomadas juntas – mesmo que ele não seja bom em tomar certas atitudes. Só que no fim das contas nada justifica a traição, principalmente depois de ter se esforçado tanto pra ser um bom pai, depois de ter feito um pedido de casamento lindo e ter investido tanto na sua família. Por um lado achei a iniciativa dele de comprar uma casa e querer realizar o sonho dela muito bonita, mas por outro achei que foi querer consertar o erro dele da maneira “mais fácil”. Espero que eles se resolvam e que a família fique bem, o Jabbar – a criança mais fofa dessa terra, merece!

Por fim os meus momentos preferidos de todos os episódios de toda temporada é quando os quatro irmãos ou a família toda está reunida. Os momentos deles dançando são sempre super engraçados e felizes, como aconteceu no episódio de ação de graças – e por sinal eu adorei toda a tradição de banquete + jogo de futebol no final.

– Momentos #maratonadochoro:

– Me emocionei muito com o discurso de encorajamento da Sarah pra Amber sobre o talento e a música que ela tinha escrito. As duas têm uma ligação muito bonita.
– A cena da Kristina (e depois do Adam) no grupo de apoio de autismo também foi muito emocionante.
– Quando Max vai acampar com o avô e o Adam o acalma pelo telefone fica bem claro que ele tem um jeito todo especial de lidar com o filho não?
– Do episódio 18 pra frente eu só fiz chorar. Chorei junto com a Kristina ao contar pro Max sobre o Asperger, chorei junto com a Julia ao descobrir que não podia engravidar, chorei com a briga entre Amber e Sarah antes do acidente. E no episódio final chorei do começo ao fim, de tristeza e de alegria.


Alê estava certo até então: Parenthood não tem um episódio ruim.

Espero que pra terceira temporada a gente tenha mais Julia e Joel, aproveito pra dizer que achei linda a atitude dela querer adotar. Que o Drew apareça mais, afinal a Sarah não tem só uma filha pra criar. Que o Crosby amadureça de vez e não cometa nenhuma burrada, pra essa família linda poder ser feliz. E que a gente tenha muitos e muitos momentos felizes deles em família.

Não deixem de acompanhar o restante da maratona hein?! O nosso próximo encontro é dia 20/03 com os comentários da Ana Rebeca sobre a 3ª temporada.

21 anos e apaixonada por séries, livros, música, filmes e todo tipo de entretenimento. Tem memória de elefante pra tudo aquilo que as pessoas costumam chamar de "cultura...

Ler perfil completo

Petrópolis/RJ

Série Favorita: Gilmore Girls e One Tree Hill

Não assiste de jeito nenhum: Outlander

  • Patrícia Marone

    Essa abertura com Bob Dylan é amor demais, é daquelas que você não quer pular nunca <3
    Sobre a segunda temporada, gosto muito, mas minhas favoritas ainda estão por vir (quarta e quinta). Mas o que mais gosto na segunda é da Amber… a bichinha passa por altos e baixos, as vezes da muita raiva dela, mas a cena do zeek com ela no ferro velho mostrando o carro do acidente, meu deusss!!!! maravilhosa! a Mae Whitman é uma atriz muuuuito boa, não dão credito suficiente pra ela.
    Acho que as vezes o Adam e a Cristina querem ser zelosos demais com os filhos e acabam demorando pra perceber que tão fazendo a coisa do jeito errado, mas ainda sim da pra perceber que tudo é por amor.
    Acho que não consigo dar muitas opiniões que não tenham spoiler da proxima temporada já…. mas não vejo hora!

    • Uma das minhas coisas preferidas nesse tipo de série (dramas) são as aberturas. Geralmente são lindas e tocantes <3
      Sim, a cena do ferro velho… Como eu chorei.

  • Julia Sebber

    vai ter mais Joelia sim <3

  • Ivy

    Então… hahahahahaha eu tenho uma opinião diferente e acho que a primeira temporada foi melhor que essa. Parecia até que alguns personagens tinham sido resetados e a primeira temporada tivesse nem acontecido, mas vamos a os personagens:

    Zeek: Deu uma evoluída ENORME e eu passei a gostar do vovô Braverman, que após a terapia se tornou uma pessoa bem melhor. Achei a interassam dele com os netos uma das melhores coisas da temporada.

    Camille: Continua sendo uma cartaz de papelão e sinceramente as vezes ela é bem chatinha e dispensável. Gostei de como ela apoiou a Haddie em relação ao namoro dela com o Alex, mas sem se meter no assunto dela com os pais.

    Adam: Passei a detestar ele, julga todo mundo, não é um bom pai (principalmente com a Haddie), reclama demais, ai não dá, sério… Se antes eu gostava dele com os Braverman e não com a família, agora eu não suporto nem com eles.

    Kristina: Sério amiga, vai procurar uma ajuda de como criar os filhos porque olha… Você como mãe tá péssima. Não soube lidar com a Haddie, não sabe lidar com o Max… Só ganha mais pontos comigo, porque depois que a briga com a Haddie se resolve você se torna um pouco melhor, mas mesmo assim…

    Haddie: Se antes a detestava, agora eu passei a gostar. Haddie soube levar o começo do relacionamento com Alex muito bem, mas aí me vem o Adam (sempre) e vai se meter e dá aquela briga por culpa dele e da Kristina. Apoiei a Haddie brigar e bater o pé de que queria ficar com ele e apoiei ela sair de casa quando os dois começaram a sufocá-la. Haddie ganhou pontos comigo nessa temporada.

    Max: Já tinha dito na maratona da primeira temporada e digo nessa, ter Asperger não é carta branca pra ser mimado e detestável e grande parte da culpa do comportamento dele é da Kristina e do Adam. Finalmente ele descobriu que tem Asperger e espero que ele tenha um crescimento com isso e não comece a usar como desculpa pelas suas atitudes.

    Sarah: Gosto dela, mas achei que ela ficou muito “solta” na temporada. Achei ela uma idiota em permitir que o Drew se encontrasse com o pai e em achar uma boa ideia eles conviverem com o Seth. Gosto da Sarah (graças a Lauren), mas essa temporada acentuou todos os defeitos mais chatos dela, principalmente em escolher homens inapropriados.

    Drew: Apenas uma palavra, INSUPORTÁVEL. Quanto menos ele aparece com aquela cara de choro e cão sem dono, mais eu gosto.

    Amber: Tem como não amá-la? Mesmo no final da temporada com ela dando a louca eu adoro a Amber. Também achei certo ela brigar com a Sarah em relação a tomar as próprias decisões, após não passar em nenhuma faculdade.

    Crosby: Se tem O imbecil da temporada, esse é o Crosby. Não desculpa, mas absolutamente TUDO que a Jasmine jogou na cara dele é a mais pura verdade. Ele não quer ser o pai chato, não quer se preocupar com regras, não tava interessado em planejar o casamento, não tava interessado no encontro com o pastor e várias vezes na temporada (principalmente com a frescura de vender aquela p*rra daquele barco) ele dava sinais de que não queria perder a vida de solteiro que ele tinha, então o piti dele com a Jasmine foi uma desculpinha que ele usou pra acabar com tudo. Dormir com a Gabi foi a coisa mais escrota que eu já vi e apenas pedir desculpas e mais desculpas não altera em nada o que ele fez e sinceramente fiquei bem incomodado com a forçação de barra pro Adam perdoar ele e nem vou falar da compra da casa que foi a atitude mais ridícula e infantil…

    Jabbar: Tá ficando tão chato quanto a Sidney, é coisa do Parenthood deixar as crianças chatas…

    Jasmine: Como já falei tudo no Crosby, só acrescento que apesar de ele ser controladora isso não anula o fato que tudo o que ela falou ser verdade, então…

    Julia: Amo a Julia!! Melhor Braverman ever!! Fiquei triste dela não poder ter um filho, mas pelo amor de Deus que o seriado não utilize aqueles clichês que TODO seriado usa em plots de adoção.

    Joel: Ai não consigo gostar dele… Achei os pitis dele chatos e continuo achando que ele mima a filha demais e que a Julia é muita areia pro caminhãozinho dele.

    Sidney: Ela foi menos chata essa temporada (Jabbar conseguiu ser mais mala que ela), mas continuo achando ela chatinha pra caramba.

    Eu gostei da temporada, mas acho que a primeira foi melhor, não sei explicar, acho que mais por conta das atitudes dos personagens no decorrer dessa temporada do que da passada, mas ademais eu estou louco pra começar a terceira tempora, Go Team Braverman!!

    PS: Adam não querendo contratar o moço com Asperger foi tipo… Surreal, sério. Foi tipo ver gay homofóbico ou negro racista.

    PPS: Achei fail eles quererem colocar a Julia mimando a Sidney como uma compensação dela trabalhar.

    • Adam e Kristina realmente se perdem um pouco na criação dos filhos. E acho que principalmente em relação a Haddie eles deixam a desejar, já o Max é uma situação complicada mesmo – não que isso seja motivo pra ele ser mimado, como você disse.

      Não acho a Sarah errada de deixar eles conviverem com o pai, e achei que ela agiu muito bem a fazer ele dar uma satisfação pessoalmente pras crianças do porquê estava indo embora.

      Julia é a melhor <3

  • Ana Rebeca Tamandaré

    A segunda temporada colocou a primeira no chinelo com toda a certeza! Alguns erros foram corrigidos e alguns personagens começaram a ganhar algum espaço real na série.

    Tenho um grande apreço por Julia e Joel, inclusive o meu primeiro choro na série foi com o Joel jurando para Julia que nunca a trairia ao som de ”Make you feel my love” da Adele, eu desabei pela emoção real do momento e também por motivos pessoais, e também acredito que eles merecem mais tempo em tela, ainda mais agora na saga de adoção.
    Muito mais do que Adam e Kristina por exemplo que constantemente metem os pés pelas mãos, mesmo que com boa intenção, na criação dos filhos e acabam repetindo alguns plots de maneira sutil,
    Por Crosby eu só senti desprezo mesmo. Pior do que a traição foi ele tentando consertar as coisas do jeito mais simples e fácil, comprando uma casa e reformando para validar uma maturidade que não possui…
    Sarah evoluiu um pouco, não muito, a personagem ainda parece rasa e solta na trama para mim. Drew teve um destaquezinho com o retorno do pai, mas nada demais. Amber sofreu a decepção da rejeição e isto quebra qualquer um, senti empatia pela personagem e suas atitudes a seguir, o acidente foi o que ela precisava para despertar.
    Zeek e Camille permanecem pombos para mim, praticamente figurantes de luxo. hahahahaha

    Ótima maratona Louise, na próxima estarei eu por aqui comentando. Grandes expectativas para a terceira temporada!

    • O Joel e a Julia são lindos demais. Gosto muito de ter ver o tipo de relacionamento que eles tem, de companheirismo e amor.

5 Motivos para assistir Shooter na Netflix!

7 dias atráscomentarios

Uma daquelas séries pouco conhecidas do grande público, Shooter estreou na Netflix recentemente e merece destaque. Baseado no livro de Stephen Hunter, Point of Impact, que também inspirou, em 2007, um filme estrelado por Mark Wahlberg (atual produtor da série) Shooter é um drama político com muitas cenas de ação. Bob Lee Swagger (Ryan Phillippe) é um atirador de elite reformado que é persuadido a voltar em ação depois de ser informado de um plano para matar o presidente americano. Aparentemente, o enredo parece mais uma das propagandas de orgulho norte-americano com direito a armas e patriotismo, mas vai além disso, e consegue te prender do início ao fim. A primeira temporada contém dez episódios, e se você ainda não […]

Leia o post completo

Vale Cada Minuto – Good Witch

1 semana atráscomentarios

Existe um pouco de mágica em cada um. Já faz algum tempo a Netflix vinha me recomendando uma série: Good Witch. A sinopse tinha me chamado atenção, mas por motivos desconhecidos eu ainda não havia começado a assisti-la, até que um dia isso mudou. E ainda bem que mudou. A série é uma continuação dos oito (OITO) filmes lançados pela Hallmark Channel, um canal da TV a cabo americana focado em programação para família, contando principalmente com filmes, séries e programas de estilo de vida. O primeiro foi lançado no ano de 2008 e os outros consecutivamente, até 2014. A série é um drama água com açúcar, daqueles que é bom de assistir no fim de um dia cansativo, pois […]

Leia o post completo

Músicas que conhecemos através das séries

1 semana atráscomentarios

Uma das melhores coisas que as séries podem nos proporcionar são suas incríveis músicas. Algumas dessas músicas já conhecemos, mas não dávamos tanto valor até ouvir de novo; outras ouvimos pela primeira vez e nos apaixonamos logo de cara. É tão bom assistir um episódio, ir procurar no Youtube e depois baixar no computador ou no celular aquela canção que fez parte da abertura, de um beijo esperado do casal, dos minutos finais… Enfim, de muitos momentos expressivos que precisavam de um toque ou uma letra no fundo. Então, vem comigo embarcar nesse post de sentimentalismo e ouvir as músicas que eu tive a oportunidade de conhecer pelas séries. Bad Reputation Freaks and Geeks tem toda aquela inspiração de ser jovem e livre, […]

Leia o post completo

Siga as nossas redes sociais e fique sempre conectado:

Assine nossa newsletter