Maratona Parenthood – 5ª temporada

26 de abril de 2017 Por:

Infelizmente, nossa maratona do choro está perto do fim e hoje é dia de revelar o que achamos da quinta temporada de Parenthood. Já começamos constatando o fato de que a cada temporada da série o golpe é maior e ainda não se sabemos como sairemos ilesos no fim dela. Cada uma de nós que está seguindo esta maratona se apaixonou completamente pelos Braverman – que já entram na lista de melhores famílias das séries junto com os Cohen, os Scott, os Walker e outros clãs maravilhosos que já tivemos o orgulho de acompanhar.

Mas voltando para a quinta temporada, foi impossível segurar as lágrimas, principalmente depois que achávamos que teríamos episódios um tanto mais leve – para compensar a enxurrada de emoções que foi a quarta temporada. Devo confessar que, pessoalmente, eu achava que isso aconteceria, mas não apelidamos a maratona do choro a toa, não é mesmo? O único respiro que tivemos foi com a história de Crosby e Jasmine, que foi menos intensa que a de todos os outros Bravermans. Tivemos separações, acidentes de carro, venda de imóveis, nascimentos, campanha de eleição municipal e muito mais. Bastante coisa, né? Então respira aí que vou seguir o formato determinado por minhas colegas e fazer considerações sobre cada núcleo familiar dos personagens.

Julia, Joel, Sidney e Victor

Continuando o caminho de desafios das temporadas anteriores na casa de Joel e Julia, é hora do casamento dos dois passar por uma prova de fogo e, infelizmente, o resultado não foi positivo. O cerne do problema não foi o fato de Julia se sentir menor por não estar trabalhando e se sentindo produtiva, mas de não ter encontrado em Joel o conforto que esperava. E aí nem foi uma questão de tempo e Ed já surgiu entendendo sua vulnerabilidade e fazendo com que ela se sentisse especial novamente. Inevitavelmente, a amizade se tornou algo mais, como é natural acontecer com qualquer um de nós, “meros mortais”. É aí que se esconde o segredo de Parenthood: criar um drama que consegue ser sutil ao mesmo tempo que brutal e que qualquer pessoa consegue se identificar. Afinal, quem nunca se sentiu como Julia? Ou até mesmo como Joel, que não estava no mesmo momento de vida que sua esposa e acabou vendo o casamento ser aniquilado por uma bola de neve.

Talvez tudo pudesse ter sido resolvido com mais conversa, mais entendimento, mais carinho. Mas foi o drama necessário para a evolução de cada um deles. Até então, tudo nos leva a crer que o casamento não terá mais volta e, apesar de isso ser triste, está tudo bem. Julia está aprendendo a se reerguer sozinha, sem precisar se identificar como esposa ou namorada de alguém e isso é ótimo para a evolução da personagem. Joel também traça seu caminho a partir deste fato e com as crianças não é diferente. Sidney e Victor ficam abalados com a situação, até porque já estavam tendo que lidar com seus próprios dramas pessoais, principalmente Victor em relação à escola. Como era de se esperar, a recepção da notícia da separação dos pais não é a melhor e acaba causando uma ruptura entre os irmãos, principalmente quando Sidney passa a culpar Victor pela situação. Aos poucos eles vão aprendendo a ter uma vida dividida em dois: duas casas, duas camas… O caminho está aberto para que isso cause problemas para os dois na próxima temporada e só Julia e Joel se unindo em relação à criação das crianças é que haverá uma solução. Quem sabe isso não os reaproxime? Cabe a nós torcer para que isso aconteça.

Sarah, Amber e Drew

Foi muito interessante poder embarcar na jornada de autoconhecimento de Sarah na quinta temporada. Finalmente ela resolve sair da casa dos pais, consegue cada vez mais trabalhos como fotógrafa e, principalmente, decide que é tempo de focar em si mesma. O que pode render ótimos frutos para seu relacionamento com os filhos – e o netinho que vem por aí. Falando na nova criança do clã Braverman, ou melhor, falando na mãe dela, a vida da Amber parecia que seria um mar de rosas depois do noivado com Ryan, mas teve tiro para todos os lados e ela bem que tentou desviar de alguns, mas o impacto foi inevitável e este foi mais um relacionamento que não resistiu aos problemas que este novo ano trouxe para o nosso clã favorito da TV. O bonito foi ver que mesmo em seus momentos de desespero ela conseguiu confortar o irmão, que também não estava em uma boa situação. Mas como já é usual, o plot do Drew foi, mais uma vez, o menos importante da temporada e ele serviu, basicamente, só para encher tempo de tela.

Adam, Kristina, Haddie, Max e Nora

Depois que conseguiu vencer uma exaustiva batalha contra o câncer, Kristina decide concorrer à eleição a prefeito da cidade. O que não era de se esperar era que Adam não fosse apoiar essa ideia, logo ele, tão parceiro que é. Mas como não poderíamos superar mais uma separação traumática nessa temporada, o roteiro nos poupou um pouco de drama e permitiu que tudo se encaixasse em seu lugar correto, até mesmo o apoio de Adam à esposa teve o tempo exato para se tornar real e relacionável para qualquer um de nós. Sobre as crianças, foi tocante ver o relacionamento de Max e Hank evoluir, fazendo com que o menino se interessasse por fotografia e que o “ex-tio” conseguisse se reconhecer como portador da síndrome de Asperger.

Haddie continua sem aparecer em todos os episódios, mas tendo participações-chave em certos momentos da história e espero poder vê-la mais na próxima temporada, principalmente depois da revelação de sua sexualidade. Há muito para explorar aí e vai ser um prazer poder acompanhar de perto o amadurecimento da personagem. Nora continua sendo uma das crianças mais fofas da televisão e cada vez que aparece me deixa desejando que ela apareça ainda mais – só para apreciação da fofura mesmo.

Crosby, Jasmine, Jabbar e Aida

No meio de tanto drama e tanta bagunça de sentimentos, alguém tinha que ser o porto seguro e nos mostrar que, nem sempre, a vida é feita apenas de drama, que há também a possibilidade de se ter dias tranquilos em família. Principalmente quando se acrescenta um bebê fofo a ela. Quem diria que Crosby iria evoluir tanto assim em tão “pouco” tempo? A cada episódio ele prova que as atitudes do adulto-adolescente ficaram no passado e que merece aproveitar muito a vida que está construindo ao lado da mulher amada e dos filhos.

Considerações finais:

  • Camille e Zeek continuam não tendo uma participação tão expressiva na série, mas todo o plot da venda da casa e de autoconvencimento de que era a coisa certa a fazer me afetaram. Chorei bastante por tudo o que a casa representava para todos eles, mas entendo a decisão.
  • Não consigo aceitar o fim de Julia e Joel e espero que já no primeiro episódio da temporada eles se acertem. É muito triste vê-los separados.
  • Como Sarah vai reagir à notícia que Amber está grávida? Prevejo muito drama pela frente.
  • Não estou preparada para dizer adeus aos meus novos amigos na próxima temporada. Devo procrastinar o fim?

Essa foi uma temporada bem agitada e, agora que você já sabe tudo o que eu achei sobre o que aconteceu, quero saber quais são as suas opiniões sobre este quinto ano de Parenthood. Ah, dia 08 de maio é dia de se despedir da maratona do choro com a Karine. Estão todos prontos?

Momento mea-culpa: quero me desculpar pelo atraso na publicação do texto. Os compromissos do dia a dia não me permitiram liberá-lo antes.

Curiosa por natureza. Chata por vocação. Social media por paixão. Viciada em séries e novela por culpa da prima que a largava na frente da TV para poder...

Ler perfil completo

Palhoça/SC

Série Favorita: Gilmore Girls

Não assiste de jeito nenhum: The Walking Dead

  • Olha vou te dizer: eu estou procrastinando o fim. Logo eu, a louca das maratonas hahaha

    Olha essa separação da Julia e Joel, não aceito. Eles sempre foram ótimos juntos, formavam uma família linda. Eu fiquei com muito dó das crianças, principalmente do Victor que finalmente tava tendo a chance de ter uma família feliz. Mas esse último episódio deixou meu coração esperançoso de que eles se resolvam.

    Sarah vem evoluindo, a passos lentos – só que nessa temporada a coisa andou um pouco mais. Gostei muito dela seguindo com a sua vida por conta própria e ganhando mais confiança como profissional na fotografia (me identifico com essa parte). Espero que ela e Hank deem certo e sejam felizes, gosto mesmo do casal. Drew sempre na mesma… E Amber com o Ryan, gente como torci por esses dois, mas confesso que achei bizarro ela ficar com ele no hospital e ainda por cima ter ficado grávida. Resta ver como isso tudo vai se desenrolar.

    Crosby e família são muito fofos, sempre tive uma grande simpatia por eles. Aida e Nora estão competindo pra ver quem é a bebê mais fofa. Mas agora: de quem foi a brilhante ideia de fazer a mudança brusca de uma bebê de pele clara (Aida quando nasceu) pra uma criança negra?! Acharam que a gente não ia perceber? Essas loucuras do produção me deixam de cabelo em pé hahaha

    Adam e Kristina enfrentam muitas dificuldades e desafios, desde sempre, mas gosto de ver como eles sempre lidam com tudo juntos. Como uma família. Achei verdadeiro ele não apoiar ela logo de cara na campanha, e tudo correu no tempo certo e da forma certa. Seria estranho a Kristina ter ganho quando ela não tinha uma história na política pra dar força a campanha dela.

    Zeek e Camille, nem tem muito o que dizer. Mas a cada temporada eu gosto um pouco mais dos dois e das suas atitudes.

  • Julia Sebber

    Mas gente, Kamille e Zeek não tem que ter tanto destaque mesmo. Eles estão ali como “criadores”, de onde vieram, eles são a cola que mantém os irmãos juntos e só isso basta.
    (nunca comento nada mto relevante pq tenho medo de spoiler, só quis falar isso pq em todas as temporadas os resenhistas falaram que faltou coisa no casal! hahahaha sorry cair em vc, Rê)

Guia da Trilha Sonora: Parenthood – 4ª temporada

2 semanas atráscomentarios

Parenthood é o tipo de série que sempre nos emociona de alguma forma: seja com o clima familiar, com os dramas dos personagens ou com a alegria de suas conquistas. E na 4ª temporada a gente sofreu bastante com alguns personagens, e claro que a trilha sonora contribuiu bastante pra que tivéssemos o maior impacto possível de tudo que a temporada queria nos passar. Abertura: Forever Young – Bob Dylan Abertura Internacional: When We Were Young – Lucy Scwartz 4×01 – Family Portrait Just As Loud – PAUL MCDONALD Corner – ALLIE MOSS Call Me the Breeze – BETH ORTON Amen – ROCCO DELUCA A Little One – PEASANT Counting Stars – PAUL MCDONALD T-Bone Shuffle – T-BONE WALKER 4×02 […]

Leia o post completo

Maratona Parenthood – 6ª temporada

2 semanas atráscomentarios

Pegar a última temporada de Parenthood para fazer o post de maratona foi um imenso desafio. A expectativa era grande, junto com o medo de não conseguir terminar o texto. Mas é isso que uma série faz conosco, não é? Nos encher de emoções e deixar aquele gelinho na barriga no final. Família é uma coisa difícil. Você não vive sem ela e não consegue, muitas vezes, ficar perto dela. Talvez porque família não tenha o dever de ser um amigo e dizer que certas atitudes estão corretas. Ela tem o dever de apoiar, apesar dessas atitudes e estar ao lado nas horas mais importantes, sejam elas felizes ou tristes. E isso define bem o que os Braverman são. O sexto ano da […]

Leia o post completo

The Good Fight

2 semanas atráscomentarios

The Good Wife é uma das séries jurídicas mais queridas dos fãs do gênero. Mesclando casos jurídicas repletos de reviravoltas com escândalos políticos num roteiro afiado com protagonistas cativantes e coadjuvantes de luxo, os contornos da vida pessoal e profissional de Alicia Florrick e cia conquistaram nossa atenção. Mas como tudo que é bom tem um fim, a série acabou caindo na qualidade e foi cancelada após sete temporadas. Era o fim da criatividade? Graças a Deus (e aos King), não. Menos de um ano após o final de The Good Wife foi lançada The Good Fight, um spin off dos mesmos produtores e que não deixou a desejar comparando com a série mãe. TGF deu sinais de que seria interessante logo […]

Leia o post completo

Siga as nossas redes sociais e fique sempre conectado:

Assine nossa newsletter