Maratona The O.C. – 2ª temporada

23 de dezembro de 2016 Por:

Este post estava planejado para o dia 15 – que também foi dia de festa: eu e Adam Brody (nosso Seth Cohen na TV) fizemos aniversário! -, então houve uma alteração no cronograma. O tempo extra foi bom para digerirmos a segunda temporada de The O.C., que começou com Seth fugido de casa e Ryan como pai de família. É claro que esse cenário durou pouco – senão a série se chamaria Portland e Chino: nenhum estranho no paraíso.

Theresa inventou que havia perdido o bebê, o que deixou Ryan livre para ser feliz longe dali e convencer Seth a voltar para Orange County. Embora os garotos imaginassem que a vida seria como antes – isto é, que Summer e Marissa estivessem de braços abertos para eles -, a fila andou. E eu achei ótimo. Pudemos conhecer novos personagens e dar uma oxigenada na série, depois de uma primeira temporada que insistia nos casais Ryan-Marissa e Seth-Summer. A temporada também trouxe maturidade e destacou os dramas dos personagens mais velhos.

Precisamos lembrar que os roteiristas tentaram destruir meu casal dos sonhos – Sandy e Kirsten – ou podemos fingir que nunca aconteceu? O primeiro amor de Sandy ressurgiu das cinzas (eu diria quase literalmente) e acendeu uma chama no coração do homem. Quase joguei um balde d’água na tela para apagar o fogo, mas não consegui e tive que ver Sandy beijando Rebecca – fugitiva da lei, acusada de um assassinato que supostamente não cometeu. Ora, Sandy, francamente. Enquanto isso, o roteiro já começava a apontar uma tensão no relacionamento dos Cohen e o início do alcoolismo da Kirsten, sempre evidenciando os copos de bebida que ela tomava. Quando chegou Carter – o editor da Newport Living, bonitão e charmoso -, eu peguei meu baldinho novamente… mas, em vez de jogar água na tela, usei para coletar a baba da Kirsten. O rosto dela entrava em modo offline toda vez que o Carter aparecia.

the-oc-sandy-kirsten-rebecca-carter-julie

A pessoa responsável pelo casting da série também não deixou barato e contratou um par de atores que se parecia muito com os Cohen – Rebecca e Sandy certamente dividem DNA, e Carter tem um narizinho igual ao da Kirsten. Existe explicação para isso na psicologia. A essa altura, eu entreguei meu ship para o universo. Fiquei pensando se o Sandy havia sacado a paixonite da esposa pelo colega de trabalho logo no começo, fazendo todas aquelas perguntas sobre o Carter a ela. Acho que não. Talvez minha pulga venha à tona porque eu conhecia o final da história – afinal, já vi The O.C. outras vezes. Em todo o enredo extra-conjugal dos Cohen, a verdadeira protagonista é Julie Cooper-Nichol, que fez caras e bocas para todo o romance.

Julie também traiu o marido nesta temporada – e, sim, vale como adultério quando o amante é o ex-marido, Jimmy, ou o ex-namorado, que dirigia filme pornô nos anos 1980. O caso dela com Lance pode parecer inusitado – afinal, o homem abalou sua reputação com um “queima-filme” do passado. Mas gostei de vê-la dançando ao som de Whitesnake como se não houvesse amanhã e completamente embalada pelas lembranças de uma vida simples, longe da MacMansion. O affair serviu para humanizá-la e nos trazer uma Julie romântica e carente, que parece exausta com a vida de caça-Nichol e CEO do Newport Group. Julie sonha em proporcionar conforto às filhas (nem sei por que uso o plural aqui, já que Kaitlin foi abandonada na escola) e em recuperar o relacionamento com Marissa. Acho lindo quando ela admite a Sandy que precisa impedir que Marissa veja o filme pornô – mesmo que seu casamento e seu status sejam prejudicados.

the-oc-julie

Já falei que Julie é a melhor personagem de The O.C. e, se alguém ainda pensava nela como eterna megera, provavelmente mudou de opinião agora. O próprio Caleb percebeu isso, quando Julie chorou diante da possibilidade de divórcio e decidiu dar-lhe outra chance. Ele mal sabia que Lance havia convencido Julie a envenená-lo e aplicar o golpe do baú mais engenhoso da TV. Felizmente, ela voltou atrás e acabou protagonizando uma das cena mais emocionantes da temporada, quando pulou na piscina para salvar o Cal:

A morte do Caleb levou Kirsten (ou Kiki, em homenagem a ele) para o fundo do poço. A família, preocupada com o vício em “sucos de tomate” de manhã cedo, decidiu mandá-la para a rehab numa casa paradisíaca. Fico pensando que, na temporada anterior, Julie quis fazer o mesmo com Marissa – que, aos 16 anos, teve overdose de analgésicos em Tijuana, alô? -, mas todo mundo se recusou a intervir. Sim, estou defendendo a Julie novamente, mas não faz sentido, né?

Marissa começou esta temporada pior do que na anterior (insira aqui a cena em que ela jogou uma cadeira na piscina). A garota teve momentos de experimentação com o jardineiro DJ e a roqueira Alex – que, aliás, também saiu com o Ryan e namorou o Seth. As duas viveram juntas por um tempinho, no apartamento de Alex, o que serviu para Marissa amadurecer e Alex se apaixonar perdidamente por ela. Mas Marissa confessou para Summer que nunca esqueceu Ryan, seu porto seguro. Eu até simpatizei com ela naquele momento, embora minha torcida contra o casal continue de pé e eu concorde quando a Summer diz que “eles são um desastre juntos.” Por mim, Ryan casava e tinha vários filhinhos com a Lindsay (a gêmea perdida de April Nardini – será que algum fã de Gilmore Girls concorda comigo?). Mas é claro que viria encrenca: quando descobriu que era filha do Caleb, Lindsay se mudou para Chicago e abandonou o pobre coitado. Senti falta dela no funeral. Foi tudo parte do plano infeliz dos roteiristas para nos fazer shippar Ryan e Marissa. Nunca vão conseguir!

the-oc-ryan-marissa-lindsay-alex-dj

Summer foi terrível nesta temporada. Dói meu coração, mas é verdade. A garota namorou o Zach – uma versão atlética e bronzeada do Seth -, durante seis meses, e sempre foi tratada como princesa. Mesmo que dê vontade de bagunçar o cabelo impecável do Zach e vê-la novamente com o Seth, precisamos admitir que foi feio terminar com o Sr. Perfeito logo no aeroporto (e também bizarro ela olhar para uma criança! parecida com o Seth e se lembrar de como era apaixonada por ele). De todo modo, pudemos festejar o retorno do casal “Sethummer” para a telinha, com direito a beijo na chuva e máscara do Homem-Aranha. E a saga da Summer terrível continuou.

Seth está sempre disponível e até limpa banheiros do Bait Shop para ganhar ingressos e agradá-la. Mas, quando ele consegue a oportunidade de lançar seu gibi (ou graphic novels…) e fazer um filme com George Lucas, a garota não o apoia – simplesmente morre de ciúmes porque Reed, a coordenadora do projeto, é mulher. Para completar, no baile de formatura, ela se recusa a escolher um par e deixa que os meninos decidam quem vai levá-la. Tenha dó, Summer.

the-oc-summer-seth-zach

Trey está na lista dos novatos em Newport Beach. O irmão de Ryan saiu da prisão e, como já poderíamos prever, só causou problemas na vida do caçula – suspeita de roubo, tráfico de drogas e tentativa de estupro com Marissa. Os personagens de Chino sempre despertam um sentimento intenso no Ryan – seja bom como a Theresa, ou péssimo como o Trey -, o que enriquece a trama e também nos apavora.

Desta vez, a presença de Trey provocou uma equação interessante na série: Marissa tentou fazê-lo feliz, defendê-lo e até organizar uma festa de aniversário. É como se ela quisesse retribuir, através de Trey, tudo que Ryan já fez por ela. No final da temporada, Marissa salva a vida de Ryan e atira no irmão dele. Fechamos um ciclo em que, pela primeira vez, Ryan é a vítima e precisa da atitude heróica da Marissa.

A trilha sonora da cena é fantástica: Hide and Seek, da cantora Imogen Heap. Você pode ver a lista completa das canções da segunda temporada aqui no blog, dividida em parte 1 e parte 2.

Esta temporada nos deixou com várias tramas em aberto. Será que Trey morreu? Como Kirsten ficará na rehab? E a casa dos Cohen, sem ela? Jimmy está de volta para valer? Kaitlin vai mesmo passar o verão com a família? Seth e Zach vão lançar a revista Atomic County? A terceira temporada promete. Nosso próximo encontro está marcado para o dia 15 de janeiro de 2017.

 


Está acompanhando nossa maratona? Deixe seu comentário.

Feliz Chrismukkah para todos!

Jornalista que não bebe café, mas vai ao Central Perk com frequência. Gostaria de viver em todas as séries filmadas em Nova York.

Rio de Janeiro - RJ

Série Favorita: Friends

Não assiste de jeito nenhum: Game of Thrones

  • Ivy

    Julie – “Melhor pessoa” EVER!!!!! Sério, ela é fdp, mas não tem como não simpatizar e até compadecer com a personagem nessa temporada.

    Marissa e Alex – Queria TANTO que a Marissa tivesse ficado com ela, mas TANTO, porque a personagem tirou a carga pesada e chata que ela e o Ryan tem. Gosto também que ela aparenta menos fragilidade nessa temporada do que na anterior.

    Lindsay e Ryan – Outro casal que eu torci bastante, mas óbvio que iam cagar com eles…

    Summer e Zach – Desculpa, mas eu AMAVA o casal, pois o Zach tratava a Summer muito melhor que o Seth. Achei a jogada da história em quadrinho tão piegas e forçada…

    Summer – Amiga concordo em ser fdp com o Seth por ele ter te abandonado, mas fazer o mesmo com o Zach foi cachorrada…

    Seth e Ryan – Mas a cara de pau dos dois é imensa! Filho vocês vão embora e acham que as duas vão ficar a espera de vocês eternamente? A faça-me o favor.

    Kristen e Sandy – Tão desnecessário esse abalo no casamento com a ex do Sandzzzzzzzzzzz, gostei só do ponto do alcoolismo da Kristen, pois deu uma camada mais séria pra personagem.

    Trey – Na boa, porque o Josh tem mania de querer ter vilão nas temporadas? O Trey não poderia ter se reabilitado e ter começado a reconstruir um relacionamento com o Ryan? Achei tão desnecessário a caracterização dele no final da temporada…

    A segunda temporada se resume em histórias boas, casais bons e avanço na história que começaram promissores, mas foram jogados fora por comodismo ou pra agradar a maioria. Pra mim os casais dessa temporada funcionavam bem melhor que Marissa/Ryan e Seth/Summer. A necessidade do drama cagou no final da temporada com um clifhanger bom apesar de desnecessário.

    • Alice Reis

      Oi Ivy!

      A história começou a desandar no episódio da chuva, né? Mas drama é assim mesmo. A gente vê, sofre, xinga e vê de novo. Rs

      Concordo que o Zach é bacaninha quando está namorando a Summer. Mas depois eu me lembro por que não gosto dele – aquela guerra contra o Seth para reconquistar a garota e os olhares safadinhos me irritam demais!

      Obrigada pelo comentário e até a próxima 🙂

  • Ricardo Aleixo

    EEEEEEEE!!! Tks Alice… desde o dia 15 eu estou vindo ao site e dando f5 o dia todo esperando essa review… hahahhahaha…

    Eu nunca tinha visto The O.C., mas a um mes atrás eu decidi assistir porque muita gente me disse que era boa! Vc não tem noção do quanto eu fiquei feliz de saber que já havia uma maratona rolando, quando eu comecei o piloto vc já tinha postado a review da primeira temporada então eu pensei que não conseguiria te acompanhar… mas ops! já terminei todas as 4 (e estou revendo a primeira novamente, pq né? não tenho maturidade suficiente para maratonar séries…) … heheheheheh…Eu comi com arroz e feijão as 4 temps e foi MARAVILHOSO cada ep.. mas sobre a segunda eu curti demais essa temporada… Com exceção de Marissa Cooper… sei que muitos fãs pelo que pesquisei na web eram fissurados por ela e tals, mas por mim ela não precisaria existir…rsrsrsr…

    As cenas que eu mais curti em todas as temporadas sempre foram Ryan/Seth , Sandy/Kirsten , Family Cohen… eles são a alma desse seriado e ver aos poucos a criação de confiança dessa “nova familia” pra mim foi o melhor de se assistir… Ryan aprendendo a confiar nas pessoas, Seth aprendendo oq é ter um amigo pra mim é o ponto alto do seriado e me causou algumas pequenas lagrimas.. hahahahahah

    No mais, adorei sua review e já estou ansioso para 15/01 sair a proxima… até lá acho que já terei revisto a terceira temporada (mesmo sendo a que eu menos gostei e explicarei pq no post da review quando vc postar)…

    Obrigado por tudooooooo! E até a próxima!

    • Alice Reis

      Ricardo!!! Obrigada pelo comentário e carinho com o blog!

      Tb adoro as cenas da família Cohen. Pena que eles sofreram tanto nesta temporada. Bom, vc já viu tudo e sabe o que acontece adiante, mas vamos deixar para comentar no próximo post.

      Te aguardo aqui 🙂

  • Jailson Jonio

    The OC, foi suprema nessa season. Cada detalhe do roteiro foi incrivel.

    • Alice Reis

      O roteiro foi muito bem bolado mesmo, Jailson. Sempre preferi a primeira temporada, mas revendo a segunda agora fiquei na dúvida!

      • Ricardo Aleixo

        Eu ainda prefiro a primeira temporada… em ordem de preferencia eu ficaria 1,2,4,3 (sendo que a 4 e a 2 ficam quase empatados)… vlewwww.

  • Renata

    Ainda acho surpreendente quantos plots eles conseguem colocar em uma temporada!
    Saldo geral: continuo odiando a Marissa e o Seth ainda é o meu personagem preferido!

    Que venha a terceira temporada!

    • Alice Reis

      Oi Renata!

      É muito surpreendente mesmo. Eu tenho que fazer anotações enquanto assisto, porque, se depender da memória, não teremos texto no final. Hahaha

      Nos vemos aqui na próxima temporada 😉

    • Ricardo Aleixo

      Também odeioooo a Marissa e amo o Seth… hahahahahaha

      #highfive

  • Eu gostei bastante dessa temporada (comecei a 4ª hoje) e foi a partir daí que eu passei a entender muito melhor a Julie e gostar muito dela – mesmo às vezes não concordando com algumas atitudes dela.

    Eu acho tão lindo a relação dessa família Cohen que me dá agonia toda vez que alguma coisa acontece pra atrapalhar eles em qualquer sentido. Os “casos” que Kristen e Sandy tiveram me decepcionaram muito, como assim isso acontece com o casal mais perfeito de todos?! E foi muito dolorido ver os meninos longe durante o primeiro episódio, ainda bem que não demorou pra eles voltarem. Gostei da atitude da Theresa nesse caso.

    O Trey é o tipo de pessoa que joga fora as boas oportunidades que tem, podia ter melhorado de vida, assim como o Ryan.

    Coitado do Seth, sempre se sacrificando em amor à Summer. Ao mesmo tempo que é lindo também é triste de se ver…

    • Alice Reis

      Yesssss ganhamos mais uma para o team Julie!

      Acho que a ideia foi realmente desconstruir a “perfeição” do casal Cohen. Mas, no final, eu já estava encantada pelo Sandy novamente. Ele é demais.

      Aguenta aí que já chego na review da terceira! Boa quarta temporada pra vc!

  • Alice Reis

    Netflix e Apaixonados por Séries estão aqui pra gente matar saudades mesmo 😉

  • Patrícia

    Hey Alice, to aqui pra conversar sobre essa segunda temporada que amei!
    Como eu ja tinha dito antes, lembrava de não gostar dela na época que passava na tv, porém assistindo dessa vez eu achei tão boa quanto a primeira, talvez pq as historias dos adultos me agradem muito mais do que a dos adolescentes.
    Como já sabia do problema da Kirsten com bebidas, fiquei a temporada inteira só reparando quando ela pegava num copo hahaha, e é muito sutil a maneira que eles fazem esse problema crescer ao longo da temporada, achei incrivel, mesmo ficando super triste por ela!
    E o Ryan mais uma vez se ferrando a custa dos outros, o garoto tem essa doença de querer ajudar todo mundo e sempre sobra o problema pra ele, vai cuidar da sua propria vida!!!! hahaha
    pra variar a trilha sonora é sensacional, e as cenas ao som de champagne supernova me mataram nessa temporada <3

    Que venha a terceira temporada! as duas primeiras assisti na velocidade da luz, agora essa terceira to enrolando a mais de um mês, ta chata, essa é a verdade! haha

    • Alice Reis

      Oi Patricia!

      Também me surpreendi com a segunda temporada e quiçá achei melhor que a primeira. Fiquei feliz! Não lembro como encarei o alcoolismo da Kirsten quando assisti, mais nova. Agora percebi que a construção do problema é super evidente e também senti compaixão por ela.

      Vamos com tudo pra terceira temporada. Tem um ritmo diferente mesmo. Alguns personagens chatos. Mas não podemos abandonar o Ryan, que ainda tem muitos momentos pra se ferrar às custas dos outros ;p

Maratona Parenthood – 3ª Temporada

1 semana atráscomentarios

Chegamos ao final de mais uma incrível temporada de Parenthood dando continuidade a nossa maratona do choro. Em termos gerais, foi um bom ano digerido em um par de semanas, tivemos algumas continuidades e fechamentos de plots iniciados na segunda temporada, assim como, testemunhamos o desenvolvimento de alguns personagens, enquanto outros permaneceram estagnados em suas posições. Não foi uma temporada perfeita, mas considero piamente esta a minha favorita até agora e sua análise merece ser realizada pelos núcleos familiares que compõem os Braverman, então vamos aos comentários.. Adam, Kristina, Haddie, Max e Nora Temporada de mudanças para todos os membros deste núcleo. A demissão de Adam e a dificuldade de se inserir novamente no mercado de trabalho abre a vertente para o grande plot da temporada – a […]

Leia o post completo

Guia da Trilha Sonora: Parenthood – 2ª temporada

1 semana atráscomentarios

A música perfeita pode tornar um episódio ainda melhor do que o que ele já foi não é mesmo? Em uma série de drama, principalmente, elas costumam ditar o clima dos acontecimentos. E a gente precisa admitir que em Parenthood esse elemento funciona muito bem, sendo sempre um dos principais motivos da série ser tão boa de assistir e conquistar tanto a gente. Se você ainda não conhece a história da família Braverman pode ficar por dentro de tudo na nossa maratona, e se já conhece ou apenas quer conhecer músicas novas vem comigo ver a trilha sonora completa da segunda temporada. Abertura: Forever Young – Bob Dylan Abertura Internacional: When We Were Young – Lucy Scwartz 2×01 – I […]

Leia o post completo

Glitch

2 semanas atráscomentarios

Sete mortos voltam à vida super bem de saúde e aparência. É essa a história de Glitch, uma série australiana que está disponível no Netflix, desde o ano passado. De cara, a história pode parecer mais uma de tantas sobre mortos-vivos, zumbis ou afins. Inclusive, Glitch chegou a ser comparada com as séries The Returned e Ressurection. Mas, apesar de usar um tema já conhecido do público, o enredo é totalmente novo e contado de uma forma diferente de tudo que você já viu sobre o assunto. Nada de apocalipse ou vírus mortal, Glitch conta a história de sete renascidos das cinzas de forma, aparentemente, espontânea e natural, e claro, misteriosa na cidade fictícia de Yoorana, na Austrália. O primeiro […]

Leia o post completo

Siga as nossas redes sociais e fique sempre conectado:

Assine nossa newsletter