Melhores momentos da 4ª temporada de Bates Motel

17 de fevereiro de 2017 Por:

A quarta temporada de Bates Motel foi um deleite para os fãs da série e de um bom suspense. Foi nesta season que a história focou no elemento principal: a relação entre mãe e filho, deixando de fora plots desinteressantes (oi, plantação de maconha!) e que não contribuíam nada no enredo.

Quem conhece o filme Psicose, de Hitchcock, e o livro que originou a história sabe que os eventos que aconteceram ao decorrer da temporada eram inevitáveis. Por mais tristes que sejam, certas coisas precisavam acontecer. Assim, é necessário relembrar os melhores momentos do quarto ano antes do início da quinta e última temporada:

Norma(n)


Já na primeira temporada percebemos que Norman Bates não era igual as outras pessoas. A super dependência da mãe, todas as mentiras, mortes e abusos que ocorreram entre eles serviram para aumentar ainda mais sua obsessão por Norma. Se em uma pessoa normal esse relacionamento já traz alguns problemas, imagine na mente psicopata de Norman!

Agora, não estamos mais na fase de “Norman está se transformando em Norma”. Estamos na fase “Norma já é uma personalidade Norman”, e se antes não sentíamos medo do que ele poderia fazer, agora sentimos. Medo dele matar personagens importantes ou que gostamos, medo do que isso significa no futuro, e grande parte desse medo é devido a atuação incrível de Freddie Highmore. Sua interpretação, como na cena acima em que conversa com o psiquiatra, é fenomenal e ele consegue passar tudo o que Norman, ou melhor, Norma sente, seja com uma conversa ou com movimentos sutis.

Norma e Romero

A tensão sexual dos dois estava crescendo a cada ano e eu não via a hora de se tornarem um casal. Só que a situação não era das melhores, afinal Norman precisava se tratar no sanatório Pineview e os Bates não tinham condições financeiras para a estadia dele. É aí que Romero dá o ar das graças! A proposta de casar com Norma para “apenas” garantir um seguro médico ao enteado foi aceita e para o casamento não ser anulado, o policial vai morar com a futura esposa.

Era óbvio que tudo não passava de uma fachada para os dois ficarem juntos logo. Todavia, como nem tudo é um conto de fadas, Norman, com sua obsessão doentia, não aceita o novo relacionamento de sua mãe e encontra no xerife uma grande ameaça. Na verdade, o filho mais novo queria a mãe só para ele, não queria dividir com mais ninguém,  principalmente com um novo marido, como se Norma fosse uma propriedade que já tinha dono. Tudo isso é um tanto estranho, mas foi assim que a matriarca criou o próprio filho, uma mistura de apego e possessividade.

Com o passar dos episódios, eu conseguia enxergar uma Norma feliz, sem seu assombroso passado, e com um futuro em que ela poderia realmente viver, só que estamos falando de Bates Motel 

“Forever” e “Norman”

A quarta temporada da série proporcionou o melhor episódio de todo o show. O nono episódio, intitulado Forever, foi um choque para todos. Os fãs esperavam o grande momento em que Norma iria morrer; ninguém queria que acontecesse, porém era um fato de que isso iria ocorrer. Além disso, ninguém poderia saber como iria acontecer. Em Psicose, é comentado que Norman matou a mãe e o amante, mas não específica se isso necessariamente aconteceu na mesma noite, talvez esse tenha sido o gancho para Romero não ter morrido ainda.

A cena do suicídio que Norman planejou foi espetacular! A música Mr. Sandman foi um elemento que contribuiu para o momento. Já ouvimos a música no episódio Shadow of a Doubt da segunda temporada, no qual os dois mostravam uma relação natural e saudável de mãe/filho. Uma relação que ainda não estava abalada por todos os problemas que iriam surgir, e sabe o que é engraçado? Apesar de todos esses problemas, Norma brigou com Dylan, abandonou Romero e no fim escolheu seu filho mais novo. Não porque era uma questão de certo ou errado, e sim porque era o que ela deveria fazer. O relacionamento dos dois é como Will e Hannibal, no qual a proximidade é um perigo, mas a distância é pior ainda.

Já o décimo episódio, Norman, serviu para comprovar se alguém ainda tinha dúvidas: Norma está mortíssima. A cena de Romero tentando reanimá-la, os preparativos para o velório, o enterro e a cena final foram precisos, mas não menos dolorosos. Ver que Dylan não ficou sabendo da morte de sua mãe e a última “conversa” que tiveram foi uma discussão, foi de partir o coração. Entretanto a melhor parte está no final do último episódio quando Norman simplesmente cola as pálpebras da mãe. Foi chocante e maravilhoso ver que, para ele, ela não morreu. Ela continua com ele, presente como uma sombra.


É claro que alguns furos também ocorreram. Me pergunto como Norman conseguiu sair tão rápido do sanatório ou de como a morte da Aubrey pode ter sido esquecida (ok, ninguém gostava dela). Contudo, o quarto ano da série foi um ótimo esquenta do que ainda está por vir, e espero ansiosamente um Norman como o de Anthony Perkins e a cena do chuveiro!!

E para você quais foram os melhores momentos? O que espera da nova temporada? Lembrando que a estreia do último ano está marcada para o dia 20 deste mês!

Futura jornalista. Mora em uma cidade desconhecida. Apaixonada por séries. Cinéfila e bookaholic. Sonha em um dia morar em Nova Iorque. O que ama mais do que tudo...

Ler perfil completo

Votorantim / SP

Série Favorita: Friends

Não assiste de jeito nenhum: The Big Bang Theory

  • Flávio Filho

    Essa temporada foi eletrizante, o foco estava sempre na trama principal. A cena da morte de Norma ficou muito bem montada, desde a conversa dela com o Norman sobre se mudar novamente, até a cena que Romero encontra ela. E sobre a musica Mr. Sandman, achei maldade eles colocarem justamente nessa cena, foi um tiro para os fãs, foi muito melancólico, mas não bom sentido.

  • Marília Schuh

    O último episódio da quarta temporada foi simplesmente genial! E o melhor de tudo é ver que, mais do que um enredo e uma produção maravilhosos, a série conta com um elenco sem igual! Não há palavras pra descrever o talento e a interpretação fantástica do Freddie!

  • Renata Carneiro

    Essa quarta temporada foi maravilhosa do início ao fim. Os episódios 9 e 10 pra mim, foram os melhores da série inteira!! Ver a Norma partir (esperado, mas ainda assim chocante) e o Norman se entregando à sua loucura, deixando ela finalmente se apoderar dele por completo foi no mínimo incrível, triste e perturbador! Foda!

Guia da Trilha Sonora: Parenthood – 4ª temporada

2 semanas atráscomentarios

Parenthood é o tipo de série que sempre nos emociona de alguma forma: seja com o clima familiar, com os dramas dos personagens ou com a alegria de suas conquistas. E na 4ª temporada a gente sofreu bastante com alguns personagens, e claro que a trilha sonora contribuiu bastante pra que tivéssemos o maior impacto possível de tudo que a temporada queria nos passar. Abertura: Forever Young – Bob Dylan Abertura Internacional: When We Were Young – Lucy Scwartz 4×01 – Family Portrait Just As Loud – PAUL MCDONALD Corner – ALLIE MOSS Call Me the Breeze – BETH ORTON Amen – ROCCO DELUCA A Little One – PEASANT Counting Stars – PAUL MCDONALD T-Bone Shuffle – T-BONE WALKER 4×02 […]

Leia o post completo

Maratona Parenthood – 6ª temporada

2 semanas atráscomentarios

Pegar a última temporada de Parenthood para fazer o post de maratona foi um imenso desafio. A expectativa era grande, junto com o medo de não conseguir terminar o texto. Mas é isso que uma série faz conosco, não é? Nos encher de emoções e deixar aquele gelinho na barriga no final. Família é uma coisa difícil. Você não vive sem ela e não consegue, muitas vezes, ficar perto dela. Talvez porque família não tenha o dever de ser um amigo e dizer que certas atitudes estão corretas. Ela tem o dever de apoiar, apesar dessas atitudes e estar ao lado nas horas mais importantes, sejam elas felizes ou tristes. E isso define bem o que os Braverman são. O sexto ano da […]

Leia o post completo

The Good Fight

2 semanas atráscomentarios

The Good Wife é uma das séries jurídicas mais queridas dos fãs do gênero. Mesclando casos jurídicas repletos de reviravoltas com escândalos políticos num roteiro afiado com protagonistas cativantes e coadjuvantes de luxo, os contornos da vida pessoal e profissional de Alicia Florrick e cia conquistaram nossa atenção. Mas como tudo que é bom tem um fim, a série acabou caindo na qualidade e foi cancelada após sete temporadas. Era o fim da criatividade? Graças a Deus (e aos King), não. Menos de um ano após o final de The Good Wife foi lançada The Good Fight, um spin off dos mesmos produtores e que não deixou a desejar comparando com a série mãe. TGF deu sinais de que seria interessante logo […]

Leia o post completo

Siga as nossas redes sociais e fique sempre conectado:

Assine nossa newsletter