O inventor das risadas enlatadas na TV

16 de março de 2017 Por:

A gente costuma associar as “risadas enlatadas” das séries de comédia aos anos 1980 e 1990 – e, realmente, várias sitcoms daquela época usavam os risos artificiais para pontuar as piadas do roteiro. Mas as mais recentes The Big Bang Theory, How I Met Your Mother, 2 Broke GirlsMom comprovam que essa cultura vai longe. A ferramenta, conhecida em inglês como laugh tracks (confira o glossário ao final da página!), tem uma função nobre: fazer você se sentir mais à vontade para rir.

Antes de existir rádio e televisão, as pessoas só assistiam a shows de comédia, dança e teatro ao vivo. Era uma experiência em grupo. Quando as ondas do rádio chegaram às residências, essa experiência ficou mais solitária. Os produtores de rádio (e depois da TV) tiveram a ideia de criar faixas de risada para fazer companhia aos espectadores, como se estivessem numa plateia lotada. Estamos falando de séries como I Love Lucy, ainda em 1950 e pouco:

O primeiro passo foi levar um público, de carne e osso, para o estúdio. Mas havia um probleminha: geralmente, uma cena precisava ser filmada várias vezes até chegar no take ideal. A plateia, que ouvia a mesma piada repetidamente, ria em intensidades diferentes a cada vez – mais forte ou mais suave. Na hora de editar o episódio, um engenheiro de som ficava responsável por equalizar as risadas e deixá-las no mesmo nível. Na CBS da década de 1950, esse funcionário era Charles Douglass. A técnica também é capaz de excluir as risadas mais esquisitonas, como essa aqui, que deixaram escapar na plateia de Friends:

Charles Douglass era um visionário. Com todo o know-how do áudio, ele inventou uma máquina, batizada de Laff Box (foto abaixo), que colecionava sons que as pessoas emitiam durante as comédias: risos, gemidos, gritos, aplausos etc. Os produtores perceberam a oportunidade de economia e conveniência: bastava cancelar as plateias e contratar Douglass para inserir as faixas de risada nos episódios. Ele era considerado um artista e sabia exatamente onde encaixar qual padrão de risada (alto, baixo, feminino ou masculino), conseguindo até deixar uma piada boba mais propensa à graça.

Douglass estabeleceu um monopólio da comédia em Hollywood e, entre 1950 e 1970, carregava sua invenção para todos os estúdios que o chamavam. Há quem diga que essas interferências sonoras subestimam a inteligência do espectador, mas o engenheiro estava apenas usando a psicologia a favor de seu trabalho – e voltamos àquela história de “uma experiência em grupo pode deixar o riso mais confortável” e, consequentemente, aumentar o vínculo do espectador com o seriado.

A questão é válida: será que a gente acharia tanta graça de uma cena sem laugh track? Alguém fez esse teste no YouTube, com um trecho de The Big Bang Theory. A sitcom, embora tenha toda a parafernalha de Charles Douglass disponível num computador, ainda aposta em estúdio com plateia de verdade.

As risadas enlatadas, quando usadas com estratégia e moderação, podem jogar a favor da série e potencializar o talento dos roteiristas de comédia. De brinde, ainda provocam nostalgia nos fãs de décadas passadas. Vivemos um momento tão individualista, com cada pessoa trancada em seu próprio universo particular, que essa ferramenta é uma boa companhia para as almas carentes. Como ninguém inventou “faixas de choro”, pra gente se sentir abraçado enquanto assiste This Is Us ou faz maratona de Parenthood? Tá aí uma ideia.

Glossário

  • Laugh tracks = faixas de risada;
  • Canned laugh = risada enlatada;
  • Laff box (laugh box) = caixa de risada, inventada por Charles Douglass.

Jornalista que não bebe café, mas vai ao Central Perk com frequência. Gostaria de viver em todas as séries filmadas em Nova York.

Rio de Janeiro - RJ

Série Favorita: Friends

Não assiste de jeito nenhum: Game of Thrones

  • Laís Rangel

    As risadas do Chaves pareciam cachorros latindo.

    • Alice Reis

      Será essa a origem da risada “hauhauhau” na internet?

  • Karine

    Não consigo imaginar as comédias mais antigas, até mesmo Friends, sem as laugh tracks. Elas são consideradas meio chatas agora, mas ajudaram muito nas composições das sitcoms.
    Ótimo post, Alice! Na calada da noite sempre pesquiso algumas coisas relacionadas às séries e as risadas enlatadas já foi um dos tópicos hauahaua

    • Alice Reis

      Nem quero imaginar Friends sem risada.
      Valeu, Karine!

  • Que artigo bem escrito e informativo. Realmente completo e que dá vontade de ler e reler.

    Parabéns Alice, e espero que traga mais histórias/curiosidades desse tipo!

    • Alice Reis

      Obrigada, Matheus! Se tiver curiosidade sobre um tema em especial, manda sugestão!

  • Caio

    Odeio essas risadas :p, não são todas as producoes que funcionam bem e mesmo assim não conseguem ficar 100% natural em todas as cenas.
    Artigo ficou muito bom, obrigado.

    • Alice Reis

      Reclama com o Charles Douglass! rs
      Valeu, Caio!

Músicas que conhecemos através das séries

6 dias atráscomentarios

Uma das melhores coisas que as séries podem nos proporcionar são suas incríveis músicas. Algumas dessas músicas já conhecemos, mas não dávamos tanto valor até ouvir de novo; outras ouvimos pela primeira vez e nos apaixonamos logo de cara. É tão bom assistir um episódio, ir procurar no Youtube e depois baixar no computador ou no celular aquela canção que fez parte da abertura, de um beijo esperado do casal, dos minutos finais… Enfim, de muitos momentos expressivos que precisavam de um toque ou uma letra no fundo. Então, vem comigo embarcar nesse post de sentimentalismo e ouvir as músicas que eu tive a oportunidade de conhecer pelas séries. Bad Reputation Freaks and Geeks tem toda aquela inspiração de ser jovem e livre, […]

Leia o post completo

CCXP Tour – Dia #3 – 15/04 Diário de Bordo (ou Aquele do Painel da Netflix)

1 semana atráscomentarios

Quem conhece um pouco de CCXP, sabe que a primeira regra de qualquer Apaixonado por Séries é: Dia de Netflix é dia de acordar junto com o sol, pegar uber ou metrô, uma fila imensa, passas horas em pé… Tudo pra curtir aquelas horinhas já reservadas ao painel daquele que já é o “canal” favorito de provavelmente 8 entre 10 fãs de seriados. E, é claro, eu não ia deixar o ritual falhar. Mesmo tendo ido dormir tarde (pós meia-noite), 5h da madrugada estava de pé e cheguei ao Centro de Convenções de Pernambuco entre 6h30 e 7h. Problemas de falha de comunicação aqui e ali (algo que acontece muito em dias como esse), consegui entrar no auditório Twitch mais […]

Leia o post completo

Easter Eggs: a origem das mensagens secretas nas séries

1 semana atráscomentarios

O coelhinho já te visitou hoje? Então, enquanto você se delicia com chocolates, te convido para ler a história dos famosos Easter Eggs (ovos de Páscoa, na tradução) – que não têm nada a ver com cacau. É assim que chamamos as mensagens que roteiristas escondem nas séries, em referência a elementos da cultura pop ou da própria narrativa. O apelido Easter Eggs deve-se à tradicional caça aos ovos e à surpresa que geralmente há dentro deles. A Páscoa não costuma ser representada na TV, igual a outras datas festivas – como Natal, Réveillon, Halloween e Thanksgiving -, mas a homenagem está aí. Por ora, esqueça tudo que você já aprendeu sobre a origem da Páscoa. No mundo geek, essa história começa com o vídeo game Atari 2600, em 1979. O criador da linha Adventure, Warren Robinett, cansado de […]

Leia o post completo

Siga as nossas redes sociais e fique sempre conectado:

Assine nossa newsletter