O inventor das risadas enlatadas na TV

16 de março de 2017 Por:

A gente costuma associar as “risadas enlatadas” das séries de comédia aos anos 1980 e 1990 – e, realmente, várias sitcoms daquela época usavam os risos artificiais para pontuar as piadas do roteiro. Mas as mais recentes The Big Bang Theory, How I Met Your Mother, 2 Broke GirlsMom comprovam que essa cultura vai longe. A ferramenta, conhecida em inglês como laugh tracks (confira o glossário ao final da página!), tem uma função nobre: fazer você se sentir mais à vontade para rir.

Antes de existir rádio e televisão, as pessoas só assistiam a shows de comédia, dança e teatro ao vivo. Era uma experiência em grupo. Quando as ondas do rádio chegaram às residências, essa experiência ficou mais solitária. Os produtores de rádio (e depois da TV) tiveram a ideia de criar faixas de risada para fazer companhia aos espectadores, como se estivessem numa plateia lotada. Estamos falando de séries como I Love Lucy, ainda em 1950 e pouco:

O primeiro passo foi levar um público, de carne e osso, para o estúdio. Mas havia um probleminha: as chamadas single-camera sitcoms tinham somente uma câmera disponível para filmar todo o episódio. Já dá para imaginar o tempo para a gravação ser concluída. Num diálogo entre A e B, seria necessário filmar individualmente os rostos de A e B e ainda um plano maior, que mostrasse A e B juntos. Assim, já temos no mínimo três takes de uma única cena.

A plateia, que ouvia a mesma piada repetidamente, ria em intensidades variadas a cada vez – às vezes mais forte, outras vezes mais suave. Na hora de editar o episódio, um engenheiro de som ficava responsável por equalizar as risadas e deixá-las no mesmo nível. Na CBS da década de 1950, esse funcionário era Charles Douglass. A técnica também é capaz de excluir as risadas mais esquisitonas, como essa aqui, que deixaram escapar na plateia de Friends:

Charles Douglass era um visionário. Com todo o know-how do áudio, ele inventou uma máquina, batizada de Laff Box (foto abaixo), que colecionava sons que as pessoas emitiam durante as comédias: risos, gemidos, gritos, aplausos etc. Os produtores perceberam a oportunidade de economia e conveniência: bastava cancelar as plateias e contratar Douglass para inserir as faixas de risada nos episódios. Ele era considerado um artista e sabia exatamente onde encaixar qual padrão de risada (alto, baixo, feminino ou masculino), conseguindo até deixar uma piada boba mais propensa à graça.

Douglass estabeleceu um monopólio da comédia em Hollywood e, entre 1950 e 1970, carregava sua invenção para todos os estúdios que o chamavam. Há quem diga que essas interferências sonoras subestimam a inteligência do espectador, mas o engenheiro estava apenas usando a psicologia a favor de seu trabalho – e voltamos àquela história de “uma experiência em grupo pode deixar o riso mais confortável” e, consequentemente, aumentar o vínculo do espectador com o seriado.

A questão é válida: será que a gente acharia tanta graça de uma cena sem laugh track? Alguém fez esse teste no YouTube, com um trecho de The Big Bang Theory. A sitcom, embora tenha toda a parafernalha de Charles Douglass disponível num computador, ainda aposta em estúdio com plateia de verdade.

As risadas enlatadas, quando usadas com estratégia e moderação, podem jogar a favor da série e potencializar o talento dos roteiristas de comédia. De brinde, ainda provocam nostalgia nos fãs de décadas passadas. Vivemos um momento tão individualista, com cada pessoa trancada em seu próprio universo particular, que essa ferramenta é uma boa companhia para as almas carentes. Como ninguém inventou “faixas de choro”, pra gente se sentir abraçado enquanto assiste This Is Us ou faz maratona de Parenthood? Tá aí uma ideia.

Glossário

  • Laugh tracks = faixas de risada;
  • Canned laugh = risada enlatada;
  • Laff box (laugh box) = caixa de risada, inventada por Charles Douglass;
  • Single-camera sitcoms = séries no gênero “comédias de situação”, filmadas com somente uma câmera.

Jornalista que não bebe café, mas vai ao Central Perk com frequência. Gostaria de viver em todas as séries filmadas em Nova York.

Rio de Janeiro - RJ

Série Favorita: Friends

Não assiste de jeito nenhum: Game of Thrones

  • Laís Rangel

    As risadas do Chaves pareciam cachorros latindo.

    • Alice Reis

      Será essa a origem da risada “hauhauhau” na internet?

  • Karine

    Não consigo imaginar as comédias mais antigas, até mesmo Friends, sem as laugh tracks. Elas são consideradas meio chatas agora, mas ajudaram muito nas composições das sitcoms.
    Ótimo post, Alice! Na calada da noite sempre pesquiso algumas coisas relacionadas às séries e as risadas enlatadas já foi um dos tópicos hauahaua

    • Alice Reis

      Nem quero imaginar Friends sem risada.
      Valeu, Karine!

  • Que artigo bem escrito e informativo. Realmente completo e que dá vontade de ler e reler.

    Parabéns Alice, e espero que traga mais histórias/curiosidades desse tipo!

    • Alice Reis

      Obrigada, Matheus! Se tiver curiosidade sobre um tema em especial, manda sugestão!

  • Caio

    Odeio essas risadas :p, não são todas as producoes que funcionam bem e mesmo assim não conseguem ficar 100% natural em todas as cenas.
    Artigo ficou muito bom, obrigado.

    • Alice Reis

      Reclama com o Charles Douglass! rs
      Valeu, Caio!

Maratona Parenthood – 3ª Temporada

6 dias atráscomentarios

Chegamos ao final de mais uma incrível temporada de Parenthood dando continuidade a nossa maratona do choro. Em termos gerais, foi um bom ano digerido em um par de semanas, tivemos algumas continuidades e fechamentos de plots iniciados na segunda temporada, assim como, testemunhamos o desenvolvimento de alguns personagens, enquanto outros permaneceram estagnados em suas posições. Não foi uma temporada perfeita, mas considero piamente esta a minha favorita até agora e sua análise merece ser realizada pelos núcleos familiares que compõem os Braverman, então vamos aos comentários.. Adam, Kristina, Haddie, Max e Nora Temporada de mudanças para todos os membros deste núcleo. A demissão de Adam e a dificuldade de se inserir novamente no mercado de trabalho abre a vertente para o grande plot da temporada – a […]

Leia o post completo

Guia da Trilha Sonora: Parenthood – 2ª temporada

1 semana atráscomentarios

A música perfeita pode tornar um episódio ainda melhor do que o que ele já foi não é mesmo? Em uma série de drama, principalmente, elas costumam ditar o clima dos acontecimentos. E a gente precisa admitir que em Parenthood esse elemento funciona muito bem, sendo sempre um dos principais motivos da série ser tão boa de assistir e conquistar tanto a gente. Se você ainda não conhece a história da família Braverman pode ficar por dentro de tudo na nossa maratona, e se já conhece ou apenas quer conhecer músicas novas vem comigo ver a trilha sonora completa da segunda temporada. Abertura: Forever Young – Bob Dylan Abertura Internacional: When We Were Young – Lucy Scwartz 2×01 – I […]

Leia o post completo

Glitch

1 semana atráscomentarios

Sete mortos voltam à vida super bem de saúde e aparência. É essa a história de Glitch, uma série australiana que está disponível no Netflix, desde o ano passado. De cara, a história pode parecer mais uma de tantas sobre mortos-vivos, zumbis ou afins. Inclusive, Glitch chegou a ser comparada com as séries The Returned e Ressurection. Mas, apesar de usar um tema já conhecido do público, o enredo é totalmente novo e contado de uma forma diferente de tudo que você já viu sobre o assunto. Nada de apocalipse ou vírus mortal, Glitch conta a história de sete renascidos das cinzas de forma, aparentemente, espontânea e natural, e claro, misteriosa na cidade fictícia de Yoorana, na Austrália. O primeiro […]

Leia o post completo

Siga as nossas redes sociais e fique sempre conectado:

Assine nossa newsletter