O legado de Buffy e Dawson’s Creek para as séries teens

1 de abril de 2016 Por:

Todo mundo já passou pela fase adolescente e, de diferentes maneiras, lidou com os mesmos problemas, dramas, alegrias e amores. Isso é um pouco da essência que faz das séries sobre adolescentes um verdadeiro sucesso. Difícil é não se identificar com as histórias apresentadas nelas. Vez ou outra o roteiro pesa na mão ou erra o tom, o que pode causar certa estranheza, mas o fato é que todo mundo tem um personagem com o qual se identifica neste tipo de história. Seja o jogador bem sucedido, aquele que sente como se não pertencesse em lugar algum ou até mesmo aquele que por algum motivo é discriminado.
Dawson's CreekSe ver refletido na tela pode ser incômodo – principalmente se aquele seu defeito for destaque na história -, mas é importante para que você encontre sua voz. O caminho dos personagens, suas ações e também decisões, podem inspirar soluções para problemas reais, desde como enfrentar um coração partido até a autoafirmação e construção de uma identidade adulta pautada na aceitação.

Muitas dessas séries tem a aceitação como tema paralelo à premissa oficial, isso quando este assunto não é o principal, como pode ser visto em Glee, a série onde pessoas dos mais diferentes tipos – tanto psicólogicos quanto físicos – aprenderam a conviver em grupo, amar uns aos outros independente de qualquer diferença e o mais importante de tudo, aceitar-se e amar quem eles realmente eram.

Mas, muito antes de Glee, grandes clássicos do gênero foram produzidos no final dos anos 90, abrindo caminho para as grandes e icônicas produções do início dos anos 2000 que ainda hoje servem como inspiração para as novas séries que surgem. E aqui torna-se impossível não citar a influência de produções como Dawson’s Creek e Buffy em tudo o que foi produzido desde então. Também tivemos séries de destaque antes delas, que se fizeram tão importantes quanto as citadas, mas foram elas que com seus gêneros distintos abriram caminho para tantos temas que revolvem no que é feito atualmente.

Muito antes da moda Crepúsculo surgir, de Elena pensar em se envolver com vampiros e destes se alimentarem com sangue sintético, Buffy já havia levado a mitologia vampiresca (com licença poética) para o conhecimento dos adolescentes – além de mostrar a força feminina através da Caçadora de Vampiros, que não hesitava ao lutar contra as forças malignas e ainda tinha que lidar com os clássicos problemas de uma adolescente de 17 anos. O romance sobrenatural teve espaço na narrativa? Muito, mas nem por isso a história se perdia em dramas simplórios – e criou uma das grandes batalhas de shippers do gênero: Angel ou Spike, quem é melhor para Buffy?
BuffyAs metáforas dos problemas adolescentes em forma de demônios enfrentados por Buffy também estavam todas ali. Um exemplo claro disso? A líder de torcida bruxa ou o namorado que se transforma em uma das piores criaturas existentes. Buffy dava forma literal a tudo aquilo que nos apavora durante a adolescência, além de desenvolver os personagens, sejam eles principais ou secundários, de maneira inigualável.

Dawson’s Creek podia até não ter elementos sobrenaturais, mas também marcou história com um roteiro que não só deu voz aos dramas da adolescência, mas os colocou de maneira intensa e muito verborrágica. Pela primeira vez, viu-se na TV adolescentes que poderiam muito bem estrelar monólogos a partir do que viveram – e do domínio da língua inglesa em qualquer assunto. Um simples filme poderia render uma discussão que deixaria qualquer professor de gramática orgulhoso.

E foi com este tipo de diálogo, introduzido em um roteiro muito bem construído e inovador para sua época, que Dawson’s Creek encantou seus fãs e o faz ainda hoje, mais de uma década depois do seu fim. Não são apenas os fãs que agradecem aos 6 anos desta série, a televisão (e sociedade) americana também teve ter muita gratidão à criação de Kevin Williamson: foi nela que o primeiro beijo entre dois homens do horário nobre americano aconteceu e assuntos controversos – e até então tidos como tabu – relacionados à sexualidade foram colocados em destaque no roteiro. Tivemos a relação entre um aluno e uma professora, a traição de uma mãe de família, um pai que traficou drogas e traiu a esposa doente, entre outros. Foi necessária muita coragem para tocar em tais assuntos e isso é algo que os roteiristas da série tiveram aos montes e que a tornou tão icônica para toda uma geração – e as outras que vieram depois dela.


E você, percebe a influência de Buffy, Dawson’s Creek ou outra série nas produções teens? Vem comentar conosco, nós adoramos saber a sua opinião.

Curiosa por natureza. Chata por vocação. Social media por paixão. Viciada em séries e novela por culpa da prima que a largava na frente da TV para poder...

Ler perfil completo

Palhoça/SC

Série Favorita: Gilmore Girls

Não assiste de jeito nenhum: The Walking Dead

  • Lívia Guimarães Sandes

    Cresci assistindo Dawson’s Creek na Sony… É uma daquelas séries que marca você!! Buffy eu vim assistir um pouco mais velha mas mesmo assim me impactou da mesma maneira… Duas séries clássicas!

  • João Vitor Maia

    Amo muito.

5 momentos incríveis da 2ª temporada de Master of None

4 dias atráscomentarios

Somos apaixonados por Master of None por aqui. Depois de uma primeira temporada sucinta, porém arrebatadora, esperamos quase dois anos (ou foi mais que isso?) para reencontrarmos Dev em um novo momento da sua vida. E, ao longo de dez episódios, tivemos a oportunidade de passear por muitos momentos incríveis na companhia do personagem, com um roteiro extremamente crítico e que faz com que a gente pare, reflita e mude algumas atitudes tão intrínsecas do nosso ser. Por isso, separamos (só) cinco dos grandes momentos dessa nova temporada, para revisitarmos e te convencermos de que, se você ainda não viu, essa é a hora para parar tudo que está fazendo e devorar o segundo ano de Master of None.   […]

Leia o post completo

Gypsy

5 dias atráscomentarios

Confesso que a princípio eu achei que Gypsy fosse um filme, afinal Naomi Watts e Billy Crudup são atores que estamos mais acostumados a ver na telona. Estranho ter um casal desse porte em uma produção para telinha do Netflix. De fato, Gypsy não é como a maioria das séries que estamos acostumados. Tem uma cinematografia de tirar o fôlego e um enredo que se desenvolve sem qualquer pressa. Com episódios de 50 minutos em média, Gypsy é quase um estudo de personalidade da sua protagonista, Jean Holloway, vivida por Naomi Watts. Ela é uma psicóloga, casada com Michael, um advogado que parece ter uma vida normal no subúrbio dos EUA. Tudo é muito sútil no início, mas vamos notando […]

Leia o post completo

Primeiras Impressões: Atypical

5 dias atráscomentarios

Estreou ontem na Netflix a comédia Atypical, que conta a vida de Sam (Keir Gilchrist), um garoto autista que chega a idade adulta e passa a ter uma série de necessidades/curiosidades para descobrir quem realmente é. E nesse caminho de descobertas vamos entendendo mais sobre a sua personalidade, suas limitações e como tudo isso afeta a sua família e a todos que o cercam. Trazer o universo adolescente parece ter sido uma maneira do canal de streaming se aproximar do seu público, trabalhando pautas mais complicadas através de uma abordagem diferente. Foi assim com o suicídio em 13 Reasons Why e agora com o autismo em Atypical. Mas o que chama atenção mesmo é que, apesar de todas as limitações do […]

Leia o post completo

Siga as nossas redes sociais e fique sempre conectado:

Assine nossa newsletter