O que você precisa saber de Jessica Jones antes de Defensores

15 de agosto de 2017 Por:

A primeira série da Marvel protagonizada por uma mulher começa quando os pais de Hope Shottman (Erin Moriarty) pedem a ajuda de Jessica Jones (Krysten Ritter) para investigar o paradeiro da filha, e ela então descobre que o sequestrador da moça é ninguém mais ninguém menos que Killgrave (David Tennant): aquele que a traumatizou através de um relacionamento abusivo.

Reprodução/Netflix

A moça não é então a típica heroína a qual estamos acostumados, e algumas vezes até chegamos a duvidar se podemos chama-la assim. Por ter um passado marcado pelo abuso sua personalidade se torna um tanto ácida e sombria, além de deixar para a personagem um descontrole no consumo de álcool e a ideia de que desistir é a melhor saída, e de que claro: ela não quer ser uma heroína. Até porque seus poderes vêm de outro grande trauma na sua vida – a perda de toda a família em um acidente de carro.

Estando sobre o influência do vilão, que tem a capacidade de controlar as pessoas com suas palavras, Hope comete o assassinato dos pais e corre o risco de ser condenada a duas prisões perpétuas, mas Jessica sabe de sua inocência e decidi ajuda-la, apesar do medo que ainda sente de seu agressor. E para isso pede (e em certo ponto exige) a ajuda de Jeri Hogarth (Carrie-Annie Moss), a advogada para quem trabalha como investigadora, cuja moral a gente sempre questiona, que favoreceu (sem querer) que Killgrave ampliasse seus poderes, mas que no final acabou sendo de grande ajuda para Jessica, além de funcionar como uma ligação entre as realidades, pois convive com Jones e também com Danny Rand (Finn Jones de Punho de Ferro).

A série então passa a nos mostrar flashbacks de como foi quando Jessica estava sobre o controle do vilão, mostrando no presente as consequências do mesmo enquanto a protagonista tenta solucionar o caos que ele criou na vida de outra vítima. E aos poucos somos apresentados a personagens intimamente ligados à investigadora, e que se juntam a ela para expor a tirania e maldade de um homem que a princípio parece inofensivo.

Reprodução/Netflix

Vemos Jones enfrentar grandes conflitos devido aos traumas do abuso, e aos poucos ir começando a superar todos eles com a ajuda de pessoas como sua irmã e melhor amiga Trish Walker (Rachael Taylor), irmã de criação e melhor amiga a moça funciona um pouco a consciência da heroína, e ao longo dos episódios teve um desenvolvimento que mostrou que ela pode ser apenas uma humana, mas que está disposta a superar seus limites e é de extrema importância na vida da protagonista; e também de Luke Cage (Mike Colter), que apareceu na série antes de ganhar a sua própria, um relacionamento muito mais saudável e equilibrado na vida da moça, que trabalhou como um parceiro para vencer Killgrave – apesar de por um momento ter sido controlado pelo vilão, para manipular a protagonista.

Reprodução/Netflix

Em determinado momento ela até mesmo acredita e tenta ajudar Killgrave a mudar, a usar seus poderes para o bem, mas isso não dura muito tempo. Até que por fim Jessica está completamente imune aos poderes dele e acaba matando o personagem, salvando a amiga que estava sob seu controle, uma grande multidão, além dela mesma e tantas outras pessoas que assim nunca seriam vítimas do inescrupuloso vilão.

Killgrave foi então o vilão da temporada que cabe bem no ditado “lobo em pele de cordeiro”, sempre bem vestido e educado o personagem mascara muito bem seu caráter. Ele é acostumado com o poder e as facilidades que suas habilidades lhe trouxeram, de conseguir que as coisas sejam feitas a seu tempo e a seu modo, e mesmo que em determinado momento ele tente mudar para agradar a Jessica como prova de “seu amor” isso se torna impossível.

Reprodução/Netflix

Uma coadjuvante que merece destaque é Claire Temple (Rosario Dawson), que conquista seu espaço no minuto em que aparece, mesmo que seja apenas no último episódio, e pelo fato de aparecer nas quatro séries individuais de cada um dos heróis se torna uma forte ponte de ligação entre eles, sempre nos mostrando que as séries acontecem na mesma realidade. A moça se entendeu de um jeito bem peculiar com Jessica, e a ajudou a cuidar de Luke já que essa tem sido sua função nas séries: ser a heroína dos super herois.

E além dela, Malcom Ducasse (Eka Darville), vizinho de Jones, também desempenhou um papel de apoio à moça, apesar de durante um tempo ter sido controlado por Killgrave e trabalhado para ele espionando Jessica. Mas depois que se viu livre do controle do vilão procurou ajudar para que ele fosse detido e criou um grupo de apoio para aqueles que passaram pela mesma situação.

A ligação de Jessica Jones com os Defensores fica mesmo por conta dos personagens em comum das séries, que fazem essa ligação entre a realidade de cada um deles, uma vez que o vilão da temporada foi Killgrave e não ouvimos falar no Tentáculo, a organização que será o antagonista da série dos quatro herois.


Confira também o que você precisa saber sobre Demolidor, Luke Cage e Punho de Ferro antes da grande estreia dessa semana!

Tem memória de elefante pra tudo aquilo que as pessoas costumam chamar de "cultura inútil". Apaixonada por séries, filmes, livros, música e nescau.

Petrópolis/RJ

Série Favorita: Gilmore Girls e One Tree Hill

Não assiste de jeito nenhum: Outlander

1 Contra Todos

1 semana atráscomentarios

Com a lei de incentivo à produção nacional, várias produções poderiam sair do papel. Muitas delas não têm a menor pretensão de introduzirem uma ideia nova ou em mesmo de fazer sucesso. É por isso que uma série estoura na medida em que 1 Contra Todos fez, a gente tem que prestar atenção e dar os louros. Cadu (Júlio Andrade) é um advogado de Taubaté que será pai pela segunda vez, mas perde o emprego devido seus princípios éticos. Para piorar sua situação, é injustamente preso ao ser confundido com o Doutor do Crime, maior traficante do país. Para tentar sobreviver, e com o apoio de sua esposa Malu (Julia Ianina), ele decide se passar pelo criminoso como única forma […]

Leia o post completo

Queens que merecem redenção em RuPaul’s Drag Race: All Stars – Parte 2

1 semana atráscomentarios

Comemorando que RuPaul’s Drag Race acaba de conquistar o Emmy de Melhor Apresentador de Reality, Melhor Edição de Fotografia e Melhor Figurino (pelo episódio: Oh! My! Gaga!), além da VH1 não perder tempo em agendar a próxima edição All Stars para Janeiro de 2018 (está quase chegando!), em breve teremos a lista oficial das queens que estarão retornando para brigar por um lugar no Hall Of Fame do programa e ter a oportunidade de reescrever parte da sua história na competição. Assim como na primeira parte desse especial, eis aqui uma outra lista de participantes que não conseguiram atingir seu potencial e chegar longe na competição. Então, shall we begin? Trixie Mattel – Temporada 7 (Top 6) Oh honey! Quem não […]

Leia o post completo

Stephen King na televisão

1 semana atráscomentarios

Stephen Edwin King sem dúvida alguma é um (se não for “o”) maior escritor de terror e suspense de todos os tempos. Nascido em Portland, no estado de Maine, cenário da maioria das suas histórias, em 21 de setembro de 1947, teve uma infância complicada, tendo seu pai abandonado a família quando ainda tinha dois anos, e testemunhou um acidente com a morte de um amigo. Já escrevia desde criança, e vendia suas histórias aos amigos. Estudou inglês na Universidade do Maine, casou-se com Tabitha Spruce, em 1971, e lecionou sua formação em Hampden, enquanto isso escrevia para revistas masculinas. Teve problemas com álcool, e em 1999 sofreu um acidente sério, em que foi atropelado enquanto caminhava aos arredores de […]

Leia o post completo

Siga as nossas redes sociais e fique sempre conectado:

Assine nossa newsletter