11.22.63

Assisti ao piloto de 11.22.63, do Hulu, sem grandes expectativas, muito mais para escrever o post…

When Calls The Heart

When Calls The Heart é mais uma produção da Hallmark Channel que possui 4 temporadas já…

O que você precisa saber de Luke Cage antes de Defensores

Por: em 16 de agosto de 2017

O que você precisa saber de Luke Cage antes de Defensores

Por: em

Dando sequência no dossiê especial que preparamos para você ficar pronto para a chegada de Defensores na próxima sexta, hoje é dia de retomar os fatos da primeira temporada de Luke Cage, um dos personagens mais controversos dessa leva de séries da parceria Marvel e Netflix.

Reprodução/Netflix: Luke Cage

Nosso primeiro contato com Luke acontece ainda em Jessica Jones, quando o cara é introduzido como buddy call da investigadora e tudo parece muito ao acaso. Porque, na verdade, é mesmo. Aquele foi o primeiro teste do ator no papel e até uma maneira do roteiro sentir como que o público reagiria a chegada do próximo defensor.

As reações na época foram bem mistas porque, como podemos colocar de uma maneira legal, Mike Colter não imprimiu muita personalidade em suas cenas. E, se eu era um dos que criticava bastante lá nesse começo, confesso que mudei de opinião depois de acompanhar os 13 episódios de Luke Cage. Apesar da mudança não ser brusca, é sensível o esforço do ator em trazer mais densidade e camadas para um personagem que, aparentemente (e fisicamente) é impassível a tudo, inclusive a dor.

Dado esse overview, vamos a série.

Reprodução/Netflix: Luke Cage

A trama gira em torno de um cara, Luke, que não tem seu corpo como um verdadeiro escudo – o que é muito louco de assistir. Absolutamente nada o afeta, absolutamente nada o machuca, o que o torna uma máquina de defesa absurda. Assim como todos os “heróis” recém-descobertos, ele prefere manter esse segredo para si, mas isso acaba se tornando mais difícil com o passar do tempo e com as pessoas que acabam se envolvendo nessa história.

A ambientação da série é perfeita e, talvez, seja um dos seus pontos mais fortes – junto com a trilha sonora, que é espetacular do início ao fim. Situada nos Harlem, o subúrbio de Nova York, temos a oportunidade de ver mais de perto uma parte da população que foi/é deixada de lado pelo preconceito. Isso é um fator determinante para muitos aspectos do show, inclusive a definição da personalidade dos grandes antagonistas desse primeiro ano.

Reprodução/Netflix: Luke Cage

Podemos dizer que a temporada é dividida em dois grandes momentos: a era do Boca de Algodão, interpretado brilhantemente pelo Mahershala Ali,  e a era de Mariah, uma personagem INCRÍVEL, vivida pela brilhante Alfree Woodard. E, apesar dessa divisão ser muito clara para quem assiste, elas estão diretamente conectadas. Cornell, o Boca de Algodão, e Mariah são primos que viviam em um mesmo lar. Isso é determinante para a formação do que eles são como pessoas e das atitudes que têm diante dos outros.

E é nesse momento que entendemos a profundidade do determinismo para esses personagens. Nenhum deles queria chegar onde realmente chegou. Talvez a maior sede que eles tinham, de fato, era pelo poder, mas não da maneira que acabou se concretizando. Antes de tudo isso, ainda jovem, Cornell sonhava em ser um grande pianista, mas acabou com uma arma na mão sendo obrigado a matar seu tio, para provar sua masculinidade e como tocaria os “negócios” da família. E, no final, ele também acaba morrendo pelas mãos de alguém da própria família – no caso, sua prima.

Reprodução/Netflix: Luke Cage

Quando a era Mariah começa, vemos a personagem colocar suas asas para fora e também começa a despontar em importância outra figura: Kid Cascavel – um aliado um pouco duvidoso que ela arruma, como um verdadeiro capacho, mas que acaba se provando como alguém que realmente não se importa com nada além de si mesmo.

A temporada é, na real, um prato cheio de personagens femininas incríveis.

Claire Temple, já querida pelos fãs, também dá as caras por aqui e tem um papel bem determinante na vida de Luke, desenvolvendo um relacionamento com o personagem que parece ser uma ponte interessante para fatos que ainda estão por vir. Misty Knight também desponta demais dentro da trama e é bem engraçado porque, ao acabar o piloto da séria, a sensação que fica é que ela chamaria pouquíssima atenção.

Seu crescimento é tão interessante ao passo que ela vai descobrindo algumas verdades sobre Luke e o crime da cidade, que o público a abraça completamente – sendo que ela estará, inclusive, em Defensores.

Reprodução/Netflix: Luke Cage

O que é bem legal no final da temporada é a fuga dos clichês.

Luke não tem o que podemos chamar de final feliz. Depois de derrotar seus oponentes, ele acaba sendo preso mesmo assim por uma armação de Mariah (que o incrimina pela morte do primo) – o que é bem louco, já que ele tem documentos que comprovam a sua inocência. Isso gera inclusive um daqueles momentos que a gente surta, quando Claire garante que tem um amigo advogado que pode tirar Luke da cadeia (sim, estou falando de você Matt).

E, talvez, isso seja o mais importante para você entender o momento do personagem quando Defensores começar. Claro que muitas coisas mais aconteceram e dá para você consultar as nossas reviews para relembrar nos detalhes – mas com o que falamos hoje, já dá para ter uma boa noção e seguir o barco.

Reprodução/Netflix: Luke Cage

Vale lembrar que Luke Cage teve sua segunda temporada confirmada em plena CCXP, mas ainda não tem data prevista para começarem as gravações ou de quando será exibida.

Amanhã a gente relembra tudo sobre o primeiro ano de Punho de Ferro e aí você estará pronto para a estreia de sexta! Não deixe de comentar com a gente quais os seus momentos preferidos de Luke Cage (ou pode contar o que você não gostou também!).


Leandro Lemella

Caiçara, viciado em cultura pop e uns papo bobo. No mundo das séries, vai do fútil ao complicado, passando por comédias com risada de fundo e dramas heroicos mal compreendidos.

Santos/SP

Série Favorita: Arrow

Não assiste de jeito nenhum: The Walking Dead

×