Primeiras Impressões: American Gods

2 de maio de 2017 Por:

Yay! Depois de muito alarde, uma das estreias mais aguardadas da estação finalmente está entre nós. Estreou no último domingo (31), o primeiro episódio de American Gods. Cortesia de Bryan Fuller e Michael Green e transmitida pelo canal norte-americano Starz, a série é uma adaptação homônima do romance realista fantástico de Neil Gaiman. O enredo gira em torno do misterioso e taciturno protagonista, Shadow Moon, que se vê envolvido em uma trama que é o amálgama entre fantasia e mitologia.

Em uma escolha corajosa para os tempos de modernidade líquida que temos vivido, o piloto optou por não entregar as premissas do enredo de bandeja ao espectador e, depois de uma hora de episódio, não sabemos muito bem o que que tá acontecendo (pelo menos se a gente fingir que não leu nada sobre a série antes hehe). No lugar disso, os showrunners escolheram apresentar uma atmosfera enigmática, onde as perguntas não param de surgir e as respostas beiram ao nulo.

Não sei vocês, mas eu, particularmente, tenho uma quedinha pelo gore quando o tratamento de cena é tão impecável quanto neste piloto. Com uma fotografia belíssima, já que não temos respostas para nossas perguntas, que tenhamos sangue! As cenas de violência sanguinária e propositadamente exagerada são um prato cheio pra quem gosta de ser fisgado pelo estranhamento. Na mesma página, os efeitos especiais parecem oscilar na qualidade durante o episódio. Enquanto as cenas de guerra e as com o Technical Boy são irrepreensíveis, os sonhos de Shadow, por exemplo, berram e esperneiam um mal feito chroma key.

O que mais chama atenção, entretanto, é justamente o não-dito (“o diabo mora nos detalhes”). Por mais que o mágico e o fantástico estejam saltando aos olhos, é incrível a habilidade que a história tem de se fundamentar em um realismo bastante palpável. Pintando um retrato de como os Estados Unidos se formaram e, em seguida, se consolidaram, a série promete explorar e dissecar temas como a religião e a imigração – em pleno território do sacramentado conservadorismo do governo Trump.

O elenco está fenomenal e, sem sombra de dúvidas, as melhores cenas são aquelas que contam com interações humanas. O Mr. Wednesday de Ian McShane está no ponto, com sarcasmo na medida certa para garantir um alívio cômico que não extrapola seus limites. Pra quem assiste The 100, posso garantir que a estranheza de ver Ricky Whittle em cena não dura mais do que poucos minutos. Apesar de continuar com a cara de quem chupou limão e não gostou, as nuances da personagem estão muito bem delimitadas e já é possível enxergar significativas discrepâncias entre Shadow Moon e Lincoln (aqui ele até sorri às vezes!).

Também merecem rápido destaque o Mad Sweeney de Pablo Schreiber (ótima cena no bar e potencial para ser um excelente personagem), a Audrey de Betty Gilpin (a cena do cemitério é, ao mesmo tempo, tão triste e tão divertida!), o pedante Technical Boy de Bruce Langley que já mostrou ser um daqueles vilões que amaremos odiar e, claro, a Bilquis de Yetide Badaki, que entrega um forte take que exemplifica como a série pretende tratar a natureza da sexualidade – através da representação intensificada da experiência humana.


No caso de você, de fato, nunca ter lido nada antes sobre a série, segue uma sinopse básica do que veremos daqui pra frente: American Gods mostra a convivência turbulenta entre deuses da antiguidade e outras criaturas mitológicas e cuja força e a influência diminuem conforme as pessoas passam a venerar “divindades” modernas, como celebridades, redes sociais e drogas.

Meu nome é José Elias e eu serei o reviewer de American Gods durante esta temporada. Meu posicionamento é, e continuará sendo, o de uma pessoa que teve zero exposição à obra original. Espero que possamos trocar valiosas e saudáveis opiniões quanto aos 8 episódios da série. Aguardo vocês nos comentários. 😉

Jornalista, aquariano e apaixonado por séries que se esforça pra fingir saber do que está falando (spoiler alert: não sabe).

Uberlândia / MG

Série Favorita: Gilmore Girls e White Collar

Não assiste de jeito nenhum: Two and a Half Men

  • Renata Carneiro

    Li inúmeros elogios sobre esse piloto. Fiquei curiosa!
    Será que é muito focada em mitologia com violência, ou tem um draminha básico pra gente também?

    • José Elias Mendes

      Tem um draminha delicioso, Renata!

  • Isabel Tavares

    Sobre essa série eu só sabia que o Lincoln iria estrelar. Pela sinopse parece ser uma trama bem boa, irei dar uma chance!

    Parabéns pela review, gostei muito do texto.

    • José Elias Mendes

      Eu tenho uma quedinha fora do normal por realismo fantástico kkkkkkk. Sinceramente eu curti muito e com certeza indico!

      Brigado, Isabel!

  • João Paulo

    Depois de ver uma “abdução vaginal”, eu definitivamente vou acompanhar essa série, mesmo que eu tenha entendido (quase) nada desse piloto.

    • José Elias Mendes

      kkkkkkkkkkkkk eu também fiquei perdidinho, João Paulo! Mas super curioso pra saber o que vem por aí!

      Obrigado pelo comentário 😉

  • Heitor Oliveira

    Assisti o piloto ontem e não achei assustadoramente boa (tanto no sentido de muito boa quanto de assustadora), também notei o chroma key horroroso nas cenas de sonhos do ShadowMoon. Uma cena que gostei muito mesmo, provavelmente minha preferida, foi aquela do início com o presidiário “não irrite aquelas **** dos aeroportos”. Estou surpreso com o banho de sangue, parece que tinha mais sangue nos primeiros 5 minutos da série que numa temporada inteira de Game of Thrones. Não sei absolutamente nada sobre a obra, não vi trailers nem li notícias, só sei que é surreal, me senti vendo uma mistura de tarantino com Zack Snyder, só que muito bem escrita.

    Parabéns pela review, concordei com tudo, inclusive!

    • José Elias Mendes

      Amedrontadora também não achei, Heitor, mas preciso confessar que eu adorei e tô cheio de expectativa pelos próximos episódios. Vc usou uma palavra que define muito bem o que senti sobre o banho de sangue: surreal! Eu, particularmente, gosto muito disso.

      Obrigado! Te espero por aqui no próximo episódio 😉

  • Felipe Borges

    Ainda estou muito perdido, não sei se gostei ou não, mas sinto que a série promete..
    Esperando os próximos capítulos!
    Gostei da review, capturou o que eu senti nesse piloto, principalmente sobre chroma key haha

    • José Elias Mendes

      kkkkkkkkkkk Sabe que eu, geralmente, nem ligo pra chroma key, Felipe? Mas dessa vez foi gritante!! Principalmente comparado a outras cenas com efeitos especiais super bem produzidos. Por enquanto eu tô curtindo a série, vamos ver o que nos aguarda.

      Obrigado pelo comentário!

  • Mariane Lima

    Geeeeeente, tanta coisa boa para acontecer ainda. Eu estou terminando de ler o livro, mas confesso que não fiquei tão encantada pelo episódio assim. Sei lá, já tinha minha versão dos fatos na cabeça. Mas a história original é brilhante e a série tem tudo para conseguir passar isso.
    Até achei justo que o ep não tenha dado toda a premissa da série, na verdade, o livro também, demora um pouco a explicar algumas coisas.

  • Fiquei com vontade de assistir, com certeza está na minha lista de “próximas séries” haha

  • Virgínia Martins

    Excelente crítica!

Misfits e o uso de poderes em benefício estritamente próprio

2 semanas atráscomentarios

O tema dos super-heróis tem sido bastante explorado nos moldes atuais, existem por ai séries de bastante qualidade e que fazem a cabeça de um grande público onde o enfoque são os indivíduos/as que ganham poderes e os usam para salvar o mundo, só que muito antes disso tudo uma série britânica teve a audácia de retratar um cenário onde jovens deturbados e a margem da lei ganham poderes bizarros e os usam para os mais egoístas e cômicos interesses,  criando situações inimagináveis. Esta é Misfits, uma série britânia que foi ao ar entre os anos de 2009 e 2013, totalizando 5 temporadas de grande sucesso ao mesclar com eficiência, humor, comédia e ficção científica. A série narra as peripécias […]

Leia o post completo

Girlboss: guia do que NÃO fazer na vida adulta

2 semanas atráscomentarios

Teve gente que gostou de Girlboss, teve gente que achou a série fraca. Mas em uma coisa todo mundo certamente concorda: Sophia é um dos piores seres humanos que já vimos como protagonista de uma série. E com ela a gente pode aprender muito sobre o que não fazer para ser uma pessoa melhor. 5. Não roubar Em GirlBoss, uma das primeiras coisas que descobrimos sobre Sophia é que ela acha normal roubar. Não, ela não rouba porque precisa, porque quer ajudar alguém, ou se quer por uma questão de princípios contra uma sociedade capitalista. Sophia rouba porque se sente superior e simplesmente não respeita os outros, – muito menos suas propriedades. 4. Não ser egoísta com a melhor amiga […]

Leia o post completo

Desafio: você se lembra de quem foi essa declaração de amor?

2 semanas atráscomentarios

Ah, o dia dos namorados. Aquele momento do ano para espalhar aos quatro cantos nosso sentimento por aquela pessoa especial, que faz o coração acelerar e as palmas da mão suarem. Aquela pessoa por quem você faria qualquer coisa, até mesmo deixar a vergonha – ou o medo – de lado para professar seu amor. Nas séries, existem muitos personagens  que não esperam data especial nenhuma para declarar seu amor, seja num momento de desespero, num pedido de casamento ou só para reforçar aquilo que o parceiro já sabe e Tom Jobim cantava aos quatro ventos: é impossível ser feliz sozinho. Você também acredita nisso e se derrete toda vez que sabe que chegou a hora de surtar, porque vai ter […]

Leia o post completo

Siga as nossas redes sociais e fique sempre conectado:

Assine nossa newsletter