Primeiras Impressões: Beyond

4 de janeiro de 2017 Por:

Misture elementos de Kyle XY, The OA, mais uma pitada de mistérios adolescentes e você terá Beyond, a nova aposta do Freeform no início de 2017.

beyond-review-2017

Divulgação/Freeform

Depois de um acidente misterioso, Holden ficou em coma por 12 anos, até que acordou perfeitamente por circunstâncias desconhecidas. Agora Holden deverá aprender a conviver em um mundo que mudou enquanto esteve ausente, ao mesmo tempo em que descobrirá bizarros poderes que adquiriu durante esse tempo. Logo ele percebe que os 12 anos do coma escondem segredos e ele não pode confiar em ninguém até descobrir a verdade.

A expectativa em torno de Beyond era completamente nula. Além da premissa inicial não mostrar nenhum diferencial o suficiente para chamar a atenção, o canal da série é conhecido por apresentar uma qualidade duvidável em grande parte da sua programação. Por isso, quando os quarenta minutos do piloto acabaram, a surpresa foi positiva! O seriado é perfeito? Não. Possui defeitos? Vários. Entretanto, no meio de tudo ainda foi possível encontrar um entretenimento divertido e alguns detalhes intrigantes.

Divulgação/Freeform

O maior mérito do primeiro episódio foi a apresentação dos mistérios. Não houve um excesso de informação sendo jogado na cara do público, porém ao mesmo tempo entregaram o suficiente para entendermos a silhueta da história e decidirmos se o assunto é do nosso interesse para acompanhar. Tecnicamente, os efeitos especiais presentes foram satisfatórios considerando as limitações da produção e a trilha sonora foi bem escolhida – aliás, séries adolescentes quase sempre acertam nisso, né? O elenco é mediano, não sendo tão ruim quanto o de Shadowhunters, mas também não possui alguém que mereça destaque especial.

Se você for capaz de ignorar alguns detalhes bobos – o protagonista acordando de um coma de 12 anos com um corpo sarado, uma pessoa inconsciente se comunicando de forma tosca, etc – poderá encontrar em Beyond um passatempo pipoca, caso esteja disposto a isso. A série está ciente de que não passa de diversão, passando longe de ser pretensiosa. Os 10 episódios da temporada inicial já foram liberados online, então pode ser uma opção de maratona para as férias.

E você, conferiu o piloto ou está com vontade? Conta pra gente! 

Possui mais séries na grade do que tempo disponível. Viciado em cultura pop, bandas indies e, principalmente, ketchup.

Curitiba / PR

Série Favorita: Seinfeld

Não assiste de jeito nenhum: Anger Management

  • AHHHHHHH eu já tenho muita série atrasada, mas vou dar uma chance para essa. Ótimo texto!

Desafio: você se lembra de quem foi essa declaração de amor?

2 semanas atráscomentarios

Ah, o dia dos namorados. Aquele momento do ano para espalhar aos quatro cantos nosso sentimento por aquela pessoa especial, que faz o coração acelerar e as palmas da mão suarem. Aquela pessoa por quem você faria qualquer coisa, até mesmo deixar a vergonha – ou o medo – de lado para professar seu amor. Nas séries, existem muitos personagens  que não esperam data especial nenhuma para declarar seu amor, seja num momento de desespero, num pedido de casamento ou só para reforçar aquilo que o parceiro já sabe e Tom Jobim cantava aos quatro ventos: é impossível ser feliz sozinho. Você também acredita nisso e se derrete toda vez que sabe que chegou a hora de surtar, porque vai ter […]

Leia o post completo

Guia da Trilha Sonora: Scream – Season 1

2 semanas atráscomentarios

Entre os poucos pontos positivos que posso destacar em Scream, a trilha sonora fica em primeiríssimo lugar (talvez porque seja da MTV). Misturando canções atuais, dançantes e tristes, que fazem parte da vida dos jovens de Lakewood, a série soube utilizá-las para compor a história e os personagens. Assim, nada melhor do que ouvir as músicas da primeira temporada, agora disponível em uma playlist na nossa conta do Spotify!

Leia o post completo

House of Cards e a Política Brasileira

3 semanas atráscomentarios

Primeiramente, #foratemer. E se você ainda não conferiu a última temporada de House of Cards, não se preocupe, esse texto não contém spoilers, – apenas reflexões. Pra gostar de House of Cards você precisa torcer pelos Underwood. Claro, a gente sabe o quanto eles são escrotos, mas é ficção, certo? Não tem problema torcer pelos vilões. Ou pelo menos era o que pensávamos em 2013, quando a série estreou. Mas de lá pra cá a política mundial virou de ponta à cabeça. Os Estados Unidos elegeram Trump e nós tivemos Temer enfiado goela abaixo. Isso sem contar os acontecimentos dignos da ficção, como a morte de Teori Zavascki, a delação do Joesley e os testes nucleares da Coréia do Norte. […]

Leia o post completo

Siga as nossas redes sociais e fique sempre conectado:

Assine nossa newsletter