Primeiras Impressões: Cara Gente Branca

29 de abril de 2017 Por:

Achou que ia conseguir maratonar em paz as séries da FOX que estão indo embora? Pois bem, a Netflix mais uma vez torna nossa vida difícil. E depois de uma grande onda de debates com 13 Reasons Why, temos a estreia de Cara Gente Branca (ou Dear White People, no original). A comédia é baseada no filme homônimo e aclamado pela crítica, produzido em 2014, e ambas as produções são assinadas por Justin Simien. A série conta com dez episódios de 30 minutos e todos já estão disponíveis para a maratona.

A história começa em uma das mais renomadas universidades dos EUA, a Ivy League Winchester, onde a maioria dos estudantes são brancos. Sam White (Logan Browning) é uma estudante birracial e comanda um programa de rádio que dá nome a série. O programa é uma resposta ao Pastiche, uma publicação com conteúdo preconceituoso e sem a mínima consciência do que faz. Todas as situações giram em torno de uma festa blackface (quando pessoas brancas reproduzem, de maneira estereotipada, as características de pessoas negras), organizada dentro do campus. As organizações de alunos negros se unem para combater tal prática e, em meio a essas questões, ainda há o debate do relacionamento interracial, que é visto como um problema até mesmo dentro do grupo de amigos de Sam. Além dela, outros personagens serão centro da narrativa: Lionel (DeRon Horton), Reggie (Marque Richardson), Coco (Antoinette Robertson) e Troy (Brandon P Bell).

A primeira personagem apresentada e, aparentemente, um dos pilares da série é uma grande escolha. Sam White é um tubarão, tamanha sua coragem de colocar a cara a tapa e expor verdades em um espaço que é opressor de todos os lados. Ao mesmo tempo, ela não é aquela pessoa feita apenas de discursos na aparência e, no fundo, tão hipócrita quanto o que critica. A reviravolta do final (pensou que eu ia jogar o spoiler assim de graça, né!) é uma expressão de sua luta e, ainda assim, de sua fragilidade enquanto ser humano. Posso estar bastante enganada, mas acredito que ela ainda vai surpreender.

Um ponto positivo é que a universidade apresentada na série é bastante crível. Os estudantes parecem mesmo os que encontramos na vida real, assim como os problemas também são. É muito fácil seguir a linha do besteirol americano em que todos os jovens parecem mecanicamente os mesmos, com conflitos superficiais e zero consciência. No entanto, para cumprir sua proposta, Cara Gente Branca escolhe o caminho mais complexo e isso é ótimo. Os estereótipos existem, mas não é aquela técnica bizarra e forçada, eles estão ali para provar seus pontos. A trilha sonora, apesar de não ser tão expressiva quanto poderia, vem na medida certa para ambientar essa pegada jovem e crítica.

Outro detalhe que deu certo foi o narrador, que aparece predominantemente no início de cada episódio. Não é um Lemony Snicket em Desventuras em Série, que além de contar a história, vive a dor dos personagens. Não vemos sua imagem, não fazemos ideia de quem é e, exatamente por seu jeito pomposo de narrar, agrega um tom divertido ao episódio. Também não é um recurso indispensável para a narrativa, mas de fato é uma boa maneira de costurar as cenas e introduzir os pontos de debate que virão a seguir.

No entanto, nada é tão poderoso quanto o texto de Cara Gente Branca. Ao contrário de que muita gente pensou, não é puramente uma sátira, não vem para causar o desconforto com piadas difamatórias nem combater o racismo com ódio. Nenhum personagem é apedrejado, mas sim suas atitudes. E, vamos combinar, atitudes babacas tem que ser combatidas! É interessante também a forma com que eles se recusam a abusar da generalização. O personagem de Gabe é o cara branco que compreende o absurdo das festas blackface e parece se importar com a luta do movimento negro, como uma representação de que existe consciência social em jovens de todas as tribos, por assim dizer. E mesmo sendo um apoiador, ele não sabe o que é o racismo sentido na pele, não cabe a ele levantar a bandeira da batalha. E por último, só não tão importante, as referências às séries são ótimas (oi, Scandal)! Até a CW teve sua ponta.

Mesmo antes da estreia, Cara Gente Branca teve uma recepção bastante controversa. Várias pessoas cancelaram suas assinaturas da Netflix em protesto, alegando que a série promove o “racismo reverso” e até o “genocídio de pessoas brancas”. É uma comédia que trata dos preconceitos raciais em várias facetas e traz no elenco protagonistas negros, algo não muito visto nas produções norte-americanas. Esse embate não é de hoje, nem mesmo vai ser uma série de um serviço de streaming (ou um filme) que vai colocar um fim nas divergências. Mas é inegável que é preciso debater e, acima de tudo, é preciso compreender que Cara Gente Branca não é uma forma de vingança contra o racismo. É um alerta sobre o que acontece (há muito tempo, vamos enfatizar) em quase todos os lugares. O blackface é tão errado e só não ver quem não quer. Basicamente é o que Sam fala em umas das cenas: negro não é uma fantasia – não é pra ser destratado, nem hipersexualizado, é um ser humano com mesmos direitos que qualquer um. E a piadinha que é feita com o negro não gera apenas divertimento de quem a faz; há toda a questão secular de achar que negro é menos confiável, mais propenso ao crime e essas piadas “inofensivas” perpetuam isso.

Acredito que a questão maior é o pré-julgamento. As pessoas que cancelaram a assinatura nem sequer viram um episódio inteiro para pressupor que ela seria prejudicial e difamatória, uma caça aos brancos. Fica o questionamento: a realidade está estampada para todos verem, mas será que as pessoas querem aceitar o que estão errando? Não é bem mais fácil culpar os outros e dizer que o mundo é que está ficando muito chato? Não vou aprofundar o assunto porque num texto de Primeiras Impressões não caberiam tantos tópicos e quem sou eu na fila do pão para discursar sobre isso, mas destaco uma das falas de Justin Simien: Cara Gente Branca é um convite a conversação, ao debate. O assunto precisa ser falado para que sua importância seja compreendida. As situações mostradas na série são verídicas, o racismo existe e o primeiro passo para que ele seja extinto (ou ao menos amenizado) é a compreensão, ainda mais nessa era pós-Obama.

No geral, acredito que Cara Gente Branca seja muito necessária e faz bem seu papel de introduzir o debate. Essa revolta toda que causou é quase um episódio a parte da série, mais uma demonstração de que dói colocar o dedo na ferida. Não é uma série perfeita, mas nem de longe apresenta defeitos comuns das comédias que vem sendo lançadas todos os anos. Parece ser bem estruturada e se propõe a apresentar seus personagens de forma com que seus problemas e seus conflitos pessoais sejam aprofundados. Eles claramente não são versões de uma mesma pessoa. Não é aquela comédia que você vai ver para passar o tempo ou driblar o tédio e certamente vai encontrar muito textão sobre ela no Facebook com opiniões das mais diversas. Acima de tudo, não é uma série sobre jovens negros escrita sob a ótica de uma pessoa branca, que só tem uma ligeira ideia do que está falando e aí está a mina de ouro dela.

E você, o que achou de Cara Gente Branca? Qual sua opinião sobre as polêmicas que ela gerou? Vem comentar aqui com o Apaixonados por Séries!

Jornalista apaixonada pela cultura pop e pela tecnologia, Descobriu a paixão pelas séries um pouco tarde, com Chuck - mas desde então não parou mais. Nutre um carinho...

Ler perfil completo

Passos/MG

Série Favorita: Doctor Who

Não assiste de jeito nenhum: Game Of Thrones

  • Mayara Sanpe

    Maratonei essa série ontem e tenho que dizer: que ótima surpresa! Personagens que não representam nem o bem e nem o mal, o texto afiadíssimo e as situações atuais sendo abordadas. Gostei bastante, mesmo eu crendo que o episódio mais fraco foi o finale, mas recomendo demais!

    • Giovanna Hespanhol

      O que mais me chama a atenção é o texto. Incrível, né? Ainda não cheguei até o último, mas que pena que o finale é o mais fraco! Vamos recomendar mesmo que precisamos desse debate, a série merece muito ser divulgada!

  • Reader

    Nossa, cancelar uma assinatura de um serviço por uma série que a pessoa ainda nem assistiu é o cúmulo da falta de perspectiva de diálogo, né? Já tinha ouvido falar da polêmica, mas gostei bastante de ouvir falar da série (que é o que importa). Obrigada por compartilhar. Finalista na minha lista de maratona!

    • Giovanna Hespanhol

      Exatamente! E o medo do que poderia ser mostrado? Pode colocar na maratona, é uma série que vale a pena ser vista com certeza.

  • Renata Carneiro

    Série maravilhosa!!! Sem palavras! Mais um tiro da Netflix! Incrível!

    • Giovanna Hespanhol

      Com certeza, Renata! Netflix mandou muito bem.

  • Gizelli Sousa

    Giovanna, que texto incrível. Me deixou muito curiosa.

    • Giovanna Hespanhol

      Obrigada pelo comentário, Gizelli. Se tiver um tempo, veja sim! É muito bom e necessária.

  • adrianocesar21

    Excelente texto!!! A série é otima e realmente, doeu colocar o dedo na ferida… infelizmente a serie segue sendo atual.. esse semana mesmo o jovem Jordan Edwards de 15 anos foi morto pela Policia americana… os jovens americanos passam por um racismo velado e explicito que mesmo quem testemunha o racismo aqui no Brasil nunca vai entender.. por isso Dear White People é tão bem vinda e discutir e refletir sobre ela é necessário

    • Giovanna Hespanhol

      Infelizmente sim. É uma série real e difícil de engolir exatamente por isso. As pessoas muitas vezes não querem aceitar que o racismo existe, preferem fechar os olhos e deixar que os outros sofram. E sendo uma tentativa de mostrar ao menos uma parte disso, já acho super válido. E muito obrigada pelo comentário!

  • Helaine Marina

    Engraçado como as pessoas tentaram boicotar essa série, antes mesmo da sua estreia. Muitos (as) alegaram “racismo reverso” e outras barbaridades só pelo fato de não aceitarem o seu privilégio branco. A série é um tapa na cara, uma sátira, que tenta, da forma mais didática possível, mostrar o mínimo de opressão sofrida durante toda a vida. E é possível, ainda assim, que mesmo vendo todo nosso contexto social, analisando os diálogos e as falas da Sam e dos (as) outros (as) personagens, vai existir uma só pessoa pronta para deslegitimar o debate, minimizar nossa causa e aumentar a dor, o sofrimento e a opressão.

    A série poderia e deveria ser mais debatida, e ter a mesma comoção que teve 13RW, no entanto, não vejo NINGUÉM falando sobre ela. Cadê os textões falando sobre a série, cadê as pessoas listando e fazendo campanha para acabar com o racismo? Dear White People trata sobre o racismo velado, institucionalizado e cotidiano, e é surreal a forma como as pessoas não se importam com isso. Não se importam se somos hostilizados (as) ou não, se somos excluídos (as), perseguidos (as), mortos (as). O racismo não choca gente branca.

    Muito bom texto, Gio! Parabéns e espero que tenha gostado da série tanto quanto eu. Beijocas!

    • Giovanna Hespanhol

      É um imenso tapa na cara mesmo, né? Incomodou bastante esse fato de que a série não está sendo discutida por aí. Por dias, procurei alguma menção no facebook (como realmente tiveram várias com 13RW) e nada! É uma ótima oportunidade para se falar sobre, procurar formas, mesmo que pequenas, de mudar atitudes que humilham e diminuem os negros. Devia ser exibida nas escolas (os discursos da Sam, pelo menos), ser tema de palestras e coisas do tipo. É fácil, está tudo ali na Netflix, né?
      Helaine, ainda não vi tudo, mas estou gostando bastante. Obrigada pelo comentário e pela contribuição!

  • Gustavo Drosdosky

    Essa série é maravilhosa, já estou vendo pela segunda vez. Ela é bem inteligente

  • paulo yan

    Amei demais a série, maratonei ela em um dia, e o seu texto foi muito bom. Espero que mais pessoas possam assistir e gostar. Abs…

Com pais como estes, hoje é um dia para esquecer

5 dias atráscomentarios

Existe um ditado que diz que a vida imita a arte (ou vice-versa) e isso sempre se mostra realidade quando comparamos as séries que assistimos à vida real. Claro que ainda não descobrimos um universo paralelo, uma cabine telefônica que nos transporte por aí ou que alienígenas têm planos de conquistar a Terra, mas muitas vezes a realidade é espelhada nos roteiros das histórias que mais amamos. House of Cards está aí para comprovar essa teoria, se compararmos os acontecimentos aos fatos que vemos nos noticiários todos os dias. Com os pais não poderia ser diferente. Existem pais que assumem o papel integral da criação da criança, pais que são os melhores amigos dos filhos, filhos que têm dois pais, pais de […]

Leia o post completo

5 momentos incríveis da 2ª temporada de Master of None

5 dias atráscomentarios

Somos apaixonados por Master of None por aqui. Depois de uma primeira temporada sucinta, porém arrebatadora, esperamos quase dois anos (ou foi mais que isso?) para reencontrarmos Dev em um novo momento da sua vida. E, ao longo de dez episódios, tivemos a oportunidade de passear por muitos momentos incríveis na companhia do personagem, com um roteiro extremamente crítico e que faz com que a gente pare, reflita e mude algumas atitudes tão intrínsecas do nosso ser. Por isso, separamos (só) cinco dos grandes momentos dessa nova temporada, para revisitarmos e te convencermos de que, se você ainda não viu, essa é a hora para parar tudo que está fazendo e devorar o segundo ano de Master of None.   […]

Leia o post completo

Gypsy

6 dias atráscomentarios

Confesso que a princípio eu achei que Gypsy fosse um filme, afinal Naomi Watts e Billy Crudup são atores que estamos mais acostumados a ver na telona. Estranho ter um casal desse porte em uma produção para telinha do Netflix. De fato, Gypsy não é como a maioria das séries que estamos acostumados. Tem uma cinematografia de tirar o fôlego e um enredo que se desenvolve sem qualquer pressa. Com episódios de 50 minutos em média, Gypsy é quase um estudo de personalidade da sua protagonista, Jean Holloway, vivida por Naomi Watts. Ela é uma psicóloga, casada com Michael, um advogado que parece ter uma vida normal no subúrbio dos EUA. Tudo é muito sútil no início, mas vamos notando […]

Leia o post completo

Siga as nossas redes sociais e fique sempre conectado:

Assine nossa newsletter