Os indicados ao Globo de Ouro 2018

As nomeações à 75ª edição do Globo de Ouro foram anunciadas nesta segunda-feira pela manhã por…

Primeiras Impressões: Dark

Dark é uma produção alemã de suspense e terror, criada por Baran do Odar e Jantje…

Primeiras Impressões: Dark

Por: em 2 de dezembro de 2017

Primeiras Impressões: Dark

Por: em

Dark é uma produção alemã de suspense e terror, criada por Baran do Odar e Jantje Friese, lançada no Brasil pela Netflix no dia 1 de dezembro. O elenco principal traz Louis Hofmann, Oliver Masucci, Jördis Triebel e Maja Schöne.

O piloto de Dark é como um truque de mágica. Ele te deixa ver parte do que está acontecendo, mas esconde o principal, o que está por trás. Captura sua atenção com tantos detalhes que é difícil saber para onde exatamente olhar. E, por fim, como disse Mikkel, a questão não é como, mas quando. O tempo é um peça-chave na série, e tão importante quanto seus personagens.

A história se passa em uma pequena cidade alemã, sem registros comuns de violência, que lida com o desaparecimento praticamente sem pistas de um adolescente, um caso que pode estar relacionado a outros acontecimentos semelhantes no passado. O piloto mostra os primeiros impactos na rotina das pessoas: como os colegas de escola lidam com isso, que linha a polícia tenta seguir, e como o caso afeta até mesmo o turismo no local.

Há um forte senso de comunidade naquela pequena cidade, em que todos se conhecem e todos os núcleos possuem alguma conexão. O que ajuda na coesão da narrativa, mas também dificulta um pouco o entendimento inicial sobre as relações dos personagens e a cronologia dos acontecimentos. Mas suspeito que essa seja a intenção inicial do roteiro: jogar todas as peças de uma vez, sobrepondo umas às outras, para depois arrumar tudo e revelar o verdadeiro quadro.

Outro elemento que parece comum a todos os personagens é a inquietação de assuntos mal resolvidos, e a dificuldade de comunicação entre eles. Os diálogos são repletos de entrelinhas, quase ninguém diz tudo o que pensa. O que, obviamente, é um recurso comum em obras de mistério, mas mais do que isso, é um sinal de como aquelas relações são difíceis, e como todos eles compartilham algum tipo de angústia coletiva que não conseguem expressar.

Não é uma série de fácil digestão, e isso fica claro desde a primeira cena, exibindo um suicídio. Outros momentos pesados e temas inconvenientes já se revelam neste primeiro episódio, mas nada é gratuito e todas as pessoas e ações estão conectadas de alguma forma dentro daquele tempo-espaço. Parece abstrato demais? Pois é mesmo. A série entrega muito mais perguntas que respostas neste primeiro momento.

Aliás, um dos méritos de Dark é conseguir convencer o público de que é algo novo e original, ao mesmo tempo em que traz elementos familiares para quem gosta de The OA, Stranger Things e romances de Stephen King. Talvez o ritmo alemão ajude a desassocia-la da maioria das séries que consumimos por aqui.

Não dá para me aprofundar muito mais neste episódio considerando que ele em si não é muito revelador, e que a intenção deste post é não dar spoiler para ninguém. Mas a série é uma boa pedida para quem curte suspense, investigações, teorias da conspiração e está no clima de encarar um drama mais denso.


Laís Rangel

Jornalistatriz, viajante, feminista e apaixonada por séries, pole dance e musicais.

Rio de Janeiro / RJ

Série Favorita: Homeland

Não assiste de jeito nenhum: Two and a Half Men

  • Claudiano Pereira

    Ótimo texto parabéns <3

  • Samuel Queiroz

    Ótima Review! Estou no sétimo episódio e a série só melhora. Os primeiros episódios são difíceis mas as coisas vão se encaixando pouco a pouco.

  • Gostei da série. Não curti tanto o piloto por todas as informações jogadas de uma só vez, mas o segundo me atraiu bastante, parece que começou a trabalhar melhor a história. Acho que um dos únicos pontos negativos que achei importante notar foi a trilha sonora, que às vezes parece não combinar com o momento, apesar de ser boa.

    • Cinema7

      Lucas, talvez vc até tenha razão na sua opinião sobre a trilha sonora (que às vezes parece não combinar com o momento – embora eu não tenha tido essa sensação), mas, pra mim um dos pontos altos da série são as canções utilizadas (todas desconhecidas pra mim). Fui até buscar no youtube e baixei todas!…hehe

  • Renata Carneiro

    Sua review disse tudo, Laís. O piloto deixou tantas perguntas no ar, que acaba que não dá pra sacar se por ele, a série vai ser boa, se eles vão conseguir amarrar tudo. Mas, apesar disso, fiquei bem curiosa e continuarei assistindo.

  • Cinema7

    Estou gostando bastante da série, embora esteja apenas no episódio 4. Voltei para revê-la desde o episódio 1, e acabei entendendo melhor a trama e a conexão entre as personagens principais. Acho até descabido compará-la com Stranger Things, que é bem mais light e direcionada para todos os públicos (incluindo adolescentes e crianças). Dark é para um público adulto, tem um clima muito mais pesado (como já diz o título). Embora ainda não tenha concluído a primeira temporada, espero que a Netflix a renove para uma segunda.

    • Aninha

      comentei acima, o outro alguém é você. Stranger things nem se compara a essa série

  • Aninha

    Até que enfim achei outro alguém que não compara com stranger things, que por sinal é bem infantil em relação a essa série. Me lembrou mais a 11 22 63, que já é um tema mais adulto, um suspense bem mais interessante. Vi até o episódio oito. Achei muito bem feita a série.

    • Filipe Dias

      Pessoal compara demais as coisas, realmente não vejo nada de ST nela, a não ser pelo fato de um sumiço misterioso, mas isso não foi inventado pela série, né?

      Eu gostei demais do clima da série o do “ritmo alemão” que gosto tanto no cinema

      • Aninha

        terminei de ver ontem! série muito boa, me agradou demais. acredito que terá uma segunda temporada, assim espero.

  • Gleydson Dutra

    a série é muito boa. a jogada de deixar muitas informações soltas na trama é brilhante. faz voce rever o capitulo e prestar atenção em coisas que estão no plano de fundo da cena. Não é uma série disney(rs). Ela dará um nó em sua mente tentando decifrar o passado presente e futuro e os personagens que passeiam por ele. tive de rever os episódios 4 a 8 para depois assistir o episódio 9 e 10. Se não gosta de tramas difíceis nem veja.

  • Julio Cesar Santos

    Comecei a ver agora e parece ser bem interessante. Mas o que me chamou a atenção foi o fato de não ser uma produção que segue à risca o formato de Hollywood para mistério. Isso pode ser um diferencial no desenvolvimento da série.

×