Primeiras Impressões: Feud: Bette and Joan

8 de março de 2017 Por:

Um Feud (rixa, em tradução livre) é um argumento que existe há muito tempo entre duas pessoas ou grupos e que causa muita raiva ou violência. É com essa premissa que Ryan Murphy inicia sua nova série antológica, narrando as grandes batalhas de egos entre personalidades de diversos campos, mas que tiveram algo em comum, a atenção exacerbada da mídia.

A primeira temporada é centrada na inimizade entre Bette Davis e Joan Crawford, que tomou proporções bíblicas durante as filmagens do clássico filme O que terá acontecido a Baby Jane?.

Murphy é fã de Bette Davis e teve oportunidade de entrevistar a atriz meses antes de sua morte. O que seria uma entrevista de 20 minutos se estendeu por mais de 04 horas. Um dos temas que o deixou mais interessados foi que, ao perguntar sobre Joan Crawford, Davis deixou claro o quanto odiava a atriz, mas deixava escapar que a admirava por ser tão profissional. É com essa dicotomia de sentimentos em mente que Murphy começou a desenvolver os planos para a série, com base em um roteiro original para filme chamado Best Actress, escrito por Jaffe Cohen e Michael Zam.

O episódio piloto foca nos acontecimentos que antecedem ao inicio das filmagens, nos situando no momento pessoal da vida das atrizes que, agora na casa dos 50 anos, não conseguiam mais trabalhos frequentes ou, quando conseguiam, eram papeis sem importância ou em teatros (nada perto do glamour de Hollywood). Desesperada e a beira de um colapso financeiro, Joan Crawford (Jessica Lange) inicia a busca de um trabalho que faça jus ao seu talento e grandeza. É então que encontra o livro O que terá acontecido a Baby Jane?, do autor Henry Farrell.

Para quem não assistiu ao clássico, Baby Jane conta a história de uma atriz infantil que, após perder o sucesso pela falta de talento, começa a perder controle de suas faculdades mentais e, para se vingar de sua irmã Blanche, que também era atriz, mas essa sim possuía real talento e brilho, a atropela e a deixa em uma cadeira de rodas. O resto do filme é um jogo mental de cárcere privado e sobrevivência, para ver quem (ou se alguém) sairá viva da mansão.

Pelo plot do filme, fica claro que são necessárias 02 atrizes de peso. Obviamente Joan será Blanche, a irmã com talento para interpretação, mas ela precisa de alguém que não tenha medo de se atrever e se entregar ao personificar a irmã insana. Não há ninguém melhor em Hollywood do que Bette Davis (Susan Sarandon) para essa tarefa. Mesmo com algumas rusgas no passado, ambas percebem que esse é o momento ideal para trabalharem juntas pela primeira vez, não apenas pela situação em que se encontram (com oportunidades praticamente nulas de trabalho), como por terem um roteiro inovador para o período que pode abrir portar jamais sonhadas. Mas, será que essas mulheres com egos tão inflados conseguirão ficar tanto tempo juntas sem se odiarem mortalmente?

Feud é uma série extremamente detalhista em sua produção. Cada cenário foi projetado para ser o mais parecido o possível com os originais da época, com a equipe tendo o cuidado de consultar o decorador original de Joan Crawford para recriar os detalhes de seu quarto. O figurino está divino, não apenas nos vestidos, mas nas cores que são característicos da época. A trilha sonora é uma delícia de ouvir, desde os sucessos do rádio da época, até a música instrumental totalmente característica. Nós já começamos a entrar no clima pela abertura feita em desenhos bem estilizados, em uma vibe bem A Feiticeira.

Mas não adianta ter uma ambientação perfeita se as atuações não estiverem a altura, e nesse quesito, talento é o que não falta. Jessica Lange está maravilhosa com sua Joan Crawford, nos mostrando toda sua aparente futilidade, mas clara preocupação com a sua carreira. Os momentos em que vemos Joan percebendo pela primeira vez os sinais do tempo na tela são tocantes e fáceis de se identificar. A Bette Davis de Susan Sarandon está no ponto certo, desde os maneirismos físicos como sua voz bem específica estão representados de maneira respeitosa e crível, conseguindo escapar da caricatura que poderia cair se exagerasse nas cores.

A série ainda possui outros grandes nomes de Hollywood, como Alfred Molina, que interpreta Robert Aldrich, diretor do filme; Stanley Tucci é Jack L. Warner, dono dos Estúdios Warner; Jackie Hoffman é Mamacita, fiel criada de Joan Crawford; Judy Davis é Hedda Hopper, uma repórter de fofocas. Além disso, temos participações especiais de Catherine Zeta-Jones e Kathy Bates como atrizes amigas de Bette e Joan que foram convidadas a participar de um documentário estilo E! True Hollywood Story.

É interessante notarmos que mais da metade do elenco são mulheres e, em sua maioria, com mais de 40 anos. Além disso, metade dos episódios serão dirigidos por mulheres (entre elas, Helen Hunt). Murphy acredita que é necessário incentivar e amentar a presença de mulheres em posições de produção na televisão e cinema, por isso, formou a Half Foundation com esse intuito. Feud é a terceira série que se beneficia de tal projeto, após American Horror Story e American Crime Story.

Apesar de a trama tratar da inimizade entre 02 mulheres, devemos perceber o contexto em que ela está inserida. A indústria de Hollywood sempre foi muito sexista e misógina, ainda mais na década de 60. Ao mesmo tempo em que nos entretemos ao ver essas grandes personalidades se engalfinhando, Murphy nos mostra, de forma discreta, como a indústria influencia e até mesmo apoia tal comportamento, de modo a controlá-las e fazer mais dinheiro. Enquanto Bette e Joan destilam veneno entre si, nós testemunhamos como elas não passam de vítimas de um sistema opressor e que só funciona para servir ao homem branco que está no poder.

A série estreou com uma boa audiência, a maior do canal FX na semana, com 2,26 milhões assistindo ao vivo. Para comparação, Fargo estreou com 2,66 milhões, enquanto Legion, que foi considerada um tremendo sucesso, estreou com 1,6 milhões. Feud não teve muito público jovem assistindo, o que significa que a serie conseguiu trazer uma nova leva de espectadores para o canal, o que pode trazer novas oportunidades para expandir o catálogo de shows para territórios ainda não explorados.

Resumindo, Feud está uma delícia de assistir e está tão bem escrita que pode ser apreciada em vários níveis. Para quem quer apenas ser divertir, temos uma incrível história entre 02 celebridades que se odeiam e farão de tudo para se destruir. Quem gosta de entender como funcionada a máquina de Hollywood, vai vivenciar os bastidores daquela época com fidelidade. Quem é militante, poderá observar e estudar todos os momentos de sexismo e misoginia e traçar um paralelo com a nossa realidade atual. Não importa o que você busque, tenho certeza que vai sair satisfeito no final!

Aproveito para ouvir a delicinha que é o soundtrack desse episódio. Já compra uns moveis tons pastel e se transporte para a década de 60 por alguns instantes:


O que você achou da premiere de Feud: Bette and Joan? Deixe suas opiniões nos comentários!

E de brinde, a incrível abertura da primeira temporada:

Professor de idiomas com mais referências de Gilmore Girls na cabeça do que responsabilidade financeira. Fissurado em comics (Marvel e Image), Pokémon, Spice Girls e qualquer mangá das...

Ler perfil completo

São Paulo / SP

Série Favorita: Gilmore Girls

Não assiste de jeito nenhum: Game of Thrones

  • Diego Sabino

    Estou sem palavras para descrever o quanto essa série é maravilhosa ! Amo a Sra Davis e O que terá acontecido a Baby Jane ? . A série do ano eu acredito . Me encheram os olhos !!!

    • Paulo Halliwell

      Eu devo admitir que sou um pecador e ainda não vi o filme!!! Perdão!!!!!! Rsrsrs
      Mas pretendo me redimir dessa falha esse fim de semana!
      A série realmente promete ser incrível em todos os sentidos. Além de um roteiro maravilhoso, seremos agraciados com essas atuações perfeitas de atrizes que finalmente estão participando de séries.
      É a nova era de ouro da televisão!

  • Gleidson Oliveira

    Como escravo de Ryan Murphy, não pude perder Feud. E que série, meus caros! Já tinha assistido ao filme e rever algumas cenas icônicas em novos ângulos foi uma delícia. Sempre fui fascinado pelas histórias dos astros do cinema da Era de Ouro. Feud é um presente. Saber mais da história dessas duas lendas é maravilhoso. Saber o quanto as duas eram fortes e lutaram para ser reconhecidas. As atuações são monstruosas e mal posso esperar pelos próximos episódios. Só poderia corrigir duas coisas: o nome do autor do livro é Henry Farrell e Feud não é a primeira série do Ryan a se beneficiar da Half Foundation, American Horror Story e American Crime Story já o fizeram. Ótima review.

    • Paulo Halliwell

      Olá, Gleidson.
      Muito obrigado pela correções, já atualizei o texto com as informações corretas.
      Lukas Heller foi o roteirista do filme, acho que me confundi na hora de checar o nome, rsrs
      Também estou louco pelos próximos episódios, e fiquei no site, pois faremos análises semanais! 😉

  • Bruno D Rangel

    Vou assistir urgente ao filme e logo depois o segundo episódio. Fiquei maravilhado com a história e adoro uma boa treta haha.
    Sou fã incondicional de Jessica Lange e órfão de AHS desde que ela saiu. Bom demais matar a saudade dela.
    O piloto passou voando, mesmo não sendo o tipo de série que gosto, achei sensacional e vou continuar acompanhando.
    Paulo, parabéns pelo texto. Teremos reviews semanais aqui no site?

    • Paulo Halliwell

      Olá, Bruno!
      Eu também sou fã de um barraco, desde Maria do Bairro e A Usurpadora!
      É a primeira série do Ryan Murphy que assisto e olha, só tenho elogios a fazer.
      Sim, teremos reviews semanais. O texto do segundo episódio já está escrito e vou postar daqui algumas horas, pois vou entrar em aula agora, falta apenas selecionar as imagens.
      E muito obrigado, que bom que gostou do texto! 🙂

5 Motivos para assistir Shooter na Netflix!

7 dias atráscomentarios

Uma daquelas séries pouco conhecidas do grande público, Shooter estreou na Netflix recentemente e merece destaque. Baseado no livro de Stephen Hunter, Point of Impact, que também inspirou, em 2007, um filme estrelado por Mark Wahlberg (atual produtor da série) Shooter é um drama político com muitas cenas de ação. Bob Lee Swagger (Ryan Phillippe) é um atirador de elite reformado que é persuadido a voltar em ação depois de ser informado de um plano para matar o presidente americano. Aparentemente, o enredo parece mais uma das propagandas de orgulho norte-americano com direito a armas e patriotismo, mas vai além disso, e consegue te prender do início ao fim. A primeira temporada contém dez episódios, e se você ainda não […]

Leia o post completo

Vale Cada Minuto – Good Witch

1 semana atráscomentarios

Existe um pouco de mágica em cada um. Já faz algum tempo a Netflix vinha me recomendando uma série: Good Witch. A sinopse tinha me chamado atenção, mas por motivos desconhecidos eu ainda não havia começado a assisti-la, até que um dia isso mudou. E ainda bem que mudou. A série é uma continuação dos oito (OITO) filmes lançados pela Hallmark Channel, um canal da TV a cabo americana focado em programação para família, contando principalmente com filmes, séries e programas de estilo de vida. O primeiro foi lançado no ano de 2008 e os outros consecutivamente, até 2014. A série é um drama água com açúcar, daqueles que é bom de assistir no fim de um dia cansativo, pois […]

Leia o post completo

Músicas que conhecemos através das séries

1 semana atráscomentarios

Uma das melhores coisas que as séries podem nos proporcionar são suas incríveis músicas. Algumas dessas músicas já conhecemos, mas não dávamos tanto valor até ouvir de novo; outras ouvimos pela primeira vez e nos apaixonamos logo de cara. É tão bom assistir um episódio, ir procurar no Youtube e depois baixar no computador ou no celular aquela canção que fez parte da abertura, de um beijo esperado do casal, dos minutos finais… Enfim, de muitos momentos expressivos que precisavam de um toque ou uma letra no fundo. Então, vem comigo embarcar nesse post de sentimentalismo e ouvir as músicas que eu tive a oportunidade de conhecer pelas séries. Bad Reputation Freaks and Geeks tem toda aquela inspiração de ser jovem e livre, […]

Leia o post completo

Siga as nossas redes sociais e fique sempre conectado:

Assine nossa newsletter