Primeiras Impressões: Incorporated

3 de dezembro de 2016 Por:

Incorporated se passa no ano de 2074, em que, após drásticas mudanças climáticas que devastaram o planeta, causando fome, e levando os governos a falência, quem domina o mundo são as grandes corporações. Elas lutam por market share e pelo controle dos escassos recursos naturais. Nesse mundo, quem trabalha para as corporações vive nas Zonas Verdes e quem não trabalha vive nas favelas das Zonas Vermelhas.

A premissa não tem nada de novo, desde 1984 e Admirável Mundo Novo, muitos futuros distópicos fizeram parte do nosso imaginário. O que pode diferenciar Incorporated de outras narrativas especulativas é a fotografia e a maturidade com a qual trata os assuntos. Desde o início do episódio, com texto explicativo para situar o expectador no mundo em que vai entrar, o episódio piloto nos mostra que não está interessado em enrolação. Esse uso de texto em audiovisual, gera uma certa desconfiança, afinal a regra do jogo é mostre, não fale. Dado o contexto do episódio no entanto, achei válido. A verdade é que eu prefiro texto explicativo no início do que diálogo brega didático no meio da série.

Incorporated Spiga

O primeiro episódio já põe a plot para funcionar. Somos apresentados a Ben Larson, nosso protagonista, que vai nos conduzir neste mundo corporativo. Ben se encontra em uma situação complicada. A verdade é que ele tinha outros objetivos quando se infiltrou na empresa, mas isso já faz seis anos. Ben é aquele amigo que todos temos que só colocou terno e gravata para trabalhar por um tempo e financiar seu mochilão depois da faculdade – e nunca mais saiu de lá. No decorrer dos anos, ele encontrou aliados, fez alguns amigos e achou uma noiva. Várias coisas o prendem a Spiga além do seu objetivo original e o personagem vai começar a sentir a pressão de todas elas a medida em que pequenas mudanças ocorrem ao seu redor: o software no qual está trabalhando, a esposa que quer ter filhos, o acesso privilegiado a informações e as suas conexões na zona vermelha.

A zona verde, onde Ben vive, é uma bolha. As favelas são escondidas por murais eletrônicos, uma versão tech do que foi feito no Rio de Janeiro para as Olímpiadas; os ambientes assépticos, cheios de vidros para cercear a privacidade dos executivos; a violência banalizada a ponto de sequestros e mutilação serem normais e facilmente reversíveis. Basta trabalhar para uma grande corporação para ver o mundo cor de rosa e tudo que ela pede em troca são trabalho duro e lealdade. Parece justo?

Incorporated Highway

Incorporated é o primo rico e mais velho de 3%. As duas séries tratam de futuros distópicos não muito distantes e fazem questionamentos muito atuais e processos seletivos tensos. Onde a série brasileira deixou a desejar, por certo amadorismo, Incorporated foi impecável. Spiga é sufocante, com seus escritórios envidraçados, a falta de privacidade e um clima pesado de futuro à la anos 50, em contraste com os bairros onde os funcionários moram, que mais se parece um rico subúrbio americano. O elenco que tem Sean Tale, um ator pouco conhecido no papel principal, mas que segurou bem o personagem, conta ainda com a  maravilhosa Julia Ormond e Dennis Haysbert, que mostra uma calma assustadora. Por fim, a fotografia complementa perfeitamente a narrativa.

Se por um lado não houve nenhum momento de impacto no piloto, talvez dado ao fato de que a violência foi completamente banalizada nesta sociedade, ele parece meticulosamente pensado. O episódio é rico em detalhes, como as notícias de desastres na televisão e o “champagne” norueguês ser o melhor do mundo e a melhor referência a pornô da história – sério! São essas particularidades que me fazem acreditar que a jornada de Ben Larson, ainda que não seja a mais original, tem tudo para ser um excelente entretenimento e fazer a gente questionar um pouco o valor do trabalho nas nossas vidas.

A série vai ao ar as quartas-feiras pelo canal Syfy e tem como produtores executivos Ben Affleck e Matt Damon.

Apaixonada por histórias, em todos os formatos, conta com listas enormes de livros que quer ler e filmes e séries para assistir.

Porto Alegre / RS

Série Favorita: House of Cards, Game of Thrones, Scandal

Não assiste de jeito nenhum: Once upon a time...

  • Estava muito ansioso para essa série. Tanto pelo tema quanto pelo Sean Teale hahaha fiquei feliz que as primeiras impressões foram positivas, então já vou ir ver o episódio. Ótimo texto!

    • Mariane Lima

      Obrigada! Depois conta o que achou do ep. 😉

  • Gulliter Henrique

    Achei a série muito interessante e bastante promissora. Adorei a review.

    • Mariane Lima

      Opa! Obrigada! Também achei a série promissora, ansiosa para ver como se desenvolve.

  • DarkAngelblue

    hj em dia a gente nem sabe se começa a ver depois não tem nem 2 temp

  • Heitor Oliveira

    Que felicidade, vi a série quando vazou o primeiro episódio após a pré-estreia, 3 semanas antes da estreia oficial, e gostei muito, estou feliz que esta série está tendo reviews semanais, vou acompanhar com gosto!

Casais que ainda nos fazem acreditar no amor

5 dias atráscomentarios

Com o passar dos tempos e relacionamentos na vida de qualquer pessoa se tornou comum chegar a fatalista conclusão que o tal do amor verdadeiro entre casais se encontra cada vez mais escasso, uma ideologia desanimadora fortalecida e concretizada por decepções, traições, brigas, enfim, acontecimentos que impulsionam um descredito quase que total no ideário de uma vida a dois. Apesar de tudo, o amor de maneira alguma se encontra morto, somos nós quem damos o azar de cruzar com o pior que a vida pode dar! e os casais da ficção desta lista são exemplos de muitos que ainda nos fazem acreditar no amor… Haley e Nathan – One Tree Hill Com a premissa de um relacionamento jovial e colegial bastante clichê, o casal formado por Haley (Bethany Joy Lenz) e […]

Leia o post completo

Please Like Me

6 dias atráscomentarios

Em 2011, o Brasil começou a contar com uma alternativa às operadoras de TV por assinatura: a Netflix. O serviço de streaming logo caiu nas graças do público nacional, especialmente pelo valor muito mais barato quando comparado às empresas tradicionais. Mas tirando o aspecto financeiro, o seu maior trunfo é seu catálogo, que conta com uma ampla programação de diversos países. Atualmente é bem simples assistir séries fora do eixo mais mainstream. Temos acesso a várias produções fora dos EUA na ponta do nosso controle remoto, sem nem precisar esperar um horário específico de transmissão. É nesse novo cenário que séries como Please Like Me podem se tornar queridinhas fora de seu país de origem. A série australiana apresenta uma […]

Leia o post completo

Os vencedores do Globo de Ouro 2017

1 semana atráscomentarios

Surpreendente. Esta é uma excelente palavra para descrever o Golden Globe Awards deste ano. Os maiores astros do cinema e da televisão estavam sentados diante das grandes mesas do magnífico hotel Beverly Hilton, em Beverly Hills, enquanto a premiação acontecia. A 74ª edição do Golden Globe Awards foi ao ar na noite de domingo (08/01), às 23h00 (horário de Brasília) e contou com a apresentação do comediante e apresentador Jimmy Fallon. Com direito a uma apresentação musical, referenciando o filme La La Land, com vários personagens de séries, à Sarah Paulson ganhando o prêmio de Melhor Atriz, pela minissérie The People v. O.J. Simpson: American Crime Story, à Evan Rachel Wood (Westworld) indo de terno porque ninguém é obrigada a usar vestido, e a uma incrível […]

Leia o post completo

Siga as nossas redes sociais e fique sempre conectado:

Assine nossa newsletter