Primeiras Impressões: Room 104

30 de julho de 2017 Por:

O que esperar de uma série antológica, cujo elo de ligação entre os episódios é o quarto de um hotel? Drama, comédia, terror, suspense, romance? Assim como o trailer da série, a premissa de Room 104, nova série antológica da HBO, criada pelos irmãos Jay e Mark Duplass (criadores de Togetherness), deixa em aberto inúmeras possibilidades, que devem abordar todas essas categorias.

Com 12 episódios nessa primeira temporada, que irão contar uma história diferente por capítulo, a ideia da dupla de criadores é mostrar tudo o que acontece no quarto 104 de um hotel de beira de estrada. E, divagando sobre o tema, um quarto de hotel pode ser realmente cenário dos mais inusitados e variados acontecimentos. Entre os protagonistas do seriado, estarão Amy Landecker (Transparent), Mae Whitman (Parenthood), James Van Der Beek (Dawson´s Creek e HIMYM) e o próprio Jay Duplass.

Divulgação/HBO

Ralphie, o episódio de estreia de Room 104, conta a história de uma babá, Meg (Melonie Diaz), contratada por Bradley (Ross Partdrige), para cuidar por uma noite de seu filho, Ralph (Ethan Kent). O inusitado pra mim, começou logo aí, já que para ir a um encontro, o pai deixa uma babá até então desconhecida, responsável por cuidar de seu filho, em um local também desconhecido!?! Desprendimento, irresponsabilidade, costume? Pelo que vamos descobrindo aos poucos, parece ser um pouco de cada. E a babá, acostumada a lidar com crianças e sua imaginação fértil, acaba sendo conduzida a uma situação inimaginável, no que aparentava ser apenas mais uma noite normal de trabalho.

Talvez um dos pequenos pecados de Ralphie esteja no timing. A curta duração (30 minutos), que pode ser um grande acerto em certo tipo de histórias, nessa especificamente, parece ter sido o ponto fraco. Em um episódio onde a intenção é criar um suspense/medo numa relação entre uma criança e um adulto, ou o roteiro deve ser muito preciso, ou o fator tempo é que passa a ser crucial para que esse sentimento possa ser bem desenvolvido no telespectador. A impressão que ficou, pelo menos pra mim, é que faltaram aqueles 10 minutinhos para que a gente pudesse se familiarizar mais com os personagens e se envolver verdadeiramente com a história, a ponto de acreditar mesmo nela.

Reprodução/HBO

Ainda assim, a dupla principal, Meg e Ralph, está bastante afinada e trabalhou bem essa relação que acontece em um contexto onde seus personagens acabaram de se conhecer. O roteiro, escrito por Mark Duplass, entrega partes-chave da história, que criam um ambiente onde o suspense, desconfiança e medo vão se instalando aos poucos, mas de forma insuficiente. A impressão final é que a história ficou meio over e um pouco inverossímil.

Mas, talvez tenha sido essa mesmo a intenção dos irmãos Duplass, já que em entrevista sobre a série, a dupla comentou sobre a necessidade de se produzir conteúdo despretensioso e leve. Ao abordar as vantagens de se produzir uma série antológica, Mark fez graça sobre a obrigatoriedade criada em torno de certos seriados: “nessa era em que estamos, todas as séries parecem ser parada obrigatória. Não sei vocês, mas eu me sinto pressionado para me atualizar em certas séries”. Já Jay, comparou Room 104 com o Tinder da TV: “a nossa série vai ser diferente. Somos o sexo casual da TV. Você chega, assiste um episódio, faz sexo com o episódio, e nem precisa voltar depois”.

Partindo do apresentado em Ralphie e das falas dos criadores, dá pra perceber que Room 104 não tem a pretensão de provocar grandes discussões e nem de se aprofundar em temas muito complexos, ainda que tenha potencial para isso. Então, é entrar na vibe dos irmãos Duplass e ligar a TV para se divertir e desestressar.

E vocês, assistiram à série? Vão dar uma chance para os próximos episódios?

Jornalista, amante de filmes e literalmente, apaixonada por séries. Não recusa: viagem, saidinha com amigos, um curso novo de atualização/aprendizado em qualquer coisa legal. Ama: família, amigos, a vida e...

Ler perfil completo

Belo Horizonte/MG

Série Favorita: Breaking Bad

Não assiste de jeito nenhum: Two and a half Men

Queens que merecem redenção em RuPaul’s Drag Race: All Stars – Parte 2

1 semana atráscomentarios

Comemorando que RuPaul’s Drag Race acaba de conquistar o Emmy de Melhor Apresentador de Reality, Melhor Edição de Fotografia e Melhor Figurino (pelo episódio: Oh! My! Gaga!), além da VH1 não perder tempo em agendar a próxima edição All Stars para Janeiro de 2018 (está quase chegando!), em breve teremos a lista oficial das queens que estarão retornando para brigar por um lugar no Hall Of Fame do programa e ter a oportunidade de reescrever parte da sua história na competição. Assim como na primeira parte desse especial, eis aqui uma outra lista de participantes que não conseguiram atingir seu potencial e chegar longe na competição. Então, shall we begin? Trixie Mattel – Temporada 7 (Top 6) Oh honey! Quem não […]

Leia o post completo

Stephen King na televisão

1 semana atráscomentarios

Stephen Edwin King sem dúvida alguma é um (se não for “o”) maior escritor de terror e suspense de todos os tempos. Nascido em Portland, no estado de Maine, cenário da maioria das suas histórias, em 21 de setembro de 1947, teve uma infância complicada, tendo seu pai abandonado a família quando ainda tinha dois anos, e testemunhou um acidente com a morte de um amigo. Já escrevia desde criança, e vendia suas histórias aos amigos. Estudou inglês na Universidade do Maine, casou-se com Tabitha Spruce, em 1971, e lecionou sua formação em Hampden, enquanto isso escrevia para revistas masculinas. Teve problemas com álcool, e em 1999 sofreu um acidente sério, em que foi atropelado enquanto caminhava aos arredores de […]

Leia o post completo

Os piores plots das melhores séries

2 semanas atráscomentarios

Nós podemos até ser Apaixonados por Séries, mas vamos encarar a realidade: se tem uma coisa que não falta neste mundo são séries ruins. Tem aquelas que a gente sabe que são ruins, mas ama mesmo assim, tem aquelas que ficaram ruins por esquecerem da hora de acabar, e tem aquelas que são ruins porque são ruins mesmo. Mas já reparou como mesmo as séries muito boas – recheadas de prêmios e consagradas pelo público e pela crítica – têm aqueles momentos horrorosos, que a gente precisa aturar só porque o resto da trama vale a pena? Neste post, você vai reviver momentos de dor e sofrimento que já passou assistindo àquelas séries que só costumam trazer alegria. Aqueles plots […]

Leia o post completo

Siga as nossas redes sociais e fique sempre conectado:

Assine nossa newsletter