Aquele em que dizemos adeus

Pra quem não sabe, o Apaixonados por Séries existe há quase dez anos. Eu e Camila…

O que esperar de 2018

Antes de mais nada, um feliz ano novo para você. Que 2018 tenha um roteiro muito…

Saving Hope

Por: em 10 de junho de 2012

Saving Hope

Por: em

 

 

No dia 7 de junho estreou nos Estados Unidos uma das novas apostas da NBC para a summer season: Saving Hope. A produção canadense da CTV tem como foco o Hospital Hope Zion e um trio de médicos como protagonistas: Dr. Alex Reid (Erica Durance, a Lois Lane de Smallville), Dr. Joel Goran (Daniel Gillies, o Elijah de The Vampire Diaries) e Dr. Charlie Harris (Michael Shanks, de Stargate SG-1).

Séries médicas não são novidade na TV americana, então é necessário que cada uma possua uma abordagem diferente do assunto para que não tenhamos a sensação de estarmos assistindo a mais do mesmo. Afinal, acredito que ninguém possa discordar que assistir a House, Grey’s Anatomy ou E.R. são experiências bem diferentes. Em Saving Hope, o diferencial é que um dos personagens principais, que faz o papel do narrador da série, está no meio de uma experiência extracorpórea. Se você já assistiu ao filme E se fosse verdade, sabe do que estou falando. Se não sabe, vai entender mais à frente.

Charlie e Alex são cirurgiões do Hospital Hope Zion que vão se casar. Começamos o episódio acompanhando ambos no táxi a caminho do seu casamento quando um acidente acontece. Um carro bate no táxi que estavam. Alex não sofre ferimentos, diferente de Charlie que, momentos após o acidente, perde a consciência e entra em coma. A partir deste ponto, passamos a observar junto com Charlie como é feito o seu tratamento e a vida dos demais médicos e pacientes do hospital.

E aí entra o problema: o que era para ser o diferencial da série, não cumpre o seu papel adequadamente. Assim, não tive como evitar o sentimento de que já tinha visto aquilo antes. A narração em off se assemelha muito à de Meredith Grey, ou seja, em nada agregou o fato do narrador ser uma pessoa em coma. Até as histórias dos pacientes me lembraram Grey’s Anatomy, com a diferença de que, na série veterana, eu normalmente me envolvo nas histórias e me emociono.

Não sei se foi porque vimos três pacientes diferentes, mas não consegui embarcar na história de nenhum deles. E, aparentemente, nem os seus respectivos médicos. Um dos médicos perde um paciente do nada ou, ouso dizer, por negligência, porque morrer de embolia pulmonar quando já se está internado e sob monitoração dentro de um hospital é puxado. Outro médico diz que vai realizar um procedimento cirúrgico e… surpresa! Quando o paciente acorda descobre que o médico mudou de idéia durante a cirurgia. Afinal, avisar para quê, não é verdade? Tudo bem que o paciente tinha problemas psicológicos e não estava apto a tomar decisões sozinho. Mas que tal dar aconselhamento psicológico para ele e então realizar o procedimento?

Também não gostei de Erica Durance como protagonista. Achei sua atuação um pouco forçada e ela não conseguiu me passar a dor de ter o seu noivo envolvido em um acidente tão grave no dia do seu casamento. Já Daniel Gillies, a razão de eu ter me interessando na série (amo o Elijah do fundo do meu coração), segurou bem o seu personagem. Só espero que seja mostrado mais à frente o porquê de seu personagem ser considerado o bad boy da série. Pelo que foi mostrado até agora, ele me pareceu muito mais centrado e preocupado com seus pacientes do que Charlie, o cirurgião-chefe do hospital e bom samaritano da vez (há uma pequena chance de que o meu já declarado amor pelo ator Daniel Gillies esteja influenciando meu julgamento).

Mas nem tudo é perdido. A estética da série é interessante, principalmente no que diz respeito à luz. Em todas as cenas as fontes de luz ficam saturadas, dando uma atmosfera de sonho e irrealidade interessante se considerarmos a premissa da série (a segunda foto do post ilustra bem isso, prestem atenção nas luzes dela). Também tenho esperança de Erica ficar mais confortável no papel da protagonista. Além disso, um dos pacientes apresentados no piloto estará presente no próximo episódio (o pai do bebê, interpretado por Erik Knudsen de Continuum), o que nos tranquiliza pelo fato da sua história não ser tão avulsa quanto pareceu.

Então, se você é órfão de Smallville, adora The Vampire Diaries, ou é fã de séries médicas, vale arriscar mais alguns episódios para ver se a série realmente mostra a que veio. Já se você não fizer parte de nenhum dos grupos citados anteriormente, aconselho preencher seu tempo de outra forma.

Alguém mais assistiu à estreia de Saving Hope? O que vocês acharam? Essa prática do médico subir em cima do paciente para realizar o atendimento é comum em outras séries ou vocês estranharam tanto quanto eu? (estranhei isso demais! e olha que acontece três vezes só nesse episódio).

Para quem ainda está com receio e quer ver para onde a trama vai antes de acompanhar, a boa notícia é que teremos reviews semanais de Saving Hope aqui no Apaixonados por séries.


Maura

Rio de Janeiro / RJ

Série Favorita:

Não assiste de jeito nenhum:

  • Jéssina Lopes

    Não me convenceu em nada.A Erica, que eu gosto muito, não passou sentimentos de dor e desespero que é que se espera quando o noivo está em coma.
    Os pacientes também, nenhuma história realmente comovente.
    Nãos sei, provavelmente vou ver mais alguns, mas acho que assim que começar as séries da Summer Season que eu olho, vou abandonar.
    PS: As luzes me incomodaram muito.Em todas as cenas aquelas luzes atrapalhando.

    • Maura

      Concordo com você, Jéssina. Nem a Erica nem os pacientes me comoveram.

      Eu fique bem dividida com relação às luzes. No início elas me incomodavam um pouco, mas depois achei que acabou combinando com a série, então achei interessante e coloquei como ponto positivo.

      • Jean

        Acho que o papel de médico se enquadra em ser frio, por isso a falta de sentimentos na Erica, mas em Smallville ela estava muito melhor!

  • Micheli Zapparolli

    Eu assisti e gostei bastante! Está longe de ser Greys Anatomy, mas achei a proposta interessante, até fiquei emocionada em algumas cenas… Vou continuar assistindo com certeza!

    • Maura

      Ah, Micheli, eu queria muito ter gostado mais da série como você.
      Mas achei o piloto bem mediano.

      Mesmo assim vou dar outra chance à série e tenho espernças dela melhorar.

      Abraço.

      • ludgero

        gostei da serie, mais precisou mais de drama e ação com os personagem, achei um pouco monotomo, faltou muita coisa pra ser feita, o que salvou foi os personagem principais, nao preciava ficar fazendo roteiro todo pra no final acontecer o que aconteceu como sera a proxima temporada, vai ser um outro assunto que ficou vago pra proxima temporada. espero que seja mehor

  • Eu curti muito,confesso que só vi o piloto por causa da Erica que eu curtia em Smallville,e acabei gostando muito do piloto e até me emocionei no final… Não vai ser a minha série preferida mais ajuda e muito a passar o tempo até a fall,e espero que ela não seja cancelada( ou pelo menos q tenha uma temporada completa)pq eu acredito q se bem trabalhada a série vai surpreender de forma positiva (:

  • Mariana Daniel

    Assisti ao piloto e não achei a série muito interessante. Lembra Grey’s Anatomy, mas nem chega aos pés desta. Achei tudo muito corrida, a história dos pacientes não foram muito desenvolvidas. Tudo muito superficial. Sem contar, que eu fico me perguntando qual será a funcionalidade do Charlie, que em coma só resta ficar vagando pelos corredores. Vou dar uma chance a série e ver no que dá.

  • Mari

    Gostei da série, mas tambéma chei que a Erica tinha maquiagem demais e interpretaçãod e menos. Não senti muita firmeza na Alex não. Do Charles também não gostei muito e as luzes quase o tempo todo em cena me incomodaram bastante. Gostei da historinha dos três pacientes,achei bem legais. Mas o destaque vai mesmo para o Gilles, ele se saiu muito bem como Joel, era o que estava mais a vontade no papel. Por enquanto, acho que essa série não terá vida longa.

    • Maura

      O Gillies é muso, Mari!
      Ótimo ator.

      Abraço.

  • Emanuele

    Achei a série bem interessante e sou contra ao que muitos estão dizendo sobre a falta de interpretação da Erica Durance, achei bem realista, afinal ela se desesperou o suficiente por já ser médica e conhecer bem esse mundo de perdas. Não acho que ela perderia o controle como uma pessoa normal que desconhece esse mundo de hospital. Como não ter coincidências com outras séries se estas ambientam-se no mesmo local (hospital)? Adoro Grey’s Anatomy, mas acredito que muitos dos casos eram forçados com músicas de fundo tristes. Pessoas morrem, mas não precisa ser tão tão trágico, quase um hospital mexicano. Gostei da série e espero que continue.

    • Norma Cristiane

      Concordo com você Emanuele, amo a Erica e acho que ela está muito a vontade no papel sim e o Daniel também estava perfeito, não acho que precisava mais drama com relação aos pacientes e quem achou que o drama foi pouco é porque não era a mãe deles.

  • Priscila Darley

    Gente acho que não assisti a mesma série que vocês não. A Erica me convenceu … ela representou uma médica tendo que conviver com o outro lado da medicina. Sei lá se por experiência pessoal ou por qual outra razão ela convenceu no medo do desconhecido, mas conheço médico, tenho dois em casa e sei como eles ficam em uma sala de espera … é diferente para cada médico mas uma coisa não muda, eles ficam desconfortáveis mesmo.
    Esse desconforto dela eu já vi em casa em mais de uma ocasião …
    Fora isso achei uma boa premissa, me faltou mais o lado do Charlie … eu esperava algo mais profundo dessa premissa, de um médico que vive o desconhecido de uma experiência extracorpórea e como ele se sentiria. Uma das cenas que mais me chamou a atenção foi a cena dele conversando com o paciente desconhecido eu esperava mais daquela cena eu confesso.
    E claro, eu fiquei emocionada com o Charlie pedindo que a Alex não desistisse dele.
    Meu voto é de confiança … vou assistir com certeza!!!!!!

  • Pelo que seu texto, lembra um pouco A Gifted Man. Vc assistiu?
    Ainda nem sei se vou assistir pq sei que se assistir o piloto, assisto a série toda!

    Parabéns pelo texto, Maura!!!

    • Maura

      Não assisti A Gifted Man, Isa. Mas já vi outras pessoas fazendo essa mesma comparação.

      E nem me fale… eu também tenho este problema. Outro dia eu assisti ao piloto de Unforgettable porque estava de graça na Itunes e agora fiquei com vontade de assistir a série (sendo que eu já sei que ela foi cancelada, ou seja, é doença mesmo!).

      Abraço.

      • Eu assisti Unforgettable. Não é excelente mas é legal. Eu assistiria uma 2ª temporada feliz!

  • Andrezza

    Maura,
    Eu gostei da atuação da Erica, não tenho nada que reclamar dela. O que me irritou foi a falta da rumo do noivo em coma, que não interagiu nem com os vivos, nem com os mortos.
    Pretendo acompanhar e espero que essa indecisão sobre a função de Charlie na série se revolta logo.
    Ótimo texto!
    Bjs

  • Poliana

    Pow, assisti o primeiro eps e achei franquinhaa!
    Miami Medical até era melhor.

    Faltou alguma coisa, ficou mto superficial esse eps.
    Vou assistir o próximo, se não melhorar ja era.

    Excelente texto!
    Bjo

  • Alexandra

    Por favor, corrija este erro grosseiro ”
    eu normalmente me involvo nas histórias e me emociono.” envolver e não involver… Sua review ficou mt interessante, porém a série é semelhantes a outras canceladas de forma prematura….

    • Maura

      Muito obrigada pelo toque, Alexandra!
      Realmente tinha deixado passar…. Vou corrigir.

      Abraço.

  • Eu achei muito boa essa série, só tem que melhorar a história um pouco, vou assistir mais alguns episódios para ver no que vai dar.
    Eu só assisti por causa do Daniel Gillies e ele foi maravilhoso como sempre.

  • Alynne Carvalho

    gente, eu amo séries médicas, quem me conhece sabe. assisto tudo que
    aparece “novo” do gênero, mas, de verdade? não me empolguei nem um pouco com a série, a começar pelo seu promo-trailer, em que toca nada menos que Rolling In The Deep e Shake It Out, pq não basta tocar Adele e Florence (amoo as duas), mas tinha que tocar as duas músicas mais batidas delas. Clichê? What? Já começa daí…Sim, pq promos são importantes e vão ditar as primeiras impressões da série, com exceção é lógico das promos da ABC que são podres sempre.
    baixei o piloto, mas apaguei logo em seguida…decidi que se é pra ter uma série médica de experiências sobrenaturais na minha lista, prefiro continuar com a linda A Gifted Man na minha mente.
    Se por acaso acontecer algum evento cabalístico, e algm me convencer ao final de tudo que o piloto foi uma exceção e que a série vale a pena, aí verei. =]

  • Caroline Maia

    Eu me interssei pela serie devido aos homens Daniel Gillies e Michael Shanks uhahuahuahu
    Mas a serie me lembrou um pouco de A Gifted Man,mas epero que a seu desenvolimento seje melhor…

  • Annaih

    Queria saber o nome da música que toca no final do “Pilot”.. alguem sabe me informar?

    Agradeço desde já à ajuda.

    • Maura

      Annaih, o nome da música é “I could live with dying tonight” da Emma-Lee.
      Muito bonita essa música né?

      Abraço!

  • Maura,
    estou atrasadissíma, mas apareci!rs

    Fiquei meio sem saber se tinha achado uma decepção total, ou se tinha aceitado a proposta da série. Confesso que como você, Daniel Gillies foi quem me levou a assistir a série e considero a participação dele no episódio a minha parte favorita – e não acho que é o amor falando, ou sera que é? 🙂
    Erica Durance não me convenceu nada e o personagem do Dr.Charlie não ganhou minha empatia – e as cenas dele tendo a experiência extracorpórea me pareceram um filme de comédia ruim.
    Baixei o segundo episódio e vou esperar para ver se a coisa engrena de vez.

    Otima review, Parabéns!

    ps:Será que o Daniel vale até uma série ruim?

  • Jess

    Oi 🙂 Olha, eu não me emocionei e nem fiquei ansiosa pelo próximo episódio. Sinceramente, só baixei o segundo episódio porque estava sentindo falta de ver a Erica. Mas, discordo da opinião de muitos, dizendo que a atuação dela foi sem graça e tal. Gente, ela tava interpretando uma médica e os médicos, de uma forma geral tendem a ser céticos, não demonstram as suas emoções e tentam não se envolver muito com os pacientes. Acho que ela teve uma ótima atuação, mostrando a vulnerabilidade e a dor da personagem, mesmo quando ela tentava se manter forte. Claro, que a atuação dela não pode ser comparada à de Lois Lane, afinal, as personagens têm personalidades completamente diferentes. No geral, fiquei feliz em vê-la de volta ao batente 🙂
    Confesso que a morte da paciente por embolia pulmonar foi meio sem graça e confusa. Agora o pior pra mim mesmo foi a atuação do ator que interpreta o Charlie. Achei ele muito frio e sem graça, mesmo quando estava tentando fazer uma piada e tal. Nem nas cenas com a Alex, eu senti verdade.
    Mas, para a nossa alegria, apareceu o Daniel para fechar o pacote 🙂 Me encantei com o personagem dele. Achei ele muito mais humano e realista, tentando entender o paciente e a própria Alex, mesmo ela sendo grossa com ele…
    Acho que eles prometem ainda boas cenas, principalmente, com o desenrolar da história, mostrando a relação deles no passado e o que aconteceu.
    Essa série pode não ser uma das melhores estreias, mas vou continuar assistindo, afinal, sou uma eterna fã de Smallville, logo, da Erica, e curto demais o Elijah 😉

    Essa série pode não ser um grande sucesso, mas acho que no futuro até que as coisas podem melhor. Como sou fã de Smallville e curto o Elijah, vou continuar vendo 😉

  • Talita

    Já eu acho que a Erica foi muito bem. Após anos interpretando a Lois é normal que alguns fãs estranhem ela fazendo uma personagem completamente diferente.. Médicos nao tendem a demonstrar emoções. E achei o 2° episódio bem melhor que o primeiro, a me empolgou mais pra assistir a série. Sempre fui fã de Smallville e TVD e fico feliz da Erica estar em uma nova série.

  • Eduardo Marais

    Sinceramente? É uma série muito morosa e cansativa. Eu gosto do Michael Shanks, mas nem ele parece estar à vontade num papel que nao exige nada, apenas ficar elegantemente trajado e com as mãos nos bolsos. E tudo muito claustrofóbico dentro daquele espaço. Quando anunciaram, pensei que fosse de fato algo bem sobrenatural, com a interferência de Charles no andamento das histórias, mas não foi isso que vi. Creio que não passará da primeira temporada.

  • Fatima

    Assisti aos 06 ep´s da 1ª temp em duas sentadas, mas não me convenceu em nada esta história. O coma de Charlie e sua comunicação com os “comáticos” e os falecidos não me agrada, sua falta de resposta a qualquer estímulo médico ou alternativo também me dá impressão de que nada instigante irá acontecer.
    Não sei se vou assistir ao 7º episódio….

×