Primeiras Impressões: Snatch

17 de março de 2017 Por:

Nem tudo mundo sabe que existe, mas Crackle é um serviço de streaming semelhante ao Netflix. E como não é bobo nem nada, está investindo na produção de séries também, ao invés de apenas distribui-las. A nova aposta é Snatch, a comédia policial que traz nomes como Rupert Grint (Harry Potter), Ed Westwick (Gossip Girl), Dougray Scott (Hemlock Grove), Lucien Laviscount (Scream Queens) e Luke Pasqualino (Skins).

Apesar de ser uma adaptação do filme homônimo, Snatch traz um conteúdo original. Com 10 episódios de 40/50 minutos, o roteiro permite um espaço bem maior para construir a narrativa, expandindo a história da comédia de Guy Richie. O mote não muda: um bando de jovens que se envolve com um crime bem mais perigoso do que imaginavam, sendo forçados a dar uns pulos para não sairem mortos dessa missão. O produtor Alex De Rakoff alertou em entrevista que queria “canalizar o espírito e o estilo de Snatch para contar uma nova história, com novos personagens, usando Londres da atualidade como cenário”.

Albert Hill (Pasqualino) tem uma família complicada. Logo no início, já dá para perceber que suas questões de debate interno são motivadas especialmente pelo ambiente em que foi criado. Seu pai (Scott) é um malandro do mais alto nível e, mesmo de longe, consegue uma forma de manipular o filho. O jovem não tem a intenção de seguir os caminhos do pai, mas como diz o ditado, “a maçã dificilmente cai longe de sua árvore”. E uma vez dentro do crime, o que ele pode fazer se não usar as habilidades herdadas?

Seu parceiro de crime é Charlie (Grint), que também vem de uma família peculiar – mas tem uma tendência maior para a malandragem. Ele é um canastrão que, na maioria das vezes, mal faz ideia do que está fazendo, mas bota fé em suas jogadas. Uma coisa é certa: Grint cresceu e está bem longe (e, arrisco dizer, muito melhor) da figura que conhecemos em Harry Potter. Sua entrega ao personagem é notória, são várias as cenas em que você se diverte com a desordem e a agitação de Charlie.

Juntando-se a Albert e Charlie, ainda temos Billy. Ele é lutador e tem em si muitas apostas de que vai tirar a todos da vida da cão. Não foi apresentado muito mais que isso dele, além de sua lealdade e forte temperamento. O que impressiona mais é aquela produção absurda da tatuagem no peitoral – parece aquelas que vinham em chicletes.

O elenco em si é ótimo, recheado de jovens atores não tão conhecidos pelo público. O combo Rubert Grint e Luke Pasqualino foi bem escolhido, a parceria deu muito certo. Inclusive, é tão boa que quase salva Pasqualino da falta de carisma de seu personagem. Tem uma ou outra cena em que ele “merece” o protagonismo, mas no restante ele é só sem graça. Claro, não é a pior coisa da série. Quem desaponta mesmo é Ed Westwick. Seu Sonny Castillo é bastante caricato e ele não convence nem um pouco com aquele sotaque. Pelo primeiro episódio, não dá para saber se vai ficar só nisso mesmo ou se ele vai se redimir, mas tenho lá minhas dúvidas.

A trilha sonora casa bastante com o contexto. Tem aquele quê de malandragem, na medida certa e dá vida à narrativa. O figurino também é excelente, consegue ambientar os personagens naquele “submundo” de Londres. Para botar tudo em ordem, nada melhor que uma roupa elegante para deixar uma marca, certo?

O primeiro episódio tem um bom ritmo, introduz bem os personagens e conduz ao conflito central. Mas é só isso. Não é uma grande produção da Netflix, o que não quer dizer que é um completo lixo. No entanto, fica aquele questionamento: era realmente necessário o remake? Quer dizer, o filme é do início dos anos 2000, nem faz tanto tempo assim nem teve uma grande comoção do público para justificar a produção.

Fica aí o trailer para quem ainda não viu:

Agora quero sabe: o que achou de Snatch? Vai continuar acompanhando? Lembrando que os dez episódios da temporada já foram liberados pela Crackle. Vem comentar com a gente!

Jornalista apaixonada pela cultura pop e pela tecnologia, Descobriu a paixão pelas séries um pouco tarde, com Chuck - mas desde então não parou mais. Nutre um carinho...

Ler perfil completo

Passos/MG

Série Favorita: Doctor Who

Não assiste de jeito nenhum: Game Of Thrones

Músicas que conhecemos através das séries

6 dias atráscomentarios

Uma das melhores coisas que as séries podem nos proporcionar são suas incríveis músicas. Algumas dessas músicas já conhecemos, mas não dávamos tanto valor até ouvir de novo; outras ouvimos pela primeira vez e nos apaixonamos logo de cara. É tão bom assistir um episódio, ir procurar no Youtube e depois baixar no computador ou no celular aquela canção que fez parte da abertura, de um beijo esperado do casal, dos minutos finais… Enfim, de muitos momentos expressivos que precisavam de um toque ou uma letra no fundo. Então, vem comigo embarcar nesse post de sentimentalismo e ouvir as músicas que eu tive a oportunidade de conhecer pelas séries. Bad Reputation Freaks and Geeks tem toda aquela inspiração de ser jovem e livre, […]

Leia o post completo

CCXP Tour – Dia #3 – 15/04 Diário de Bordo (ou Aquele do Painel da Netflix)

1 semana atráscomentarios

Quem conhece um pouco de CCXP, sabe que a primeira regra de qualquer Apaixonado por Séries é: Dia de Netflix é dia de acordar junto com o sol, pegar uber ou metrô, uma fila imensa, passas horas em pé… Tudo pra curtir aquelas horinhas já reservadas ao painel daquele que já é o “canal” favorito de provavelmente 8 entre 10 fãs de seriados. E, é claro, eu não ia deixar o ritual falhar. Mesmo tendo ido dormir tarde (pós meia-noite), 5h da madrugada estava de pé e cheguei ao Centro de Convenções de Pernambuco entre 6h30 e 7h. Problemas de falha de comunicação aqui e ali (algo que acontece muito em dias como esse), consegui entrar no auditório Twitch mais […]

Leia o post completo

Easter Eggs: a origem das mensagens secretas nas séries

1 semana atráscomentarios

O coelhinho já te visitou hoje? Então, enquanto você se delicia com chocolates, te convido para ler a história dos famosos Easter Eggs (ovos de Páscoa, na tradução) – que não têm nada a ver com cacau. É assim que chamamos as mensagens que roteiristas escondem nas séries, em referência a elementos da cultura pop ou da própria narrativa. O apelido Easter Eggs deve-se à tradicional caça aos ovos e à surpresa que geralmente há dentro deles. A Páscoa não costuma ser representada na TV, igual a outras datas festivas – como Natal, Réveillon, Halloween e Thanksgiving -, mas a homenagem está aí. Por ora, esqueça tudo que você já aprendeu sobre a origem da Páscoa. No mundo geek, essa história começa com o vídeo game Atari 2600, em 1979. O criador da linha Adventure, Warren Robinett, cansado de […]

Leia o post completo

Siga as nossas redes sociais e fique sempre conectado:

Assine nossa newsletter