Suburgatory

29 de setembro de 2011 Por:

Teoricamente, deveria ser fácil se deixar levar por Suburgatory. A série parece uma mistura de produções bem sucedidas ao longo dos últimos anos, filmes e séries como Eleição, Meninas Malvadas, Desperate Housewives, e até mesmo a recentíssima Awkward, que retratam a vida no subúrbio americano e toda a ironia contida nesse mundo. Mas Suburgatory, infelizmente, também é uma mistura de produções de mesma temática porém de gosto duvidoso como Mulheres Perfeitas e The Real Housewives of Orange County.  Em qual dessas categorias a nova série da ABC melhor se encaixa? Só o tempo dirá. No entanto, após esse fraco piloto, é difícil acreditar que o destino de Suburgatory possa ser longo e próspero.


A protagonista, Jane Levy, certamente tem algum carisma, mas será o suficiente para carregar uma série nas costas? Nem todo mundo pode ser Claire Danes (My So-Called Life). E aqui surge uma dúvida interessante (ou não): toda protagonista  com altas doses de ironia tem que ser necessariamente ruiva? E, embora Jane até lembre Emma Stone em Easy A (A Mentira) – e provavelmente é essa a ideia, já que o filme foi um sucesso de bilheteria, ela ainda vai ter que comer muito feijão com arroz antes de se tornar digna de qualquer comparação. Já Jeremy Sisto, como de costume, não compromete (nem diz a que veio) no papel do pai George Altman, o pai de Tessa.

Surpreendentemente, o personagem mais interessante do piloto foi, sem dúvida, Dallas Royce, a mãe perua interpretada por Cheryl Hines. Embora a atriz e seu nariz saído da Quemlândia melhor se encaixassem num novo filme do Grinch, é irônico que o único resquício de humanidade e sentimento do piloto tenham pairado sobre o ser mais plastificado daquele subúrbio. E é aí que se resguarda a minha fé na série – partindo do princípio que tenha sido essa a intenção dos roteiristas, claro. Já sua filha, Dalia Royce (Carly Chaikin), é tão artificial que fica até difícil encará-la como um ser humano real. Existem meninas assim? Com certeza, My Super Sweet 16 está aí pra provar, mas até que ponto é válido eleger o tipo mais apático de menina como personagem?

Mas o que interessa mesmo é a história, certo? Em teoria, sim. Mas é difícil chamar de “história” esse arremedo de trama ao qual fomos apresentados. Pai descobre camisinha no meio das coisas da filha e se muda para o subúrbio. Filha luta para lidar com as excentricidades dos novos vizinhos. Fim. Piloto de comédia de qualidade é aquele que – se não é engraçado – pelo menos apresenta uma história digna de ser acompanhada nos próximos meses, Raising Hope por exemplo.

Se, pra você, uma boa comédia é aquela que te faz rir, então fuja de Suburgarory. Nem mesmo uma cena com uma mulher caindo na piscina com um celular na mão (e boiando graças ao silicone) eles são capazes de tornar engraçada. Se, pra você, uma boa comédia é aquela cheia de referências e idéias inteligentes, então também fuja de Suburgatory. As “referências” aqui não são bem referências, e sim claramente cópias de sucessos passados.

Mas se, pra você, para ser uma boa comédia basta ter uma dose mínima de ironia que com o tempo a coisa se ajeita… Então Suburgatory é definitivamente uma boa pedida. Mas se você não tiver disposto a se arriscar numa comédia que acabou de começar e ainda não disse muito bem a que veio, fica aqui a dica: enquanto Suburgatory não se define como boa ou ruim, aposte na recém concluída primeira temporada da série da MTV Awkward. Tenha certeza de que você não vai se arrepender.

Soteropolitana, blogueira, social media, advogada, apaixonada por séries, cinéfila, geek, nerd e feminista com muito orgulho. Fundadora do blog.

Salvador / BA

Série Favorita: Anos Incríveis

Não assiste de jeito nenhum: Procedurais

  • Tobias

    Achei a série fraquinha, mas até que gostei. Ainda mais começando com uma música da Lily Allen. <3

    • Eu adoro Lily Allen e essa música, mas o piloto já tava quase no meio e o troço ainda tava tocando!

      • Tobias

        hahahahahah é verdade. Mas das estreias de comédias na fall season, acho que só fica atrás de New Girl e Up All Night.

        • Você chegou a rir? Eu não ri. No máximo dei uma risadinha com aquela cena dos livros.

          • Tobias

            Pior que eu não ri em praticamente nada, mas fiquei com aquele gostinho de quero mais, vai entender. Mas não sei se resistirá por muito tempo na minha watchlist

          • Red

            Eu também achei fraquinha, mas fiquei com gostinho de quero mais, acho que de repente a série pode melhorar… A esperança é a última que morre!

        • Como assim, Tobias? Vc gosotu mais de Suburgatory do que New Girl e Up All Night, é isso?

          Não é uma crítica, fiquei confusa mesmo!

          • Tobias

            Não, Isa. Suburgatory fica atras de New Girl e Up All Night. 😀

            NG > UAN > Sub

          • Ah! Agora tudo faz sentido! ;P

  • TÔ REVOLTADO, QUERO QUE CRISTAL SEJA DEMITIDA DO BLOG.

    ahhahha Mas falando sério, eu amei esse piloto. É tudo tão exagerado, tão cheio de estereótipo, que no final das contas quando mostram que as pessoas dali são um pouco mais do que parecem, eu me amarrei (e fez muito sentido eu ter descoberto depois que quem escreveu foi uma roteirista de Parks and Rec).

    Sem contar que eu ri demais. Já existe uma caralhada de filmes/séries do tipo, mas a Jane Levy me passou mó naturalidade, então fluiu benzão, não soou tão clichê. E o relacionamento com o pai dela também achei demais, até porque ele tá tão perdido quanto ela naquele lugar. O Jeremy Sisto manda bem, curti a química dele com a garota.

    De longe, minha estreia favorita nessa fall season. (5 CONTROLES PRA MIM)

    • (Ficou parecendo que eu quis dar 5 controles pro meu próprio comentário. Mas é pro episódio. Não sou tão egocêntrico assim.)

    • Ó, você tem muito mal gosto e eu vou banir sua entrada aqui no blog!
      huehueuhehue

      Eu tinha certeza que muita gente ia gostar – e achei que estaria no meio dessas pessoas. Mas, sei lá, no fundo eu achei mais uma série satirizando clichês e que não passa ela mesma de um grande clichê.

    • Aí eu também adorei a série, acho que vai render boas risadas !

    • Stephanie Zamana

      Concordo com o Guilherme em tudo, essa crítica tá exagerada demais, sem contar que série não precisa retratar a realidade, uma vez que é FICTÍCIA. Muito fodastica essa série, está entre as minhas preferidas da comédia, junto com 2 broke girls. 5 controles pra mim. Aguardando 3a Temporada!

      • Stephanie, essa review apenas se referia ao episódio piloto. Já soube que a série melhorou muito e fico feliz que tenha sido renovada!

  • Lu

    Ah, não achei essa porcaria toda, não. Eu dei umas boas risadas assistindo o piloto.

    Lembro de não ter gostado tanto do piloto de Awkward, que tbm tem uma premissa bastante simples, mas que acabou sendo uma ótima surpresa.

    Acho que Suburgatory tem potencial pra ser uma série divertida de se acompanhar.

  • camila

    2 broke girls melhor que new girl por enquanto.^^, Awkward serio???? muito chato………..

    Suburgatory, gostei.^^ tava até com preconceito de ver ela, nem sei o porque o.O….mas vi e achei super bacana esse primeiro episódio, a única coisa que achei nada a ver foi o pai ter se mudado por causa das camisinhas hahaha.

    E super concordo com o comentario do Guilherme ele falou tudo que eu queria falar(5 controles pra ele) HAHAHAHAHAHAHHA

  • Ramon

    ô também não cheguei a rir não, era tarde da noite, estava todo mundo dormindo por aqui (não quis fazer barulho) e acho que eu estava com um humor um tanto quanto controverso, de qualquer forma, eu gostei da série, vou continuar olhando, pelo menos até o quinto episódio, digamos.

    A verdade é que eu nem tinha percebido que eu não tinha rido até agora que lendo sua resenha, parei pra me perguntar se eu tinha rido.

    Não achei especialmente engraçada, mas gostei de algo.

    Abraço.

  • Red

    Achei Subugatory fraquinha, mas fiquei com gostinho de quero mais… Acho que de repente pode vir a melhorar!

  • deise

    Sério que você não gostou?? Achei interessante e com futuro! E como estou sem comédias pra assistir, vou ficar com essa mesmo! Das Fall é uma das minhas preferidas!

  • Patrine Camacho

    Fiquei muito empolgada no começo da série, mas no episódio 8 eu já estava desanimando! Achei q essa série poderia se tornar uma das minhas favoritas mas infelizmente é muito fraquinha, sem sal. Vou continuar assistindo, mas pra mim vai ser apenas mais uma série pra passar meu tempo.

#CCXP2016 Estandes

2 dias atráscomentarios

Salve, salve, apaixonados por séries! Sobrevivemos a quatro dias de Comic-Con Experience e, depois de uma intensa cobertura em todas as nossas redes, vamos trazer um pouquinho do que vivemos lá no São Paulo Expo durante o último final de semana. Logo que entramos na feira, nos deparamos com um espaço que impressionava: para quem visitou a CCXP no ano passado, sabe que o evento já era gigantesco, mas esse ano ele tomou proporções ainda maiores. Os auto-falantes anunciavam a maior feira geek do mundo e era fácil acreditar nisso. Apesar da fama de San Diego, o evento brasileiro deve ter vencido facilmente em estrutura e porte. Para vocês terem uma ideia, o auditório Cinemark, principal dos auditórios do evento, […]

Leia o post completo

Primeiras Impressões: Incorporated

6 dias atráscomentarios

Incorporated se passa no ano de 2074, em que, após drásticas mudanças climáticas que devastaram o planeta, causando fome, e levando os governos a falência, quem domina o mundo são as grandes corporações. Elas lutam por market share e pelo controle dos escassos recursos naturais. Nesse mundo, quem trabalha para as corporações vive nas Zonas Verdes e quem não trabalha vive nas favelas das Zonas Vermelhas. A premissa não tem nada de novo, desde 1984 e Admirável Mundo Novo, muitos futuros distópicos fizeram parte do nosso imaginário. O que pode diferenciar Incorporated de outras narrativas especulativas é a fotografia e a maturidade com a qual trata os assuntos. Desde o início do episódio, com texto explicativo para situar o expectador […]

Leia o post completo

[Personagem/Ator] Richard Gilmore/Edward Herrmann

1 semana atráscomentarios

Todo o revival foi dedicado à ele que não esteve presente fisicamente, mas foi lembrado a todo momento. Então nada mais justo do que a gente falar desse incrível ator que interpretou um personagem que marcou, e deixou saudades, em todos aqueles que assistiram Gilmore Girls. Edward Kirk Herrmann, o nosso eterno Richard Gilmore, nasceu em 21 de junho de 1943 em Washington, DC e faleceu em 31 de dezembro de 2014, aos 71 anos de idade. Herrmann era ator, diretor, escritor e comediante, além de ter sido a voz por trás de diversos programas do canal The History Channel. Um homem de muitos talentos Edward já atuou no teatro, onde começou sua carreira, estreando na peça Moonchildren em 1971, […]

Leia o post completo

Siga as nossas redes sociais e fique sempre conectado:

Assine nossa newsletter